Você quer a verdade? OK, mas tem um preço…

O blog, visto como veículo, tem muitas vantagens sobre a mídia tradicional. O blog profissional, baseado em um modelo de publicidade baseado em contexto como o Google AdSense pode ser mais independente em relação aos anunciantes do que qualquer outro veículo. Entretanto o modelo traz um efeito colateral que pode minar seus rendimentos completamente.

O Google aplica pesos diferentes a termos diferentes. Algumas palavras sáo um grande corta-tesão para o AdSense, garantindo muitos anúncios institucionais OU páginas em branco. Anunciantes não gostam de gastar suas impressões em páginas de conteúdo exageradamente polêmico. Temas envolvendo racismo, escatologia, aborto, preconceito e sexo acabam na lista negra do Google.

O que acontece quando você escreve um texto legítimo sobre um desses temas?

Um monte de alertas na Skynet no CPD do Google marca a página como indesejável. Nenhum anúncio se qualifica, e ao invés de simpáticos e lucrativos anúncios, você acaba com um banner em branco. È compreensível, não dá para diferenciar um texto legítimo de um texto apelativo. A diferença entre sexo e pornografia é, bem…

Por isso tantos blogs de adolescentes mostram anúncios em branco. Além do tema inapropriado, abusam dos palavrões. O Google não é santo, ele tolera uma boa quantidade, mas a maioria exagera. Resultado? Sem banners.

Isso significa que devemos ser bonzinhos, escrever sem falar palavrão, evitar temas controversos e blogar somente sobre gatos, seriados de TV e celulares?

Céus, não. Se você partiu para os blogs para ter liberdade de se expressar, não se preocupar com editores, chefes de redação e agendas particulares, não vai ser o Google que vai ditar o que você escreve. É perfeitamente normal “sair da linha” de vez em quando. Eu admiro o blogueiro que tem páginas em branco no AdSense por causa de um tema polêmico.

Eu tenho várias. Algumas de alta visitação, como o Meninas que Beijam Meninas. A matéria que escrevi sobre os idiotas querendo fotos das vítimas do acidente da Gol está com uma taxa de impressões baixíssima. Vou editar os textos, tirar as palavras polêmicas, para faturar mais?

Não. As palavras estão corretas, são as que eu queria usar. Não são polêmicas artificiais, não são posts-isca como os da Cicarelli no Carloscardoso.com. São discussões e opiniões legítimas sobre temas atuais. Se o Google não gosta delas, dane-se o Google.

Os leitores que ganho com esses textos valem muito mais do que os caraminguás que porventura pingariam se essas páginas atendessem aos requisitos do Google.

Leia Também:

  • Cab

    Não pude deixar de notar a isca Cicarelli + Sexo no texto acima… Não só ela, outras também, mas gostaria de parabenizá-lo pelos seus textos, são bons mesmo.

  • Não é mais, o Efeito Ciarelli já passou, e o Contraditorium não é o blog-alvo dos desavisados atrás do tal vídeo. Textos compridos, palavras longas…

  • Se você parar pra olhar, no seu post das meninas, existem anúncios. HEhehe

    Já a taxa de impressão dos acidentes não acredito que seja muito baixa, devido à alta demanda.

    No caso nada de dane-se o Google. Não blasfeme hehe (brincadeira). O próprio Google, em toda sua onisciência e benevolência, te dá o livre arbítrio (Google = Deus? =/ ). Ele permite que você coloque um link de sua preferência ao invés de blocos ou anúncios de utilidade pública americana. Ou seja, sempre que a sua página, estiver passando dificuldades com relação à seleção de palavras chaves, você pode exibir um link de algum site parceiro, ou coisa do tipo. Ou seja, você não é obrigado a exibir anúncios da cruz vermelha americana, ou ajude as vítimas de furacões americanos. Você pode exibir um link de um outro site seu (ou site parceiro).

    No meu blog eu tô chovendo ainda no molhado, mas você viu que eu preciso tentar trazer o povão pra Internet pra depois passar mais dicas, né? Mas valeu aí pelo apoio.

    Abração

  • Cab

    Cardoso, ou eu to paranóico ou então o "Ciarelli" sem o C do seu comentário foi proposital pra pegar o povo que erra a digitação no Google? Ok, eu to paranóico.

  • CoRVo

    Assim como o povo brasileiro não é mais tão ingênuo com relação as eleições, os leitores não são bobos quanto ao que lêem na internet.

    Não fui o único que notou aquilo no artigo do acidente da GOL. Talvez estivéssemos errados, perdoe-nos. Mas, cuidado com seus deslizes, Sr Cardoso.

    Vamos ver o que tens a me mostrar.

  • Caio Proiete

    Grande Cardoso, bom post!

    Uma curiosidade: O Skynet tachado é uma técnica de escrita sua ou uma "referência relativamente obscura" para quem acompanha o blog do Jonathan? :)

    Abraços,

    Caio Proiete

  • Ok, aogra o que esperar de um texto escrito em inglês com os dizeres ' Make your Own Vagina in a Can' :D

  • Caio, a referência do Skynet nem é tão obscura assim.

    Rafa, eu nunca fui proprietário, as que tive eram em sistema de leasing. A idéia de fazer uma é genial, muito mais fácil do que escrever LOSER na testa. O gif animado no final do tutoral é sensacional. Bom mesmo seria se o que o cara colocou fosse cola, ou se usasse um lubrificante à base de petróleo, derretesse a espuma e colasse… lá.

  • Cardoso, ainda não encontrei ninguém (além de mim, claro! rs) que pesque tão bem quanto vc. Adoro a maneira como vc conjuga o verbo Google, sou tua fã!

    bjsss e mais bjsss sem deixar de lembrá-lo que preciso do upgrade, cadê? 5 dias… you said. And btw, yeah, sex sells ;)

  • Master, tô precisando de uma opinião de House no Business Opportunities Brasil, passa lá, please!

  • Pingback: Contraditorium » Quando o crime ficcional dá cadeia de verdade()

  • Excelente o seu texto. Já virei cliente daqui :)

    Maysa

    BH