No futuro não viveremos no passado, por falta de passado

O aparelho da imagem é uma… calculadora. Casio PRIZM, com 16MB de armazenamento, 61KB (isso mesmo, KB) de memória para programas, display de alta resolução (pra uma calculadora) e algumas funções bem legais, como uma ferramenta para calcular os parâmetros de uma curva em uma imagem importada.

A parte surreal é que ela está sendo vendida (nem isso, anunciada) em 2010. OK, surreal mesmo é saber que ela venderá bem, como as HPs e Texas ainda vendem. Um grupo expressivo de profissionais ainda se sente mais a vontade usando uma calculadora do que um PDA, Notebook ou iPhone.

Esses são profissionais que ainda viveram em um tempo onde suas ferramentas escolhidas tinham alguma longevidade.

Era um tempo onde uma ferramenta seria aprendida e usada por toda uma vida. Hoje não existem mais ferramentas assim. Todas são efêmeras, qualquer um usando os softwares de dez anos atrás será considerado legalmente insano. Mais ainda, é impossível manter funcionando uma estrutura tecnológica tão antiga. Softwares não são pensados para isso, mesmo sistemas bem-sucedidos como o Windows XP já deixaram de receber atualizações, e ainda assim é um caso excepcional. Empresas com menos recursos que a Microsoft dificilmente garantiram seus produtos por tanto tempo.

Os profissionais da geração atual não tem mais a possibilidade de se acomodar em uma zona de conforto. Antigamente era possível aprender COBOL na faculdade e se aposentar como coboleiro. Hoje a maioria das tecnologias que um calouro usará em seu primeiro emprego não foram sequer inventadas. E não é só com tecnologia que acontece isso. Cinco anos atrás ninguém tinha sequer o conceito de especialista em mídias sociais, hoje toda agência de propaganda tem pelo menos um. Ao mesmo tempo o especialista em Internet que ganhou muito dinheiro com Second Life hoje morreria de fome, se não tivesse se adaptado. (alguns devem ter morrido, ou pior, virado atendimento)

A televisão passou décadas sem nenhum avanço significativo, agora mal os profissionais se acostumaram com a Alta Definição, tem que se adaptar ao 3D. Batendo na porta, a Interatividade e a não-linearidade da distribuição online de conteúdo.

Não temos carros voadores, mas fora isso o Futuro está sendo desafiante. Darwinista até o osso, demandando profissionais versáteis e com um grau de inteligência bem acima do mínimo exigido nas décadas passadas. É ruim para muita gente, principalmente para os que se deram ao luxo de ficar velhos. Já os outros, que gostam de matar um leão por dia estão adorando, pois melhor do que matar os pobres felinos só ter que criar um leão geneticamente modificado por dia, e é isso que o Mercado anda exigindo.

Quanto às calculadoras, ainda são úteis, tanto que um emulador oficial de HP 15C como o da imagem acima, rodando no iPhone custa apenas US$29,99, já  o  Submarino tem uma calculadora científica Casio de 664 funções por R$439,00. Well, ninguém falou que viver no passado era barato.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • O futuro na realidade é uma grande loteria. A grande diversão é adivinha-lo…coisa que fiz hoje no meu blog também :)

  • E tem sempre aqueles que vivem dizendo: "ah, os computadores estão substituindo o trabalho humano!"

    Ora, os que não se atualizam, esses profissionais cujas habilidades possam ser imitadas por computadores, merecem ser substituídos mesmo.

    • Pois é. Lembra-se que há alguns anos, havia aquele camaradinha no banco que ficava responsável por atualizar a caderneta da sua poupança/conta corrente com o saldo do dia? Este funcionário foi extinto, dando lugar a terminais de auto-atendimento. Em contrapartida, foram criadas outras funções que não existiam.

  • Andre

    Agora soma (preço do iPhone) + US$ 29,99.

    Não que não vale o preço, mas, não pode deixar de dizer que é mais caro.

    Só que o precinho da calculadora também é absurdo.

  • Quando cursei Administração, em determinadas disciplinas era necessário o uso da HP 12C. Todos davam um jeito de arrumar uma. Hoje, mesmo com o surgimento de emuladores para dispositivos móveis, acho que a calculadora ainda terá seu lugar por um bom tempo. É bem mais prático e bem mais barato, visto que os aparelhos móveis compatíveis com os emuladores ainda custam muito, muito caro. No caso da 12C, mesmo 30 anos após seu lançamento, ainda continua indispensável nos cursos de administração/economia e em qualquer profissão que envolva o cálculo freqüente de taxas de juros.

    Sobre a velocidade das mudanças, indico os excelentes vídeos da série "Did you Know?", feitos pela XPLANE: http://www.youtube.com/watch?v=6ILQrUrEWe8

    • Diego

      "Hoje, mesmo com o surgimento de emuladores para dispositivos móveis, acho que a calculadora ainda terá seu lugar por um bom tempo." – Só se depender das universidades e seu medo do novo. A IBE-FGV de Campinas, por exemplo, proíbe usar iPod Touch com emulador de 12C nas provas. O que dira do iPhone! Permite penas a calculadora propriamente dita. Isso num curso de MBA, que o sujeito faz muito para se "atualizar".

      • Concordo com você. Mas eu me referi justamente às universidades para a continuidade do uso de calculadoras. No meu curso também era proibido o uso de computadores e celulares (de qualquer tipo) durante as provas. E o medo é justificável. Não pelo medo do novo, mas porque um dispositivo que aceita um emulador também possibilita o armazenamento de PDF's (cola eletrônica, alô?). Quando eu cursava engenharia, alguns alunos utilizavam a HP 48G e já inseriam no equipamento as formulas que seriam usadas nas provas. Um smartphone tornaria esse processo ainda mais fácil. Além disso, o iPod/iPhone ainda tem preços proibitivos em boa parte dos mercados, Brasil incluso. Uma HP 12C custa uns R$ 280, enquanto aqueles não saem por menos de R$ 1000,00.

        E fora do ambiente universitário, de fato, somos livres para escolhermos a melhor forma de utilizar os recursos.

        • iPod não custa menos de 1000 reais? Vá no site da Saraiva ou do Extra que vc terá uma surpresa.

        • Diego

          O problema das colas é que elas servem para burlar provas que avaliam também a capacidade do aluno decorar coisas. Atualmente, muito devido ao Google, decorar coisas é tão séc. XX… Então temos a situação: só são permitidas ferramentas do passado para provas do passado.

          Sempre teremos o problema da comunicação wireless também, que é outra coisa.

  • Concordo com o Cardoso, mas acredito que as calculadoras científicas ainda possuem um amplo espaço nas faculdades (provavelmente seu maior nicho de mercado, além dos contadores com suas HP12C). São poucos os professores que liberariam o uso de um aparelho com capacidades de enviar um SMS, por exemplo, por mais que o aluno tentasse explicar que utilizaria apenas o app de emulador de HP que tem no seu "inocente" celular. Maneiras de colar existem aos milhões, mas também não é preciso facilitar tanto!

    No meu mundo real de engenharia, a minha HP48 está na gaveta há muito tempo, sendo utilizada apenas eventualmente pela facilidade de acesso na gaveta, mas apenas para cálculos mais simples. Na maior parte do tempo o Excel é a minha "calculadora" para todos fins, e o celular é a minha "calculadora" para toda hora. Felizmente não tenho mais nenhum professor na minha cola, tentando evitar a todo custo a outra inevitável cola.

  • Marcio Dias

    Eu ainda uso uma relíquia que já tem mais de uma década. O Microsoft Money 99 em Português. Que está se tornando um problema sério. São quase 13 anos de uso da ferramenta. Já pesquisei por alternativas, mas, não encontrei soluções que tenham um comportamento parecido e que principalmente importe todo o histórico de dados.

    Incrível que nesses 20 anos trabalhando com sistemas, foram dezenas de linguagens, vários sistemas operacionais, inúmeros bancos de dados, muitos pacotes de escritório e ter essa extranha fidelidade a esse programa particular.

    Preciso de um psicólogo urgente.

    • Eu também preciso. Devo ser insano.

      Ainda uso windows xp e prefiro office 2000.

      São coisas que são úteis para meu trabalho em casa.

      Já nas empresas, me atrapalho todo com os novos offices e detesto o windows vista.

      Devo ser prehistórico.

      Coisas da idade.

  • Pingback: Tweets that mention No futuro não viveremos no passado, por falta de passado -- Topsy.com()

  • dberlezi

    Um pouco equivocadas as afirmações do post. Apesar de calculadoras aparentarem ser ferramentas obsoletas, ainda vai demorar um pouco para elas serem substituídas por computadores e softwares com funcionalidades similares. As HPs, em cursos de engenharia, por exemplo, ainda persistirão por um bom tempo, pelo que tudo aparenta. E isso não é culpa de professauros. Muitos alunos ainda preferem ter uma hp à mão para realizar cálculos em exercícios e avaliações do que abrir o laptop e usar ferramentas de processamento muito mais poderosas, tais como o MatLAB, MathCAD, dentre outros. Uma das explicações pode ser o fato de os computadores oferecerem muito mais formas de distração adicional durante algumas tarefas que poderiam ser efetuadas de forma imediata, o que poderia custar tempo precioso em algumas situações.

  • Tiago

    Não vi muito cabimento neste post. As coisas mudam gradativamente. Calculadoras são usadas a décadas, é natural que ainda sejam usadas por mais alguns anos (ou décadas). As pessoas demoram para se adaptar (logo o mercado também). Isto não é ruim, é normal.

    Aliás, você utiliza calculadoras científicas no seu trabalho? Tenho certeza que as pessoas que usam têm seus motivos para usarem. No momento em que não encontrarem mais motivos para usar calculadoras, elas serão extintas do mercado, gra-da-ti-va-men-te.

    • Ainda bem que a MAIORIA das pessoas não demorarou para se adaptar aos celulares, às tvs digitais, aos computadores (tirando as salsas), à internet (idem anterior), às máquinas automatizadas, aos caixas eletrônicos, aos cartões de crédito, aos GPS, etc.

      Ainda bem que PARTE do mundo ao menos, decide evoluir, à parte que ficar para trás ficará esquecida, felizmente…

      As calculadores sobrevivem ainda pq os celulares podem acessar internet e achar respostas(colar até mesmo do colega ao lado) e ainda mais quando o professor tb não evolui e usa as mesmas questões à 20 anos…

      Descubra como controlar à internet dos celulares e essas calculadoras morrem do dia para a noite, não precisa-se décadas para isto, elas não possuem nenhum diferencial e também custam caro.

  • Bruno

    eu vou comprar um HP 50G por causa da faculdade.

    e nunca um professor vai deixar tu usar um celular no lugar da calculadora… simples, o sujeito tira uma foto da prova, manda por mail pra o colega que já fez a cadeira e passou com A, ele faz a prova tira a foto da resolução e manda de volta pra o cara escrever na prova.

    agora depois de formado eu vou ver, obvio que não vou comprar um programa pra iphone por 30 dolares se eu já tenho a calculadora.

  • Praticidade. Esse é o motivo de ainda existirem as calculadoras gráficas e financeiras.

    Se você trabalhar mimimanente com cálculos avançados em locais mais ermos – um campo de obras por exemplo – perceberá que é muito mais simples puxar uma calculadora do bolsa, corrigir os milhares de cálculos diferencias que temos ali e repassar pro mestre de obras, coisa que com um PC/iPad/iPod/Smartphone é bem mais complicado – normalmente o SW dos smartphones é mais lento e demanda uma curva de aprendizado maior – e bem menos prático.

    As calculadoras são usada no trabalho/escola porque poupam tempo – e dinheiro.

    O erro maior aqui é acreditar que todo mundo deve usar as mesmas ferramentas que nós usamos e achar isso o "gás da coca-cola". Casa um sabe onde o sapato aperta.

  • Rodrigo

    É a mania do ser humano de ficar inventando necessidades desnecessárias.

    Como dizem por aí, se a caixa de fósforos tivesse sido inventada depois do isqueiro, todo mundo ia considerar ela mais moderna que ele.

  • A HP-15C era um sonho de consumo nerd da década de 80. Eu era um nerd pobre e nunca pude comprar. Quem sabe a HP volta a produzi-la depois do sucesso do HP-15 virtual para iPhone.

  • Pascal

    Creio que a bateria de uma calculadora dessas dura algumas semanas a mais que a de um pda/celular/netbook… Acho que isso é um bom estimulo(não o único) para os profissionais que utilizam-se desse tipo de ferramenta.

  • Andersin Zardo

    e o emulador da HP 48 pra Android? hehe

  • Pingback: No futuro não viveremos no passado, por falta de passado — Os melhores links dos melhores blogs Entrelinks()

  • Rangel

    Achei a calculadora da materia muito legal ! Tenho um itouch e um ti89, mas na hora de fazer um calculo "normal" eu puxo a calculadora da gaveta, por ser mais pratica mesmo.

    Mas eh fato de que estas calculadoras top de linha cairão no descaso, pois qualquer celular daqui a 10 anos será capaz de fazer muito mais.

    Alias … sabe o que os meus professores de fisica da universidade faziam para evitar cola eletronica: escreviam as expressões mais complexas em uma folha em anexo !

  • @DuDu_Pinto

    Cardoso, acho que você foi um pouco infeliz nesse seu post. Ficou a impressão que você quis dar uma opinião sem conhecer o assunto usando para isso o argumento do avanço tecnológico… A calculadora é uma ferramenta específica enquanto o simulador é mais um quebra galho. Qual mecânico deixa de usar suas ferramentas pra usar um canivete suíço, por mas bem construído que ele seja? A calculadora pode até ter uma interface mais arcaica, mas depois que você aprende a usá-la torna-se relativamente simples. Nas faculdades ela dificilmente deixará de ser usada pois é uma ferramenta especifica para calculo, que limita muito a cola. Apesar de sempre existir maneiras de esconder textos e colas nela… Na minha época de faculdade existiam professores que só deixavam elas serem usadas se a memória fosse apagada por eles na hora da prova!

    Além disso os botões rígidos tem maior durabilidade e uma comodidade muito maior para o tamanho reduzido. Senão hoje não existiriam smartphones com teclado qwert físico. Tanto é que a HP lançou a Calculadora 49G com botões emborrachados para substituir a 48G, mas teve péssima aceitação e por isso foi tirada de circulação e a sua substituta veio com os botões rígidos novamente.

    Desde que me formei minha em engenharia minha HP 48G, que praticamente me passou na faculdade, está na gaveta sem uso, tive até que tirar as pilhas para elas não estourarem. Hoje praticamente não faço cálculos pesados e o Excel e a calculadora do Windows resolvem praticamente todos os meus problemas. Mas sempre haverá espaço para as calculadoras científicas e financeiras. É um nicho que dificilmente morrerá!

  • Léo

    A grande razão para comprar uma calculadora hoje – no que se refere a geração atual de engenheirandos – é para usar em provas, pois os professores geralmente não permitem abrir o notebook em sala e plotar uma curva no matlab (bem que eu gostaria).

  • Leonardo

    Tenho uma casio que dura uns 7 anos ja…a mesma tem funções que me ajudou muito no meu curso tecnico e na faculdade de engenharia…mas pelo preço de uma hp50 vc compra um celular android ou um ipod e tem uma hp 48…sem conta que vc faz calculo, ouve musica, ve o twitter…é a convergencia…

  • Hoje em dia, encontramos notícias de tantos avanços e tantas criações que nem mesmo aquele que possui um boa capacidade adaptativa deveria sentir-se confortável.
    Pois o conforto, nesses casos, pode acabar levando à acomodação. E, no segundo seguinte, você está obsoleto, rodeado por pessoas que sabem operar e desenvolver tecnologias superiores e ou desconhecidas.

  • Alessandra

    Cara, é muito mais confortável usar a calculadora física do que uma calculadora emulada em algum aparelho.
    Pelo menos eu acho.
    Da mesma forma que nunca será tão confortável jogar Super Mario num emulador, quanto era jogar no super nintendo. Sinto falta do controle do videogame, da mesma forma que sinto falta dos botões reais.

  • Mauro Flores

    Pois é, não fazem mais calculadoras como antigamente, é a melhor opção cara, se não acredite encontre algo melhor! Eu te desafio!

  • Em 2017 continuo usando minha veterana HP 50G! Tive a oportunidade de pegar um HP Prime, mas não achei que valesse a pena.