Haters Gonna Hate, mas Life Goes On…

A única coisa que dá para ser feita com raiva de forma eficiente é testar os limites de calças stretch roxas. Todas as outras atividades são prejudicadas, raiva nubla o discernimento, torna nossa visão limitada e leva a decisões e opiniões erradas.

Mesmo assim a Internet criou e valoriza uma cultura de haters, gente que se orgulha de odiar tudo e todos oito dias por semana. Gente que tem como esporte minimizar toda e qualquer conquista de quem quer que seja.

Não falo de trolls, eles são patéticos e exagerados por natureza, é fácil chutarmos pra escanteio e não levar em conta. Falo de gente aparentemente normal que entende como ofensa a possibilidade de qualquer coisa… dar certo. Essa gente odeia e despreza toda iniciativa, acham mesmo que coletivamente conseguem comprovar o fracasso de um produto apenas desejando em voz alta que ele seja um fracasso.

Vou dar uma dica: Você acha que consegue que algo seja FAIL! apenas desejando? Seu nome é Deus? Se não for, você é um idiota.

Eu disse que a Internet criou essa cultura, mas isso não é exato. Essa gente não surgiu ontem. Toda empresa tem pelo menos um sujeito que se contorce e grita cada vez que uma idéia é apresentada, provando por A+B (ou mais precisamente por 1+1=3) que não dará certo. E esse sujeito nem se preocupa em ser sabotado pelos colegas, pois ele mesmo nunca apresenta idéias.

Essa é a diferença fundamental, o Hater não tem trabalho pra mostrar, por isso mesmo considera ofensa o trabalho alheio. Curioso é que eles não têm senso de escala, se ofendem com realizações de qualquer um, através do Universo. É como se um garoto de 12 anos aprendendo a programar em BASIC se ofendesse com o lançamento do Windows 7.

Exagero? Há milhares de exemplos, desde os críticos de Avatar, demonstrando quanto o filme é ruim, irrelevante desprezível e jamais deveria ter sido feito (US$2,7 bilhõs de faturamento mundial) , passando pelos críticos do iPhone (não venderá!) e do iPad (não serve pra nada!) e do Kinect (ninguém vai comprar!).

Meu exemplo favorito é a única boy band heterossexual da História, Os The Beatles.

Quando a Apple anunciou que faria um anúncio especial que tornaria o dia inesquecível os haters se agitaram. Com uma memória seletiva excelente, o cérebro do hater quando quer é incapaz sequer de guardar dados simples como “P. Sherman, 42 Wallaby Way, Sidney, Austrália”, então todos se fizeram de surpresos com a hipérbole do anúncio.

Os mesmos haters que odiaram quando Steve Jobs disse que o iPad era “mágico”. (spoiler: Não é, está limitado pelas Leis da Física. Fuck Jobs!)
Quando o anúncio anunciado anunciou que o catálogo inteiro dos The Beatles estaria disponível para download digital pela primeira vez na História ouviu-se um “meh” coletivo dos haters.

O fascinante é que eles tecnicamente não podem se decepcionar, pois NADA que a Apple (ou ninguém) faça os satisfará, mas eles jogam a carta da decepção mesmo assim.

As mensagens lotaram os Fóruns, blogs e Twitter. O “consenso” era que seria um fracasso, as argumentações como sempre faziam sentido, de um ponto de vista rasteiro e isolado. A banda é muito velha, os fãs já têm todos os discos, grupos de guitarra estão saindo de moda, ninguém compra música, etc, etc.

Como sempre uma busca pelas redes sociais demonstraria o fenômeno da amplificação da voz dos idiotas, mas na falta de etiquetas de “imbecil” junto aos perfis, não é possível identificar coletivamente os haters. Uma análise da resposta ao anúncio da Apple indicaria como opção natural demitir o idiota que pensou em vender Beatles no iTunes. As projeções indicariam zero compras, o zumbi de John Lennon sairia da cova atrás de Jobs.

Como sempre a turma do “não vai dar certo” foi ignorada pela realidade.

Foram vendidos 450 mil álbuns na 1a semana de Beatles no iTunes, num total de 2 milhões de canções. Números de superstar conseguidos por uma Banda que deixou de existir mais de 40 anos atrás. Claro, ajuda ser a banda com mais discos vendidos na História

Essa cultura do não-vai-dar-certo é prejudicial ao coletivo E ao indivíduo, gera gente que só consegue prazer dizendo que algo não vai dar certo, e se cala diante do sucesso inesperado (por eles). Coletivamente são uma bias nas análises que deve ser levada em conta e individualmente sofrem, afinal como alguém que acha que tudo vai dar errado vai ousar criar alguma coisa?

Não criam, o medo de não dar certo é grande demais. Fechando o ciclo, de onde vem o medo? Do ódio que tanto amam.

Fear is the path to the dark side. Fear leads to anger. Anger leads to hate. Hate leads to suffering.” – Yoda

Leia Também:

  • Eu juro que quando você começou a falar do medo a primeira coisa que me veio a cabeça foi a citação do Yoda que você colocou logo abaixo,kkkk!

    Eu acho interessante essa questão de ninguém querer fazer nada errado. No entanto a impressão que eu tenho é que as pessoas que realmente são inspiradoras, correm riscos, quebram a cara, às vezes mais de uma vez até conseguirem fazer algo grande. Eu fico impressionado como as pessoas acham que uma boa idéia cai de para-quedas e de que os gênios já nascem prontos.

  • Pior que haters são aqueles que só falta te enfiarem eletrodos na cabeça se você diz que não gosta de Beatles.

    Bom pra quem gosta que o acervo esteja a venda. Mas eu caguei pra isso.

    • Existe uma enorme diferença entre estar pouco se fodendo e por não gostar afirmar que não vai dar certo.

      • Assisti ao surgimento dos Beatles, escutei suas músicas. Amo todas. TENHO TODAS.

        Sei que sou um velho alien para as gerações posteriores.

        Mas também gosto de Creedence Clearwater Revival.

        Ambos dão certo até hoje, pelo menos para mim.

        E não sou único, não.

        A prova está nos 450.000 albuns dos Beatles vendidos na primeira semana.

        Salve os compradores! São minhas almas gêmeas.

        É isso.

  • Pierre

    Quando eu vi o anúncio, também pensei um "meh", mas não de reprovação, apenas um: "droga, nada pra mim".

    Mas o pior não é quando o cara é hater de tudo que existe e não faz nada. Trabalho com um cara que não aceita nenhuma ideia que não tenha saído dele.

    Se eu e ele tivermos cada um uma ideia para algum projeto, ele vai incomodar tanto o chefe dizendo que a minha não serve e que tem que ser da forma que ele diz, que o chefe acaba aceitando.

    Aí em, digamos, 70% das vezes, a ideia dele falha miseravelmente. Depois que ele finalmente concordar que a ideia não deu certo, ele passa a dizer que o projeto era impossível de ser realizado, mas em hipótese nenhuma permite que a empresa siga a minha ideia (ou de qualquer outro funcionário).

  • Só para aproveitar os haters: parece que sou o único a defender o “novo” padrão de plugues e tomadas “brasileiro”.

    Seria eu um hater da bagunça que era anteriormente?

    =) =D

    • Laguna,

      Eu também defendo o novo padrão e igualmente detestava a bagunça que ainda existe e vai durar mais uma década até todo mundo se adequar. Aliás, eu continuo odiando o fato de que usamos 110V em grande parte do país. Padronização já!

      Abs

      • @MNetto,

        Meu caro, só termino o OFF com isso: durante a ditadura, enquanto houve a construção e planejamento da usina de Itaipu, os militares pensaram em padronizar tudo em 220V.

        Mas não foram em frente por lobby dos governadores e outros parlamentares "biônicos" dos 13 estados que usam esse "despadrão" [que pode ir de 100 a 127V] para não perderem futuros votos.

    • sebastiao neto

      o unico defeito da nova tomada é que ela, em vez de ser como é o exemplo A, ela podia ser como o exemplo B.

      http://img12.imageshack.us/img12/1665/novatomadan

      • O chamado “padrão universal”, nada mais era que uma gambiarra elétrica de luxo e que só existia no Brasil.

        Além disso, só poderia ser certificada para o “despadrão” 100/110/115/127V.

        Se 80% do mundo e 14 estados brasileiros [incluo o DF como] são 220V, como ficaria a situação?

    • pelo menos antes as coisas se encaixavam, ás vezes, com ajuda dum simples "T". hoje se não tem o adaptador certo, esquece. pior, agora tem 2 adaptadores, com 2 e 3 pinos. continua com mais de um padrão. essa onda é a mesma coisa que há tempos atrás todos carros tinham que ter kit médico. uma empresa faz um lobby em brasília e os tontos (nós) saímos atrás para nos adaptar, gastando dinheiro, claro. concordo que deve ter padronização, mas poderia se optar, então, por um dos tipos já existentes e não um totalmente novo.

      • 2 pinos redondos é o padrão europeu e era norma brasileira.

        O Brasil nunca teve padrão de tomadas e plugues de três pinos, mas sim um bocado de importabando que usava o padrão yankee [dois pinos chatos e o pino redondo para o conductor de protecção, vulgo terra].

        O padrão yankee é apenas certificado para o “despadrão” 100/110/115/127V. Já o padrão IEC 60906-1, adotado pelo Brasil, deveria ser o padrão de tomadas para o padrão 220V, este utilizado em 80% do mundo. Por que o Brasil não pode aproveitar um bom trabalho alheio em proveito próprio [com relação à teórica segurança das novas instalações elétricas]?

        Que tal encerrarmos por aqui, antes que essas teorias conspiracionistas contra Brasília me encham a paciência?

  • "Meu exemplo favorito é a única boy band heterossexual da História, Os The Beatles." *BANG*

    O que esse povo não entende é que na maioria dos casos em que resolvem se meter, a influência que acham que tem não gera o resultado esperado, o tal FAIL. Daí só resta esperar o próximo acontecimento para tentar denovo… e denovo, denovo, denovo……

    Fato é, tanto na internet como na vida real jamais estaremos livres de trolls e haters.

  • essas atitudes de haters, para mim, sempre foram falta de atenção….

    "…grupos de guitarra estão saindo de moda…" ahahahahaha

  • Sami

    Alguem sabe qual era a expectativa da Apple para a primeira semana?

  • Também acho que o comportamento "Hater" vem de não aceitar que existem diferenças de pessoas pra pessoas. Chuto que a grande maioria dos haters se veêm como "a média do mundo", portanto se eles não gostam de Beatles, a maioria não vai gostar e consequentemente o negócio vai pro buraco.

    Por isso, faça um favor a um hater e da próxima vez que ver um diga: "Existe muito mais gente muito mais interessante que você na Terra".

    • Bruno

      Eles se veem como elite intelectual futurista.

      se acham a ultima bolacha do pacote, uma equipe de engenheiros projeta um produto, e o recalcado (gostei da denomincação que o cara deu, concordo) teniCU em informatica, no maximo, vem falar que o negocio é uma bosta e não presta.

  • Pingback: Tweets that mention Haters Gonna Hate, mas Life Goes On… -- Topsy.com()

  • Flávio Sim&ot

    Escutei hoje uma ótima teoria sobre o Kinect… "O produto está tão ruim, que a Micro$oft (sic) não disponibilizou muitos para dar tempo de irem corrigindo e assim geram uma expectativa alta em do público."

    Porque essa criatividade não é usada para criar e somar?

  • "Os The Beatles"

    Adoro a precisão cardosiana!

  • Sem querer ofender mas o novo padrão de plugs brasileiro é bem ruinzinho embora tenha melhor proteção contra choques

    • Lúcio Wiborg

      Não achei o novo padrão ruim, não. Aliás, eu diria que nem é "novo padrão", mas sim uma primeira padronização do que sempre foi uma zona completa! Por aqui tinha Schuko (os redondos), dois modelos do padrão NEMA (os chatinhos, com ou sem o pino terra) e padrão australiano (ar-condicionado) e a gente aceitava isso como normal. Os contatos das tomadas universais (universalmente horríveis) eram umas porcarias justamente pelo compromisso de ter que receber os dois tipos de tomadas e não aguentavam sem esquentar/derreter/pegar fogo nem os 10 A máximos dos plugues Schuko, muito menos os 15 A dos NEMA.

      O único porém é que se tiver muitos fios na caixa de passagem, tem que fazer um malabarismo pra fazer a tomada caber dentro dela, por causa do rebaixo…

  • ScorpianVivi

    :( … Sempre mto preciso e gentil nas palávras usadas (mesmo sendo pra uma crítica).

    Vc ta fazendo uma falta danada la naquele hospício que vc sabe onde é.

    Eu te adimiro demais sabia?

    Um grande abraço pra vc e sucesso sempre no que vc quiser da sua vida! :)

  • Cardoso, você fala de Haters com bastante propriedade, mas eu discordo de você em apenas um ponto: eu não chamaria de hater, chamaria de recalcado mesmo.

    Ah, e Avatar é bem chatinho, vá…

    Saudações

  • Salviano

    Sobre o lançamento eu fiquei satisfeito pq sou fã da banda e mesmo já tendo todas as músicas queria que fosse um sucesso e que vendesse bastante. O lance com os Haters cheira imaturidade, posso dizer que já tive muito do perfil do hater e tinha meus pensamentos críticos a cerca de um lançamento/anuncio sem usar informações confiáveis para refletir. Ficava apenas na base do achismo e do ódio, como todo bom hater. Acompanhei via twitter durante o dia do lançamento no iTunes e vi gente reclamando que os beatles tinham poluído toda a interface do iTunes.

    P.S: Apple + Beatles e não esperar que os haters caiam matando é sermos mais inocentes que eles.

  • Bruno

    Me lembro de um hatter que eu conhecia, conhecia antes de ter conhecimento sobre essa denominação.

    o sujeito teve um xilique quando lançaram o Wii no forum que eu participava… disse que ia ser uma vergonha, que o nome lembrava mijo bla bla bla que ia ser video game de retardado e tal.

    bom tai ai pra todo mundo ver… engraçado que ele abriu uma loja on-line pra vender peças de PC e não durou dois meses, diz ele que foi culpa da burocracia… se fosse esse o problema não existia lojas on-line no brasil.

  • Muito bom o texto. E o twitter, não vais voltar?

    abraço

  • Marco

    Ótimo texto.

    Mas Cardoso, e o twitter?

  • agora tem que escrever o texto dos que gostam de tudo sem sequer fazer uma análise crítica. saiu o ipad. tenho que comprar, steve jobs disse que é mágico. beatles, eu tenho que gostar, afinal quase todo mundo gosta. e se faturamento é sinal de ser bom, calypso é uma das melhores bandas do mundo e deveria ser incontestável. apenas tem os que gostam e os que não gostam. só não entendi por que o texto dá a entender que não há applemaníacos haters. talvez eu tenha entendido mal.

    • McGee

      O problema é que idiotas como você acreditam que ninguém fez a tal "análise crítica" pra comprar algo, só porque você não gostou do produto. Ninguém é obrigado a justificar uma compra ou uma decisão pra um hater, mas parece que é assim que eles pensam.

      Talvez o problema esteja com você. Tá na hora de começar a aceitar que existem pessoas com opiniões, necessidades e condições diferentes das suas. Bem vindo à civilização, champ.

      • Exatamente isso!! Os Haters acham que só eles tem discernimento e todo o resto compra as coisas por moda.

        PS: Quanto ao lançamento dos Beatles, é a minha banda favorita, por isso mesmo tenho os discos (em vinil e CD), mas é importante que novas gerações que não ligam a mínima pra mídias físicas possam ter contato com músicas de décadas anteriores, que continuam ótimas a despeito do passar dos anos…

  • Gostei do post.

    Seu site é muito interessante.

    Parabéns.

    Att.

    André

  • Muito bom o texto, como todos os demais. Ja assino o feed ha um tempo e estou sempre a esperad o proximo texto.

  • Isadora

    Eu conheci a ira dos haters quando, uma vez, afirmei que eu gostava do Rush.

  • A gente não pode deixar de considerar que, quando se trata de coisas estúpidas, a Lei de Murphy funciona ao contrario: Se pode dar certo, dará, akakakka

    Eu lembro daquele app de iPhone, "I'm Rich" era o nome, se não me falha a memória… o cara pagava um dinheirão pra baixar essa app que era só uma imagem de uma pedra preciosa… foi vendido com arte :D

    Depois dessa, eu nunca falo que algum programa, aplicativo, campanha de marketing, vai dar errado… se tem a mínima chance de dar certo, ser quase certo que vai dar errado, vai dar certo…

  • Essa semana assisti "Rush Beyond The Lighted Stage" e já no final do documentário sou informado que o Rush levou 33 anos para dar a primeira entrevista na tv americana.

    A critica sempre foi cruel com o Rush. Décadas de gente falando besteira não foram suficientes para sufocar os caras, que envelheceram e sua música não.

    Particularmente prefiro os Beatles do Lennon, a maioria prefere o do Paul. Mas eu não gosto do Paul. Só o meu mesmo.

  • mauro

    Acho que sou o único a aprovar o governo Bush. Quando eu digo isso a um novo amigo as chances de terminar a amizade são de 95%

  • Dany Lederman

    Todos os gostos devem ser respeitados.

  • Cada um tem um pensamento diferente, podemos ser todos iguais mais somos diferentes em pensamentos e opiniões, mais o que nos torna civilizado é o RESPEITO !

  • Eduardo

    YODA RULES MOTHER FUCKER! ô/

  • Schwartz

    Se a medida de que uma coisa é boa for o seu sucesso popular ou financeiro, viva o Luan Santana. "Rebelião das Massas" de Ortega Y Gasset urgente, na veia.
    []s