Ainda no social, Last.FM e blogueiros reclusos

O last.fm é, de todos os serviços sociais web 2.0 o que eu menos entendo. Parece que ele serve para organizar músicas, playlists e ajudar a encontrar novos artistas. Se for isso, é um fracasso, pois o maior hype da semana é a Scarlett Johanson, com crescimento de 872%, e nós sabemos o quanto ela é "boa" cantando.

Ainda não tenho muitos contatos lá, então não posso avaliar os recursos de recomendação de músicas, que parece ser o forte do serviço, mas para a Egosfera ele é bem interessante, pois permite mostrar em widgets as músicas que você escutou recentemente. Coloque no blog e seja cool. (se achar espaço, eu não consegui encaixar), mas vai no post…

 

Eles disponibilizam widgets para os principais serviços de blogs, plenamente customizáveis, e se você não quiser/puder usar o código dinâmico completo para a frescura animadinha ali de cima, pode usar uma "playlist de imagem". Há layouts bem legais:

O que eu mais gosto do Last.fm é que ele não me enche o saco. Carrega-se o cliente (há programas para Windows e Mac), ele fala sozinho com o iTunes, ficam amigos, seu iPod entra na dança e tudo que escuto no bichinho vai parar no Last.fm, “tomaticamente”, como diriga meu amigo Giu.

É meio complicado, para quem não gosta de se expor, mas a Nova Realidade é assim, todo mundo na janela. Nos velhos tempos era mais fácil.

Eu lembro que uma vez sentei no ônibus para perceber ao meu lado um sujeito lendo um de meus livros. Me diverti com a idéia de que o autor estava ali, do lado dele, e o cara jamais saberia (se fosse a Luciana Vendramini a história seria outra, claro). A imagem de Escritor Recluso é no mínimo respeitada. Vejam Rubem Fonseca, Autran Dourado, o tímido profissional Luis Fernando Veríssimo (que não é o autor deste texto, caceta) e o maior deles, J.D. Salinger.

Não exatamente modelos a seguir, se você quer um blog de sucesso.

Um blog é mais do que o conteúdo, o blog é pessoal. O blog tem o “eu” escrito por todo canto. Tire o indivíduo do blog e sobra o quê? Um jornalzinho?

Alguns se expõe mais, outros menos. Não existe uma fórmula mágica, o importante é não deixar o leitor se sentir tratado de forma impessoal como um leitor de uma Veja da vida, mais um na multidão.

E mesmo quem não gosta de expor nada, pode começar devagarinho, compartilhando as músicas que escuta.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • O Recomendar musica nem é tão interessante, aquela pagina inicial é tão desorganizada que você nem percebe que alguem te recomendou algo…

    Isso me lembra quando eu escrevi algo sobre o Last.FM, um dos problemas dele é naquela hora que você esqueçe o Scrobbler ligado e sai escultar algo constragedor… Ai aguenta as piadas depois

  • Nix

    Eu não tenho nada contra o Last.fm, é bom pra saber o que você anda ouvindo ultimamente e descobrir cantores parecidos com o que você gosta.

    Meu Perfil é http://www.last.fm/user/MuriloAlmeida/ caso alguém se interesse. =)

  • Anderson Zardo

    Eu curto o Streaming deles, cara, a qualidade é muito boa, util para lugares onde não tem nenhuma mp3 a seu gosto ;)

  • O serviço web 2.0 que eu menos entendo é o Twitter…rs

  • Alfredo Cavalcanti S

    O serviço de rádio pessoal deles é muito bom, eu uso uma aplicação no facebook que me deixa escutá-la de graça.
    De fato a página inicial deles é confusa e o serviço de recomendação é extremamente burro. No topo da minha lista estão Jonny Cash, Queens Of The Stone Age e Led Zeppelin e eles me recomendam ouvir Rodox ¬¬
    Tem as recomendações de amigos que é interessante também.
    Mas eu tenho muita saudades do Pandora.

  • Uma vez vi um colega de trabalho lendo um artigo meu na antiga Developers Magazine, perguntei se ele tinha gostado do artigo e só depois disse que o artigo era meu. Queria uma resposta sincera, que, felizmente foi positiva :-)

    • Se ele dissesse que estava uma bosta você recortaria com faca olfa o seu nome do artigo?

  • Acho que estou vindo muito aqui, pois já "ouvi" esta história do ônibus 3 vezes.

  • Esse Last.FM parece ser até legalzinho, mas desses sites "web 2.0" o único que realmente odeio é o Twiiter…

    Gostei da história do ônibus… encontrar um leitor ali do lado deve ao menos dar uma "animadinha" no ego.

  • Pingback: Dia Cinza « RWR Blog()

  • Me amarro no Last.fm. Sou membro pago, o que me facilita em criar listas. Tinha muita gana de publicar resenhas mas tive uma experiência amarga e nunca mais.
    Gosto dos meus contatos, aproveio músicas que eles oferecem, já tenho muitas músicas adicionadas ao meu acervo inicial. Vai lá, Carlos Cardoso. Sem compromisso. Sou tinovska.

    Um abraço,

  • Cara o last.fm é a revolução na musica e uma das novidades na web 2.0.
    Eu adoro bossa nova e lá foi aonde consegui achar o maior numero de artistas independentes..

    Curto d+ o serviço e recomendo muito..é muito bom para manter contatos relacionados a música e outra coisa é aprender sobre a música e seus diversos generos.

    O site oferece a biografia dos artistas…po cara fico muito feliz em existir a last.fm e não ter que usar mais aquela radio uol!

    Recomendo…mais ainda tem que evoluir muito…

  • Pra mim, o forte do last.fm está longe de ser a rede social – é o conteúdo mesmo, a seleção de músicas, a possibilidade de ouvir uma rádio online de acordo com meu humor naquele momento.

    Nisso, aliás, o Pandora era mais legal.

  • Pingback: blosque.com | Blog Brand - Elementos da Marca - Histórias()

  • JJ Neves

    Cardoso,
    Sei que faz tempo, mas sei também o quanto você preza pela escrita correta nos seus textos. Então aqui vai: No penúltimo parágrafo temos o termo “expõe” quando deveria ser “expõem”, no plural.