Não quero uma vida tranquila

No delicado balanço eletroquímico de nosso cérebro não há espaço para detalhamento excessivo. A reação fisiológica para extrema alegria é indistinguível à reação de extrema angústia. Só a percepção do sentimento é diferente.

Estou vivendo uma privação que me causa desconforto quase físico. Descobri que estava ansioso, inquieto, hiperativo, irritado. Operacionalizei o que era necessário para resolver essa privação. é só questão de poucos dias. Achei que assim iria resolver a ansiedade.

Erro. A sensação não abrandou. Curiosamente, está até pior. O motivo é outro, a certeza de “tudo vai dar certo” é maior que nunca, e a ansiedade atinge níveis estratosféricos.

Só que agora eu brinco com ela. Fantasio sobre o futuro próximo, saboreio o que está por vir, faço a sensação de ansiedade trabalhar a meu favor. Quase consigo entender o prazer da autoasfixia erótica.

Em essência, estou fazendo a mesma coisa.

Leia Também: