Salve Joaquim Silvério dos Reis, Padroeiro dos Blogueiros

Hoffman e Redford em Todos Os Homens do Presidente. Assista.

Em 1972 cinco sujeitos invadiram o comitê do Partido Democrata dos EUA. Não foi o Forrest Gump mas quase, um guarde de segurança desconfiou, chamou a polícia e todos foram presos. isso ocorreu em um complexo de apartamentos chamado Watergate. A investigação que se seguiu envolveu
todo mundo. E por todo mundo eu digo do Departamento de Justiça, do Procurador-Geral e chegando até ao Presidente dos EUA. A invasão  foi
acobertada de toda forma possível, mas como o acobertamento em si era impossível de não ser percebido, em 1974 Richard Nixon renunciou à
Presidência dos EUA.

A imprensa acompanhou com maior ou menor atenção, mas os grandes heróis foram Bob Wooward e Carl Bernstein, repórteres do Washington Post. Eles persistiram na investigação e na cobertura, publicando muito material suculento, exclusivo e verdadeiro. Por anos foram duramente pressionados, não só pelo Governo mas pelo próprio jornal, mas ambos bateram pé e não relevaram sua fonte, de codinome Garganta Profunda.

Só se veio a saber que Garganta Profunda era na verdade William Mark Felt, Diretor Assistente do FBI em 2005, e foi uma revelação em seu proverbial Leito de Morte. Nenhum dos dos Jornalistas (notem a maiúscula) abriu o bico e até hoje não falam muito sobre o caso.

Em 2010 um sujeito achou um protótipo de um iPhone da Apple em um bar. O blog Gizmodo comprou o aparelho por US$5.000, o desmontou, examinou, dissecou e publicou.

Após isso eles alegremente contaram todos os detalhes da descoberta do aparelho, dando nomes, endereços, datas e horários. Também não tiveram problema nenhum em expor o proprietário (mais provavelmente fiel-depositário) do telefone, um futuro ex-engenheiro da Apple de nome Gray Powell.

TODOS os blogs que li se resumiram a dizer “ah ah se fudeu” ou “esse vai precisar de emprego novo”, ou algo assim. Para todo mundo a atitude do Gizmodo foi perfeitamente normal.

Não foi. Existem coisas que você não faz em Jornalismo, são as mesmas coisas que você não faz enquanto SER HUMANO DECENTE, e prejudicar a vida de outra pessoa conscientemente, sem nenhum ganho, por pura mesquinharia é uma delas.

Qual a necessidade de expor Powell assim? Qual a necessidade de relatar em detalhes, com fotos o local da perda? O sujeito que achou o telefone
sabe que será o próximo a ter a identidade relevada, já que o Gizmodo (e a blogosfera, pelo visto) não tem nenhum dilema ético em relevar suas
fontes, mesmo sob nenhuma pressão.

Não me interessa que a Apple eventualmente chegaria até Gray Powell. Isso é assunto interno deles. O que o Gizmodo fez foi pura e simples DELAÇÃO, ferraram com um sujeito POR NADA, não há sequer ganho jornalístico. NÃO Ë notícia. Oh D’OH um Engenheiro DA APPLE perdeu um protótipo DA APPLE. Notícia se fosse um engenheiro da UNILEVER com um protótipo da Apple.

NÃO se revela fontes. Fontes são SEMPRE protegidas. Se o sujeito não confia nisso, NÃO vira fonte. Molecagem não funciona a longo prazo, como o Gizmodo descobrirá.

Essa atitude do Gizmodo me revolta mais por eu como todo mundo não a ter percebido como desvio de ética, só me toquei depois de ler este excelente post do Leo Faoro no MeioBit. Foi um belo sacode, é hora de percebermos que quem quer levar blog a sério, quem quer que blog seja levado a sério, não pode agir como criança. Temos que observar e aprender com os Dinossauros, pois por mais obsoletos que sejam, dominaram a Terra por
150 milhões de anos, e extintos por extintos não há nada no mundo hoje que seja tão fantasticamente foderoso como um T-Rex.

Assim como não há ninguém nos blogs que chegue aos pés de Bernstein e Woodward.

Leia Também:

  • O outro lá pelo menos levou 30 moedas de prata pelo X9…

    Eu achava que o Gizmodo era um blog sério, mas vendo por esse episódio eles ainda tem muito o que aprender.

  • Rafael

    Interessante, tinha visto umas fotos por ai tanto do cara quanto do celular mas não me interessaram muito pois não dou bola para essas coisas recém-lançadas, sigo a filosofia do Magneto: "Os peões vão primeiro…"

    Por outro lado, não havia pensado neste ponto de vista. Cardoso está certo, pra variar. Os blogs não serão considerados sérios (nem jornalismo nem qualquer outra coisa) enquanto não aprenderem a se comporta como profissionais: com ética, responsabilidade e essas coisas todas que ninguém mais sabe o que é. Isso foi pura falta de respeito MESMO.

    Manter as fontes seguras é só o começo, arranjar fontes confiáveis também é importante. Não são só os blogs que tem que aprender a fazer jornalismo. Jornais impressos e editores tem que aprender a pesquisar de forma apropriada antes de publicar também. Eles também tem se comportado como pirralhos ultimamente, em todos os níveis e em todas as mídias. Depois se perguntam por que as pessoas pararam de ler jornais…

    • "Interessante, tinha visto umas fotos por ai tanto do cara quanto do celular mas não me interessaram muito pois não dou bola para essas coisas recém-lançadas, sigo a filosofia do Magneto: “Os peões vão primeiro…”"

      O Prof. Xavier jamais pensaria assim. Isso faz a diferença entre heróis e vilões.

      • Wagner Barbosa

        E, como sabemos, vilões realmente espertos VENCEM no final (no que tange a vida real).

        • Estudando um pouco de História, veremos que não é bem assim.

        • Wagner Barbosa

          Eu não falo apenas dos grandes vilões da História. Até por que, em se tratando deles, necessitariam de uma inteligência impar para ter sucesso em seus planos.

          Algo além-do-fora-do-comum. Enganar nações, por exemplo, requere isto que acabei de falar, OU então um grande acordo entre muitos "vilões".

          Me referia aqueles que , a grosso modo, não vivem escravizados (ou sufocados) pelo moralismo.

          No caso acima, do Rafael, ele simplesmente não se importa com os peões. Ele não se prende aos líricos moralismos que a sociedade nos faz engolir por todos os cantos.

          A "moral" só funciona quando todos os seres humanos são capazes de segui-la completamente, sem erros. E bem sabemos o quão caótica pode ser uma pessoa. Nós somos apenas animais.

          Um exemplo é o N-Gage (o primeiro), que, na época do lançamento, dava a impressão de ser um vídeo-game portátil Daqueles. "Só pra quem pode". E no final das contas é uma merda terrível. Os peões compraram, e se arrependeram. Ok, eles foram os bonzinhos da história. O que eles ganharam? Nada. Mas eles podem se deitar no final do dia e pensar "sou um cara bacana, foi um disperdício mas agora posso contar pros meus amigos que não vale a pena".

          E o que os vilões ganharam? Olha, ao menos eles não disperdiçaram dinheiro num trequinho com 64 jogos daqueles (d minúsculo).

    • Rafael Freitas

      A história é escrita pelos vencedores e eles "sempre" são os bonzinhos.

    • A questão levantada pelo Cardoso e, posteriormente, comentada pelo Rafael é muito importante. Cada vez mais, estamos tendo experiências negativas em relação à falta de ética, tanto de blogueiros quanto de jornalistas.

      No caso dos jornalistas, apesar de seu código de ética – http://www.fenaj.org.br/federacao/cometica/codigo… –, os profissionais comentem muitas faltas graves por iniciativa indivudual e, também, por imposições políticas ou econômicas dos veículos – empresas e proprietários – que estão por trás de suas remunerações.

      Já os blogueiros, principalmente aqueles que desenvolvem sua atividade sem estar vinculados à entidades ou empresas, em muitos casos, não seguem uma conduta aceitável, prejudicando não apenas as fontes, mas os seus próprios leitores, que são expostos à informações, muitas vezes, sem relevância para a construção da notícia.

      Esta é uma constatação muito triste. A esperança é que, os profissionais sérios, tanto os jornalistas quanto os blogueiros, defendam e denunciem atitudes como esta relatada aqui no Contraditorium. É um passo para, quem sabe, começar a mudar o cenário.

  • Raphael Miranda

    Sempre esperei esse tipo de atitude de um tablóide e sempre considerei o Gizmodo um(quase todos os sites da Gawker aliás).

    Acho que até foi demais para um tablóide mas assim como "blogs jornalistisco" tem muito mais abertura que um jornal, ainda retendo alguma autoridade, um blog tablóide não deve ter limite quase nenhum e deve ser ainda mais execrado que um tablóide.

    Continuo consumindo com doses de moderadas de sal tudo que leio lá.

  • Não é a primeira molecagem do Gizmdo, em 2008 na CES, eles compraram um daqueles controles remotos que desligam qualquer televisor, e saíram desligando-os à esmo na feira, não importando a situação mas especialmente quando alguém estava apresentando algum produto com auxílio áudio visual (link: http://blogs.zdnet.com/Bott/?p=359 ).

    Ou seja, é o tipo de coisa que só gente que sai do seu caminho para fuder outros faz.

  • Gustavo

    É. Só que existe uma diferença muito grande entre um sujeito que denuncia a invasão do QG de um partido e um que entrega um protótipo industrial.

    A Gizmodo aparentemente foi burra, pq vai perder a confiança de futuras fontes. Mas o carinha merecia ser denunciado. Espionagem industrial não é só crime, é anti-ético também.

    • Joãozinho

      er … o denunciado foi quem perdeu o protótipo, e não a "fonte"

  • Concordo plenamente Cardoso, foi um grande Epic Fail do Giz, agora o cara vai ter a vida praticamente destruida depois disso. Depois vem nego falar em ética.

  • Este tipo de ação, só ajuda a destruir a (pouca?) credibilidade dos blogs.

    Só pra descontrair: o protótipo do novo iPhone é feio pacas ;)

  • Cardoso, concordo com quase tudo que você disse.

    A decisão de fazer o post sobre o Gray não foi consensada mesmo dentro do Gizmodo. Gente lá do Giz americano era contra, e eu aqui no Giz Brasil também – tanto que não traduzimos a notícia. Em um outro post, o Joel Johnson (e eu, na tradução) apontamos a coisa como "de mau gosto":

    http://www.gizmodo.com.br/conteudo/apple-nao-vazo

    Mas a exposição do cara tem uma justificativa. O Brian Lam, nosso diretor editorial, disse que queria de certa forma protegê-lo. Tipo: "ok, é esse cara. Se a Apple fizer alguma coisa terrível o mundo saberá". Faz sentido? Pode soar meio ingênuo, e definitivamente não é algo que um grande veículo faria. Mas pareceu ali, na loucura e no meio de tantas acusações, a coisa certa a se fazer.

    E, jornalisticamente falando, a fonte foi protegida. A fonte, no caso, não era o Gray. Mas o cara que achou e vendeu o celular. Fonte é um cara que, por vontade ou por algo em troca, dá a informação. Não era o caso do Gray.

    • "Mas a exposição do cara tem uma justificativa. O Brian Lam, nosso diretor editorial, disse que queria de certa forma protegê-lo. Tipo: “ok, é esse cara. Se a Apple fizer alguma coisa terrível o mundo saberá”"

      .

      Saber é uma coisa. Importar-se é outra.

  • Zeca

    Mas nesse caso o engenheiro não era uma fonte. Ele cometeu um descuido que resultou na notícia…

  • Fellipe

    Citando o Pedro:

    "E, jornalisticamente falando, a fonte foi protegida. A fonte, no caso, não era o Gray. Mas o cara que achou e vendeu o celular. Fonte é um cara que, por vontade ou por algo em troca, dá a informação. Não era o caso do Gray."

    O Gray foi parte da notícia, não a fonte. Do mesmo jeito que o caseiro do Palocci. Do mesmo jeito que os envolvidos no caso Waltergate tiveram seus nomes revelados. Somente a fonte foi protegida.

    Onde o iPhone foi achado, como e quando são informações que a fonte passou ao Giz. A fonte em si, permance oculta. O Gray foi infeliz em ter perdido o telefone, e a notícia é essa perda. Pessoalmente para mim não interessa quem foi, mas se for para evitar que acontece a esse pobre futuro ex-funcionario da Apple, o que aconteceu com aquele cara da Foxconn, acho válido.

  • Engraçado ou não, agora todos querem tirar o seu da reta.

    Jogada de marketing ou simples distração do "engenheiro" o que os delatadores vão ganhar? Um novo Iphone? No mínimo visitas! Depois disso a Apple vai lançar o celular e vai lucrar e os caras "delatadores" nada..

  • Lá fora não sei, mas no Brasil a conduta do "sortudo" que achou e vendeu o telefone, e do editor do blog, que "comprou" o telefone, são crimes, respectivamente, artigo 169 parágrafo único, II (apropriação de coisa achada) e artigo 180 (receptação), ambos do Código Penal.

  • Nothing but the Truth, Faces da Verdade em português. Um (absurdamente!) excelente filme sobre a pressão que uma jornalista sofreu do governo americano para revelar sua fonte.

    Recomendo a todos!

  • Robson

    Eu ia citar o Giz Brasil… Mas eles mesmo se pronunciaram. Então, fica meu repúdio à atitude do giz americano.

  • Boa, Cardoso!

    Este exemplo traz à tona uma discussão que venho tendo com um monte de gente: cada vez mais, o que irá diferenciar o jornalismo profissional – qualquer que seja o seu suporte de difusão – e o conteúdo informativo – espalhado por blogs e redes sociais, sem qualquer compromisso – não é a tecnologia, mas a ética. Isto é, os compromissos, as injunções sociais, os valores e os princípios que orientam uma conduta vão distinguir os produtores de conteúdo.

    Penso que jornalistas estão submetidos a certos contratos deontológicos que os blogueiros simplesmente não estão. Não se trata de ser melhor ou pior; trata-se apenas de diferenciar os papéis sociais de lado a lado… mas isso é pano pra manga…

    abraço

  • Pingback: O Caso iPhone e a ética | rodrigostoledo.com()

  • Pingback: O Caso iPhone e a ética | rodrigostoledo.com()

  • Para mim este caso está muito cheio de furos. Acho que é uma jogada da Apple para não descer da onda porque o anúncio do Iphone OS4 não surtiu o efeito esperado. Se isso tudo foi verdade Jobs deveria agradecer ao cara por ter perdido o telefone pois isso gerou milhões de posts pelo mundo sobre o tal aparelho.

  • Rodrigo

    O Gizmodo declarou que fez isso por dois motivos: a identidade do engenheiro iria ser inevitavelmente revelada e isso poderia ajuda-lo a não ser demitido da Apple.

    • E exatamente como isso ajuda o cara a não ser demitido? Ele fez uma cagada homérica, a Apple tem todo o direito de demitir o cara se quiser. Só que, agora, ele nunca mais consegue emprego que não seja em rede de fast food, afinal quem vai contratar o idiota que perdeu um protótipo do iPhone?

      • O Palácio do Planalto?

        • Será mesmo? Vai que ele perde um dossiê de mensalão…

  • Só há uma falha na sua argumentação Cardoso. O engenheiro da Apple não foi fonte de ninguém, por isso essa comparação com o Garganta Profunda não cabe. No mais, a Apple já sabia que o cara tinha perdido o celular – há mais de um mês. A única diferença é que agora não só a Apple como o grande público sabe quem ele é.

  • Cardoso, um outro fato que me deixa indignado nessa história, é o fato do cara que encontrou o protótipo ainda ter vendido, sendo que nem pertencente a ele é, por US$5 mil. Eu particularmente devolveria sem nem divulgar, se eu divulgasse certamente ia ganhar destaque e meu blog iria se tornar extremamente conhecido, mas a troco de que? De "sacanear" o Gray Powell, além do mais, na minha opinião, devolver sem nem divulgar lhe traria boas relações com a Apple.

  • Achei o texto fabuloso, a menção a Woodward e Bernstein magnífica e sério, sobre o filme, assistam.

    O mundo tem perdido muito seus contornos de decência e moral desde o advento da internet. Se ela (a internet) existisse na época do caso Watergate, NUNCA os dois Jornalistas teriam o destaque que obtiveram, porque, mesmo que se empenhassem ao extremo – como foi o caso – para conseguirem as informações que levaram à RENÚNCIA de Nixon, os parasitas online acabariam por ofuscar o trabalho digno deles.

    Procura-se a dignidade humana desesperadamente.

  • Otimo post, referências importantes que ilustram e dão bases para compreender melhor o assunto. parabéns!

  • Acho que tem gente que confunde as fontes. Uma coisa é citar a Wikipedia, um livro ou outro site como a fonte de alguma notícia ou dado em seu texto. Outra é entregar o cara que dedurou um esquema de corrupção só pra dizer de quem vieram as informações.

    • realmente, dedurar o cara já é sacanagem!

  • Bruno

    Ótimo artigo Cardoso, mas gostaria que você escrevesse outro falando sobre a MUITO provável chance de isso ser um PR Stunt da Apple. Coisas que ninguem falou até agora:

    1 – Sério que esse engenheiro nao tinha o iPhone protegido por um Passcode? Até meu Nokiazinho de 50 reais é protegido. Um aparelho desse naipe nao teria nenhum tipo de passcode?

    2 – Se o iPhone estava com MobileME ele poderia ter sido rastreado, como qualquer outro telefone.

    3 – Já esqueci meu telefone em vários lugares (cinema é o mais comum), mas como um "técnologista" noto sua falta em poucos segundos ou minutos. Um engenheiro da APple, portando um aparelho tao "secreto" não notaria sua falta em poucos minutos? Ou até em algumas horas? Quem nao substituiu o famoso e antigo rádio relógio pelo despertador do celular?

    4 – A Apple conseguiu pela primeira vez propaganda do seu celular para todo o mundo, sem NENHUMA análise técnica metendo o pau, a única coisa que falaram tecnicamente foi no NYT dizendo que o celular tinha esse novo formato para melhorar a recepção. Ou seja,a gora o mundo todo sabe que existe um novo iPhone (todo mundo ja sabia) e que a recepção dele é melhor que o anterior.

    Isso são fatos, se quiser entrar na "teoria da conspiração" forte mesmo o nome Gray Powell é bem parecido com Gary Powers, um piloto dos USA que caiu com um avião espião ultra secreto da CIA em plena União Soviética na década de 60.

    Acidente? acho que não…

    Isso são as coisas óbvias a se perguntar analisando essa história friamente.

    • Nunca atribua à malícia o que pode ser explicado pela estupidez.

    • Só que o Gary Powers não caiu. Seu U-2 foi derrubado por um míssil SA-2. Foi por isso que os Euá entraram em pânico e criaram o SR-71, inderrubável. Acidente? SEI que não…

  • Excelente blog! fazia tempo que não me identificava tanto com um, desde a citação à Andy Kaufman, passando pela indicação a este filme, além das dicas para blogueiros. Sou novata no mundo dos blogs (menos de uma semana tem o meu) e não quero pagar micos então estou me informando sobre o que pode e não pode, deve e não deve na blogosfera.

    Obrigada e keep on the good work!

  • Boni

    Cardoso, você é burro? O mundo é de quem sabe se destacar e competir. Se o peão-engenheiro não teve a capacidade de se salvaguardar, o problema é DELE, não meu e nem seu.

  • Boni

    Quem saiu ganhando e foi mais inteligente foi o Gizmodo. Não existe esse negócio de molecagem, ética. Muitos investimentos foram executados com total molecagem, mas é a tua crença achar que todos que foram sacanas e imorais se fuderam a longo prazo. É o teu sonho, ânsia religiosa/moral/socialista ou o diabo. Na realidade, na competição, o melhor faz muita molecagem e sempre ganha. Senta e chora.

  • Boni

    Ou seja, bad things happen to good people and good things happen to bad people.

  • É por isso que o Tabet nunca revela suas fontes…

    • Best Comentário EVER!!!!

  • …"NÃO se revela fontes. Fontes são SEMPRE protegidas. Se o sujeito não confia nisso, NÃO vira fonte. Molecagem não funciona a longo prazo, como o Gizmodo descobrirá."

    Excelente post, Cardoso.

    Eu já conhecia o caso Watergate, por ser contemporâneo do mesmo. O Caso do infeliz "futuro ex-engenheiro" da Apple, não.

    So queria saber o quê o Gizmodo ganhou ferrando um desconhecido.

    É isso.

  • pena que ainda teem blogs que fazer esses tipo de coisa!

  • Na esfera da (in)segurança pública isso rende cadeia ou morte. Sendo policial leva uma cadeia para aprender a ficar calado, sendo bandido é calado para os outros aprenderem.

  • No caso dos Jornalistas do Washington Post, além do profissionalismo deles, tem também o respeito ao leitor, que inclusive talvez não sejam do mesmo nível dos leitores do Gizmodo.

    Você tem cuidados e responsabilidades diretamente proporcionais ao público que deseja cativar.

    Quem quer ter leitores de qualidade elevada, respeita certas regras.

    Outro fator que deve ser levado em conta é o fato de que quando um "veículo" se acha no topo das preferencias, pode também se achar inatingível e inabalavel, e é exatamente nesta hora que começam os relachos e as imprudencias.

  • Nailson

    Pode até o Cardoso não ir com minha cara, mas foda-se, ele expôs um ponto certo, o Jornalismo de hoje parece coisa de "mirim"… sério! na época que eu era criança (lá pelos idos de 95-96) eu não achava erro de português ou erro de digitação numa revista tipo a Veja ou um Jornal de grande circulação. era muito raro…

    Ai entra o ponto, o pessoal da Gizmodo mostra um SUPOSTO protótipo de iPhone, e revela quem foi o cara! os caras não sabem q

  • Nailson

    O Cardoso pode até não ir com minha cara, mas foda-se! Ele expôs um ponto certo, o Jornalismo de hoje parece coisa de "mirim"… sério! na época que eu era criança (lá pelos idos de 95-96) eu não achava erro de português ou erro de digitação numa revista tipo a Veja ou um Jornal de grande circulação. era muito raro…

    Ai entra o ponto, o pessoal da Gizmodo mostra um SUPOSTO protótipo de iPhone, e revela quem foi o cara! os caras não sabem que a Apple vai cedo ou tarde descobrir o "meliante"? pra que diabos eles expõem a fonte deles? CAGAÇO? MEDO DE FICAR DE MAL COM A APPLE?

  • verdade

    mas uma coisa é proteger a fonte, outra coisa é INVENTAR fontes para caluniar pessoas (como faz o jornalismo-esgoto brasileiro). Inventaram uma "fonte sigilosa" para o caso do dossiê falso contra o Serra e agora andam a caluniar a candidata do governo. O dossiê pode até existir e a candidata pode mesmo ter cometido crime, mas por enquanto, em nome da "proteção da fonte", estão promovendo calúnia e difamação. Ou seja: em nome da "proteção da fonte", estão cometendo crime contra a honra em relação a Dilma. O discurso da "proteção à fonte" deve ser feito com cuidado, ou ele apenas ajuda a mistificar a notícia.