O Dia em que a Lei me pegou e fui buscar ajuda em Jesus

A Internet tem um monte de Leis, como a Regra 34, que determina que se algo existe, há uma versão envolvendo sacanagem. Sim, existe. Há até um conto erótico entre a Hermione o o Chapéu Seletor. A Lei de Godwin, que diz que em uma discussão online quanto mais tempo ela durar mais próximas de 100% são as chances de alguém comparar alguém a Hitler.

Uma das Leis mais clássicas é a Lei de Poe, que determina que na Internet é impossível criar uma paródia sem que alguém acredite que é verdade. Pode parecer impossível não perceber quando algo é uma paródia, mas não é tão simples. Às vezes as pessoas estão tão dentro da suas zonas de conforto, das suas câmaras de eco que não percebem a piada.

Em Team America os atores de Hollywood são parodiados como idiotas liberais egocêntricos, e os listava como membros da fictícia Film Acts Guild.

Sim, é uma piada infantil, besta e homofóbica, F.A.G.  é o equivalente a B.I.C.H.A. e todo mundo com 12 anos de idade mental adorei a cena.

Eis que descubro que existe FAG pro aqui. Só que se eu ou um Não Salvo da vida criássemos a Federação Anarquista Gaúcha seríamos acusados de preconceito, discriminação e pior, fazer piada ruim e óbvia, poxa, colocar gaúcho no meio é muito na cara, evidente que é zoeira. Só que não.

Um caso famoso que invoca a Lei de Poe são os quadrinhos de Jack Chick, um artista cristão conservador que morreu em Outubro de 2016. Ele prega a mesma mensagem de ódio  e intolerância da maioria do pessoal que faz sucesso na TV, criticando a sociedade moderna, gays, rock, roupas curtas, até Satã, coitado. Só que Jack Chick fazia sucesso também entre… gays, roqueiros, periguetes, ateus, satanistas e outros.

O motivo? A mensagem de Jack Chick era tão exagerada que perdia seu efeito, não era possível se ofender com aquilo. As pessoas colecionavam e aguardavam as novas Chick Tracts, como eram chamadas as histórias.

Isso mesmo. Nem a pobre Feiticeira, em toda sua inocência estava livre da crítica de Jack Chick. Coitada da Samantha, que nunca fez nada de errado na vida, nem de certo, em 254 episódios ela sequer apareceu na cama com o marido, e olha que teve dois.

A obra de Jack Chick funciona como uma espécie de anti-paródia, é algo criado para ser sério mas que satiriza a si mesmo. Até então era meu melhor exemplo da Lei de Poe, mas agora foi superado, graças a este quadrinho que apareceu na minha timelinda:

A questão aqui não é se há gente que concorda com a mensagem. Eu não vivo com a cabeça enfiada na terra igual eleitores da Hillary, que achavam impossível o Trump ganhar afinal ele é um monstro diabo na Terra, come criancinhas etc etc e sabe-se mais lá o quê falavam nas páginas lacradoras do Feice.

Existe um monte de gente de verdade, gente normal, gente comum que gosta da mensagem mais conservadora.  Essa gente se assusta com o extremismo liberal mais do que liberais se assustam com o “tio reaça” das ceias de Natal. Para cada conservador que acredita que o PT estava construindo um gulag debaixo do Itaquerão, há um comunista que tem plena certeza que os EUA vão roubar a Amazônia, se bem que esse exemplo uniu os dois extremos.

Meu problema com esse quadrinho é que eu não consegui identificar se é real ou sátira, e isso me incomoda. Me considero um conhecedor da Internet, estudo bastante a arte do humor, planejo inclusive um dia escrever um livro sobre isso. Mas mesmo assim me é impossível determinar se o quadrinho é pró ou contra, se defende ou satiriza o Bolsonaro.

Eu não fui na página do quadrinista, isso responderia a pergunta mas mataria a obra. Uma peça de humor tem que se sustentar sozinha. Não há problema em ser ambígua, as melhores piadas o são. Em um episódio recente d’Os Simpsons Homer vai a uma feira com o porco de estimação (Yes, Spiderpig vive) e comenta:

“Veja, todo mundo está olhando para nós! É como levar Elizabeth Taylor ao Oscar”

Há duas leituras, uma bem positiva e uma bem ofensiva, depende da imagem mental que você faz da Elizabeth Taylor.

O Bolsomito não é assim. O Bolsomito é o contrário, não é uma piada com duas leituras, são duas coisas opostas existindo em um estado de superposição quântica, mas que não é destruído quando é observado. Pelo contrário, a ambiguidade só fica mais forte.

Eu desisto, não consigo entender o Bolsomito. O jeito é apelar. Help me Jesus, você é minha única esperança!


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Entendo bem o sentimento. O mesmo me ocorreu um dia desses lendo 2 postagens do repugnante “Explique-me Ateu” que seriam religiosas mas, ao mesmo tempo, eram perturbadoramente agnósticas.
    Fiquei encarando aquela merda por uns 2 ou 3 minutos, enquanto tentava entender onde estava o erro. Desisti sem saber.

    • Islan Oliveira

      Vi umas publicações dessa página e por alguns segundos fiquei bugado, até que entendi o que queriam realmente dizer.

  • O bolsomito usando uma capa vermelha?

  • André Melo

    Há alguns anos eu fui parar no site do Silas Malafaia (não faço a menor ideia de como). Naquela época ele não era muito conhecido, eu mesmo não tinha ouvido falar dele. Eu juro que acreditei que era um site humorístico, que fazia piada com os evangélicos.

    • O que assusta mais é a quantidade razoável de gente que segue e apoia.

  • Desculpa o spoiler galera, mas a página do “Desenhista que Pensa” de fato acredita em tudo que fala, e num nível BEM agressivo. Uma vez olhando post por post eu me deparei com um quadrinho onde ele basicamente afirma que “preocupar-se com o meio-ambiente é uma pauta esquerdista inútil, visto que o foco do cidadão cristão de bem é o reino do céu e não este mundo”. Tipo, se Jesus decidir voltar no ano 7500 que se lasque o tipo de planeta que meus herdeiros vão estar vivendo né…

    • Raissa Dias

      Ou seria uma paródia tão boa que nós achamos que é séria?
      Eu ainda acho que o Desenhista que Pensa é uma bait muito bem construída.

      • Sabe o que me tira essa esperança? O fato dele estar sempre se dando ao trabalho de responder todas as críticas dos posts. E sei lá, entre um babaca alucinado e um bait que chega a esse nível no final das contas o resultado negativo dá no mesmo…

  • Desenhista que (não) Pensa desenha tudo o que ele acredita, como direita extremista e até criacionismo.. Basta olhar a fossa séptica que é a página dele

    • Rafael Rodrigues

      Receio que a fossa séptica sega um bioma melhor que aquele…

  • Dio Eric

    Desenhista que pensa que pensa.

    • Mas ele pensa sim. Só pensa bosta. Mas pensa.

    • Fabrício Camargo

      Ele pensa com a ampola retal. O pior é que a página dele é cheia dos conservadores e “bolsomito é meu pastor”s

  • Não sei se você entendeu errado a Lei de Poe, mas sua explicação parece ter focado no lado errado da questão. O problema não é o receptor da mensagem não entender que é uma piada. O problema é justamente de mensagens parecerem tão absurdas a ponto de se tornarem indistinguíveis de uma sátira.

    O quadrinho do bolsomito não é o exemplo da Lei de Poe, o exemplo é justamente você, que se acha uma pessoa razoável, ainda ter dúvidas quanto à intenção do autor.

    Quanto ao quadrinho… Bem, bandeira do Brasil? Poxa, poderia ser melhor. Se for para fazer o óbvio, que ele estivesse carregando uma carteira de trabalho.

    • Você entende que a mensagem sozinha sem receptor não existe?

      • Eu disse que a falha é na mensagem, não no receptor. Isso não implica que a mensagem existe isoladamente.

    • Rafael Rodrigues

      “Se for para fazer o óbvio, que ele estivesse carregando uma carteira de trabalho.”

      Esse trecho mostra o porquê do “desenhista que pensa” existir e ter seguidores…

      • Hm, não entendi… Eu não sou seguidor nem concordo com as opiniões dele, mas dentre elas eu acho a piada de “ameaçar os comunistas com uma carteira de trabalho” mais engraçada que a de “ameaçar os comunistas com uma bandeira do Brasil”.

        • Rafael Rodrigues

          Cara, se você acha que isso é engraçado… siga em frente. Não serei eu, esquerdista trabalhador, que direi o contrário…

  • Rafael Rodrigues

    Calma que piora: Tem 23 pessoas no Apoia.se bancando esse idiota. R$ 332 por mês para bostejar pela Internet afora…

    • Enquanto existir cavalo, São Jorge não anda a pé.

  • Vinicius Zucareli

    Eu concordo com o Cardoso.

    Em obras de humor não me importa a intenção ou posicionamento do autor.

    Se eu fosse fazer isso, eu acho que eu, como conservador, não iria ler nada.

  • Rogério Rizzato

    Acho que hoje vi uma enquete desse cara ai, algo sobre as pessoas acreditarem que os humanos conviveram ou não com dinossauros, e va, adivinha qual opção estava ganhando.

  • Alexsander

    O diabo parece o Tony Stark (vulgo Robert Downey junior) nas tirinhas do Jack Chick.
    Mensagem subliminar hahahaha

  • Antonio Carlos da Graça Mota D
  • Ismael Kenig

    Desenhista que pensa é o típico caso do quando você está morto quem sofre são os outros e você não sabe que está morto. Mesma coisa quando você é um jumento. Você não sabe e quem sofre são os outros.