Ele até disfarça, mas no fundo é um analfabeto funcional

É algo muito frustrante, a sensação é atirar pérolas aos porcos. São citações, referências, construções originais, frases da mais fina (e nem tão fina) ironia, duplo sentido, formando um texto rico, para ser lido com  a cabeça inclinada, procurando nas entrelinhas.

Aí vem um corno, via Google, olha o título da bosta do texto, tira todas as suas conclusões e escreve um comentário cheio de som, fúria e erros de português, ortografia, gramática, lógica, bom-senso e conhecimentos gerais. Alguns são tão patéticos que conseguem errar o próprio nome.

Assumindo que moramos em um país onde quem faz três refeições por dia é elite, acho alarmante o nível das escolas. Gente fazendo faculdade tem uma dificuldade imensa em organizar um pensamento em uma estrutura lógica. (OK, estou sendo otimista, assumi que o sujeito conseguiu formular o tal pensamento em primeiro lugar.) Outros têm um déficit de atenção que os impede de permanecer no mesmo texto mais de 10 segundos.

O Contraditorium não foi feito para esses, foi feito para uma elite de leitores, com exigências rígidas. Para poder apreciar este site corretamente, é preciso:

  1. Ter o número correto de cromossomos
  2. Ter 1o Grau Completo
  3. Ter a capacidade de ler um selo postal do começo ao fim

Não é todo mundo que se qualifica, mas eles continuam vindo.

Neste artigo sobre as fotos do acidente da Gol, escrevi um libelo contra essa sede de sangue que surge quando um acidente maior acontece. Peguei pesado, chamei de psicopatas os que correm atrás dessas fotos.

Dos 63 comentários, 4/5 são de gente pedindo fotos. Apaguei vários pedidos, coloquei um comentário com todas as letras dizendo que não tenho fotos. Depois já surgirar 33 novos comentários pedindo fotos. Um idiota inclusive escreveu me xingando a ponto de me levar a apagar sua mensagem, dizendo que se eu fiz um post dizendo que tinha as fotos, deveria mostrá-las. Sendo que meu título, “Quem quer ver as fotos dos corpos do acidente da Gol?”, é só uma pergunta.

Meu post Jesus Cristo Era Gay? falo sobre um artigo do Luiz Mott, representante do Grupo Gay da Bahia, que A-DO-RA uma polêmica. Meu texto é todo contra a atitude do Mott (não por defender a masculinidade de Jesus, segundo Dan Brown ele só pegou A Madá e ela era da vida, isso é pesque-e-pague, não conta) mas mesmo assim fui atacado, tanto nos comentários quanto via formulário de contato. Logo eu que não sou Jesus, não sou cristão, não sou gay, não me chamo Manoel e nem moro em Nychteroy.

Neste post faço uma brincadeira com a alegoria mais descaradamente óbvia de sexo anal da história dos desenhos animados, em um episódio de Drawn Together. Digo que desconfio de uma mensagem subliminar. Alguns leitores riem, concordam que “pode haver um indício”, já outros levam a sério, mandam links de sites sobre mensagens subliminares. A maioria me chama de idiota, pois “é óbvia” a referência, e me explicam em detalhes o significado da cena.

Esse me irritou tanto que coloquei tags <IRONIA></IRONIA> entre o texto do post.

Economizando uma pergunta nos comentários, não, não adiantou. Mesmo assim ainda colocam comentários explicando a cena para este que vos escreve.

Eu já escrevi dos perigos de assumir seu leitor como burro. Continuo defendendo a idéia de que tratar seu leitor de forma inteligente é benéfico a longo prazo, mas o que a realidade está demonstrando é que existem os burros leitores, que vão aparecer no seu blog, via Google, atrás de programas para mandar scrap no Orkut, dicas de como quebrar senha do MSN, invadir conta do Hotmail, gerar créditos e celular e outras palavras-chave que fatalmente aparecerão em seu texto, de forma intencional ou não (cicarelli! cicarelli! cicarelli!) <== OK, não funcionou. Mas deu certo com o Michael Keaton.

E o que dizer dos Arigós visitantes que se oferecem para vagas inexistentes, como bem lembrou o Grande Líder? Neste post aqui respondi a uma convocação cívica d´A Companhia, que como todos sabem não é uma empresa convencional. (se fosse não seria líder absoluta em seu segmento) Pois bem; dois apareceram nos comentários, se oferecendo. A sério. Um chegou a dizer “Olha, não sei muito bem do que se trata, mas…eu quero desesperadamente trabalhar”.

Não sei quanto a vocês, mas eu não contrataria alguém que se candidata sem sequer se dar ao trabalho de clicar em um link e verificar o conteúdo de um site.

O meu lado otimista diria que essa queda do QI do usuário de Internet vem da popularização e Inclusão Digital. Mas meu lado realista diria que a (que deveria ser a) elite pensante continua tendo acesso, mas as mensagens dos universitários não são muito melhores do que as dos evangélicos fanáticos no post do vídeo do Bispo Macedo.

A vantagem que vejo é que as qualificações para vencer no mercado e na vida diminuíram. Basta saber ler e escrever, e se você chegou aqui, tem tudo para se dar bem e mais dia menos dia gritar “I´m the king of the world!”.

 

Leia Também:

  • Caro Cardoso,

    Descobri seu site a pouco tempo (encontrei uma citação em outro blog) e fiquei realmente satisfeito com o que encontrei. Tão satisfeito que criei coragem para lançar meu próprio blog (já era uma vontade antiga).

    Nosso País carece de leitores, essa é a verdade. O povo tem preguiça de ler. E digo, não é culpa da TV, computador ou internet. Isso vem de berço. A preguiça vem desde pequeno. Não precisa muito, ler quadrinhos já resolve (eu mesmo já li muito). Não é preciso ser craque na aula de português para escrever corretamente. Só é necessário ler, ler e ler. Com o tempo se acostuma com a acentuação, gramática, formas simplesmente pelo costume de se ler. Vale tudo, livro, revistas, jornais, filme legendado. Esse último é um ótimo exercício para desenvolver a velocidade na leitura.

    Quando fiz o antigo segundo grau, deparei com inúmeros companheiros e companheiras de sala (vixi, tá parecendo até coisa de sindicalista) que eram verdadeiras antas (sem querer ferir o orgulho do belo ser animal).

    Hoje tenho quase um ataque ao ver que alguns deles são professores da rede pública!

    Imagine. Se no colégio já escreviam errado e eram incapazes de aprender algo decentemente, o que estão passando hoje para as crianças?!?!? Mas isso é só um detalhe, porque com a internet, a "galera" acha o "maior barato" escrever naquela linguagem incompreensível no Messenger. E quando tentam escrever como deveriam, vem cada coisa que a primeira vontade é apagá-los da lista de contatos. Muitos nem mesmo se preocupam em verificar se realmente está correto o que escreveu.

    A pior parte é, que muitas das vezes, a pessoa do outro lado da conexão é até alguém importante, seja dono ou representante de alguma empresa.

    Para mim, a internet não tira a necessidade de escrever corretamente e com educação.

    E sim, tem muito leitor burro, mas isso muitas vezes é mais culpa deles próprios do que do sistema. Por não gostarem de ler não conseguem sequer definir o significado de uma frase, seja ela uma crítica ou uma ironia.

    Infelizmente é nesse meio que temos que "sobreviver".

    Um abraço,

    Silvinho

    Jaguaré – ES

  • Como eu me divirto com os esquentadinhos da internet.

    Gente que leva tudo à sério morre cedo…

  • Eita estratégia boa hein! Todas essas palavras agregadas aí! Vou escrever um com o título falando sobre invadir o msn!

    Good Luck to your earnings!

  • VC TAH ME XAMANDU DI BURRU SEU BABAK!!!11

    Brincadeirinha :-)

    A internet está cheia de oportunidades para quem quer que seja criar conteúdo, discutir, conversar. Isso tem seu lado bom (tantos blogs interessantes, tão pouco tempo…) e um lado (muito) ruim: miguxas e miguxos gerando conteúdo como o que eu coloquei acima.

    Entrar no fotolog.(net|com) ou no orkut hoje é um desafio a sanidade de qualquer um que goste da boa gramática.

    Eu estou ficando com medo, muito medo. Daqui a pouco *ELES* estarão tomando o flickr, o wordpress.com… Em pouco tempo eu acredito que ferramentas de desenvolvimento como Django, Plone e Rails ficarão mais acessíveis para que *ELES* possam criar seus sites, sistemas e aplicativos. Será o fim do mundo como o conhecemos.

    EH SO ISSO MANOW FALOW OBGD PELO TESTO!!!11

  • Artur Perrusi

    A burrice é uma realidade. Há todo um campo de pesquisa: sociologia aplicada da burrice. Você apenas intuiu o que, atualmente, é uma área acadêmica. Contudo, seja tolerante, respeite mais esse prestimoso objeto de estudo; afinal, como bem dizia Nelson Rodrigues: "Já fizeram o elogio da loucura e ninguém se lembrou ainda de fazer o elogio, muito mais procedente, da burrice. Ninguém observou o óbvio: a burrice influi muito mais no comportamento humano do que o fator sexual, ou econômico ou outro qualquer".

    abração

    Artur

  • Pelo contrário, Artur, eu, em minha ingenuidade, acreditava que a academia estaria LIVRE da burrice, ao menos em seu nível mais rasteiro, mas toda vez que começo a acreditar nisso aparece algo que prova que eu estava errado.

    Agora mesmo acabei de receber um email via formulário de contato…

    From: Patricia Brasilino França <patyxisto @bol.com.br>

    Website:

    Mensagem: Gostaria, de ser representante do produtos da marca tupperware, pois sou residente em São Pedro da Aldeia e em nossa região, ainda não encontrei ninguem que vendesse desses produtos. Gostaria que me envia-se alguma resposta se existe alguem que representa ou se gostaria de ter algum representante.</patyxisto>

  • Cardoso,

    Você escreve: "Ele até disfarça, mas no fundo é um analfabeto funcional", e coloca a foto do Lula, ai é pedir que encham seus comentários de "porcaria".

    Mas foi uma boa provocação.

    Abs

  • Hein? Ah, não, a foto é meramente ilustrativa…

    <small>colou?</small>

  • A maior parte das pessoas não passa do primeiro parágrafo. Ou seja, não passa daqui.

    Segundo parágrafo. Agora estás apuros em porque 70 por cento das pessoas já desviou os olhos do texto e dirige-se apressadamente para a caixa de comentários com o objectivo de comentar o que não acabou de ler.

    Como o que escreves é interessante, e os teus posts têm princípio, meio e fim, achas que os conteúdos só podem ser justamente avaliados se forem lidos na sua totalidade. É uma constatação óbvia – mas não é suficientemente óbvia para esta geração de estenógrafos e maníacos da letra kapa.

    O melhor que tens a fazer é usar umas ‘tags’ no meio do texto de forma a recordar ao comentador compulsivo que o post ainda não acabou. Por exemplo, a cada dois parágrafos podes colocar um aviso como este

    O TEXTO AINDA NÃO ACABOU. ESPERA! NÃO COMENTES AINDA!

    (sem esta linguagem de portuga, claro)

    e continuares a tua linha de raciocínio. Agora sabes que aumentaste as probabilidades de continuar a ser lido, dado que criaste sinais de trânsito entre os parágrafos. Considera, por isso, o aviso como o equivalente blogosférico a uma aula de condução. Neste caso, um sinal poderá significar qualquer coisa como

    É proibido ultrapassar o blogger pela direita.

    Porque – pelo menos para algumas pessoas – o acto de ler é mais confuso do que tentar chegar ao destino numa cidade em hora de ponta: os parágrafos – as estradas – estão completamente congestionados com palavras. E essas palavras formam filas de trânsito às quais podemos chamar frases. Os sinais de pontuação – vírgulas, reticências, pontos – podem simbolizar o pára-arranca que por vezes um gajo tem de suportar.

    É chocante, mas para alguns ler é tão chato como conduzir em hora de ponta.

    Podes espetar uma faca nas tuas próprias costas e deixar de escrever – difícil, quase impossível, nos dois sentidos. Ou então podes cagar no assunto (e fazer mais um post provocatório).

    Excelente este Contraditorium, leitura diária.

  • Pingback: project.47 - Portfolio & Personal Website » Blog Archive » Analfabetismo bem-informa()

  • Além do já citado problema de falta de concentração, persistência, interpretação ou até mesmo inteligência para entender o texto, tem um outro fator que colabora com a confusão: a necessidade de "ler na diagonal". Infelismente esse artifício é cada vez mais necessário por causa da enxurrada de infomações que são nos oferecidas diariamente. Muitas vezes até quem tem sede por informação e gosta realmente de ler, se vê numa situação dessas. Falta tempo para refletir e digerir o texto lido. Portanto acredito que o problema seja um pouco mais amplo.

  • Jorge Flávio

    Cardoso, você percebeu a quantidade de mulheres que pediram as fotos? Não sei se isso daria algum post ou tratado socio-psicológico.

    A propósito, como faço pra te mandar uma foto? Pode enviar uma mensagem ou link pra meu e-mail.

  • Marcelo

    Cardoso,

    Excelente o blog e blá, blá, blá…

    Só um detalhe sobre este post: as limitações alheias devemos observá-las e delas tirar conclusões e lições que nos servirão para evitar amanhã sermos delas protagonistas. Acredito que entre duas ou três pessoas é até válido, porém banal, comentar tais limitações. Agora transformar isso em tema de discussão entre anônimos mais me parece uma forma de auto elogio, ufanação própria, masturbação intelectual. Salvo engano foi Confúcio quem disse: "O maior prazer de um sábio é se fazer de idiota perante um idiota que se faz de sábio." (ou quase isso). Sábias palavras…menos pros idiotas.

  • Marcelo, autoelogio por saber ler e escrever? Por conseguir seguir um raciocínio lógico? Acho que não. Espero sinceramente que meus leitores sejam bem melhores que isso.

    E que lições você pode tirar de gente que só lê o título de um artigo? Quem tem que tirar lição disso é… quem só lê o título de um artigo.

  • Jorge Flávio

    Ihh, relendo o meu comentário anterior, ficou parecendo uma cantada, meio boyola mesmo.

    O que eu queria dizer é como faço pra te enviar uma foto interessante, que poderia até render um post. No formulário de contato, não dá pra mandar anexos.

  • Cardoso,

    Não é de hoje que visito seu tópico, mas é a primeira vez que me “arrumo” um tempo pra contestá-lo.

    Belo tópico! Mas belo tópico mesmo! Acho que ele gerará uma grande discussão (o que é bom)…

    Começando pelo que você chama de “pérolas”: o seu produto. O motivo pelo qual seu blog está no meu RSS. O por que deu eu visitar tanto seu endereço. Admita a si mesmo: você é um formador de opinião. Esse é sua benção e seu fardo.

    Sua benção por que você será adorado por isso – e não existe reconhecimento melhor que esse. E seu fardo porque ele lhe trará novos e diferentes problemas. Nesse caso, o problema não é só seu. É de todos os bloggeiros que chegam a esse nível de atenção. Sozinho, nenhum de vocês conseguirá suportar esse fardo. Em conjunto, na melhor das hipóteses, vocês conseguirão trazer todos aqueles que apelidaram carinhosamente de *ELES* para o lado de cá, para o lado da discussão, para o lado do conhecimento coletivo e universal.

    É duro admitir, mas características antes tão valorizadas no ser humano – como as que você mesmo citou, como capacidade de concentração e/ou leitura – hoje são diferenciais. São especialidades. São capitulo de currículo. E algo me diz que a comunidade bloggeira, ao contrário da orkutiana, pode mudar isso. A Internet é muito grande e imita o mundo real: temos lugares pra se divertir, temos lugares pra estudar e temos até lugares pra namorar dentro dela. Mas não aqui, em um blog. Em blogs eu encontrei um lugar para reflexão. Um lugar para ler algo que me faça pensar, que me faça lhe contestar, que me faça agir.

    Aceite sua dádiva e encare seu fardo. Um exemplo: se um d”*ELES*, os que pediram as fotos do avião da Gol, entenderem que o conhecimento não vem dos mortos (e do sofrimento de seus parentes) e sim dos vivos e das coisa que pensam, praticam e escrevem, você já fez sua parte para não só uma comunidade virtual melhor. Você acabou de melhorar o mundo!

    Um abraço,

    Rodrigo.

  • Pingback: Contraditorium » I Want to Believe. Wanta mesmo? Então toma…()

  • Concordo com o cardoso, não acho que seja uma questão de auto-elogio. É algo inconcebível "leitores" que não lêem um texto, simplesmente um parágrafo ou título, isso mostra um retrato da "nossa" cultura, em que tantos não pensam em aprender a língua nativa ou pelo menos entender um texto.

  • Caca

    Estou aqui no meu trabalho, entro no site do google como "analfabeto funcional" e me deparo com este blog….(não conhecia, achei muito interessante)

    Nossa quanta informação(obviamente não sobre o analfabetismo funcional..hehe), li um comentário sobre o B.Macedo e um trecho me fez ler os comentários "as mensagens dos universitários não são muito melhores do que as dos evangélicos fanáticos no post do vídeo do Bispo Macedo"……Só essa frase, demonstrou o preconceito em relação aos evangélicos …..e olha eu nem tenho religião e não teria o porquê defendê-los……

    Mas não foi disso que vim falar aqui, vim compartilhar com vocês minha indignação contra o iletramento do povo brasileiro.

    Estou no último da graduação, algumas vezes tenho contato com pessoas muito carente (carentes de renda, informação, alimentação, de atenção …)Comparando com uma galerinha da faculdade, vejo que estes têm o mesmo nível de raciocínio daqueles que infelizmente, não tem acesso nenhum a informação……como pode tamanha falta de interesse???E isso é falta de interesse, não estão nem ai para essa busca do conhecimento….chega dar vergonha…alguns não conseguem nem entender o texto…como pode a precariedade do ensino que faz um ser no final de uma graduação ser "analfabeto funcional"