Colabore com a Justiça Eleitoral. Não linke para a Marta Suplicy. Aliás, não linke para ninguém

1984

Que os políticos brasileiros não entendem a Internet, tudo bem, é um fato. Que o TSE não entende a Internet e quer legislar sobre o que escrevemos nos blogs, postamos no Flickr e até mesmo twittamos, é Brasil, a gente entende. Mas algumas vezes eles abusam.

A Marta Suplicy por exemplo fez uma coisa muito feia. Descobriu que seu adversário na disputa por São Paulo, Gilberto Kassab havia linkado em seu site para uma página da Associação dos Magistrados Brasileiros que lista quais candidatos respondem processos na Justiça.

Como todo político com ilusões megalomaníacas Marta fez o óbvio: A realidade a incomoda? Altere a realidade. Entrou na Justiça exigindo que Kassab retirasse de seu site o link para a lista. Qual link?

 

<BLINK>ESTE LINK QUE A MARTA SUPLICY
NÃO QUER QUE VOCÊ VEJA
</BLINK>

 

Quer acompanhar o processo que Dona Marta responde e não quer que você conheça? clique aqui

Ou seja: Ao invés de se explicar, ela usa dos meios Legais (mas não morais) para censurar informação VERDADEIRA.

Já o Santo do Kassab…

Havia entrado na Justiça pedindo a retirada de informação desinteressante a ele do site da Marta e do Geraldo Alckmin. Sim, mesma tática, político diferente.

Engraçado é que nos Tempos Divertidos eram todos defensores dos mais elevados interesses democráticos, odiavam totalitarismo, ditadura, censura, etc. Dona Marta inclusive junto com Tetê Espíndola introduziu (epa!) o Tesão na família brasileira. Hoje escreveu postou, bordoada levou?

Eu quero políticos que defendam suas idéias com atos e palavras, não com liminares e mordaças. Eu quero políticos que tenham a hombridade de não censurar uma informação VERDADEIRA por esta ser contrária a seus interesses.

Mas pelo visto estou querendo demais.

Matéria da Marta achada no CTRL+ALT+DEL ALL TV


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • adorei o blog

    críto e divertido o suficiente para ser um dos melhores que rolam por ai

    parabéns e

    sucesso!

  • quis dizer, crítico..heheh

  • "Todos os animais são iguais… Mas, alguns são mais iguais que os outros."

  • Estou começando a ficar sem adjetivos pra esse país, tem hora que me sinto dentro de Twilight Zone

    • Por essas e outras que eu uso a frase…

      SE CONTAR, NINGUÉM ACREDITA!

  • Não publica não, esse comentário é só para dar um toque que os caracteres acentuados o seu feed estão desconfigurados… Leio no Google Reader.

    []'s
    Compulsivo

  • Justiça é utopia, tanto que eu acho que ela deveria ser oficialmente considerada como.

  • Cara… politicagem no Brasil é modinha, não se pode confiar, não pode acreditar, não pode votar, etc. Mas caso não faça esse último, te terão como "não patriota", pois faltou democracia de sua parte… E você sabe! democracia é trabalhar como mesário A FORÇA, VOTAR A FORÇA, e viver com essas bandidagens todas.. A FORÇA…

    E viva o Bra(z)il

  • A atitude não foi legal, mas não deixa de ser inteligente. Depois que ela entrou na Justiça, o Kassab também aparece como um dos que estão respondendo processo.
    Mesmo que ele não tivesse sido obrigado a remover, talvez ele o fizesse por ter seu nome lá.

  • Apoiarei qualquer um contra o kassab simplesmente porque ele fechou TODOS os BONS puteiros de sao pualo.

  • Permita uma nota, através de um comentário do Sergio Leo:

    "Aí veio a Associação de Magistrados Brasileiros e fez uma coisa, em tese, na direção do que eu defendia: uma lista para informar ao povo quem tem processo. E o povo que decida.

    Só que a lista, aparentemente, traz embutido o problema que eu apontava: a instrumentalização da Justiça para servir de arma de campanha. Incluíram a Marta Suplicy na lista, e, pelo que dizem os aliados da líder nas pesquisas, aproveitaram para isso processo movido pela oposição, que nem passou na primeira instãncia"

    Assim é mesmo fácil manchar a reputação de alguém. A gente processa essa pessoa e antes mesmo de julgado o mérito da questão acusa-a de estar sendo processada. Ou seja, o processo torna-se o próprio fim, a pena. Isso independente da opção política de quem quer que seja. Não é porque é necessário informar o povo sobre as folias dos políticos que se deve tolerar a instrumentalização dos processos judiciais.

    • Mas… ela ESTÁ sendo processada. É um fato. Se ela fosse acusada de homicídio deveríamos ocultar o fato até o fim do Julgamento, pelos motivos citados?

      • Não se trata de esconder o fato. Esse tipo de informação não é sigilosa, pra começo de conversa. Trata-se dos critérios para incluir um candidato numa ficha informativa. É preciso inclui-los conforme alguma base — ser processado não é o mesmo que ser culpado pela acusação. O caso é que se a "ficha suja" for confeccionada sem critérios adequados ela pode servir de instrumento político. (o exemplo do homicídio apenas joga pra galera, não toca no problema em que expus. No caso concreto de uma acusação de homicídio, a propria cobertura da imprensa, cumpriria o papel que você quer que cumpra a ficha. Mas uma coisa é a imprensa informar e as pessoas antecipadamente julgarem e condenarem um acusado de homicídio — pode até ser que existam elementos suficientes para esse conclusão. Mas OUTRA COISA BEM DIVERSA é o Estado assumir a confecção de um documento que viole os direitos mais elementares da pessoa — e puna alguém processado (sem julgamento) pelos próprios interessados na mancha que o processo causa na imagem do candidato)

        Ela foi processada por quem?? Pelos maiores interessados em expô-la! E seu processo nem sequer foi julgado em qualquer instância. Juntar no mesmo saco políticos condenados em primeira instância e políticos processados — é contaminar os primeiros com má fama do segundo.

        A persistir esse critério vai acontecer o que Sergio Leo bem enfatizou: "os partidos vão contratar advogados a peso de ouro, só para meter processo contra os concorrentes e inviabilizar candidaturas de oposição." Ou seja, a institucionalização da instrumentalização política do Judiciário. Daí a "ficha suja", que deveria ser uma ferramenta democrática, será mais um expediente para o exercício do poder político e econômico.

        • Ela foi processada. Se ela considera um processo frívolo entre com representação na OAB e processe de volta.

          O direito do Cidadão é um julgamento justo e ser inocente até prova em contrário. Se o fato de ser processada pesa junto aos eleitores de forma negativa, ela que EDUQUE os eleitores sobre o funcionamento do sistema legal.

          Censurar uma informação PÚBLICA não é atitude decente. Ponto.

          • Bem, se ignorar um argumento é uma boa estratégia, então você tá certo. Mas vou repetir a informação, em todo caso. Não se trata de censura, a informação é pública. Censurar, é impedir a manifestação livre. As manifestações das instituições públicas são regularadas pelas suas atribuições e pela Constituição. Como é que exigir o respeito a Constituição se transforma em censura? Explique essa mágica! E quem censurou o quem? O Estado censurou o Estado? As instituições públicas foram censuradas pelas instituições públicas?

            Trata-se de questionar uma instrumentalização política — de questionar a falta de critérios para inclusão numa lista cuja resultado será negativo para os candidatos (e aqui nem é isso que está em jogo, segundo seu post, o que ela quer é o impedimento da manipulação de uma informação para uso político). Trata-se de registrar que ser processado não é um critério adequado para criação de "listas sujas", já que abarca tanto condenados quanto os nem foram julgados — e que, portanto, em nome da "informação", viola os direitos dos processados e os coloca arbitrariamente em situação de desvantagem indevida.

            É fácil argumentar assim: "ela que eduque" — não importa a Constituição, as suas garantias, e qualquer lógica — pois é um problema lógico, de critérios, que está envolvido aqui. É fácil, jogar sobre os ombros de alguém a responsabilidade por contornar uma situação nem mesmo deveria existir. Enquanto você simplesmente ignorar as consequências da instrumentalização política, vai acreditar ser um árduo defensor da democracia.

            Eu continuo afirmando, primeiro, que é a informação é pública. O problema é outro. Segundo, que a idéia de censura que você mobiliza é totalmente sem sentido — só tem apelo retórico.

            Fora que: "Se ela considera um processo frívolo entre com representação na OAB e processe de volta." O que significa isso? Processar de volta?

  • Democracia? Ética? Piada só se for.. Tinha que volta o Fascismo cara, as vezes melhorava.

  • Ora, é só partir do princípio que as pessoas que as pessoas que acessarem a página para ver a lista de deputados na lista negra são alfabetizadas e colocar a lista de acusações ao lado do processo.

    Certamente as pessoas (mesmo as brasileiras que votam no Lula) conseguem perceber a diferença entre estar sendo acusado por colocar um link num blog e desviar dinheiro ou matar alguém…

    Penso que todos os cidadãos devem ter acesso facilitado a todas as informações, principalmente quando se trata de candidatos.

  • Pingback: Pensamentos Tecnológicos » Eleições 2008()

  • Pingback: Blog do Carlos Fran · Perde a honestidade ou deixa a política?!()