Quer mudar o mundo? Deixe de ser Betinho de Sofá

Com o surgimento da Internet apareceu o que batizei de Betinho de Sofá. Tomado de culpa burguesa ou pseudo-consciência social, o sujeito não vai no Hospital do Câncer visitar os velhinhos, não gasta R$100,00 para comprar brinquedos para um orfanato, não deixa a empregada tirar folga no aniversário do filho, mas chega em casa, entra no CliqueFome, aperta “clickclick” e bate as mãos. “fiz minha parte”. Quando aparece um email de criança desaparecida em Cachurropora do Sul, Pará-do-Norte, ou um aviso de alerta de vírus “não abra este email!” o sujeito repassa para todos os contatos no Outlook e já começa a fazer as malas para visitar Estocolmo e receber o Nobel da Paz.

Agora com a Internet 2.0 a moda são as petições online. Antigamente abaixos-assinados eram coisas complicadas. Dava um trabaaaalho… você tinha que ir até um local, entrar em fila, assinar. Quase tão trabalhoso quanto uma eleição. Hoje não. É tão fácil criar petições quanto é assiná-las.

O Ativismo Online é uma piada. GoogleBombs? Façam-me o favor, o quê uma GoogleBomb prova? Que meia-dúzia de nerds sabe fazer links? E petições online? Em dez minutos faço um gerador de emails e nomes e “assino” toneladas de petições. O que isso prova?

A Internet, minha gente, é um MEIO, não é um FIM. Se quiserem que blogs se tornem relevantes, se quiserem que blogueiros se tornem relevantes, temos que parar com a Umbigosfera (tm Pablo Pamplona) um pouquinho. Blogs são importantes como ferramenta de informação? SIM. São importantes como ferramentas de mobilização? COM CERTEZA. Blogs podem levar informação até o leitor, livrando-o do jugo da Velha Mídia? SIM.

Só que com a bunda presa na cadeira ninguém NUNCA fez nada. Se Martin Luther King e Gandhi fossem blogueiros em tempo integral vocês acham que eles teriam feito algo de significativo? IDÉIAS são relevantes. Blogs servem para aglutinar idéias, e só. Sua implementação e popularização tem que ser ao vivo.

“Ah, então blogs não servem para nada”

Não seja idiota. Não é isso que estou dizendo. Se chegou até aqui, acompanhe:

contraditorium-grillo.jpg

Já ouviu falar de Beppe Grillo? Pois é, nem eu. Mas é um comediante e blogueiro italiano. Seu blog, www.beppegrillo.it/ é impressionante. Um artigo do dia 17/9 tem 1089 comentários até agora. Outro do dia 16 está em 1724. ME MOSTREM UM MALDITO BLOG EM TODA A BLOGOSFERA QUE TENHA ESSE GRAU DE PARTICIPAÇÃO!!!!!

O Beppe montou uma campanha para tentar moralizar o Parlamento Italiano. É um projeto de Lei Popular (na Itália qualquer cidadão pode propor uma Lei, se tiver apoio suficiente) Vejam os pontos, conforme o texto da matéria da BBC Brasil sobre o caso:

  1. Impedir que políticos condenados na Justiça permaneçam no Parlamento
  2. Limitar a dois o número máximo de mandatos para cada deputado e senador
  3. Mudar a lei eleitoral, para permitir que as pessoas possam votem em nomes, e não em partidos

A diferença é que Beppe não ficou sentado mandando emails o tempo todo. Ele usou seu blog como uma ferramenta de mobilização. Não se contentou com gente tomando Coca Light e clicando indignado em um “assinar esta petição”. Não fez um post e pronto.

Ele criou um movimento completo, organizou e orquestrou gente no pais inteiro. No dia 8 de Setembro posts em 200 cidades e municípios italianos recolheram mais de 322.000 assinaturas de apoio ao Projeto. Um comício reuniu 50.000 pessoas. Foram realizados eventos e coletas de assinaturas também nos EUA, Austrália, Japão e mesmo Brasil. Veja o Mapa do Google com os eventos mundiais.

Resultado? Matérias na BBC, no International Herald Tribune e atenção da mídia E dos políticos italianos.

Repetindo: 1700 comentários em dois dias. Isso é relevância, o resto é tico-tico brincando de escrever em blog e descobrindo o mundo agora. (sim, eu também estou nesse balaio. Não dá pra discutir com 1700 comentários em dois dias)

Portanto, meus caros, entendam. ISSO é influência. ISSO é ativismo online sério. Os blogs brasileiros precisam crescer, aparecer e tirar o nariz do próprio umbigo, se quiserem ter alguma relevância. Isso, claro, os que querem fazer ativismo. Me incluam fora dessa…

Agradecimentos ao leitor Karlisson pela dica da matéria na BBC.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Aloha Chefe!
    Interlúdio: Qual o valor do blog desse sujeito??
    Fim do interlúdio.
    Muito há que se mudar para conseguir tal mobilização aqui.
    Claro, mudanças na legislação são fundamentais, incluindo leis efetivas contra "máfia" e compreensão do termo "terrorismo".
    Massa crítica para festa temos muita.
    Para outros assuntos a coisa complica.
    Muito se falam sobre ONG's, sobre "ajuda a necessitados", menores, sem-teto, etc.
    Alimentar sem-teto, necessitados, menores de rua, é um tiro no pé.
    Algumas ONG's funcionam. E acho que nem home-page tem.
    Visitar hospitais, asilos e orfanatos poucos fazem.
    Mudar o mundo não é trabalho para qualquer um.
    "Voar é com os pássaros".
    Já escrevi e digo: Um mundo melhor precisa de pessoas melhores. Nem santos, nem heróis. Apenas pessoas. E melhores.
    "E não quero mais falar sobre isso".

    Aloha!
    D – 2 e contando.

  • Para falar a verdade, estava justamente pensando em fazer algum projeto online para este assunto, que fosse blog ou portal… Lógico que não seria um projeto feito em 1 dia ou nem em 1 semana.

    Para fazer algo realmente bem feito seria necessário um bom planejamento e boas pessoas construindo. Nosso Brasil já tem alguns sites que tratam de cidadania, mobilização social, conscientização política, mas são sites não muito bem estruturados.

    Vou pensando e juntando idéias, se quiser tentar também avisa.

  • Muito há que se mudar para conseguir tal mobilização aqui.
    Claro, mudanças na legislação são fundamentais, incluindo leis efetivas contra “máfia” e compreensão do termo “terrorismo”…Já escrevi e digo: Um mundo melhor precisa de pessoas melhores. Nem santos, nem heróis. Apenas pessoas. E melhores.

    Ele está na Itália ou no Brasil? Gostei da conclusão, essa típica brasileira, o mundo precisa disso e daquilo, mas não vou tirar minha bunda da cadeira por nada.

    O Brasil precisa mesmo é de uma revolução "francesa", sangue, tripas e ranger de dentes. O resto já se viu que não vai além da conversa fiada.

  • criss

    Ehi eu moro na Italia e conosco o Beppe Grillo :)
    Ele é justamentees um comico, um comico maldito que nem aparece mais na televisao porque joga merda no ventilador o tempo todo, e com razao.
    HA' anos os seus shows lotam, os ingressos terminam em 1 dia, dois meses antes do show começar. E lotam sempre ginasios de esporte.
    Ele é apolitico, embora muitas ideias concordem com a esquerda daqui. Outra coisa importante que Grillo conseguiu foi mobilizar o pessoal a respeito do ambiente.
    E ele tem o dom da oratoria. Seria capaz de te convencer que o céu é verde com bolinhas amarelas, e assim que vc se convencesse, ele diria que nao, que vc esta' errado, é vermelho com listras brancas.
    Eu gosto e nao gosto dele. Gosto porque realmente os politicos sao sem vergonhas e o mundo ta' cada vez mais sujo, nao so' politicamente falando, mas nao gosto do poder que ele tem, até hoje foi bem usado, e a multidao ouviu, foi convencida e agiu, mas se ele fosse um genio do mal, se jogariam todos no precipicio.

  • Catzo. Isso é que dá eu esperar mais alguns dias pra escrever sobre o Beppe Grilo. Desta vez foi você quem furou minha pauta. :P Mas é preciso fazer uma ressalva, Cardoso: antes de ter um blog, Beppe Grilo já era amplamente conhecido em toda a Itália, por conta do programa de TV que ele estrelou por anos, até que nenhum canal de televisão topasse exibi-lo, simplesmente porque Grilo não hesitava em falar mal de patrocinadores ou criticar políticos sem que as TVs pudessem controlar sua verve. Alijado da televisão, passou a lotar teatros por toda a Itália e, posteriormente, criou um blog, que acabou se tornando seu canal de expressão. Ou seja, ao contrário da maior parte dos blogueiros americanos que amealharam prestígio e reconhecimento via Internet, Beppe já era uma celebridade quando tornou-se blogueiro. Claro que isso não tira os méritos da capacidade de mobilização do seu blog, mas é importante incluir esse parênteses para compreender o porquê da repercussão de seus posts.

    • No fim das contas, essa mobilização toda que o italiano conseguiu foi por ele já ser conhecido. E nessa história toda, o blog acabou sendo irrelevante. Com blog ou sem blog, ele conseguiria mobilizar esse tanto de gente.

  • O Inagaki tirou as palavras da minha boca.

    O foda é criticar ponto a ponto sem dar idéia melhor, já que o exemplo do Grilo é um caso aparte. Supondo que o ativismo vai ser feito por blogueiros desconhecidos, como fica?

    Não é um cobrança, mas que se você se colocou na posição de crítico, assuma até o final.

    Senão os ativistas online vão continuar sendo Betinhos de Sofá e você vai continuar sendo o crítico pela crítica.

    Levantar a bola, no melhor estilo advogado do diabo, é bom demais. Cria discussão, bota novas idéias pra rolar. Mas se der conta de levantar a bola e emplacar um chute – ou quem sabe um passe – é bem melhor.

  • Cardoso,

    Você sintetizou em palavras um sentimento que eu tenho faz tempo sobre estas pessoas que são "super ativistas" na internet, mas ficam semanas sem ver o sol e não são capazes de ajudar a vizinha velhinha a carregar as compras, porque para ajudar a vizinha velhinha tem que tirar a bunda da cadeira.
    Mas são capazes de fazer uma corrente com milhões de emails sobre sua pobre vizinha que não pode carregar suas compras e é um absurdo não ter alguém para ajuda-la

    Parabéns!

  • Pior que os "Betinhos de Sofá", só os "Revolucionários de fim de semana" que só se mobilizam pra fazer baderna e encher a cara nos comícios do Lula

  • Petição on-line tem o mesmo poder das passeatas "Pela Paz", onde todos ficam de branco, soltam pombas, rezam…

  • Rodrigo IronMan

    Clap clap clap.

    Falou muito do que eu gostaria de falar, mas não conseguiria escrever com esse nível de qualidade.

    Parabéns pelo texto.

  • Além do Daily Sobs(sic) e da Ariana, temos alguns blogs de alto porte. Gosto muito do Blog America e seus "open threads" tipo o personagem do SNL "Discutam vocês."

    Aqui não tínhamos passeatas, não havia foto nem TV mostrando caixões chegando de volta. É curioso ver como o Moveon.org. é organizado e funciona.

    A estrutura EUA inicia com o envolvimento nas escolas, nas igrejas, comunidades, doações para causas várias. É engajamento diferente mas é possível.

    No Brasil reclama-se "deles" os quais são ora o povo ignorante, ora os políticos. Realmente, ficam por isso mesmo. Quantas vezes propus campanha para queda de tarifas dos computadores, máquinas fotográficas bla-bla e nada.

    Não sei que mais acrescentar. Já fiz movimento estudantil mas acho que os jovens estão mais para o movimento em direção ao quarto de empregada, no máximo.

  • Amigo brócolis (não é salsinha e alimenta), belo texto de auto-crítica.

    Podemos usar algumas coisas para ajudar a melhorar o país, basta planejar bem e contar com a mobilização da jaguarada. Deve funcionar.

  • Pseudo-ativismo não nasceu na web(afinal, é apenas uma subdivisão da tão conhecida e propagada hipocrisia), mas como muitas coisas encontrou um subtrato perfeito.

    Quando as pessoas vão aprender que petições online simplesmente não funcionam[1] e que deve-se sempre verificar a veracidade de um hoax[2]? Acho que nunca…

    Ótimo texto, como de costume. Um exemplo difícil, mas ainda assim, a ser seguido.

    [1 ]http://www.snopes.com/inboxer/petition/internet.asp
    [2 ]http://www.brunogodoi.com/blog/2007/09/11/por-isso-adoro-hoaxe/

  • O Inagaki falou tudo. Mas eu ainda me assusto com esse número de comentário em 2 dias. Mesmo que ele seja uma celebridade.

    Eu tenho um pensamento parecido com o seu. A blogosfera virou umbigosfera. E tudo por que, assim como o orkut, esta também está sendo massificada e se tornando um meio "popular" de protestos e ativismos. Sinceramente, a internet se tornou o único meio possível de se fazer um ativismo passivo. "Vão lá amigos… protestem que eu fico de olho aqui pra ver quem é que comentou!"

    É, além de tudo, ridículo alguém acreditar que realmente isso funciona. Mas vejam bem, existe diferença entre você tentar promover um movimento via web e apenas fazer um post indignado com uma situação…

  • Tenho aversão a essas petições online mas, o que me faz temer mesmo, é o que vc disse. As pessoas REALMENTE acham que estão contribuindo de alguma maneira ao assinar uma dessas porcarias.

  • Queria lhe fazer uma proposta.
    Pode me contactar por e-mail?
    Obrigado.

  • Lu

    Aqui no Brasil também existe o projeto de lei de iniciativa popular. Basta juntar assinaturas equivalentes a 1% do eleitorado e encaminhas ao Congresso. Fazer um projeto é fácil (tanto o texto, quanto a coleta das assinaturas); difícil é evitar que ele fique engavetado na Câmara ou no Senado.

    Aliás, bons parlamentares (ah vá, existe um ou outro) têm bons projetos que mexem com matéria eleitoral e privilégios dos seus pares. Claro que não conseguem dar andamento.

    Concluindo: o buraco é mais embaixo. O que se deve mudar é a cabeça do eleitor na hora de votar. Ando tendo umas idéias… mas, quanto mais penso, mais percebo que não vou conseguir executar sozinha.

  • Ó grande mestre dos magos, como então faremos para ter um universo melhor? precisamos parar de peidar na água? trabalhar cavando valetas? ou sendo todo mundo empregado?

  • Chegando aos finalmente: quando vamos para a frente da Editora Abril com cartazes exigindo a Luiza Gomes na Playboy?

  • Certo Cardoso, é um belo discurso. Mas não adianta só a gente ficar apontando o problema. Tem que propor melhorias, mostrar uma alternativa viável, dar solução!

    Senão não passaremos nunca de filósofos de sofá…

  • Cara.. concordo plenamente, e falei sobre isso no meu blog uns tempos atrás (http://www.diariodaselva.com/2007/07/19/a-era-do-abaixo-assinado-na-internet/).

    O pessoal usa isso como consolo: "Já fiz minha parte". Mas não pensam na diferença de impacto nisso. Sinto falta dos estudantes que combateram a ditadura e dos cara-pintadas que foram às ruas na retirada do Collor.

    Se tivéssemos milhares nas ruas protestando, dúvido que os senadores teriam votado pela absolvição do Renan.

  • Geração Cara-Pintada?

    Se 10% dos estudantes que participaram daquela manifestação souberam porque o Collor estava sendo investigado será muito!

    Não gosto de teorias conspiratórias…mas…naquela época funcionou por interesses da mídia. Ou seja, a maioria que estava ali só seguia a massa!

    O ponto que eu concordo é: falta um líder para chamar a massa! Pois ela sozinha não irá se movimentar…

    (falei bonito!)

  • Agora todo mundo tava pensando nisso ou ia fazer isso…
    Todo mundo é politizado e todo mundo é anti-bethinho de sofá. O que tá parecendo é que existem também os "Betihos Bloggers", a carapuça já serviu para alguns… vamos ver mais quantos vão aparecer aqui e concordar com o post ou linkar no seu blog.
    No mais, excelente artigo

  • Concordo com o que o Douglas disse, a massa não forma opinião, tem que ter uma já formada pra seguir…

  • Pingback: CidadaoCarioca()

  • Não importa o que eu escrevo no meu blog… Se 1 comenta já é muito ;////

  • Pingback: Vai durmir Renato Russo, música não resolve o problema do país | novo-MUNDO()

  • Betinho de sofá?!

    hauhauhauhuhauhauhauh

    Ó… Faltam 1600 e alguma coisa pra tu chegar lá.

  • Ah, pro Douglas que comentou aí em cima… 10% é MUITO. Sério, eu estudava no Pedro II e estava lá. Eu não vi ninguém que sabia ou conseguia explicar o que era o tal 'impitchu', nem os vermes do grêmio.

    Também, que se foda… Todo mundo tava lá só pra surtar – beber, bater bumbo, gritar e descaralhar.

    Os 'cara-pintadas' são uns marionetes bêbados que gostavam de arruaça. O resto é conversinha.

  • Cardoso,

    você esqueceu de falar da interminavel lista de "prêmios" e top 10 de blogs que de uma hora pra outra surgiram em TODOS os blogs por aí…

    cansou já né? ja deu…
    esse povo só sabe agradecer e fazer o próprio ego (além do das pessoas que fizeram os top 10 da vida) aumentarem ainda mais. Ninguém merece, uma ou outra de vez em quando até vai… MAS TODO SANTO DIA UM PRÊMIO OU LISTA NOVA? PQP né?

    Tem gente que só sabe se mobilizar, como vc tão bem diz, sentado na frente do computador, tomando uma garrafa de gim enquanto vê o novo seriado da Sony na TV A Cabo.

  • Já venho pensando bastante nisso, em como alcançar uma mobilização popular através de blogs e outras ferramentas. Mas, sei não, estou cada vez mais cético com a web brasileira. Acontece que, o que muita gente não vê, a internet não é nada ao lado da realidade. Ela é nosso ideal utópico, o conforto que temos. Precisamos pensar mais em como alcançar as ruas, a realidade, a população.

    Por isso, repito o que disse o Noronha: "O Brasil precisa mesmo é de uma revolução 'francesa', sangue, tripas e ranger de dentes. O resto já se viu que não vai além da conversa fiada."

    Não sei se o tom dele foi irônico, mas o meu não é tanto.

  • Você me deixou tão, mas tão indignado que eu também vou fazer um post.

  • Yeah :-)

  • norando

    cardoso, olha o tanto de comentário que este blog aqui tem:
    http://decarapralua.zip.net/

  • Você está certo Cardoso. Hoje em dia ninguém faz porra nenhuma. Estou nessa também.

  • a crítica é válida… totalmente válida. Mas vamo lá né Cardoso! Não sei como anda a democratização de acesso a web na Itália nem a relação que as pessoas tem com ela. Mas sei que pelo menos aqui no Brasil rola uma tal de exclusão digital. Eu entrevistei hoje um professor coordenador de um projeto que visa inclusão de jovens de origem popular na universidade que me passou uns dados interessantes. Quando receber os dados na íntegra faço um post, mas lembro de cabeça que o 5º estado brasileiro no ranking de inclusão digital possui 15% da população com acesso a web (falta-me precisão por não estar com os dados em mãos ainda). Infelizmente não me lembro qual o estado. Mas agora pensa quantos dessa minoria só ficam no orkut… ok que vc é ironico, mas pra comparar um país com outro dessa forma lhe falta sustentação empírico-cientifica creio eu. Mas talvez nem seja esse seu objetivo, enfim… ainda assim a crítica é válida.

  • Cara, sério, como é que você consegue colocar essas idéias no papel de forma tão clara hein? Você consegue pegar a essência dos temas, é incrível. Parabéns.

  • Reafirmo que são válidas essas manifestações, mesmo que as bundas permaneçam grudadas nas cadeiras, porquanto os posts ficarão armazenados e serão acessados enquanto existir o blog, principalmente em época de eleições, quando precisamos reavivar a memória.

    Como disse a Lu, a iniciativa popular também produz (ou melhor pode produzir) Leis, sendo necessária a assinatura daquele 1% da população nacional para virar projeto, e para virar Lei este projeto tem que ser aprovado por maioria absoluta no Congresso (Lei 9709/98). No Estado do Rio também é possivel, sendo que aí serão 2% do eleitorado (http://www.alerj.rj.gov.br/center_proc_oque.htm#1.16).

    E "cara pintada" foi só baderna, só foi movimento que derrubou presidente porque a Globo disse.

  • Oi Cardoso!

    Fico triste com essa constatação de todos.

    Fiz parte do movimento Brasileirinhos Apátridas, que pedia pela nacioanlidade dos filhos de brasileiros nascidos no exterior, quem lê meu blog acompanhou um pouco da luta do movimento.
    A PEC 272/00 (PEC APÁTRIDAS) foi aprovada, estamos esperando promulgação.

    Fizemos campanha junto a parentes, amigos, email, site do movimento, a maioria dos integrantes do movimento que eram blogueiros postavam sobre o assunto, e eu fiz um abaixo assinado online. (só fiz a petição, o movimento é grande e não sou fundadora, apenas membro).

    Sim, com os abaixo-assinados online e em papel, conseguimos sim fazer barulho e sensibilizar as pessoas de que podemos tentar mudar as coisas, consertar as injustiças.

    Esse abaixo-assinado online foi impresso, e entregue junto com o abaixo assinado real ao Ministério das Relações Exteriores, ao Presidente da Câmara dos Deputados (era de cometência deles a aprovação) e ao Presidente Lula.

    Onde quero chegar?

    Olha, estou emputecida com um comentário feito em mu Orkut a pouco, dizendo que esses movimentos são hipocrisisa.
    Hipocrisia prá mim é reclamar que ninguém faz nada, e quando alguém faz, dizer que de nada adianta.

    Cardoso, concordo com você que Google Bomb e memes indignados fiam por isso mesmo e não fazem nada.
    Por outro lado, eles fazem barulho.

    Porque não aproveitamos esse poder de barulho que temos para angariar assinaturas?
    Primeiro a gente angaria, depois pensamos em quem pode ir lá imprimir e entregar no Congresso. Uma coisa de cada vez, foi assim no movimento dos apátridas.

    Sim, estou com nova petição online, e novamente, no seu primeiro dia ela não passa de 5 assinaturas.

    Na PEC Apátridas conseguimos quase mil assinaturas no final, que foram bem expressivas, se for pensar que o interesse era de emigrantes brasileiros.

    Se conseguimos milhares de assinaturas pedindo veloz mais veloz, telefonica sem limite e tantas outras coisas, porque não conseguiríamos assinaturas por algo que nos interessa, que é o fim do voto secreto?

    PEC 50/2006, quem quizer pesquisar.

    Abraço aqui do Japão!

  • Pingback: Protestos de Sofá e a Consciência de Cada Um | Empirical Empire()

  • Tudo isso não vale de nada se o país, os brasileiros, não mudarem , não se vai a lugar algum!

  • Legal, mais um comentário meu que não é aceito.
    Acho que ando acordando com o pé esquerdo ultimamente…..

  • Vinny

    Uma notícia sobre o novo filme da Salma Hayek mostra que esta percepção do Cardoso não é exclusividade dele. A diretora do filme disse isso:

    "Agora vivemos na apatia, numa era muito mais narcisista e cínica. É preciso lembrar aos jovens que eles têm o poder se quiserem parar a guerra. Naquele tempo, se você queria alguma coisa tinha que ir para a rua, e não ficar atrás de um computador, blogando." (O filme se passa nos anos 1960.)

  • O maior problema do Brasil é que as únicas pessas que se mexem para tentar alguma mudança tem por trás grupos como a CUT, o PSOL, o MST…

    Nada contra esses 3 grupos, mas qualquer um sabe que eles não são nem de perto bem vistos pela boa parte da população. Por causa disso boa parte dos movimentos acabam desacreditados!

    Será possivel alguma greve de professores na TV sem aparecer uma dessas 3 bandeiras?

  • As pessoas tem que entender que a internet é o meio e não fim. A grande parte da juventude esta mais preocupada com BBB, Orkut, MSN e similares do que com futuro, estudo, objetivo e outros.

  • Alguem sabe me informar se no Brasil é possível fazer algo parecido? Tipo coletar X assinaturas pra conseguir tentar mudar um pouco essa vergonha que toma conta do país?
    Me informaram que com 1 milhão de assinaturas é possível criar um projeto de lei, alguem confirma?

    Pô somos 180milhões, caso alguem confirme que é possível criar esse projeto de lei eu me disponho a tentar organizar equipes em vários estados para coletar nas ruas essas assinaturas. Se alguem tiver interesse ou puder me dar mais informações sobre isso por favor me envie um e-mail (luiz.echigo@hotmail.com).

  • É isso ae cardoso, bota a blogosfera a mexer! Cria uma revolução! O povo brasileiro tem tudo para fazer o país ir para a frente!

  • Luiz, leia meu comentário, 5 acima do teu.

    Esse projeto de lei já existe, não é necessário que seja criado.
    Precisamos dar visibilidade à essa PEC (projeto de emenda constitucional) pelo fim do voto secreto no congresso em todas as casas, a PEC 50/06.
    Eu estou tentando fazer o que posso.

  • Pingback: Os jovens milionários da Web 2.0 « iBlog()

  • Você tocou num ponto crucial. Mobilização. Isso não acontece sem participação intelctual de muitas pessoas e nossa juventude no brasil é uma lástima. Sem contar a exclusão digital, a exclusão educacional impede que jovens se quer leiam e entandam um texto simples. Imagine mobilizá-los em prol de idéias. É jogar pérolas aos porcos.

  • Pingback: Pô, meu! » Informação e opinião. Palavra e liberdade()

  • Não posso deixar de concordar. Acho até mais, que alguns desses movimentos, porque não tem por trás um pensamento mais profundo acabam até podendo ser utilizados de massa de manobra.

    O que falta é mobilização de verdade: bater em porta, distribuir santinho, ligar para deputado e senador, acompanhar política, participar de sindicato e, no mínimo, doar dinheiro para candidatos com os quais se concorda. Senão fica naquela de "político é tudo igual" e nessa, os que não são iguais não se elegem.

  • Pingback: Tire sua bunda geek da cadeira ou morra!()

  • Pingback: Reflexões e perda de tempo()

  • Pingback: Passeata Ética Já - A Grande Vaia | Empirical Empire()

  • Pingback: Aprendendo com os Blogueiros Top of the Mind | Escrita Torta em Linha Reta()

  • Pingback: Megalopolis » Vamos domesticar estes animais!()

  • Pingback: Vamos todos pular da ponte » Leo Baiano the Blog()

  • anna pavlova

    E i t a l i a n o!!! Acabou, e ponto final e primeiro mundo, o cara nao tem vergonha, nem na cara e vergonha na dita cara, falsa imidez camuflada pelo medao, aiiiii qui medao\\\\11\\\eijinhos, mocinhos lindinhos, e ai fiquei muito bem na foto???Ai ai ai,hein, olha la, to merecendo meu blogue quase futuro e di respeitoooo\\\\\\

  • Cardoso, só uma corrigida. O Nobel da paz é entregue em Oslo.