Controle de Zooneses não protege animalzinho. E eu ADOREI

Sam Stevens é uma daquelas mães que acha que o mundo gira em torno de seu pequeno floquinho de neve, adequadamente batizado Cain, que foi mordido por um Mastin Napolitano (é um cachorro, não um sorvete) de um vizinho. Ela está puta porque o Controle de Zoonoses da cidade de Hamilton, Nova Zelândia, decidiu que o cachorro NÃO deveria ser sacrificado, apesar do moleque ter passado três dias no hospital, todo esfolado, com um corte de 9cm no rosto, devido a um ataque do cachorro.

Fosse no Brasil, já imaginariam que o cachorro era de algum Juiz ou Deputado ou bicheiro.

Nada disso, o cachorro pertencia a um ex-namorado da irmã da mãe do pimpolho, (provavelmente ex depois do ataque) e tudo aconteceu em um churrasco.

Aí começam as explicações que a mamãezinha querida finge não ter conhecimento:

1 – O guri estava dentro da casa, e já havia sido alertado pela mãe para parar de implicar com o cachorro, mesmo assim ele saiu da casa e foi até o bicho, mais uma vez.

2 – Duas testemunhas viram o pestinha sair da casa e puxar os testículos do cachorro. Pela segunda vez.

3 – Dois investigadores do Controle de Zoonoses estudaram o cachorro e concluíram que ele não apresenta perigo para ninguém.

4 – A investigação também revelou que o moleque filhodaputa esteve envolvido em DOIS outros casos de crueldade com animais.

5 – O cachorro tem a ficha “completamente limpa”, e o incidente foi reportado às autoridades pelo DONO, e não pela mãe.

A mamãe se diz desconsolada com a decisão de NÃO sacrificar o cachorro. Eu estou desconsolado pelo cachorro ter agido em legítima defesa, com resposta proporcional. Ele poderia perfeitamente ter TRUCIDADO o pimpolho, mas deu apenas uma mordida dizendo “não puxe a PORRA do meu saco”.

Os filhos da minha ex-cunhada NUNCA iam na minha ex-casa, na primeira vez cismaram de encher o saco dos gatos, o Gatoberto meteu-lhe as unhas, o moleque saiu chorando (se puxassem meu rabo eu faria o mesmo, digo, choraria). A mãe veio cobrar atitude, eu olhei para o Gatoberto e falei: “Muito bem, você está na sua casa e ninguém tem o direito de puxar seu rabo, bom menino”.

Digamos que ela não gostou muito.

Outra vez eu estava na casa de uns conhecidos de uma amiga de uma amiga. Junto uma PESTE de uns 4 anos, peste no nível de dar tapa na cara da mãe (eu vi, não era metáfora). Conosco a Lisa, mini-poodle da Beth, minha amiga. O moleque CISMOU de implicar com a cachorrinha, que sendo um mini-Poodle não tinha como dar resposta à altura.

Uma hora ele sentou em um lado da varando e começou a tacar brinquedos na cachorra (brinquedos grandes, tipo balde de praia). Eu avisei: “NÃO FAZ ISSO! QUIETO! SIT! DEIXA A CACHORRA EM PAZ!”

A peste não estava acostumada com figura de autoridade, e parou por alguns segundos. Em seguida pegou alguma coisa GRANDE e tacou. A cachorrinha ganiu e veio se esconder perto de mim. Eu peguei o brinquedo e taquei de volta, COM FORÇA.  Ele começou a chorar, a mãe veio ver.

Expliquei: “Esse ANIMALZINHO do Damien está tacando coisas e machucou a Lisa. Eu avisei pra não fazer, ele continuou. Taquei um de volta pra essa peste sentir se é bom” Juro pelo Bem da Luciana Vendramini que usei esses exatos termos.

A mamãe do pimpolho, igual a do caso na Nova Zelândia, ficou indignada, afinal seu filhinho tinha o Direito Divino de torturar animais, poxa, torturava a própria mãe, porque não um mini-poodle?

Rolou um princípio de barraco, mas eu já estava vermelho de raiva, minha amiga também ficou puta, rolou climão e foi todo mundo embora. Nunca mais vi a peste do Damien, espero que tenha encontrado um Mastin Napolitano pela frente.

Fonte

Leia Também:

  • Moisés

    Haha, adorei.

  • Igor Harã

    cara eu odeio crianças assim!
    minha vontade é de dar um tapa pra eles voarem longe e amarrar a boca dele pra a mãe nao escutar ele chorando.

  • Crianças deste tipo são assim por falta de autoridade paterna. Eu também fico PUTO com situações do tipo, mas nunca cobro da criança, e, sim, dos pais. Normalmente uma criança que dá tapa na cara da mãe vai ser um filho da puta quando for adulto. Normalmente, não sempre. Educar criança é mais ou menos como educar um cachorro. Você tem que impor os limites.

    A cadela do meu irmão, uma mistura de Border Collie com Pastor Alemão, apesar de ter tamanho para pular nas pessoas E na mesa para roubar comida, não o faz porque assim foi educada, ela fica do lado da mesa, CHEIO de comida e não é capaz de roubar comida da mesa.

    A culpa não é das crianças, mas, sim, dos filhos das putas dos pais.

    <abbr>Rodrigo Santiago – último post do blog… Windows XP travando quando acessa a internet</abbr>

  • Fato. Os pais da criança que são escrotos. Criança aprende com os adultos e principalmente os próximos. Se os pais são uns escrotos (e alguém que nem a mulher da foto que faz um moicano no pirralho é escrota SIM) é óbvio que o piá vai sair escroto. Ou seja, o brinquedo grande deveria ter sido tacado na mãe do Damian, que obviamente é uma escrota se deixa o filho bater (provavelmente o pai batia na mãe), e no Damian você deveria ter dado uma ameaçada filha da puta de fazer o piá se cagar nas calças.

  • Karina

    É exatamente como o Rodrigo Santiago disse acima. A culpa é dos pais, não da criança. Eu tenho pena de crianças com pais que não impõem limites, que acham que seu filho sempre é uma vítima porque é pequeno, etc etc. A visão de mundo que essa criança tem é que tudo gira em volta dela, e depois leva uma "surra" da vida ou vira um rebeldezinho sem causa e os pais não sabem porque é assim já que sempre deram "tanto amor". Não há maior amor do que dar limites e saber dizer NÃO.

  • Se vem uma peste e molesta meu cachoro dá até morte.

    Super Nanny para todos!!!

  • O animalzinho da mamãe só não foi morto por não se chamar Abel. Teve sorte.

    <abbr>Eduardo – último post do blog… Sobre meritocracia e casas populares</abbr>

    • W.A.R

      HAHUAHUAHUAUHAUHUHAHU

  • Cara… Me lembrei do meu pai. Quando éramos pequenos havia um FDP dum vizinho cujo filho, que era da mesma idade da minha irmã, vivia batendo nela. Os dois tinham seus 5 ou 6 anos mais ou menos. Minha irmã era maior que ele, mas não reagia porque tinha dó.

    Um dia, num jantar em casa, o moleque levantou da mesa, foi até a minha irmã e deu um soco nela, voltou e sentou. Meu pai ficou esperando a reação dos pais dele, mas nada, nem um piu. Então meu pai olhou pra minha irmã e mandou:

    "Agora você vai levantar e vai dar um soco na cara dele com toda a sua força. Se você bater fraco aí você vai apanhar de cinta de mim"

    Todo mundo arregalou os olhos, imagina a situação. Minha irmã foi meio sem jeito até o moleque e meu pai reforçou:

    "Com toda a sua força. Se eu achar que o soco foi fraco você vai apanhar de mim"

    Acho que ninguém acreditou que ia rolar mesmo. Pois minha irmã deu o soco e jogou o moleque longe. Ele já levantou sangrando…

    Depois disso meu pai ainda deu um sermão nos pais do garoto, que não falaram um "a". Deviam estar assustadíssimos, né? hahahahahaha E claro, o jantar acabou alí mesmo.

    Nunca mais o moleque causou problemas! :D Ah, essas crianças… hehehehehe

    • Dulce

      Hahaha… estou imaginando a cena!

      O que mais irrita nisso tudo é o fato dos pais não falarem nada. Eu morro de ódio quando veja crianças sendo chatas, mal educadas, e os pais lá, com cara de paisagem!

      Cuida do seu filho direito, pô!

      Como nesse caso, como os pais desse menino viram uma cena dessa e não falaram nada para o moleque?

    • Oppenheimer

      Ducaralho isso!!! Mas achei que o seu pai ia afundar o crânio do pai do moleque, afinal ele (pai do moleque) que é o inútil né?
      Bela lição do "aqui se faz, AQUI se paga".
      Só acho que vc poderia ter emprestado um soco inglês pra sua irmã… mas foi bom, se o demônio nunca ais causou problemas é que a lição foi de bom tamanho.

  • A criança se torna essa coisa insuportável por culpa única e exclusiva dos pais que não fazem a pequena parte que lhes é cobrada: CUIDAR DE SEUS FILHOS E FORMAR ADULTOS DECENTES. Pq pra formar um filho da puta é super fácil, basta deixar fazer tudo oq quiser, e não dar o mínimo de educação.

    Tenho uma prima que trata os filhos com rigidez, sempre cobrando que eles sigam as regras (veja bem, RIGIDEZ, não VIOLÊNCIA), as crianças (3) são as mais educadas, alegres, simpáticas e etc, quando crescerem com certeza serão adultos integros e corretos.

    <abbr>Igor – último post do blog… Sujestão à Academia</abbr>

  • Eduardo

    Eu ainda acho que o controle de Zoonoses estavam errados. Já que estavam lá e já tinham a ficha do garoto poderiam ter aplicado a ele a mesma pena que a mãe pediu para o cachorro. Afinal, quem não é sociável não merece viver em sociedade. E pelo visto o cachorro é mais sociável que o garoto.

    Alias, há uns anos eu recebi um vídeo que me deixou indignado. Uma besta fica provocando um jacaré e quando este lhe decepa a mão com uma mordida, o que acontece? O animal foi sacrificado. Ao menos a besta ficou sem a mão. Mas que é de uma estupidez e mostra que o ser humano é o ser mais irracional, disto não tenho dúvidas.

    • War Essay

      Eu acho que podriam ao menos ter castrado o moleque.. pra ver se ele se acalmava né?

  • "le poderia perfeitamente ter TRUCIDADO o pimpolho, mas deu apenas uma mordida dizendo “não puxe a PORRA do meu saco”. "

    Eu rí de verdade aqui! Muito bom!
    Conheço pessoas que foram criadas assim… ficaram de certa forma: HORRÍVEIS como pessoa. É um fato que a sociedade paga pela incompetência dos pais (ou das mães), depende do sentido =D

    <abbr>Wallace – último post do blog… EMPREGO – Analista de Sistemas em MG, Belo Horizonte</abbr>

  • Moleque escroto. Coloquem ele em uma jaula com 10 pitbulls e mande ele brincar de bolinha de gude com os testículos deles.

    <abbr>Luide – último post do blog… Beijinho, beijinho, tchau! tchau!</abbr>

  • Enio Luiz Vedovello

    De fato, até que o pobre do cachorro foi paciente com a pestinha…

  • Pra você ver como ninguém gosta de puxa sacos… XD
    (foi fraca, eu sei)

    <abbr>Dmoura – último post do blog… Perdeu Alguma Coisa?</abbr>

  • O tal pestinha da história deveria andar com um aviso "CUIDADO! Menino pestinha anti-social! Mantenha sem mascote à distância."

    Acho que seria adequado…

    <abbr>Alberto – último post do blog… Meme – Blogs que ajudam a blogar</abbr>

  • Puxa, eu sou mãe, gosto de criança e talicoisa…

    Mas piá mal educado desse jeito tem que ser sacrificado! Daí não sai boa coisa!

    Ok, exagerei, mas as mães bem que podiam ter um cursinho intensivo de como educar seus filhos adequadamente. Isso é falta de um belo castigo!

    Abraço

    <abbr>Gisele – último post do blog… O último grande herói está de volta</abbr>

  • Concordo com o Eduardo, criança assim não merece viver. Mas os pais têm que ir junto, heheh.

    A sobrinha de meu cunhado é uma peste, respondona, sem limites. Tem lá pros seus 4 anos, mas é bem 'pra frente' pra alguém da idade dela. Sabe distinguir o certo do errado.

    Ano passado ela veio passar uns dias aqui e eu deixei bem claro pra minha irmã: Se ela fizer ALGUMA coisa com a Natasha (Pinscher com basset vira lata (acho), velhinha já, incapaz de fazer mal a um mosquito, MUITO mansa), vai ter.

    A menina VIVIA dando chilique, mimadíssima. E a mãe não baixava o facho dela porque a menina arrumava uma gritaria infernal. Numa dessas a Natasha se assustou e começou a latir pra ela, mas sem avançar. A menina veio gritando e tampou uma boneca nela, eu cheguei feito um leão e gritei "você não tá na tua casa não, sua F-D-P. Olha pra você, QUEM você é pra fazer isso com ela? Você é uma PESTE chiliquenta, mal educada e NINGUÉM aguenta mais você, nem sua mãe!" [ela começou a chorar], bati na mesa, mandei ela engolir o choro, e AI dela se chegasse perto da Naty de novo.

    A mãe da menina veio criar caso, falando que a Natasha é brava e tava implicando com a menina. Fala sério, você acha que isso aqui http://falarefacil.files.wordpress.com/2009/01/na… machuca alguém? Em mais de 10 anos nunca fez em situações piores, vai fazer agora?

    Nunca mais nenhuma das duas vieram aqui. Depois eu que fui taxado de babaca por toda a família. Mas não me arrependo.

    <abbr>Rafael M. – último post do blog… Parabéns, Josy!</abbr>

  • Educação é algo que se dá em casa. Se o pirralho enxe o saco mesmo e não tem educação, os pais não podem falar nada.

    <abbr>Murilo Romulo – último post do blog… Maldita Globalização</abbr>

  • Shane Goose

    Ué, fiquei pensando porque o Cardoso, do alto de toda sua integridade, suando indignação pelos maus tratos impostos ao pobre poodle, não a expressou tacando o balde no verdadeiro culpado adulto mais próximo pela índole do garoto, a mãe do pimpolho?… Seria porque, ela teria sido capaz de reagir? Fosse meu filho irmão, eu te cataria na porrada e depois conversaria baixinho com o moleque (que seria o MEU FILHO, não teu) muito viril Cardoso, maduro, exemplar mesmo.

    • Soulhell

      Isto é indole. A mãe dele não ensinou ele a tacar coisas no cachorro. Ninguém me falou para não maltratar animais quando criança, mas eu me sentia mal de matar até bezouros. Se fosse seu filho, vc ia sair na porrada e ia apanhar na frente do seu filho. Ai ia falar baixinho pra ele não tacar coisas nos animais indefesos porque o papai acabou de se sentir assim e é ruim.

      • Vivian

        Nem sempre é índole.Meu sobrinho quando tinha uns 2 anos e ia alisar cachorros,tinha o costume de puxar as orelhas,e como só deixávamos ele brincar com cachorros pequenos,eles não costumavam reagir.Falamos uma vez a ele que ele não podia machucar as orelhinhas do cachorro,ele continuou fazendo,na segunda perguntei a ele se ele queria que eu ficasse puxando as orelhinhas dele também.Nunca mais fez isso.Claro que existe a índole,mas boa parte dela é possível modificar com uma boa criação.

        • O que o indivíduo vai ser quando adulto é determinado pelo conjunto formado pela índole e a educação recebida. Se a índole for muito ruim, uma boa educação pode não ser suficiente. Mas ao menos evitará boa parte das maldades que poderia fazer quando criança, enquanto dependesse dos pais.

          <abbr>Christian Gump – último post do blog… A pouca criatividade dos títulos originais de filmes e séries</abbr>

    • Para pestinhas, método Pinochet, que mal não faz. Para pais fofinhos e permissivos, empalação a frio.

      <abbr>Leticia – último post do blog… São Paulo 455 anos – Juó Bananére</abbr>

  • Phillipe Xadai

    Gente BURRA e criança sem limites são duas coisas abolutamente inaceitáveis…

  • Fala sério, das duas uma: Você alterou o nome dos personagens em que esses relatos se baseiam para proteger suas identidades; ou a mãe realmente não tem nada na cabeça. "Damien" como nome do filho? O pivete deve ser mesmo o capeta. Talvez você não o viu mais porque ele deve ter sido sacrificado por algum ato que tenha cometido.

    <abbr>Felix – último post do blog… Instalação do Webmin</abbr>

  • Olá Cardoso? fiz um artigo e citei seu nome como empreendedor, se puder dar uma lida seria legal, falei sobre a idéia de uma cooperativa voltada a blogueiros, se quiser apagar este comentário ta tranquilo.

  • Ah, se esse moleque fosse filho de um gaúcho aqui do bairro. Ele tava era ferrado. Ia passar uma semana sem poder sentar…mas por problemas próprios de gaúchos, sacumé, né?

    <abbr>garfi – último post do blog… BOTA TALENTO NISSO…</abbr>

  • Esse é o tipo de criança que vive sob as normas da "nova psicologia". Elas jamais podem ser contrariadas porque podem ficar "traumatizadas".

    É uma verdadeira aberração que se tornará alguém que pensa poder tudo e que todos devem se curvar ante a sua vontade. Mais um frustrado, despreparado e vazio que vai "andar por aí".

    Sem falar num possível psicopata; já que o início de todos é a tortura a animais.

    Boa iniciativa com o moleque.

    <abbr>Arthurius Maximus – último post do blog… A AMAZÔNIA, A DESINFORMAÇÃO, O DETETIVE VIRTUAL E OS INTERESSES.</abbr>

    • Vivian

      Não acho certo atribuir tudo à psicologia.Li alguns livros sobre educação de crianças(feitos por psicólogos),por curiosidade mesmo,e nunca vi nada falando sobre as crianças não poderem ser contrariadas,falam pra quando a criança fazer algo errado reprendê-la,e caso repita isso que seja aplicado alguma forma de castigo,não físico.Os casos citados pelo Cardoso são de mães e pais que simplesmente não querem repreender seus filhos,por simplesmente não terem vontade ou acharem que eles não entendem,como se crianças de 3 ou 4 anos fossem pessoas sem a menor capacidade de pensar sobre o que é certo e errado.

      • Claro que a culpa não é só da "nova psicologia". A culpa é também da "nova pedagogia", que acha que crianças e adolescentes até os 16 ou 17 anos são débeis mentais que não têm consciência dos seus atos e que por isso não devem ser punidos.

        Um brinde aos pedabobos.

        <abbr>Lucho – último post do blog… Vai começar mais uma tortura.</abbr>

        • Na verdade acho que o problema menos teórico e mais prático. A permissividade dos pais é motivada por dois fatores, o medo de se tornarem autoritários e repressores e o sentimento de culpa por não dedicar ao filho tanto tempo e atenção quanto gostariam.

          <abbr>Renata – último post do blog… Uma coleção bem bacana</abbr>

          • Concordo com o que você disse, Renata. E depois disso que você disse, me veio a cabeça uma pergunta: Se não vai ter condições de criar um filho (e quando eu falo de condições, eu não falo de ter dinheiro, mas de cuidar da educação do filho; de estar do lado do filho nas horas em que mais precisar; de educar os filhos ao invés de televisão, sociedade, "amigos", "colegas" educarem o filho) porque que procria?

            Ao se casar, não é obrigado a botar filho no mundo. Existem muitos casais que não têm e não querem ter filhos. Por favor, não coloquem mais pestinhas no mundo.

      • Concordo com vocês(Vivian, Lucho e Renata), pelo que vejo as pessoas que estão criticando psicologia, julgam com base no que sabem(Conhecimento empírico), psicologia, assim como qualquer outra area do conhecimento humano, se aplicado com responsabilidade dá ótimos resultados.
        Quanto aos psicólogos que tem filhos e não sabem criar, isso tem em todas as areas, existem profissionais e profissionais, o que não dá é pegar um caso isolado e generalizar para tudo.

        <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Passeio ciclistico no dia 25/01 > Participando você ganha a bike!</abbr>

  • Levantaram a ficha do cachorro e não a do moleque? Vai que ele tinha a ficha suja e precisava ser sacrificado?

    Agora sério: fico puta com esse tipo de coisa e pensava que era só eu. Ler este post e os comentários me deixaram aliviada em perceber que não sou a única!

    <abbr>Caminhante – último post do blog… Tatuagem e piercing</abbr>

  • Pingback: Um gato, uma criança e 7 pontos no braço at Pensamentos Randomicos()

  • Educação é tudo. Junto com a educação natural que se deve dar aos filhos para se viver em sociedade(e que hoje parece estar esquecida), meus pais sempre me lembravam da importância de respeitar os animais. E não eram só palavras: eles demonstravam com gestos, tipo pegar um passarinho vítima de uma pedrada e cuidar dele. Por isso nunca gostei de criar bicho em gaiola ou viveiros. Uma vez o vizinho viajou e deixou sua gaiola enorme cheia de passarinhos para meu pai tomar conta. Só não teve uma fuga em massa porque minha irmã dedurou e o plano foi pro espaço.
    Mas a melhor cena de vingança animal que vi foi meu papagaio pendurado no dedo do pivete pentelho do vizinho, que vivia enchendo o saco dele: era ele gritando feito um desesperado de um lado e eu rolando de rir no chão. :D

    <abbr>Bruno Alves – último post do blog… And the winner is: o Coringa! – Parte 1</abbr>

  • Escuta, fui só eu que percebeu que o nome da mulher é Samantha Stevens? Ela literalmente torceu o nariz pra atitude do cão. HAHAHAHAHHAHAHA

    <abbr>Andre – último post do blog… O mistério dos flocos de neve</abbr>

  • Ah se fosse um Centro de Controle de Zoonoses no Brasil… Alguém já visitou algum? São verdadeiros campos de concentração para cães e gatos!

    Dá pra sentir vergonha de ser gente…

  • Não seria controle de zoonoses?

    <abbr>Kazuya-kun – último post do blog… Sobre as leis de regulamentação de lan houses</abbr>

  • Cara, nesse final aí você deu sorte de não ter sido processado por "maus tratos à menores" (ainda!!! Fique de olho, heim). Se hoje tem filho que denuncia pai por causa de tapa na bunda após uma molecagem, que dirá num caso desses, em que os filhos são mimados até à ruína.

    <abbr>Marcio Neves Machado – último post do blog… Imagem Google do Dia – 110° aniversário de René Magritte</abbr>

    • PS: gostei desse "último post do blog", heim? Essa novidade eu não tinha reparado antes :)

  • Soulhell

    kkkkk.. boa Cardoso..

    Mal trato a animal deveria ser punido assim como qualquer crime. Mas nossa sociedade …

    Uma sociedade em que a educação é baseada em moralismos religioso e não em cidadania e respeito não vai evoluir para algo digno nunca.

    Você não pode matar porque é pecado e deus chora # Você não pode matar porque você não tem direito de tirar a vida de ninguém, você não gostaria que alguém tirasse sua vida ou a de seus pais.

    Viajei no comentario.. ehwehew..

    :P

  • O animal é igual ao dono, não importa o tipo de animal ;)

  • Tbm conheço muitos pirralhos desse tipino, a mãe não tem autoridade e o filho só falta pisar em cima dela.

    <abbr>Rafael – último post do blog… Garota Mimada RMVB Legendado</abbr>

  • Cósmica

    Simplesmente espetacular… detesto criança mal-educada e MAIS AINDA pais que não impõem limites e criam essas verdadeiras pestes.

  • Bruno

    Os pais "modernos" estão perdendo a autoridade e o bom senso. Estão deixando a educação da garotada (e meninada) por conta da TV.

    A raça do choli não seria Mastim Napolitano?

  • Alguém viu a foto do garoto no site de onde o Cardoso tirou a matéria?
    O garoto, de apenas 3 anos, tem cabelo moicano. Junto ao comportamento dele, é um forte sinal de que algo muito sério está errado com os pais.

    Engraçado que algumas pessoas que comentaram que o garoto deveria ser punido atribuíram aos donos de animais o a responsabilidade por seus comportamentos.

    Guardadas as devidas proporções, o mesmo processo de aprendizagem que adestra cães é aplicado na educação de crianças nessa idade, antes de irem à escola.

    Em vez de punir o garoto, muito melhor seria se a mãe sofresse as consequências de sua irresponsabilidade.

    <abbr>Cathalá – último post do blog… Mulheres nuas e policiais: NYPD e PMBA seguem na disputa</abbr>

  • Antigamente, se um moleque fizesse algo, tipo quebrar a janela do vizinho, a mãe ia lá, pedia desculpas e em casa o chinelo comia solto.

    Hoje a mãe brigaria com o vizinho, dizendo que foi culpa dele, defenderia o filho e ficaria por isso mesmo.

    Isso resultou em toda uma geração de imbecis mimados que acham que podem fazer o que querem, quando querem e do jeito que querem. Por isso hoje em dia está cada vez mais insuportável conviver em sociedade. Pessoas egoístas, mimadas e mal-educadas é o que não falta por aí.

    Só queria saber quem foi o infeliz que inventou essa tal de "psicologia moderna", onde não se pode mais nem encostar o dedo nas crianças sob o risco de traumatizá-las.

    <abbr>Hugo – último post do blog… Economia, onde?</abbr>

  • RodrigoACK

    Óia… Não sou um defensor dos animais, não moveria meio mundo ou participaria de um movimento em defesa a eles ou qualquer coisa do tipo. Porém, coerência é algo que independe disso. Maltratar animais, seres humanos ou qualquer outro ser vivo, terreno ou extra terreno (e assim, acabo de perder a credibilidade de meu comentário #lunático), é algo que foge completamente do senso comum da vida em sociedade. Cada um no seu lugar, creio eu.

    Apesar disso, também achei bastante incoerente a sua ação de atirar o brinquedo no garoto. Sou da crença de que vc deveria ter "cagado" o piá com uma ameaça, e mais ainda à mãe dele, mas nunca agredir a criança, que também é menor e indefesa. Um discurso no estilo "se tua mãe não te dá modos, eu dou" já seria o suficiente.

    • Uma criança que dá tapa na cara da mãe (EU VI!) não reage a ameaças.

      • RodrigoACK

        Mas a mãe dele deve reagir. Principalmente quando você está ameaçando o "pequenino tesouro" dela.
        A questão é que agredindo-o você está se expondo à possibilidade de um processo por parte da mãe do garoto, ou uma acusação de crime de maus tratos a menor(es).

      • "Uma criança que dá tapa na cara da mãe (EU VI!) não reage a ameaças."

        Verdade. Minha mãe tinha uma amiga cujo filho, de cinco anos, era o Diabo em forma de guri. Batia na mãe e ela achava lindo (as professoras da escola disseram que ele adquiriu trastorno de Édipo também). Quando eu tinha que tomar conta do pirralho e ele vinha com agressão e toda sorte de malcriações, eu batia nele e DEPOIS CONTAVA PRA MÃE. Ela não gostava, claro (me xingava), mas alguém tinha que dar educação pra praga.

        Crianças que agem assim costumam crescer sem conhecer limites. Depois com vinte anos sai armado e mata alguém e a culpa é da sociedade, ahh tá…

        <abbr>Lucas Timm – último post do blog… Por essas e outras, estou largando o Fedora.</abbr>

  • Andrei

    Vou falar, fazia tempo que não me divertia tanto com um post, Cardoso, haha :P Muito bom.
    Na rua onde morava tinha uns pivetes que ficavam estressando um cachorro, daqueles filas que, se apoiarem nas patas traseiras, dão mais de dois metros. Os cachorros ficavam pra dentro de um portão meio enferrujado, caindo aos pedaços… Meu SONHO era aquele fila pular e assustar a criança para ela aprender…

  • Hahaha…

    “Muito bem, você está na sua casa e ninguém tem o direito de puxar seu rabo, bom menino”.

    A-MEI!

    Beijos e sucesso!!!

  • hbeira

    hehe bela história
    Demon é mais apropriado ;)

  • Muito bom ler esse post! Não suporto esses pais permissivos que acham que seus filhos podem fazer o que quiserem, e não suporto maus tratos a animais – coisa contra a qual é difícil ver alguém se manifestar. Parabéns por mais um belo texto!

    <abbr>Christian Gump – último post do blog… A pouca criatividade dos títulos originais de filmes e séries</abbr>

  • Não curto maltratos a animas indefesos tb, mas era uma criança, a culpa são dos pais, a atitude da criança em maltratar o cachorro merece corretivo, pois esta em fase de aprendizagem, a sua de "tacar" o brinquedo na criança foi mais ridícula e covarde, digno de quem se veste com a carapuça de Deus. Realmente, a mãe do menino é uma escrota, por dois motivos: 1° por não educar seu filho corretamente. 2° por deixar que um adulto imbecil o machuque. Ensinar uma criança na base da pancada é covardia. Se fosse meu filho, muito provavelmente vc não postaria mais.

    <abbr>Rodrigo[NightSpy] – último post do blog… BBB – Ódio generalizado.</abbr>

    • Se fosse seu filho você apanharia também, o moleque BATIA na mãe, para uma criança chegar nesse ponto, só com pais MUITO bananas.

      • Cardoso, o muleke pode ser o "capeta em forma de guri". Os únicos que tem o direito de bater neles como forma de corretivo são os pais. Se ficou tão nervoso, esperasse o muleke completar 18 anos, dai descia a lenha. E mais, nada neste mundo justifica bater em uma criança que é tão indefesa perante vc(um adulto) qto um cachorro.

        O mais correto(e adulto) seria conversar com os pais dele, dizendo sobre oq aconteceu e que se continuasse, não deixaria mais entrarem na sua casa.

        Cada um sabe oq faz, ctz, meu filho teria respeito pelos animas e pelos outros, assim como eu sempre tive, e mesmo ele fazendo algo errado, continua sendo de exclusivo direito meu, ter que chegar ao ultimo recurso da violência.

        Abraços

        • Eduardo

          Errado, NINGUÉM tem o direito de agredir o próximo. Em lugar nenhum do mundo bater é sinonimo de educar.

          Mas também não existe nada que diga que é errado revidar a agressões. E ele o fez em nome de quem não pode.

          Aposto que se tivesse conversado com os pais do valentinho ainda teria sido dado como pessoa má e que não compreende uma criança.

          • Concordo sobre bater não é educar, mas esta desculpa que defendeu quem não pode, batendo na criança dos outros…que tb não pode com um adulto, isto não dá pra engolir, não existe tb em nenhum lugar do mundo, antes conversar e os pais o considerar má pessoa, assim, saindo no lucro de não ter tal amizade, do que fazer oq fez.

            Como pode uma pessoa que repudia violência aos animais , fazer o mesmo com uma criança?? estranho né, 2 pesos e 2 medidas.

          • Diego Camara

            Francamente, no nível onde a criança chegou, com toda a falta de raciocínio e de educação dos pais, acredito que ele aprendeu muito mais com o Cardoso do que tenha aprendido na vida toda com os pais dele.

            É uma situação difícil sem dúvidas, mas vir com a história que tem que educar e não bater é muito fácil quando você realmente educa a criança, ensina ela o certo e o errado e a repreende de uma maneira correta.

            É difícil medir as atitudes, mas você deixaria um animal sofrer nas mãos de um "animalzinho" (este humano) que não sabe mesmo o que faz?

          • Eduardo

            1) Não foi violência gratuita, foi uma repreensão. Na verdade a mãe deveria fazer isto desde quando nasceu, mas como não o fez, fizeram por ela. Violência gratuita é a que o peste fez.

            2) Se não ensinaram a criança sobre respeito em casa, acredite, iram mostrar isto na rua e da pior forma. Como o Cardoso fez por exemplo. Ou pior, quando for adolescente ainda pode levar um coro ainda maior isto se não for morto. Se não ensinar em casa a vida vai ensinar. Isto é fato.

            3) Dois pesos em geral tem duas medidas. Dificilmente terá dois pesos exatamente com as mesmas medidas :)

          • @Diego Camara Nada, mas nada irá me convencer, que uma criança de 4 anos, QUATRO ANOS, é um "anilmazinho" e que não tem jeito pro resto da vida dele¬¬, é acéfalo, é irremediável, como todos estão falando. Não creio, sinceramente, que possa estar lendo tantos comentários ofensivos a uma criança de Q-U-A-T-R-O anos, só pq um blogueiro escreveu "lindamente" um texto contra a mesma. Como eu disse, não sou a favor de maltratos a animas, mas CAR&%#@, analkisem a situação, não foi alguem com discernimento que o maltratou, foi uma criança, não um pré-adolescente, uma criança.

            @Eduardo 1)A MÃE DEVERIA, sim, ela e o pai, únicamente eles. 2)Oq não transforma quem bater ou matar ele(a criança no futuro) em herói. Se recorrermos em tudo para a violência, seremos mais um neste mundo, apenas isso. 3) Pode crê, exceto qdo sendo produto industrializado :-P(q viagem!)

            <abbr>Rodrigo[NightSpy] – último post do blog… BBB – Ódio generalizado.</abbr>

          • Diego Camara

            @Rodrigo Nightspy

            Nada é realmente irremediável, mas tudo necessita para começar a mudança um "pequeno" empurrãozinho. Se os pais não tomam a iniciativa, quem tomará?

            Em primeiro lugar não tomo minhas proporções sobre textos de blogueiros ou qualquer coisa, quem me conhece sabe que meu raciocínio sempre foi independente, e quando o @Cardoso escrever algo que eu ache errado, virei aqui e falarei da mesma maneira.

            Qualquer um enquanto criança já fez coisas erradas, inclusive até mesmo maltratou animais. A criança não tem raciocínio, porém os pais podem impor limites. Eu nunca repeti um erro!

            A situação é complicada? Claro! É uma sinuca de bico, onde se você fizer algo está errado, mas se não fizer, também está errado.

            Eu tenho um pseudo-sobrinho. O muleque é um capeta, um demo, uma coisa. Não tem limites! Se ele encostasse a mão no meu gato eu arregaçaria ele ao meio, e não estou brincando não! Se os pais dele não conseguem dar a educação, não será no MEU animal que ele vai descontar…

            Agora, parte de cada um, se os pais não dão conta é problema deles, agora jamais deixaria eu que um animal pagasse pela incompetência de um ser humano. Neste caso para mim o melhor tipo de ensinamento é o velho "você dá, você recebe".

            É aquele falso moralismo de direito das crianças, e os animais que se danem. Particularmente eu gosto muito mais dos animais, eles não xingam, não batem, não roubam, não mentem, não estupram ninguém… eles apenas agem por instinto.

          • @Diego Camara Não discordo do seu ponto de vista sobre intervir em defesa dos animais, tb sou assim, mas ser assim não significa ser o oposto com os seres humanos. Não tem falso moralismo nenhum, tem é bom senso. Neste caso, não vejo sinuca de bico nenhuma, pq? pq o @Cardoso é adulto e não muleke, mas teve atitude de muleke e isso ao meu ver foi errado, digo mesmo, minha opinião, eu lido com uma criança de 4 anos bem diferente, sendo ela "capeta" ou não. Cada um com sua consciência, se vc bate em uma criança pq ela maltratou seu animal, em vez de remediar de uma forma não-violenta, pode ter certeza que os pais delas não conseguiram educar e muito menos vc.

            Abraços

          • André Souza

            "Violencia" é meio exagero. Não acredito que a crianças tenha saído minimamente machucada, ao contrário do cachorro. Deve ter tomado apenas uma p**a susto, algo muito comum em crianças que não estão acostumadas a sofrerem represálias. Espero que do susto ela tome uma lição, assim pensará duas vezes na próxima ocasião em que sentir vontade de maltratar um ser mais fraco. Seja bicho, seja gente.

            Se isso acontecesse mais vezes, teríamos uma geração mais educada de crianças. Sem nenhum prejuízo para a saúde delas.

          • @ André Souza Não sei, só o @Cardoso para dizer, estou levando em consideração que a criança machucou o cachorro,e que o mesmo brinquedo que uma criança de 4 anos conseguiu machucar um cachorro, sendo arremessado COM FORÇA(como o próprio @Cardoso disse q fez) causou um machucado igual ou superior a criança…concorda?

            "Se isso acontecesse mais vezes, teríamos uma geração mais educada de crianças." – Discordo com um simples motivo. Isso aconteceu direto com a geração da minha ma~e, com a minha tb, e te digo que, o mundo esta como esta não por causa de crianças de 4 anos. tb não digo q foi por isso, mas só um exemplo como oq vc disse não tem lógica.

    • Porra! O Cardoso fez pouco ainda! Se fosse eu metia era o tapa na cara da criança e se pai viesse encher o saco ainda tomava porrada! Criança é malvada geralmente e tem que tomar muita porrada!

      <abbr>Terramel – último post do blog… OBA! Mais FUD contra o Linux para rirmos um pouco!</abbr>

      • Uns desses capetinhas andavam maltratando os animais de estimação das pessoas aqui da rua, levaram tanto tapa que nuca mais os vi nem chegando perto de um cachorro ou gato no meio da rua. E isso valeu também para os meus sobrinhos e primos.

        <abbr>Cidão – último post do blog… 10 coisas que eu odeio na blogosfera</abbr>

        • Excelente saber disso! Se vejo uma criança ou adulto maltratando algum animal encho o fdp de tapa. Não quero nem saber!

          Abraços
          do Terrinha

  • Matusman

    Vai ser difícil aparecerem crianças que não aprontem! Moleque e maldade são duas coisas que sempre andaram juntas… Agora o que não pode ter é falta de disciplina. Os pirraias precisam levar bronca ou pisas toda vez que fizerem presepadas.

  • Hawk

    Excelente Cardoso.

    Já fiz isso também. Não aguento ver uma criança – ou qualquer outro ser – maltratando animais.

    Uma vez uma peste jogou meu cachorro – que ainda era filhote – no chão, na hora eu tasquei um tapa na mão da criança, ela abriu o maior berreiro. Eu falei pra mãe dele: "Ele maltratou meu cachorro indefeso, porque você não briga com seu filho mal educado?"

    Nunca mais vi a mãe nem a criança na minha frente. Ainda bem.

  • Eu ja tive uma matilha de Filas Brasileiros mas, nunca ninguém implicou com ele.

    hehehehehehehehe

    Se os pais não educam, a vida ou algum cachorro se encarrega.

    <abbr>Francisco Amado – último post do blog… HÁ VAGAS</abbr>

  • Ótimo post, ele mostra a realidade!
    O muleke é um serzinho sem educação por atirar coisa no seu animalzinho, a mãe do safado não sabe criar e você também acabou mostrando que sua inteligência mental se iguala a da criança.
    Realmente não sei quem é pior… pq o menino ainda da pra dar a desculpa que é mal criado e criança, agora você já é um adulto e age como uma criança mal educada…
    Não acredito que deve-se resolver as coisas na violência, pq é circulo vicioso onde o menino bate no cachorro, vc bate no menino e se o pai do menino fosse o Rodrigo vc iria apanhar feio como vimos acima, percebe como a coisa fica ruim? todos acabam saindo perdendo.
    O que faltou é você falar com propriedade com a criança, que raio de adulto é você que não consegue conversar ou até mesmo intimidar um pirralho? precisa bater fisicamente no filho dos outros? Se precisar indico uns livros bons pra você aprender um pouco de psicologia infantil.

    Isso podia render um processo ou uns tiros dependendo o lado que o pai da criança segue.

    Agora … que bando de puxa saco nesse site heim galera? espero que não fique nervoso por eu ser um dos poucos a discordar de você, é minha opinião pessoal.
    abraços
    PC

    <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Israel X Palestina … Eu Protesto</abbr>

    • O mundo está cheio de "psicólogos infantis" e deu no que deu.

      E vá à merda, que saco, todo mundo que não concorda com VOCÊ é puxa-saco? Perdeu toda a moral depois dessa.

    • Diego Camara

      Puxa saco é você, que fica babando ovo para a Psicologia Infantil.

      Deve ser daqueles que assistem a Super Nanny e acham que aquela m… serve pra alguma coisa. Na verdade lá você aprende que a Psicologia Infantil serve no máximo pra aparar portas, pois os livros são pesados.

      Falso moralismo de alguém que provavelmente nunca teve um animal, nunca amou um ser de quatro patas como um gato ou um cachorro.

      Aquela velha frase "Vemos como é a sociedade dependendo do modo como tratam seus animais" (ou algo próximo a isto), nunca se encaixou melhor.

      O animal pode apanhar, pode sofrer… realmente é esta a nossa sociedade. Os animais pagam pela incompetência dos pais, afinal a corda sempre quebra do lado mais fraco.

      • risos, achei super engraçado a sua colocação quanto a Super Nanny, rsrsrs estou rindo muito cara hahahaha
        Sinceramente não da pra conversar com alguem com esse nivel cultural não é mesmo?
        Se for para termos uma conversa no mesmo nível, eu teria que começar a atacar agora o programa Late Show com Luisa Mell afirmando que Super Nanny é muiiiiiito melhor e inclusive por isso que o Late show saiu do ar… hahahaha, pára né ?! Não sejamos tão superficiais meu amigo! Se não tem conteúdo sugiro que leia a celebre frase de Abraham Lincoln: "É melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do quer falar e acabar com a dúvida."

        Note que eu não estou pregando que os animais devem ser atacados, eu tenho cachorro e gosto muito dele, porém não apoio que um adulto bata em uma criança que ele nem conheça, existem outras formas de tratar este problema(eu disse que é um problema portanto não estou apoiando!).

        É isso, agora vamos parar de debater Super nanny e lateshow aqui pq o blog contraditorium sugere debate muito mais inteligente que isso.
        abraços
        PC

        <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Israel X Palestina … Eu Protesto</abbr>

        • Diego Camara

          Fato é que a Super Nanny é a senhora representante da classe dos Psicólogos veadinhos que acham que bater não é uma maneira de educar, e é sim!

          Não é a melhor e nem a primária, mas é sim uma maneira de educar, usada em casos extremos.

          • Vivian

            Apesar de ter gostado do texto do Cardoso,concordo em parte com o que o Paulo falou.Não acho certo que ele tenha jogado o brinquedo no garoto,mas como o Diego falou,em casos extremos é necessário SIM bater e apesar de eu não achar que seja uma forma de educação,pra uma criança que não teve a mínima educação em casa,como o Damien,e já tinha sido avisado anteriormente para que não machucasse a cachorrinha,bater foi a única coisa que o Cardoso poderia ter feito,não o educou,mas ao menos fez com que ele não machucasse mais a cachorrinha.

  • Depois de ler o seu texto, eu apóio cada vez mais o que o Morróida disse. De que a pessoa deve ter uma permissão para poder ser pai, ou mãe. E quem não tiver essa permissão deve ser esterilizado.

    Só assim esse pessoal não procria e não coloca no mundo PESTES iguais a esse menino que você citou no texto, ou a outras crianças citadas nos comentários.

    Belo texto.

    <abbr>Lucho – último post do blog… Vai começar mais uma tortura.</abbr>

  • Bigode

    Eu somente fui mordido por um cachorro quando tinha 3 anos. Fui pegar na comida dele, é pedir pra ser mordido.

    A minha irmãzinha tem tipo uma empatia com animais. Com dois anos ela sentava em cima do gato, segurava ele pelo rabo e girava, até trancou ele na geladeira. E o paspalho nunca fez NADA com ela, nenhum arranhão ou mordida. Só uma vez cagou no sapato dela, e olha que foi porque ela trancou o bicho dentro de casa.

  • uasdhfuhausdhfau…kra..nunca ri tanto lendo um post…muuuito bom…

    a noticia, seus relatos mas principalmente a forma com que escreves é muito bom mesmo!

    parabens…vou visitar seu blog sempre, ja inscrevi o RSS…

    Valeww

  • Márcia Godoy

    Esta falta de autoridade dos pais ante os pestinhas, só ratifica a incompetência e a incredulidade daqueles que deveriam se esterilizar para não colocarem mais em risco a vida (e o saco!)de nossos caezinhos. A propósito, vou ensinar Karl Marx a comer as criancinhas daqui do condomínio. Assim elas param de gritar e a estragar minhas leituras.

  • Arauca

    Darwin Rlz

  • Você deveria ter descido a sapatada na mãe desse pivete, isso sim. Jogar as coisas nele não posso dizer que concordo. Crianças aprontam, mas um par de berros ensina rapidamente a elas quem manda, igual cachorro.

    Numa dessas acabamos perdendo amigos legais (não creio que seja o caso) que infelizmente não aprenderam a educar os filhos. Morte aos pais desses pestinhas e pra eles um lugar onde aprendam a ter educação.

    <abbr>Maysa – último post do blog… And the book goes to…</abbr>

  • Fran Molina

    Nem me fala dessas malditas crianças implicantes. A

  • Fran Molina

    Legal, aparentemente eu mandei um comentário sem ter apertando enter. como fas/

    Bom, nem me fala dessas malditas crianças implicantes. Falta de Autoridade + Falta de Limitação de Internet e televisão acabam criando esses pestinhas. Isso acontece porque muitos dos pais que criam os filhos ficam longe por qualquer que seja o motivo (most likely trabalho), e quando querem FINGIR que dão atenção e que se importam, acabam dando pra criança qualquer coisa que ela pede, não importa o quão absurda que essa coisa possa ser.

    Tem que pegar e dar umas lambadas na criança quando ela passa dos limites. Tem que ter punição exemplar. Claro que não pode fazer atrocidades como no caso Sílvia Calabresi, mas tem que mostrar autoridade, mesmo que isso acabe em umas palmadas na bunda ou castigo.

    Esse tipo de criança que os pais defendem como zumbis acéfalos são casos perdidos; quando chega a esse ponto, que eles defendem mesmo com todos os pontos contra a criança, já chegou ao ponto que a criança dominou totalmente os pais.

    Eu sou contra a violência, eu ainda não tenho filhos, eu inicialmente vou tentar resolver na conversa, é claro. Mas se passar dos limites, vai tomar umas palmadas na bunda, sim senhor. E ai de quem falar algo de ZOMG NOVA PEDAGOGIA. O filho saiu da minha barriga e tem DNA do cara que eu decidi passar o resto da vida, acho que eu sei mais que esses pedabobos (adorei, vou usar isso) sobre a criança que eu crio.

    Essa porcaria de nova-pedagogia-paz-e-amor pode chupar meu saco inexistente.

  • Quanto a ir a merda acho que não é uma boa. Vou passar.
    + Então, me desculpa, eu não queria te deixar nervoso, apenas foi um ponto de vista divergente, acredito que com a divergência podemos crescer, não adianta muito eu agir como um boi no rebanho e ir para o mesmo lado que todos, pois, isso não acrescenta muito, e por outro lado, você me parece um cara inteligente, tenho certeza que não precisa de afagos no ego para ficar bem.

    Agora vamos analisar o que disse: "O mundo está cheio de “psicólogos infantis” e deu no que deu.". Se utilizarmos este site para representar quem é maioria, vamos perceber que apenas eu e o Rodrigo temos a idéia de que com violência gratuita não é o melhor caminho para resolver estes problemas, ainda mais um adulto que machuca crianças. Percentualmente, temos aqui 80 comentários, então dentro deste cenário nós temos 4 posts, que representa apenas 3,2% do total os outros 96,8% que representam claramente a maioria são a favor de suas atitudes violentas, ou seja, espancar as crianças, então podemos dizer que, o que você chama de "Deu no que deu", é um resultado claro de pessoas que agem dessa forma: na porrada.
    Agora dizer que quer que psicologia/ pedagogia(como alguns colegas disseram) é uma coisa ruim… é um pouco de presunção, pensar que só pq vocês discordam está errado, existe algum embasamento para justificar esse tipo de atitude? alguma pesquisa mostra que espancar filho dos outros traz benefícios para a criança ou sociedade?

    Sinceramente, as vezes tb sinto vontade de esmagar crianças quando elas são como você citou, uns diabinhos, porém nem tudo que sinto vontade posso fazer não é mesmo?
    Abração

    <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Israel X Palestina … Eu Protesto</abbr>

    • Diego Camara

      Afirmar que todos aqui são puxa sacos é algo realmente ridículo. Acredito que temos gente com raciocínio aqui para formar a própria opinião. Ninguém aqui é idiota como você mesmo afirmou.

      Talvez você seja mais um que acredite que todo mundo que lê blogs tem mentalidade de 10 anos de idade (como os que assistem a novela em média tem, conforme pesquisas de comunicação que eu estudei).

      Fato é: você foi ofensivo para com os outros, e apenas recebeu o que mereceria.

      Psicologia só funciona no Programa da Supper Nanny, onde tudo é uma maravilha com o cantinho da disciplina e outras tranqueiras mais.

      Fato é que a sociedade ocidental soltou as rédeas, e as crianças hoje cada dia estão mais estúpidas (não somente elas). O que fazer?

      A questão que foi posta em primeiro lugar neste artigo foi: Os animais devem realmente pagar pela nossa incompetência em educar nossas crianças?

      Particularmente eu gostaria que a criança fosse brincar com um animal capaz de se defender. O animal mesmo daria a resposta, seria muito mais legal!

      • Diego Camara, eu não pretendia ofender ninguem e nem falei que você é retardado mental, leia novamente e vai perceber que está se martirizando de bobeira.

        A minha opinião é a seguinte: De forma alguma os animais devem sofrer! A unica coisa que questionei foi a de um adulto usando violência para bater em uma criança que não conhece. Um erro nunca justifica outro erro ao passo que isso gera ciclos onde "eu faço coisas incorretas porque ele fez primeiro". Devemos agir corretamente independente de que o outro não o faça. Lembre-se que esta é uma ferramenta de comunicação onde muitas pessoas vão ler e ao ver todos aqui fazendo apologia a violência contra crianças podem ser influenciados. Já pensou se um dia resolver ter um filho e alguem vai dar uma boa lição nele?

        Quanto a super nanny vc pegou pesado rs.

        Já o lance da criança ir brincar com um animal que possa se defender, como o caso de um cachorro bravo, a lei iria punir o dono do animal por andar com ele sem proteção… então isso também não seria interessante, o melhor mesmo é buscar uma forma alternativa a violência de conscientizar as pessoas/crianças de que não devemos maltratar animais, e definitivamente a violência não é o melhor caminho.

        Mudando de assunto, qual sua formação acadêmica? é na area de comunicação? Desculpa alguma coisa viu.

        Abraços
        PC

        <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Israel X Palestina … Eu Protesto</abbr>

        • Diego Camara

          Eu não estou me martirizando, somente estou explicando e exemplificando que foi bastante infeliz em seus primeiros comentários por aqui. Se pode visualizar teu erro ao menosprezar os outros, então está tudo bem. Particularmente não me sinto ofendido, pois sei bem o que eu acredito enquanto pessoa.

          Bem, concordo contigo neste segundo ponto. Acho que apologia a violência não deve ser praticada, e que realmente alguns são extremistas ao ponto de exagerar. Mas, em defesa de um animal meu eu repito, seria capaz de qualquer ato.

          Se meu filho batesse em um animal meu eu iria avisa-lo, se ele repetisse o ato, ele veria o que é bom para tosse. Você explica, você chama a atenção, se o desrespeito continua sou a favor de uma medida mais drástica. Se a criança não souber se comportar há de se indireita-la antes que seja tarde. Espero particularmente que eu NUNCa precise utilizar estes metodos com ninguém, mas se precisar eu faria, como último recurso.

          Se o animal estiver fora de casa está sim fora da lei, mas em sua casa não. Como o caso da australiana, o garoto foi até a casa do cachorro pra implicar com ele. O animal dentro de sua residência, o dono está no direito inviolável de mante-lo como bem entender.

          O problema é que nossa sociedade perdeu o respeito pelos animais. Se a educação funcionasse de berço ninguém precisaria tomar medidas drásticas. Sou a favor da violência sim, mas como último e irremediável recurso. Esta história que não se pode bater é uma forma moderna que causou a deturpação da nossa sociedade, e só funcionaria se os pais soubessem educar os filhos. Se o pai não sabe impor limites é impossível não poder recorrer aos antigos métodos, e olhe, se você caminhar um pouquinho vai ver que eles realmente funcionavam. Eram extremistas sim em partes, mas a sociedade funcionava melhor daquela maneira do que funciona hoje. Talvez o erro tenha sido soltar totalmente as rédeas sem ter um controle mínimo.

          Hoje sou apenas um mero formando em Jornalismo e tenho conhecimentos na área de Radialismo e Design Gráfico para composições jornalísticas, basicamente isto além de outras experiências.

          • Oi Diego,
            Está certo, nunca devemos menosprezar os outros! Devemos discutir atitudes e não pessoas, não é mesmo?
            Enfim, essa foi a unica forma que o Cardoso encontrou de resolver o problema, porém vamos lembrar que mapa mental é diferente de território, portanto, apesar de ter funcionando nesse caso, eu só sugeri que além desse, existem outras formas de resolver o mesmo problema, que talvez possam trazer resultados melhores no geral. Eu também errei ao me expressar, percebo algumas pessoas ficaram bravas comigo, portanto não fui eficiente em minha comunicação né… a vida é assim, todo mundo escorrega rs

            Eu percebi que você escrevia muito bem, legal, jornalismo é uma area que acho muito interessante. Minha formação é em sistemas de informação com pós em administração, atualmente estudo mercado financeiro/analise técnica/ psicologia social aplicada.

            Gostei bastante do Blog aqui, permite discussões e troca de pontos de vistas entre pessoas que pensam muito diferente e todos podem sair ganhando muito.

            Abraços
            PC

            <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Passeio ciclistico no dia 25/01 > Participando você ganha a bike!</abbr>

  • André Souza

    Hahaha, ótimo post. Concordo 100%.

    Infelizmente, criança é o ser humano no seu estado mais puro. E o ser humano é intrinsecamente MAU por natureza. É por isso que não podemos passar sem leis. Sem elas, a coisa viraria uma zona.

    O grande problema é que hoje temos pais e mães que não querem assumir seus deveres. Educar é algo que dá muito trabalho. E há também essa mentalidade atual de "meu filho é ESPECIAL, é o príncipe herdeiro de Astúrias, é o Neo, o Paul Atreides, o Um Para a Todos Dominar, o Messias que irá liderar a humanidade a um novo Estado de Iluminação Transcedental". E como tal, está acima de tudo e todos, e "ai" de quem reclamar. Antigamente, se a criança aprontava, ela era devidamente castigada. Era assim que aprendia que haviam limites, que ela não podia sair fazendo qualquer coisa. Hoje, o pequeno eleito dos céus está sempre com a razão, e se for necessário, os pais brigarão com o mundo inteiro para defender essa tese. Isso mina a moral, a civilidade, o respeito ao próximo e à sociedade.

    Alguém aí se lembra dos boyzinhos valentes que bateram numa empregada sob a "justificativa" de que acharam que ela era prostituta? E da reação dos pais, que vieram defender os pimpolhos? Pois é. Sabemos agora onde a coisa começa…

  • Hahaha! Excelente relato! Você fez muito bem!!! Conheco um caso parecido, que aconteceu com uma amiga de uma amiga. Essa moça tinha um cachorro absolutamente adorável, mas uma dessas visitas insuportáveis resolveu implicar com o bicho. Terminou levando uma dentada e foi prontamente reclamar com a dona do cachorro. Essa, com a maior desenvoltura, brigou com o cachorro: "Fulano (não lembro o nome do bicho agora), que coisa feia!!! Já falei para não colocar porcarias na boca!!!". Fantástico, não é???

    Quem não gosta de bicho não deveria ir na casa de quem tem bicho!!! Os bichos moram na casa, as visitas não. Concorda??? Tomei a liberdade de republicar esse seu excelente post no meu blog http://www.lordcao.blogspot.com, com os devidos créditos, lógico!

  • Eduardo

    Quem protege o culpado (a criança sem educação) pune o inocente (o cão sem condições de reagir). E isto é válido para absolutamente tudo o que vemos no nosso dia a dia. Proteger o culpado SEMPRE é punir a vítima.

    • Então você é a favor de fazer justiça com as próprias mãos? Posso começar a usar a minha espingarda calibre 12 para resolver diferenças na rua que eu achar um inocente e um culpado? Será que eu tenho condição de julgar quem é o inocente e culpado? Então tudo bem, é certo que ele bata no menino que bateu no cachorro, e seguindo essa lógica é certo que o pai do garoto bata nele? e ai ele ganha o direito de bater no pai do garoto? que por sua vez ganha o direito de mandar matar ele? Como assim?! Vamos ser coerentes, não da pra ver o mundo só de um ponto de vista conveniente…

      Talvez no velho oeste isso funcionasse bem, porém atualmente, não é assim. E caso não goste disso, temos que fazer algo para mudar, procure o deputado que elegeu, faça protestos ou seja lá o q for, porém bater em criança é crime… simples assim.

      abraço
      PC

      <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Israel X Palestina … Eu Protesto</abbr>

      • Eduardo

        1) Andar na rua armado é crime, a menos que você tenha permissão para isto (o que duvido muito visto a altissima exigencia para tal). E ter permissão para andar armado lhe da o direito de sair atirando a seu bel prazer. Alias, sequer a polícia tem este direito.

        2) No que tange a repreensão, caso você veja algo errado pode sim repreender a pessoa. NADA, absolutamente NADA o impede disto. O que você não vai poder é sair distribuindo socos e chutes (o que não foi o caso citado pelo Cardoso). Mas se alguém lhe mandar um brinquedo de borracha porque você não pode pega-lo e mandar de volta? O que não dá (legalmente) é para alguém lhe mandar um brinquedo de borracha e você responder jogando-lhe o carro em cima. O legalmente que eu cito é devido ao fato de nossa lei não permitir respostas desproporcionais, assim, se alguém lhe aponta uma faca nem ouse puxar uma arma porque você perde a razão (o que acho uma tolice).

        3) Trazendo mais para a realidade do ocorrido. A mãe deveria ter repreendido o garoto e não o fez. Ela errou e o Cardoso decidiu tomar partido do animal de estimação dele, o que fez bem, principalmente ao garoto. Da próxima vez talvez ele pense duas vezes antes de agredir algum animal pois alguém poderá responder por ele. Da mesma forma como o Cardoso mandou o brinquedo de volta, se fosse na rua e ele batesse em uma outra criança, pode ser que o irmão maior não fosse tão gentil como o Cardoso e mandasse ele de fato para um hospital tamanha a surra.

        • 1) Sim é claro, eu usei ironia para demonstrar o quanto o que você disse era sem noção. Eu perguntei se acha certo isso? A resposta é não ok? Concordo contigo, também não acho certo, assim como não acho certo o Adulto que pune criancinhas de 4 anos de idade, salvo as devidas proporções, a relação é a mesma, ou seja, ele fez justiça com as proprias mãos, portanto se seguirmos o item 1) ele está incorreto pois infringiu a lei batendo em uma criança.

          2)Segundo o Autor do ato, a criança com 4 anos conseguiu machucar o seu cachorro com o briquendo, portanto o brinquedo não deve ser um simples brinquedinho de borracha certo? e o mesmo brinquedo que machucou o cão sendo atirado por uma criancinha foi atirado por um adulto com força, o que deve ter feito um estrago maior que o cão sofreu né? Sendo assim se causar lesão na criança o adulto pode ser punido pela lei não é mesmo?

          3)Concordo que a mãe deveria ter intercedido e falhou! Já o Cardoso se justificar dessa forma para poder usar sua força desproporcional para bater na criança não deve ser visto com bons olhos para qualquer pessoa que seja NEUTRA, ou seja, que não tenha nenhum laço de amizade com o adulto envolvido no processo. Também acredito que apesar de nossas leis serem falhas, não é possivel que não haja pena prevista para esse tipo de ação, você é advogado? no estatuto da criança e do adolescente não tem nada definido para isso? Realmente está sendo imparcial quando responde aqui no site ou fala isso por ter alguma afinidade com o autor?

          abraço
          PC

          <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Israel X Palestina … Eu Protesto</abbr>

          • Eduardo

            Afinidade moral. Mas eu não sou do tipo imparcial. Considero imparcial a pessoa que fica em cima do muro e não quer desagradar nenhuma das partes. Dizer "Fulano você não deveria ter tacado o brinquedo no meu filho como repreensão. Meu filho, o que você fez foi errado". Isto é punir o cachorro e premiar o erro da criança. E se o cachorro tivesse mordido e machucado o garoto, o que você diria? Que o cachorro estava errado em reagir? E se machucasse muito o garoto, diria também que a reação do cachorro foi, sei lá, desproporcional (mais ou menos como o Cardoso acertando o garoto)?

            Eu SEMPRE tenho lado. Poderia estar do seu lado, mas neste caso eu estou do lado do autor do post.

            Quando você pergunta se eu estou sendo imparcial está tentando me desacreditar ou tirar o mérito de minhas argumentações. Ser favorável ao autor não me torna menos digno de crédito e você sendo contra não o torna mais digno de crédito.

          • Entendo, então respeitando sua resposta, desculpe por sugerir que você era amigo do autor.
            Vou simplismente colocar a minha opinião:

            A criança que jogou o brinquedo está errada, e deveria ser punida, ou pela mãe, ou bronca do adulto em questão, porém nunca bata no filho dos outros.

            O adulto que agrediu a criança, também está errado, pois apesar de mal criada e malvada, é uma criança, e ele(o adulto) tem maturidade para reconhecer a sua desproporção de sua força com relação a da criança. Não é assim que se resolve problemas sociais, se todos começarem a agir dessa forma, agredindo alguém quando essa pessoa faz algo que vai em desacordo com suas crenças, a vida social seria inviável.

            abs
            PC

            <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Passeio ciclistico no dia 25/01 > Participando você ganha a bike!</abbr>

    • Outra coisa… inocente X culpado…
      Então vamos lá:
      Cão X Criança que bateu no cãozinho: Cão inocente e criança culpada pois a criança bateu no cão.
      Criança X Adulto que bateu na criança: Criança inocente e adulto culpado pois bateu em alguem de 4 anos, tem noção? isso é surrealismo! Então tudo é questão de frame cognitivo, depende de como vc observa a situação. Se pararmos a analise na parte que a criança bate no cão, é claro que a criança está errada, porém ao bater na criança o adulto perde toda a razão, simples assim.

      <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Israel X Palestina … Eu Protesto</abbr>

  • Uma vez estava na fila de uma farmácia e um menininho na minha frente olhou bem para mim e deu um pisão no meu pé. Assim, do nada. E continuou me encarando. Eu olhei bem para ele e pisei no pé dele. Não trocamos uma palavra. A mãe do peste nem viu o que aconteceu. É muito simples: eu defendo os meus limites e dos meus animais de qualquer ataque, de qualquer origem.

    <abbr>Liliana – último post do blog… A Rotina da Água</abbr>

  • Bom, não sei de verdade o que você quis transmitir com esse texto. eu adoro animais, na familia da minha esposa todos adoram, cada um tem la seus 2 cachorros em casa, minha sogra tem além de uma enorme e linda Fila, 2 gatos. Eu mesmo só não tenho um cachorro ainda porque meu filho ainda é muito pequeno e toma todo nosso tempo, seria maldade ter um animal e não ter tempo para cuidar do mesmo como ele merece, em breve teremos algum cachorrinho.
    Concordo ainda que algumas crianças são fogo, sem a menor educação, e a lista de adjetivos iria longe se fosse essa a idéia deste post. Agora, eu como pai e adorador de animais, jamais permitiria que meu filho maltratasse qualquer animal que fosse, eu o puniria, castigaria, faria o que achasse melhor, agora… pequenissimo detalhe, que se qualquer filho de uma puta sifilenta como você encostasse (ou atacasse algo) em meu filho, juro, partiria-te ao meio, sem medir esforços. No caso dessa mesma criança, que é quem tem a menor das culpas, batesse na mãe que a criou dessa maneira, chamasse a atenção dos pais, mas jamais, assim como não se maltrata um animal, maltrate uma criança, da forma que for.

    de resto, só espero que pessoas que pensam como voce, assim como desejo a ti,
    morra!

    Thiago Dias

    • Iriam apanhar os dois, você e o seu filho, pois se você é frouxo pra apanhar na cara da criança, como a mãe da peste, iria apanhar de mim também.

      E você NÃO GOSTA de animais, você gosta de brinquedos, está claro no seu texto que se for com o seu filho, esse moleque mimado que ainda vai tomar muita porrada na vida, vale tudo.

      • André Souza

        Começa assim. Daqui a alguns anos estará na delegacia, revoltado, porque o filho foi preso por bater em prostitutas, empregadas, gays, negros, "fracotes", etc. Será que ele vai partir os policiais no meio, sem medir esforços?

        • sim começam assim, e a "grande solução" são estranhos tacando coisas neles, ai aprendem…¬¬

          <abbr>Rodrigo[NightSpy] – último post do blog… BBB – Ódio generalizado.</abbr>

        • Mas é verdade é assim mesmo q começa . Um dia meu filho (tinha 2 anos) estava num parquinho desses de shoping e um moleque FDP de uns 5 anos o empurrou e ameaçou aí eu falei " ô moleque não faça isso ! " e a Puta da mãe dele apareceu alegando "meu filho não fez nada" . É assim que se criam os bandidos de amanhã .

          <abbr>Séfora – último post do blog… Papai Noel Grego</abbr>

          • Desculpa, mas não concordo com isso, e nem as estatísticas.

            Porém é um ponto de vista, bem provavel que muitos playboyzinhos que roubam por ai, veio deste desfecho, mas dizer que é assim que se criam?? tsc tsc.. só ver o quanto de histórias sobre violência domésticas que criam monstros, ou falta de educação, falta de dignidade de nosso governo..iii..esta conversa vai muito além, isto de deixar de bater qdo precisa é uma pequenina parte do processo.

            Alias, nenhuma vez disse ser contra, releiam meus comentários, sou contra sim de outra pessoa querer educar meu filho. Isso levando como parâmetro, claro, tb a idade da criança, ta loko, esse pessoal que defende uma atitude desta, provavelmente não tem filho, ou sei lá, não esta nem refletindo no que eu e alguns estão escrevendo. Educação tem q ter, seja ela a base de conversa ou palmadas, depende do caso, oq é absurdo é defender que outro adulto bata em uma criança de 4 anos que não é filho dele… isto não existe.

            Pórem, violência gera violência, ja diz o ditado, como disseram ai, já que o Cardoso se sentiu no direito de jogar algo em uma criança indefesa para proteger um animal indefeso, alguem poderia tacar algo nele se sentindo no mesmo direito.

            <abbr>Rodrigo[NightSpy] – último post do blog… BBB – Ódio generalizado.</abbr>

      • Não vou discutir com você, de verdade, na internet qualquer um é machão, fala até de encontrar pra bater, pegar… de verdade, nunca te vi, seria errado de mais de minha parte, mas, vou arriscar dizer que pela tua maneira de escrever, és apenas um moleque idiota, nem ao menos importa tua idade, agora, acredite, eu partiria tua cara. Apenas para constar, meu filho que ainda nem tem tamanho para isso, não encosta a mão em mim, não vai maltratar animais, e educalo-ei como entendo ser o correto. Apenas, mais uma vez, constando, se um dia um rola-bostas como você encostasse um só dedo nele, te quebrava inteiro, acredite, ninguem fará isso, seja você quem for. de resto, apenas morra.

      • Ae pode até bater na criança, agora no Dias não bate não…
        Já vi o cara em cena e esse é carniceiro, pode levar a banca que não vai resolver.

        abraço
        PC

        <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Passeio ciclistico no dia 25/01 > Participando você ganha a bike!</abbr>

        • Que coincidência, você tem o MESMO IP do Thiago… 201.90.200.130.

          • Boa cardoso! hahahahahaha!

            <abbr>Séfora – último post do blog… Papai Noel Grego</abbr>

          • Opa Cardoso,
            Então, vc tem razão, temos o mesmo IP pois usamos a mesma rede, saimos pelo mesmo gateway para web, pelo visto você conhece bem superficialmente TCP/IP né?
            Quando se tem uma empresa, ela contrata UM link para sair para internet, e a partir de um proxy/gateway distribui o acesso para a rede externa a partir de uma rede interna com ips inválidos(na internet) como 192.168.x.x

            Se precisar de algum material relacionado a redes me da um toque, tenho uma porrada de tutoriais de quando tirei o CCNA(cisco) relacionado camada OSI/TCP, qq coisa posto lá no meu blog pra vc.

            abração

            <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Passeio ciclistico no dia 25/01 > Participando você ganha a bike!</abbr>

  • Bitbio

    É engraçado, tenho 36, e fui uma verdadeira peste quando criança, aprontava todas, raramente fui cruel, mas desmontava as coisas, subia em tudo, como dizia minha mãe colocava fogo na caixa dagua. Apanhei, bastante, o suficiente para aprender quando e como parar, minha mãe no alto de seu 1,55m é a unica criatura que me põe medo até hj. Eu assisti toda essa lenga lenga de nova pedagogia, criar essa geração de inuteis que temos por ai, crianças sem limites viram adultos sem responsabilidades, afinal se eu podia tudo quando criança, cresço com a ideia que o mundo esta ai pra me servir. Vi um filho de uma psicologa amiga minha crescer para se tornar uma das pessoas mais desagradaveis, crueis e mal carater da minha vida, vi toda a criação do monstrinho da barriga aos 16. Hoje ele rouba dinheiro da carteira dela e o carro da garagem. Fuma maconha em casa e ja bateu nela algumas vezes. Então como dizia meu avô, muleque saudavel, vai aprontar mesmo, mas tem que tomar umas palmadas pra não perder o rumo. Minha mãe me batia com um chinelinho havaiana, antes deles ficarem chiques, na bunda, onde doi mas nao machuca e era extremamente eficiente. Uns bons puchões de cabelo e orelha tbm são uma eficiente ferramenta pedagogica, e não me venham dizer que isso é cruel, inumano, e bla bla bla, pq o resultado esta ai. Antes os pais castigavam os filhos quando estes mereciam e nao tinhamos tantos absurdos como hj. Não sou a favor de espacamentos, mas uma boa palmada pode salvar vidas no futuro, uma criatura que bate na cara da mãe, e espanca animais, se nao corrigida vai crescer enxendo a mae de bolacha e achando que o resto do mundo é seu escravo.

    • Vivian

      Já vi filhos de psicólogos de escolinha que são verdadeiras pestes mesmo.Mas as piores crianças que eu já vi na vida eram as que mais apanhavam.Se diziam um "ai",apanhavam,e isso só fez com que elas fossem crianças agressivas,que provavelmente serão adultos agressivos,revoltados,que pisam no pé da primeira pessoa que vem pela frente,que batem nos amiguinhos da escola,maltratam animais.As crianças mais educadas que já conheci não levavam uma tapa dos pais,os pais conversavam com elas caso fizessem algo errado e NUNCA subestimavam sua inteligência.Mas concordo com você que temos uma geração de inúteis que acham que o mundo está aí pra serví-los,mas isso é por que muitos pais acham que,se não é pra bater nas crianças,também não se deve fazer nada,deixá-las fazer o que quiserem,e isso é um problema tão grande quanto pais que batem nas crianças rotineiramente.
      Agora dizer que puxar cabelos e orelha de uma criança que não pode se defender é uma excelente ferramenta pedagógica é absurdo.

  • Acho que este negócio de bater em criança é algo proibido muito relativo.
    Agradeço a meus pais pelos coros que tomei quando era criança e aprontava das minhas. Garanto q

    <abbr>Ataliba – último post do blog… Ativando o cache no Drupal – mais uma aventura para melhorar o rendimento do mesmo</abbr>

  • Agradeço a meus pais pelos coros que tomei quando era criança e aprontava das minhas. Garanto que foram estes corretivos que me fizeram a pessoa que eu sou ( tudo bem que não sou o cara mais perfeito do mundo, mas até que dá para suportar o produto final aqui ).
    Com minha filha procuro ser enérgico, sem exagerar. Se precisar de um tapinha, titubeio em fazê-lo ? Não. Tem momentos que o choque de um pequeno tapa ou uma palavra mais ríspida mostra a criança que ela durante toda a sua vida terá que andar por terrenos que ela não conhece e por sua vez … talvez, até apanhar de alguém por algum erro que cometeu.
    Violência é uma coisa, corretivo é outra.

    No caso do Cardoso, ele deu um chega para lá. Ou seja, não vejo o relato dele como algo assim : peguei o moleque e parti ele em dois. Caramba, ele mostrou para o moleque que o cachorro sentiu dor, igual ele sente.
    A mãe por exemplo, deveria fazer o mesmo. O menino deu um tapa, recebe um pequeno tapa na mão, com uma repreensão de que aquilo é a mesma dor que o pai sentiu.
    Funciona, por mais que a psicologia infantil moderna diga que conversa é o melhor caminho.

    <abbr>Ataliba – último post do blog… Ativando o cache no Drupal – mais uma aventura para melhorar o rendimento do mesmo</abbr>

    • Então, bater em criança não é proibido, cada pai escolhe a forma que educa os SEUS filhos, agora bater na criança dos outros é proibido.
      Imagina vc deixar seus filhos na escolinha pois precisa trabalhar e descobre que lá os funcionários resolvem os problemas com o seu filho puxando o cabelo dele? ou orelha?
      Acredito que a maioria dos pais não iria deixar os filhos nessa escola…pois existem outras alternativas melhores.

      abraços
      PC

      <abbr>Paulo Cesar – último post do blog… Passeio ciclistico no dia 25/01 > Participando você ganha a bike!</abbr>

  • Alguém tem que ensinar para as crianças que animal não é brinquedo. é um ser vivo como qualquer outro, sente e sofre, com a diferença de, muitas vezes, não poder se defender.

    outro dia, um gatinho do condomínio levou uma pedrada de baladeira (atirada por criança) no olho e ficou cego. É muito triste ver que ações assim são cometidas por crianças. Muito triste mesmo…

    <abbr>Gata Lili – último post do blog… Ongs podem anunciar gratuitamente no Google</abbr>

  • Muito bom! Aconteceu um fato parecido com meu primo. Ele tem uma pit bul chamada Brisa que é um furacão de brava. Quando não estava passeando com ele ela ficava PRESA e ele sempre avisava as mães da vizinhança para não deixar as crianças provocarem a cachorra.

    Pois bem um moleque FDP de uns 6 anos que sempre provocava a Brisa (passando um bastão nas grades do portão) teve a fabulosa idéia de enfiar a mão do lado de dentro da grade para cutucar o animal. A Brisa é claro , deu uma avançada e no desespero pra tirar a mão dali a anta do moleque abriu o portão e a cachorra quase comeu ele (mas só deu uns rasguinhos)porque ao ouvir agritaria meu primo pegou o garoto (pelos cabelos) e levou pro hospital. O resto já deu pra ter uma idéia não?

    A mãe ficou muito puta e foram todos pra justiça.

    Foram ouvidas algumas testemunhas .

    Meu primo foi inocentado .

    O garoto ficou com trauma até de mini poodle.

    Brisa passa bem.

    <abbr>Séfora – último post do blog… Papai Noel Grego</abbr>

  • HAHAHAHA
    Olha, eu tenho uma mastim aqui em casa… Mas é mais fácil eu morder uma criança do que ela. E digo na boa, morderia mesmo. Não é que não goste de crianças, mas elas precisam aprender desde sempre o respeito aos animais. Vou botar teu texto no meu blog, com link e autoria, claro. Pode ser? Abs.

    <abbr>Ana Corina – último post do blog… E lá na Holanda… Também há abandono.</abbr>

  • Pingback: Fique por dentro Cachorro » Blog Archive » Controle de Zooneses não protege animalzinho.()

  • Andre Alves

    Hahaha, esta foi boa!!! Falando em Zoonoses, aqui no brasil é ridiculo! Antes de mais nada eu gosto de animais, mas tive uma vizinha que tinha 12 cães dentro de casa, imagiona a barulheira, eram 6 da manha os bixos ja estavam a 1000 por hora! Ja estava a um ponto que afetava minha saude por não dormir, acordo as 5 da manha pra trabalhar, chegi as 23hs ou seja, quando posso quero dormir, conversas nõa adiantaram ai acionei o centro de Zoonoses e atestei, não vale de nada! Mate o cão de alguem pra ver, sai atye na televisão agora quando vc precisa mesmo esles não estão nem ai pra vc, disseram que os cães estavam em bom estado, bem cuidados e que não tinham o que fazer!! Onde ja se viu isso, é uma vergonha em plena cidade a nõa ter uma regulamentação para poder ter animais!!!

    Graças a Deus ocorreu algo que fui obrigado a sair da casa onde morava, mas ja estava realmente perdendo a sanidade e prestes a apelar a outros meios para resolver o problema!!

    Me diz ai, alguem sabe se existe algum orgon tirando o Zoonoses que faz um controle efetivo disso!

    Zoonoses é ridiculo!

  • Luis Benedetti

    Acho que deveria existir uma "Vigilância Petiz" para apreender e levar para um recinto adequado crianças perigosas à saúde dos animais, tanto os de estimação como os ditos racionais que os possuem . . .

  • JB

    Adorei.

    Também fico puto com gente que não entende os animais. Eu tive animal a vida toda e já fui mordido por eles quando eu era menor e ficava implicando com o pobre do animal.

    Atualmente tenho uma cocker, a Hannah, que odeia criança. Não que ela odeie pq alguma criança implicou com ela, mas pq ela acha que a não damos atenção à ela quando tem criança no recinto. Como minha família o mais novo tem 21 anos, sem nenhuma criança pra paparicar ela se sente meio a dona de todas as atenções. Meu afilhado tem dois anos e quando vai passar o dia lá em casa ela fica toda cabreira, olahndo d ebanda, mas nunca fez nada com ele.

    cachorros são sabidos, muito mais que os humanos ;)

    Tenho uma história pra contar, vou fazer um post.

    <abbr>JB – último post do blog… </abbr>

  • william haddad

    eu tenho 03 cachorros em casa e três filhos todos se dão bem ninguém morde ninguém mas qdo os cães mordem é por que meus filhos mordem primeiro e depois de serem mordidos pelos cães eu ainda enfio a mão na mulecada para eles sentirem que com os animais não se brinca de machucar nem comigo eu tb mordo………

  • Paizão

    Como é boa a internet o cara acha que bate em todo mundo. LOL

    Gosto muito de cachorros, de gatos nem tanto.

    Acho ridículo se encher de esteróides e sair passear com seus pittbullzinho (coisa de viado).

    Pelo número de fdp, teclados, acho que os animais merecem seus donos.

    É bonito levar seu cãozinho, que você acha, que não tem vermes para defecar nas praças e gramados dos outros?

    É bonito beijar a boquinha dele, levar para dormir na sua caminha. Eu prefiro um ser humano ao meu lado; ele pode discordar de minhas idéias. Podemos discutir um pouco, mas no fim existe a grande chance de um entendimento. Desde que exista respeito.

    Viver com um animal é mais fácil, ele nunca vai te contestar, ele pode ser considerado um ser inferior, quando você for para um lugar que não o aceitem você dar para alguém ou soltá-lo na rua. Já com uma criança você se sentiria culpado.

    Tem gosto prá tudo…

  • Fernando

    Se o poodle fosse meu eu juro que na primeira agressão do fedelho eu botava ele pra fora da minha casa , e dizia pra mãe nunca mais trazer ele… você foi muito paciente

  • Isabel

    Crianças que são criadas dessa forma pelos pais,sem educação alguma,onde tudo lhe é permitido,inclusive crueldade contra animais,(já que os esquisitos dos pais acham isso uma coisa normal),geralmente se transformam em adultos que batem nos pais,isso quando não os matam,arrastam cianças amarradas ao carro,abandonam seus pais em asilos porque ficaram velhos e doentes e não servem mais para nada além de encher o saco,ou atiram seus próprios filhos pela janela,etc.É só assistir ao noticiário e você verá casos desse tipo quase todos os dias.Mas uma coisa deve ser dita.Tudo que se faz de ruim contra uma pessoa ou animal se volta em dobro contra você,mesmo sendo uma criança,pois ela sabe perfeitamente o que está fazendo.Ela não é tão inocente quanto se pensa.Ela já apresente uma índole má.Só de olhar uma criança,se prestar bem atenção,você saberá o tipo de adulto que se transformará.Compete aos pais corrigir esse desvio de caráter e não ao contrário,apoiá-los em tudo de errado que fazem.Estão criando um montro que amanhã ou depois,irá se voltar contra eles próprios.Que bom que a zoonose de lá agiu com bom senso e não sacrificou o animal que não teve culpa de nada,apenas se defendeu.Se fosse com você,com certeza faria a mesma coisa.Eu faria até pior.O animal foi até bonzinho.E não esqueçer de uma coisa:O de lá de cima nos observa em TUDO que fazemos,NADA escapa e não há lugar no mundo que possa nos esconder DELE.O que aconteçe de ruim com as pessoas,não é por acaso e nem a toa.

  • Insano®

    Muito PAPO, pouca ação.

    SOLUÇÔES:

    Comportamento inadequado I :
    – Repreensão com uma pequena explanação.
    Comportamento inadequado II :
    – chinelada ou cinto ou vara…
    Comportamento inadequado III :
    – castigo : com reclusão no quarto por 15 minutos.
    Comportamento inadequado IV :
    – Internato ( existe ainda ? )
    Comportamento inadequado V
    – exclusão da vida social, extermínio sumário ou o que acharem melhor, INCLUSIVE e PRINCIPALMENTE a dos pais e impedir que os mesmos procriem.

    simples e sem muita lero lero

    ANALISTA, PSIQUIATRA é para ser incompetente, e que não deve viver na sociedade, e quem não concordar…, phoda-se.

    E não venham com este papo de DEUS, ALMA, Papai Noel, Chapeuzinho Vermelho…
    Enfiem nos seus respectivos rabos estas estórias da carochinha, ou então convivam com seus mostrinhos, mas não nos obriguem a aturar estas COISAS.

  • Adriano

    Por isso que eu não tenho saco pra criança.

  • Thiago Sousa

    Que isso gente, um adulto bater em uma criança que provavelmente ainda não tem condições de diferenciar um cachorro de um brinqueda não é motivo para aplausos. O guri de fato está errado em maltratar o animal, mas não acredito que a solução seja bancar o justiceiro da sociedade desvirtuada e "educar" o filho dos outros. Se o guri é mal-educado, a culpa pelas ações do filho é dos pais, nao da própria criança. E não sou eu quem diz isso, é a justiça (que qualifica da mesma forma os animais domésticos).

    Sinceramente não acho que tenha sido a melhor solução, no lugar da irônia "sit, quieto", que dificilmente a criança entenderia, uma boa levantada de voz, demonstrando autoridade talvez fosse melhor. Se não resolvesse, caísse no tapa com a mãe do guri, a verdadeira causa do problema.

  • Thiago Sousa

    Em tempo, minha atitude provavelmente seria a mesma do Fernando, de uns comentários acima… Procararia a mãe do menino e diria: "leve seu filho daqui, você cuida da sua cria que eu cuido da minha"

  • O que me pareceu depois que li uns 100 destes comentários aqui foi que, sobre a última história contada no post, a punição ao garoto estava certa. Parece claro que um menino que dá tapa na cara da mãe (VIRAM) não ia ligar para uma bronca apenas. O que estava errado foi o método usado. Respondendo do mesmo modo que o menino, acho que o Cardoso se rebaixou. Um adulto não deveria tratar com um garotinho mimado do mesmo modo que ele. Mas eu não culpo ninguém. Se alguém mexesse com meus 'pets' eu também ficaria fulo e não mediria conseqüências ou a forma com que poderiam levar os meus atos. Acho que é isso… ;)

    Abraços.

    <abbr>Alberto – último post do blog… Meme – Blogs que ajudam a blogar</abbr>

  • MoonSong

    Deviam ter sacrificado o muleque não o cachorro.

    Ou pelo menos ter incentivado o cachorro a matar o filho do demonio.

    E eu pensei que só no brasil os idiotas dos pais dessem autorização aos seus filhinhos do demonio a fazer qualquer coisa pra culpar quem dá limite a essas pragas.

    Tomara que morram todos… Parabéns pro cachorro, queria dar um premio a ele.

    Aqui nesse mundinho cão quem tá certo tá errado e quem tá errado tá certo.

  • Insano®

    "Ele morde ? "
    "Ué, depende do que voce fizer…. Alias, dependendo do que vc fizer, até eu mordo !"

    Diálogo entre duas mulheres em Ipanema, enquanto uma delas passeava com seu cachorro.

    <abbr>Insano® – último post do blog… O que será ?</abbr>

  • Não é a primeira vez que eu vejo um post a favor dos animais aqui, e queria te dar os parabéns por isso, porque muita gente não se importa. E valeu pelo esculacho no Damien! huahua

  • Cláudio

    Espere aí, já passei por exatamente isso que você falou! E fiz algo parecido, se não conseguem impor respeito, alguém tem que fazer isso! :)

  • Ismael

    Foda-se que era criança. É de pequenininho que se torce o pepino. Então o Cardoso mandou bem, hehe.

  • Cláudia

    Cara achei isso maior irresponsabilidade. De todos. Mas todos mesmo. Os meninos agiram mal, mas a culpa não é só deles. é dos pais principalmente. E o que é que tem a ver você ter atirado coisas na criança. Se igualou ao tamanho dela, agiu como outra criança. Já não basta os senhores vote-em-mim, agindo como os adultos irresponsáveis e tolos do país? Confusão se resoolve com conversa, se fosse pra sair na porrada até com CRIANÇAS o pais já tionha afundado de vez, e não disfarçadamente com acontece hoje em dia. "Esse povo… —

  • Eu sempre dou uns tabefes no meu priminho quando ele apronta. Pode estar a mãe, tia e avó vendo, mas ele apanha assim mesmo.

  • Pingback: Entremundos » Blog Archive » Entrelinks 7 - O que andei lendo no blogosfera e recomendo ()

  • Olá,

    Muito bom o texto! Se me der licença autoral, eu posso publicá-lo no meu Blog?

    Abração,

    Flávio Nunes.

    PS: Gostei principalmente da parte em que tacou o balde de volta..rs.. Eu faria o mesmo!!!!!..rs..

  • Erica

    Amei o post!
    Um viva pros animais q se defendem e aos seres humanos q defendem aqueles q ñ o fazem!

  • Mariana Maru

    Sou a favor de defendermos os animais em qqer circunstância tanto q uma vez estava eu na Sta Casa (SP)esperando minha mãe pra irmos embora qdo vi um garoto jogando pedras com estilingue nos gatos q lá ficam (na deles como sempre). Ñ resisti e fui até lá tirar satisfação, o peste respondeu q estava só "se divertindo". Resumo: Peguei o estilingue das mãos dele e o fiz correr de lá enqto eu brincava de tentar acertá-lo hehe e olha q sou boa de tiro ao alvo! Ñ me arrependo!