A Sheherazade acertou: Hitler era do PT, mas não chegava a ser um Lula

As pessoas são ingratas. Você está por cima, é o Rei da Carne Seca, o bambambam, todo mundo puxa o saco, aplaude todas as suas soluções, finais ou não, acha até seus fuscas legais. Você perde o poder, todo mundo dá as costas. Hoje por exemplo ninguém assume que votou no Temer, ou quer ser associado a Hitler.

Isso começa na escola. Como professores são basicamente comunistas, omitem qualquer relação de Hitler com a esquerda. Capitalistas por sua vez mantém distância, e mesmo a extrema-direita racional, que defende boa parte das idéias dele acha que o baixinho pegou pesado, e não gostam da associação. Por causa disso Hitler caiu em um vácuo, a orientação política do Nazismo é um mistério pra maioria das pessoas. 

Aí chega gente como a tal Rachel Sheherazade, uma espécie de Ann Coulter gata que surgiu da lama primordial dos comentários de YouTube. Ela lê por palavras-chave, descobriu que o Partido Nazista em alemão se chamava Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores da Alemanha, e pior ainda, ele antes era conhecido como Deutsche Arbeiterpartei, Partido dos Trabalhadores da Alemanha.

Bingo: Lula é Hitler!

Só tem um problema: Nazistas odiavam comunistas. A primeira medida que fizeram quando o Partido se consolidou foi expulsar os esquerdistas. Hitler fez um pacto com Stalin muito a contra-gosto, tanto que assim que deu, traiu a União Soviética. Quando os campos de concentração se tornaram operacionais os primeiros hóspedes foram comunistas, esquerdistas em geral e sindicalistas.

Hitler não acreditava no conceito de luta de classes, defendia a idéia de que o povo alemão, de qualquer classe social merecia uma vida digna um salário justo e deveria ser feliz, sendo um peão de fábrica ou um diretor de multinacional. Muito dinheiro foi investido no programa Kraft durch Freude, Força Através da Alegria, com colônias de férias com direito a trens especiais (espero que as linhas não tenham se confundido com outros trens), navios de cruzeiro, cursos, festas ao ar livre, bailões populares e o próprio Fusca, o primeiro carro realmente popular.

Por um breve momento a Alemanha Nazista foi um imenso SESC.

Fazia sentido, o Partido Nazista ERA um partido de trabalhadores, tinha imenso apoio das bases proletárias, e Hitler em 1922 já tinha denunciado como outros partidos nacionalistas haviam sido dominados pela burguesia e perderam contato com o povo.

Isso que confunde a cabeça das  Sheherazades da vida. Fomos martelados de que se é associado a povão, é coisa de comunista. Aprendemos que todo rico é malvado e pobreza é uma virtude, que pobres não são conservadores, são uma imensa massa revoltada pronta para explodir e trazer à tona a Gloriosa Revolução Socialista.

A realidade de que há pobres que querem deixar de ser pobres, trabalham para isso e muitos conseguem é alienígena para a esquerda. Assim como não acreditam que é possível ser pobre e feliz. Eu presenciei isso ao vivo, na UFF outros estudantes não acreditaram quando eu falei que tinha ido em churrasco na favela.

Os eleitores do Partido Nazista estavam desencantados com a esquerda, e suas promessas vazias quando apenas os sindicalistas engordavam, e com a direita, ainda mais quando a crise do pós-guerra fez todo mundo apertar o cinto, arroxar salários e demitir.

Trabalhadores votam em Hitler!

Do outro lado o Partido Nazista era industrialista, promovia expansão e grandes contratos, e era antes de tudo nacionalista, garantindo protecionismo para a produção local. Isso é algo que todo mundo gosta, tanto que nos Anos 80 comunistas e generais deram os braços e dançaram alegremente em prol da Reserva de Mercado de informática. Hitler prometia grandes lucros e uma classe trabalhadora feliz, em troca exigia produção e condições decentes de trabalho.

Nas metalúrgicas da Krupp havia chuveiros (não aqueles), saunas, salas de recreação, academias e até bares. As condições eram excelentes até descobrirem que era mais barato usar escravos, e 100 mil prisioneiros foram designados para ocupar vagas de alemães que iam para a Guerra.

Então Hitler era capitalista direitoso?

De novo, é complicado. O Partido Nazista promovia Darwinismo Social e Meritocracia em níveis extremos, mas ao mesmo tempo causaria horror à Sheherazade saber da existência da Nationalsozialistische Volkswohlfahrt, a organização unificada da Alemanha Nazista para Assistência Social.

Em 1939 a Alemanha tinha 79 milhões de habitantes. Desses 17 milhões recebiam auxílio direto da NSV. Eram 8000 creches, aposentadorias, abrigos para indigentes, restaurantes para alimentar população carente, distribuição de comida para famílias necessitadas, suplemento de aluguel, auxílio-desemprego e auxílio-doença, lares para idosos, empréstimos sem juros para casais, saúde pública, ajuda para ex-detentos, apoio a deficientes físicos, campanhas contra drogas e álcool e muito mais.

A NSV também era famosa por sua Winterhilfswerk, a Campanha do Agasalho, com o slogan “ninguém irá passar fome ou frio”. Era um evento nacional onde recolhiam doações de dinheiro, roupas, comida e carvão, que eram repassadas para os necessitados durante o inverno.

Em termos de saúde pública, Hitler merece aplausos. Foi na Alemanha Nazista o primeiro estudo sistemático que comprovou, sem sombra de dúvida a associação entre fumo e câncer. Esse fato inclusive foi bastante usado pela indústria tabagista para desqualificar todos os outros estudos que chegavam à mesma conclusão.

Ou seja: Hitler, o monstro de direita praticava um assistencialismo comunista digno de paraísos esquerdistas vermelhos como o Canadá.

Então Hitler era comunista esquerdoso?

De novo, é complicado. Hitler defendia propriedade privada desde que produtiva, não “parasita”, e disse:

“Nosso termo adotado, Socialismo, não tem nada a ver com o socialismo marxista. Marxismo é contra a propriedade privada, o verdadeiro socialismo não é.”

Só que ele também disse que”[A burguesia] não conhece nada além do lucro, Pátria é apenas uma palavra para eles”.

Hitler defendia uma indústria forte e privada, “a serviço do povo”. Mas também defendia que era melhor tomar recursos naturais de outros países do que negociar transações comerciais.

Em termos sociais mesmo os comunistas de 1939 eram bem mais progressistas, a política nazista definia a posição da mulher como KKK – Kinder, Küche, Kirche, ou Criança Cozinha e Cigreja (sorry tive que manter a sigla). Aborto era duramente punido e era ilegal manter relações com estrangeiros não-arianos. EUA enchia suas fábricas de mulheres, Hitler transformava mulheres em fábricas de bebês, literalmente. O programa Lebensborn usava jovens arianas solteiras para, em prol da Alemanha engravidarem de exemplares da Raça Superior. Os bebês então eram dados para adoção.

Não soa como algo que os comunistas, até porque todos sabemos que eles comeriam os bebês.

Em Conclusão

Hitler era um sujeito que acreditava em uma indústria privada fortemente regulada pelo Estado, assistência social para quem era visto como digno pelo Partido, programas de incentivo a áreas específicas, como Indústria de Defesa, reforma agrária, condições dignas de trabalho mas sem sindicatos. Ah sim, e lugar de mulher é na cozinha ou na sala de parto.

Jogar Hitler para a Esquerda ou pra a Direita é uma saída fácil, besta e errada. A melhor definição que li até hoje é que o Nazismo era um Radicalismo de Centro, unindo o melhor e o pior das duas tendências. Um verdadeiro samba do crioulo doido ideológico, diria eu para irritar tanto nazistas quanto a turma do Tumblr.

Essa falácia de reductio ad hitlerum não é útil, não avança o discurso e deveria, tal qual o supracitado chanceler, ser aposentada e ir morar na Argentina.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Rafael

    Mein Gott, que baita texto.

  • E ainda há um adendo. Ao contrário do que a moça das 1001 noites disse, Hitler não fundou o partido. Esse já estava lá quando ele chegou.

    • Leonam Ramos Folí

      é né ele era o numero 500

      • na verdade ele era o número 500 porque ele decidiu começar a contar a partir do 500, pra inflar os primary keys da bagaça… mas ele é quinhentos-e-alguma-coisa ainda assim

        • Leonam Ramos Folí

          pras foreign key sentirem invejinha e darem um drop table nas ideias deles, sei comé!

  • Humberto Jorge

    Ann Coulter é uma baita MILF, digassi de passagi (Craque Neto intensifies)

  • Diogo Nóbrega

    É como o Clarion falou no face dele: esse negócio de associar o nazismo com a esquerda ou com a direita só tem como objetivo apontar o dedo pro coleguinha. Ou seja, uma consequência prática da lei de Godwin.

  • Zalla

    Parabéns por mais uma aula

  • Vinícius Santos

    Show Cardoso. Como sempre, só essa gente que é abitolada e definida por rótulos que acha que o mundo ou é branco ou é preto, ou é vermelho ou é azul, esses sim são os verdadeiros limitados.

  • Luis

    As pessoas só se atem aos fatos, não entendem nuances, é preto ou branco, 0 ou 1.
    Esse texto em qualquer outro lugar só daria mais munição a quem só lê palavras chaves, Hitler tinha um bolsa família “ala comunismo” , Hitler era pro industria privada, “Ala porco capitalista”.

    Talvez por isso a famosa tirada “comunista de iphone” me irrite tanto.
    Basta o cara Tuitar “é errado tirar cobertor de morador de rua, send by iphone” deslegitima qualquer consciência social, aparentemente ao fazer um crediário vc se filia ao Tea Party.

    Meio obvio que o socialismo morreu e nunca deu/daria certo, assim como o Capitalismo selvagem não existe mais, nenhum americano sonha em trabalhar na Chevrolet das 9 as 17, quando pode trabalhar no Google, chegar as 10 da manha pq quer levar o filho na escola.
    Alguém imaginaria a Ford distribuindo acoes para seus empregados? Pois é, hoje é normal. Marcus Lemonis faz isso direto. Ele reconhece um bom funcionário e o torna socio, se isso não socialismo não sei o que é.

    Talvez seja Sociolismo :)

    Se as pessoas que vivem o agora não vem que o Capitalismo e Socialismo se fundiram entre buscar o lucro e tornar a vida do trabalhador/sociedade melhor imagina um sistema saído da cabeça de um louco.

    • Carcarah

      A verdade é que essa idéia de que o capitalismo visa escravizar e sugar até a morte a classe trabalhadora é uma idéia vendida pelos socialistas que não corresponde a realidade, assim como as conquistas e benefícios alcançados não são em decorrência direta do socialismo.
      Não que no meio capitalista não haja conflitos e que estes benefícios tenham vindo sem pressão, mas eles também ocorrem porque pessoas estudaram novas visões da administração e entenderam que o sugar a pessoa até a morte não seja a melhor forma de enriquecer. Existe um fator desconsiderado pelos marxistas comunistas, que é o cliente. Tanto que Marx até considera ruim , no seu livro, a concorrência, o que a primeira vista parece ser absurdo já que beneficia o cliente. A questão é que na equação dele não há cliente, sem cliente, não há mercado. Capitalismo é ampliar mercado, não ampliar miséria

      • Marcelus

        vc parece ser inteligente, pena que está distorcendo tudo para se adequar ao seu ponto de vista, Hitler defendia a indústria privada portanto não é possível colocá-lo como socialista e esse papinho de cliente foi ridículo e apelativo, pois o cliente é muito mais um burguês do que um proletário

        • Ricardo

          O capitalismo é um sistema econômico, não político, então quando se fala em “direita”, a maioria das pessoas imagina o liberalismo clássico, que prevê o papel mínimo do estado, relacionado a sua origem como monopólio legal da força, de forma que nesta corrente a maioria prevê que o investimento prioritário do grande leviatã deve se basear somente na defesa interna e externa, deixando para a iniciativa privada o papel de prover soluções para as outras necessidades, não por ganância dos liberais, mas porquê consideram que esta é muito mais dinâmica e para aumentar os próprios lucros vai oferecer um serviço mais rápido e de melhor qualidade que o estado.
          E não, cliente/consumidor não é o burguês, já que essa dicotomia de luta de classes já está à muito ultrapassada com exceção em alguns campus e DCEs brasileiros, consumidor é desde o Rockfeller que compra um jatinho particular quanto o senhor que compra cimento para bater uma laje. : )
          Espero ter ajudado na discussão, não tão embasado como o Carcarah, mas dando o meu pitaco.

        • Rodrigo Valdez

          O operário que financia um carro em sessenta vezes é burguês… Essa é boa.

        • Luiz Henrique

          O fascismo/nazismo defende a propriedade privada desde que joguem com as regras do Estado. Está basicamente a um passo do socialismo.

        • Danilo

          Como assim? Todo cliente é burguês?
          Então sempre que a Dona Maria vai à padaria do bairro e compra um litro de leite e 4 paezinhos, ela confirma sua burguesia? Pra ser do proletariado, tem que ser pobre ao ponto de não consumir nada?

          Caramba, esse sim foi um argumento ridículo e apelativo.

          • Petrus Augusto

            Essa foi foda mesmo!!!
            E me lembrou também do outro extremo (e que alguns idiotas aqui no Brasil compram lindamente), a do “empresário riscão”.

            É o cara que tem um CNPJ e trabalha de Seg. à Sab., se achando o empresário na mesma classe social da JBS, e compra os discursos de “empoderamento empresarial” do Joesley.

        • Carcarah

          Cara, longe de querer desqualificar a você, mas é preciso um pouco mais de aprofundamento em seus estudos. O Nazismo não era contra o controle dos meios de produção, muito pelo contrário. Ele acreditava que o que ele chamava de “falácia da democracia e do voto” havia entregue os meios de produção nas mãos da tentativa de dominação judaica. Para ele o estado alemão, entregue nas mãos de indivíduos de fato preparados, teria como função controlar os meios de produção e evitar a dominação dos judeus. Ele também era contra o marxismo, pelo simples fato de que o marxismo negava os conceitos de pátria e nação, para ele instrumentos da burguesia. Segundo o Nazismo isso era a negação do que chamava de “Princípio da Personalidade” ponto chave do nazismo. Para ele o marxismo e os judeus eram aliados para destruir o conceito de nação e dominar o povo privado de uma nação.
          É um tema complexo, que exige muita leitura e começa para com o entendimento de como a ideologia entende o que é liberdade, controle estatal etc. Ler Marx, Hitler, os pensadores conservadores e liberais ajuda, conheça seus aliados, mas mais ainda seus inimigos.

      • Petrus Augusto

        A verdade é que essa idéia de que o capitalismo visa escravizar e sugar até a morte a classe trabalhadora é uma idéia vendida pelos socialistas

        Já vi que você nunca viu nada sobre o inicio da revolução industrial ( e junto com ela, o capitalismo puramente selvagem).

        Como foi dito acima, hoje em dia, capitalismo não é mais como antes, e esse papo de ‘empresario malvadão sugador de almas’ é idiota, mas, não se engane, nem sempre foi assim.

        • Tom

          Como pode perceber não estamos mais na 1ª revolução industrial portanto, o capitalismo selvagem já foi amansado (um pouco)

    • Petrus Augusto

      Sem falar que, quando vejo os discursos vazios de alguns políticos dizendo que vai trazer as fabricas e vai ser tudo lindo e maravilhoso como nos anos 40/50 (sim, estou pensando em Trump), só consigo pensar em duas coisas:

      1 -> Esse cara não acompanhou NADA da evolução da industria, e ainda acredita que uma fabrica de automóveis emprega 2 mil pessoas só na linha de montagem.
      2 -> Esse cara sabe de tudo isso, e mente lindamente na cara dos desempregados, que, por causa da situação (e não se adequarem p/ a evolução da industria), se agarram a qualquer promessa vazia.

  • Luis Pereira

    Cardoso, você está em uma sequência infeliz de comentários.

    O PT nunca se declarou comunista. Falar que a comparação é errada em razão do nazismo nunca ter sido comunista é um erro lógico absurdo. PT sempre se declarou como socialista, inclusive durante muito tempo negando alinhamento com o Marxismo. Seu governo, apesar de esquerdista e socialista, nunca aderiu ao comunismo e encarou com bons olhos medidas de incentivo ao capital e o empresariado.

    Da mesma forma que o Nazismo, apesar de não ser Marxista, não deixou de ser socialista. Um partido populista, voltado para o desenvolvimento social através de programas sociais, desvalorização do indivíduo, etc. A única diferença é que, ao contrário do marxismo, não era internacionalista, mas sim, nacionalista e racista.

    De certa forma, o nazismo encontra vários paralelos com os programas do PT.

    • Rafael Rodrigues

      Antes da Internet era mais difícil passar vergonha, né?

    • “O PT nunca se declarou comunista” verdade, seu apoio à URSS, Cuba, Albânia e Venezuela, Che, Fidel e outros era só pra dar uma força.

      • Luis Pereira

        Sim, partidos de esquerda tendem a se apoiar estrategicamente. PT pode ter apoiado Cuba, mas nunca propôs nada do que Cuba fez. Assim trotskistas, maoístas, stalinistas, socialistas de terceira via, sandinistas… Me diga se o Frente Ampla do Uruguai é comunista

    • “O PT nunca se declarou comunista”
      E a gente nunca esteve em guerra com a Eurásia

      • Danilo

        Sinto cheiro de 1984. rsrs

      • Eokiko?

        Não seria Lestásia?

    • Luiz Antonio

      Se Lula e o PT forem socialistas, eu sou o Papa. Lula e PT são populistas, como foram Getúlio Vargas, Ademar de Barros, Jânio Quadros, etc. E para desgraça da América Latina, o populismo encontrou terreno fértil por estas bandas.

  • Rodrigo Valdez

    Oi, Cardoso!

    Concordo com tudo que você diz sobre Hitler, é difícil colocá-lo no espectro político. Nem tanto a esquerda, nem tanto a direita.
    Mas não entendo sua definição da direita, você atribui valores como o protecionismo, escolha de campeões nacionais (“Hitler defendia uma indústria forte e privada, “a serviço do povo””), regulamentação excessiva e incentivos a certos setores como valores da direita. Isto, a meu ver, é falso.
    A direita é economicamente liberal, defensora da propriedade privada (lembrado que a vida é a primeira propriedade privada do cidadão, e é inalienável), do estado mínimo, do laissez-faire.

  • “Por um breve momento a Alemanha Nazista foi um imenso SESC.”

    É por isso que eu pago a internet!!! HUA HUA HUA HUA

  • Carcarah

    Gostei do artigo, foi excelente até, diria, mas discordo​ dele. Na leitura do Mein Kampf e em vários aspectos o nazismo Tam todos os elementos do socialismo, inclusive na sua forma de tratar a empresa privada, que não tem absolutamente nada a ver com a visão liberal da direita. A sensação que se tem é de que o socialismo puro, de raiz, é o marxista, e isso não é verdade, temos várias formas e o nazismo é uma delas. Inclusive Hitler inicia o Mein Kampf como uma contribuição para a evolução do socialismo. Aliás, vale a leitura do Mein Kampf, hoje com download grátis aos montes em Epub já que é uma obra sexagenária.

    • Ricardo

      Comentário embasado, leva meu joinha. : )

  • Emílio B. Pedrollo

    “reductio ad hitlerum” é ótimo!

  • dal_zotto

    Eu acho que Darwinismo Social sempre foi de esquerda, os primeiros comunistas sempre apoiaram isso.

    • Marcelus

      isso foi uma piada ou vc tem bosta na cabeça? Darwinismo social é a idéia de que a riqueza pertence aqueles que são capazes de obtê-la e se algum dia vc tivesse lido duas linhas sobre o socialismo saberia que está falando merda

  • Por coisas assim é que já faz seis anos que não assisto ao SBT.

    E não sinto falta alguma.

  • Marco Antonio F

    O que é que você sabe acerca do Nacional-Socialismo?
    Que foi o responsável pela 2ª Guerra Mundial e pela morte de “6 milhões de judeus”? Que os “nazistas” são a causa de tudo o que há de mal no mundo?

    Você já pensou que não deixa de ser surpreendente que um regime qualificado de criminoso e tirânico pela mídia chegou ao poder, democraticamente, como o partido mais forte de toda a história do parlamentarismo, contando no ano da sua ascensão ao poder com quase 4 milhões de filiados?

    Sabia que Hitler acabou com seis milhões de desempregados em apenas quatro anos? Dessa forma, o regime nacional-socialista foi a única experiência na História de pleno-emprego na economia, ou seja, não existia desemprego! Nas palavras de um famoso economista estadunidense, John Kenneth Galbraith, esse era um feito inédito e único no mundo e a Alemanha foi o país que mais soube superar a crise de 29.

    E que tanto o povo alemão como o austríaco votaram em 90% a favor de Hitler, quando se deu a união destes países em 1938? Da mesma forma se deu com os Sudetos na Tchecoslováquia, Danzig e o território polonês que haviam sido tomados da Alemanha em razão do Ditado de Versalhes: tratava-se de territórios de maioria populacional alemã que foram artificialmente integrados a outros Estados, sendo que foi dessa situação de instabilidade criada que se originou boa parte da crise geopolítica na Europa.

    Sabia que no dia 24/03/1933 o judaísmo internacional declarou guerra econômica (total) à Alemanha?

    Exatamente 6 anos, 5 meses e 8 dias antes de se iniciar a guerra “convencional”, que de acordo com o então 1º Ministro Inglês, Neville A. Chamberlain, foi motivada e forçada pela mesma elite judaica. E que, segundo próprias lideranças e inúmeros escritores judaicos reconheciam nos “aliados” uma frente composta em defesa da causa Sionista?

    Sabia que a II Guerra Mundial foi declarada pela França e Inglaterra devido ao ataque à Polônia (supostamente), mas quando este país foi atacado pela URSS, apenas algumas semanas depois da Alemanha, nenhuma destas nações lhe declarou guerra? Ao término da guerra, a “libertação” dos países do leste europeu se deu através da anexação dos mesmos ao bloco comunista liderado pela União Soviética, nesta que foi uma expansão declarada e violenta contra a liberdade de inúmeras nações.

    Sabia que o “exército nazista” foi recebido pela população destes países do leste europeu como verdadeiro libertador do terror comunista? Não por menos a Waffen-SS, força composta por voluntários de diversas nacionalidades, foi também uma experiência inédita onde centenas de milhares de soldados, desde indianos, monges budistas, negros africanos, árabes , sul-americanos e tantas outras pessoas de toda a Europa integraram as forças do Eixo pois as viam como uma frente de libertação contra o imperialismo inglês e o poder sionista?

    Em setembro de 1944 uma Comissão Especial da Cruz Vermelha Internacional, atendendo a uma denúncia, esteve em Auschwitz e também em Birkenau informando em relatório que os internos recebiam correspondências e encomendas dos familiares e que não encontraram nenhuma evidência sobre a existência de câmaras de gás. Sabia que a cifra oficial de judeus mortos durante a guerra, certificada pela Cruz Vermelha Internacional, é de 300.000 e pelas mais diversas causas: epidemias, fome, ações de guerra, bombardeamentos, etc? E que o relato do “holocausto”, tal qual o conhecemos, é fruto da propaganda de guerra que vêm se alterando desde as últimas décadas, sem qualquer coerência? Inclusive dentre os “testemunhos” encontram-se afirmações absurdas de que os “nazistas” utilizaram “bombas atômicas” para matar os judeus, dentre outros relatos fantasiosos e infundados cada vez mais desmoralizados pelo Revisionismo Histórico?

    Sabia que no lamentavelmente célebre Linchamento de Nuremberg, Alfred Rosenberg e Julius Streicher, filósofo e jornalista respectivamente, foram condenados à morte, e enforcados, devido apenas às suas idéias?

    E que neste mesmo “julgamento” os perdedores foram “julgados” pelos vencedores? Algo que o Direito Internacional até hoje não soube explicar e justificar, visto que se trata da maior aberração jurídica já registrada.

    E que nestes mesmos “julgamentos” os únicos crimes investigados foram os supostamente praticados pelos “nazistas”? E o extermínio dos japoneses de Hiroshima e Nagasaki, o único ataque nuclear já registrado e que foi praticado pelos norte-americanos sob ordens do seu Presidente? Por que este “Holocausto Japonês” não foi também julgado e indenizado? Ou as milhares de vítimas dos “libertadores soviéticos”, como os 15.000 oficiais poloneses exterminados no Massacre de Katyn, crime este que por décadas foi creditou convenientemente aos “terríveis nazistas” mas hoje se comprovou ter sido ordenado por Stálin?

    Sabia que Hitler deteve as tropas alemãs às portas de Dunquerque, para permitir que as tropas britânicas escapassem de um massacre que certamente estaria por vir, pondo a Inglaterra em condições de aceitar uma nova proposta de paz? Que foi justamente na primeira fase da guerra, até 1941, que Hitler fez incontáveis esforços de paz propondo condições muitíssimo razoáveis a todos os envolvidos, mas que foi sempre ignorado, sendo que a intenção dos títeres sionistas desde o começo era insuflar uma guerra fratricida na Europa?

    Sabia que Rudolf Hess, então sucessor direto de Hitler no comando do Reich, voou à Inglaterra em 1941, só e desarmado, com o único propósito de oferecer a paz a este país ? Sabia que a sua proposta foi desprezada e como resposta à sua oferta de paz foi encarcerado durante 46 anos, tendo sido assassinado, num suicídio forjado, aos 93 anos de idade?

    Sabia que o Nacional-Socialismo em vez de fomentar a luta de classes entre operários e empresários, os únicos que realmente produzem num País, remeteu-se contra os especuladores, banqueiros, representantes das altas finanças internacionais e o governo mundial sionista, o que fez com que estes o perseguissem até a sua destruição total? Que, na verdade, o Nacional-Socialismo achou o ponto ideal entre o capitalismo e o comunismo, nem deixando tudo ao bel prazer do mercado nem suprimindo as diferenças naturais da sociedade em um igualitarismo forçado: promoveu um regime regulador da economia, permitindo à iniciativa privada sua participação como força empreendedora, ao mesmo tempo em que promoveu um socialismo justo através da proteção ao trabalhador e o estímulo a um sentimento ético universal, a cidadania praticada por todos, indistintamente.

    Conhece algo sobre a ideologia Nacional-Socialista, a sua política social, artística, econômica, a sua organização, a saúde da sua juventude, a alegria de viver da população, os êxitos alcançados no campo da ciência, etc?

    Já reparou que tudo o que sabe é o que diz a propaganda dos vencedores da 2ª Guerra?

    E já notou dos meios que eles têm ao seu dispor (total controle da mídia escrita, televisionada e radio-difundida, além de possuírem os grandes estúdios e conglomerados cinematográficos), fora a DITADURA DO POLITICAMENTE CORRETO nas Universidades e meio intelectual?

    Nunca lhe disseram que a história dos 6 milhões de judeus “gaseados” serve para ocultar os crimes dos “bons”, que foram bem mais numerosos que os alemães (Dresden, Katyn, Nagasaky, Hiroshima, etc)? E que o forjado “holocau$to” é o mito fundador na Nova Ordem Mundial pós-45, sendo que inúmeros pesquisadores independentes por todo o mundo (os revisionistas) têm se colocado a questionar este suposto genocídio por meio científico, e a resposta do Sistema foi o aprisionamento daqueles que questionam essa religião de Estado? Que verdades são essas que precisam da violência para se impor e não resistem à discussão aberta?

    Para os judeus o “holocau$to” é o grande negócio que lhes permite mascarar a verdade dos fatos decorrentes da 2ª Guerra Mundial, bem como chantagear economicamente a Alemanha e promover a vitimização do povo judeu. O Estado de Israel foi criado e está a ser sustentado com os constantes milhões de marcos de contribuintes alemães, por supostos crimes de guerra, além do suporte militar dos Estados Unidos, em razão do forte lobby sionista nas “democracias ocidentais”.

    O “holocau$to” não passa de um enorme HOLOCONTO que quanto mais terrível for, mais dinheiro gera a Israel e mais legitima a Nova Ordem Mundial Sionista.

    Mas como alguns dos “estúpidos goyim” (como os Judeus chamam os não-judeus) poderiam advertir suas maquinações, decidiram fixar duas vias democráticas: uma LIBERAL e outra MARXISTA, cuidando de fazê-las aparecerem como inimigas acérrimas. Com tal argúcia, mantiveram a Humanidade entretida nesta suposta guerra ideológica entre os EUA e a URSS por décadas, enquanto moviam os fios para mover os fantoches.

    O Nacional-Socialismo, portanto, é uma TERCEIRA VIA contra essa polarização “esquerda e direita”!

    Nunca lhe intrigou que os “inimigos” EUA e URSS (capitalismo e comunismo, respectivamente) tenham lutado conjuntamente e cooperado contra os movimentos fascistas?

    O NSDAP (o Partido Nacional-Socialista Alemão) estabeleceu uma cosmovisão original e completa, absolutamente eficaz e baseada nas Leis da Natureza. Tratou-se de uma experiência política das mais bem sucedidas já vista e que, em apenas pouco anos de governo, promoveu uma verdadeira revolução no bem-estar do povo.

    Nunca lhe ocorreu que os “bondosos mocinhos” que venceram o Eixo e hoje dominam o mundo são os responsáveis não somente por dezenas de guerras que assolaram o mundo no Século XX, mas como também por todo tipo de movimentos subversivos da sociedade que resultaram nessa “liberalização” das drogas, pornografia, deturpação da feminilidade, globalização, uniformização cultural, miscigenação desenfreada e todo tipo de idiotização da sociedade por meio da indústria do entretenimento?

    Você sabia que o único país do mundo que possui armas de destruição em massa (nucleares, biológicas e químicas) não declaradas é o Estado de Israel? Sabia que este país viola constantemente resoluções da ONU e proíbe inspeções em suas instalações e arsenais químicos, nucleares e biológicos, mas ainda assim recebe bilhões de dólares anualmente de vários outros países do mundo e que tudo isto só é possível através da chantagem econômica e moral que os judeus exercem no mundo desde o fim da segunda guerra mundial, decorrente da fantasia do “holocau$to”?

    Você sabia que, devido às enormes influências dos judeus, hoje em dia na Alemanha e em vários outros países, é totalmente proibido contestar o “holocausto” dos tais seis milhões de judeus? Inclusive aqui no Brasil o deputado judeu-sionista Marcelo Zaturansky está tentando inserir a “criminalização da negação do holocausto” na nossa legislação penal?

    Por mais provas e dados que alguém tenha para se embasar é crime apenas questionar a existência do tal “holocausto”. Os judeus tentam tornar, à força, o “holocausto” num autêntico dogma, numa verdade absoluta que NÃO PODE, sob pena de prisão, ser discutida.

    O QUE SE MOSTRA DO NAZISMO? Loucura, criminalidade, violência, ânsia de conquista, racismo negativo (exatamente o racismo que praticam os judeus), teorias aberrantes, terror, bestialidade, opressão, abusos, etc. etc.. Se destaca com luzes de néon o HOLOCONTO e os supostos seis milhões de judeus assassinados.

    A VERDADE OCULTA DO NAZISMO: Chegando ao poder com apoio da maioria esmagadora dos alemães, após seis anos de Paz o regime “totalitário e antidemocrático de Adolf Hitler” recuperou a Agricultura e o Campesinato para alimentar a todo o Reich e ante o crescimento gigantesco das colheitas, voluntários das diversas profissões, indústria e comércio foram trabalhar lado a lado com os camponeses. Levantou o nível do operariado, que pela primeira vez começou a ser respeitado por toda a sociedade, com o que milhões de Comunistas, ao viverem a realidade Nacional-Socialista e compararem-na com as eternas promessas e falsidades do Marxismo, se converteram espontaneamente ao Nazismo.

    O partido nazista, sob o comando de Hitler, tinha como diretriz principal encorajar a moral da família, a maternidade, paternidade, Respeito e Honra. Foi, antes de tudo, uma REVOLUÇÃO PESSOAL de cada cidadão do Reich.

    Hitler era um ambientalista ferrenho. Procurava encorajar políticas de proteção ao meio-ambiente: o ar e água limpos. Campanhas e pesquisas de proteção a natureza já eram feitas. Já se pensava em como criar carros menos poluentes, ou até com combustíveis alternativos e/ou carros elétricos. A Alemanha nazista provia dinheiro ilimitado para investimento em fontes alternativas de combustível, investindo pesadamente em petróleo sintético e geração de energia elétrica por variadas fontes.

    Eliminou as divisões do povo alemão, a vertical em classes e a horizontal em direita-centro-esquerda, mas promoveu uma filosofia baseada na visão ORGÂNICA da sociedade: cada qual dentro das suas aptidões e exercendo uma função em prol da unidade nacional. Recuperou o orgulho de um povo abatido e humilhado, re-estruturando sua educação e forjando uma juventude olímpica, cuidando das mulheres e promovendo políticas em defesa da maternidade, otimizando a atenção médica, ademais fortaleceu a saúde pública juvenil, crianças e adolescentes, entregou-lhes conhecimentos úteis e práticos sem enciclopedismo estéril, injetou neles o amor a seu sangue, seu solo, sua história, seu espírito Nacional, deu-lhes mística e uma SÓLIDA FORMAÇÃO.

    Eliminou a inflação e as crises, eternas e inevitáveis companheiras de toda democracia burguesa que se valha. Construiu milhares de quilômetros de estradas modernas, amplas, sólidas, com sentido ecológico autêntico, pelas quais correu o “automóvel do povo”, o Volkswagen concebido por Hitler e desenhado por Ferdinand Porsche, que os operários podiam comprar em cotas populares, estimulando padrões saudáveis de consumo e bem-estar entre todos. Hitler era absolutamente contra qualquer deturpação e degradação artística tão presente nos dias de hoje.

    Sob o programa “Kraft durch Freude” (Força através da Alegria) Hitler deu aos trabalhadores suas primeiras viagens de férias. Também criou os primeiros resorts para trabalhadores – resorts tais que eram de excelente qualidade, com piscinas, teatros, e todo tipo de infra-estrutura. Enquanto isso, nos USA os trabalhadores levavam porrada da polícia e de mafiosos contratados pelo governo para intimidar trabalhadores por protestarem contra as péssimas condições de trabalho; na China Comunista milhões morrem nas minas de carvão e outros tantos sob péssimas condições de trabalho.

    Em 1938, Hitler foi eleito pela revista estadunidense Time como “Homem do Ano”; chegou mesmo a ser cogitado ao Nobel da Paz. Era tido como uma grande liderança mundial, mas “de repente” tudo vira e ele se torna a “encarnação do mal” para legitimar os crimes dos “bondosos mocinhos” vitoriosos da guerra, eles mesmos que “julgaram” os nazistas na farsa de Nuremberg.

    Hitler fez construir centenas de milhares de moradias dignas para os trabalhadores, cada uma com sua horta, que a família trabalhava com seu próprio esforço. Instituiu o Serviço do Trabalho junto ao Serviço Militar obrigatório, concebendo assim a Alemanha do Futuro ao unir no trabalho os jovens de todos os estratos sociais, de todos os pontos cardeais, e criando laços pessoais de vastíssima projeção, impossíveis de outro modo.

    Recuperou territórios roubados impunemente pela judiaria sionista de Versalhes (Elsass-Lothringen, Danzig, etc). Formou e equipou um exército congruente com um Reich de mais de 70 milhões de pessoas, o qual foi capaz de resistir a 80 países lacaios do Sionismo durante longos e duros seis anos de guerra, guerra que nem começou nem desejava, porém que heroicamente soube enfrentar.

    Adolf Hitler, o maior líder que a humanidade já testemunhou foi, ao contrário da imagem deturpada que tentam nos vender, um estadista que nasceu do seio popular, um artista por natureza, posteriormente vitorioso estrategista militar, político justo e orador excepcional: inspirou toda uma nação a lhe seguir e em troca deu a todos um regime bem-sucedido (que apenas foi interrompido pela agressão dos fantoches judeu-sionistas).

    Agora pare e pense: até hoje você só ouviu um lado da história e portanto não pôde formar um juízo verdadeiramente autônomo a respeito do assunto. Não acha plausível ao menos levar em consideração o que o outro lado tem a dizer, para então tirar suas próprias conclusões?

    • ochateador

      Os vencedores é quem escrevem as história.
      É triste de ver isso, mas é a realidade. O que o cardoso está fazendo este artigo é meio que eincentivar as pessoas a irem atrás das informações verdadeiras com perguntas críticas e honestas e não aceitar qalquer merda que aparece na frente.

    • André Luiz

      Legal, lixo maluco revisionista

    • NestorBendo

      @ccardoso:disqus, isso é sacanagem sua, né? Fala que é brincadeira! Assume!

    • -inspirou toda uma nação a lhe seguir e em troca deu a “todos” um regime bem-sucedido- (não esquece das aspas seu revisionista lixoso) a não ser que dar a morte aos desafetos seja ok pra você…

    • 6 milhões de judeus e 2 palhaços.

    • Bruno Ligiéro

      Você ignora todo o acervo histórico, documental, fotográfico e testemunhal com o seu comentário, simplesmente porque você, em uma espécie de “Confirmation Bias”, aceitou uma teoria da conspiração oriunda de algum grupo pró-nazista, da qual aparenta simpatia (perceptível no seu discurso apaixonado) e concentrou seus esforços para justificar a maior atrocidade já registrada pela história moderna.

      No mínimo do mínimo… Infeliz.

  • Koruja

    Obrigado pelo texto Cardoso, me esclareceu muita coisa. abs.

  • Márcio Chaves

    Deve ter sido uma época muito boa pro povo alemão. Porque diabos ele foi atacar a URSS … ??

    • Gustavo Bandoni

      Pelo motivo que quase todas as guerras se iniciam , por dinheiro. Inclusive a invasao da URSS mirava os campos de petróleo do Cáucaso.