De blogueiros e o SPAMDAR

contraditorium-gaydar.pngVocê tem um SPAMDAR? Eu tenho. O SPAMDAR é uma versão blogueira do GAYDAR, aquele 24o Sentido que, dizem, os gays usam para detectar se um sujeito foi criado por vó, faz teatro infantil, biodança ou torce pro <insira seu time desafeto aqui>. Levando-se em conta que nunca fui cantado por um gay, devo concluir que o GAYDAR funciona. (ou que os gays são mais criteriosos do que as mulheres que saem comigo. OK, melhor ficar com a primeira conclusão)

O SPAMDAR é a mesma coisa, embora não tenha nada a ver com o GAYDAR. O SPAMDAR é um radar de blogueiros, com o qual detectamos tentativas de monetização indevida. Quando um esperto resolve montar uma campanha de marketing-cunhado (também conhecido como marketing-parasita) onde usam a boa-fé dos blogueiros para divulgar subrepticiamente seus produtos.

Nota: Sempre quis usar “subrepticiamente” em algum post. Adoro essa palavra

Não tenho nada contra a boa e velha propaganda, muito menos contra posts patrocinados. Também não vejo problema nenhum em receber emails falando do site, do produto, etc, pedindo uma divulgação. Se for algo interessante, será publicado. Nós blogueiros vivemos atrás de material. Só, por favor, não abusem da nossa inocência.

Nosso SPAMDAR apita desesperado quando vemos comentários no estilo “oi, tudo bem? Adorei seu site, acho que ele tem a ver com este aqui. Nós que visitamos muitos blogs reconhecemos na hora esse tipo de comentário. O cérebro humano é excelente para detectar padrões. Detectamos até onde não existem, vide os casos da Nossa Senhora do Veja Multiuso. Mesmo assim esses spammers existem. Gente que quer usar nossos comentários como mídia gratuita. Sacamos na hora.

Notem, isso é diferente da boa dica, do bom link, do bom comentário. Esses são sempre bem-vindos.

Uma outra categoria são os que mandam mensagens e emails pseudo-pessoais. “oi, tudo bem, XXX? Eu adoro seu blog XXX, estou lançando um serviço XXX, gostaria muito de contar com sua ajuda para divulgar o site XXX. Escolhi você pq você é legal, cheiroso, odara.”. Um simples email para seus amigos blogueiros, em 100% das vezes irá retornar “acabei de receber também”.

Certa vez recebi um email, em minha falecida StartUp de Internet: “Oi, tudo bem? Meu nome é fulano, sou estudante me formando em informática, acho que a sua empresa é excelente, tem tudo a ver comigo, acho que posso crescer muito nela, tenho muito a contribuir. A filosofia bate com a minha, vocês são legais, etc, etc, etc”. Rasgou elogios, parecia alguém que tinha estudado várias opções e escolhido aquela empresa em particular. Merecia ter seu currículo estudado com mais atenção, visto que teve o cuidado de escolher, certo?

O puto mandou como carbon copy, no cabeçalho havia mais de CEM empresas diferentes.

O email do sujeito foi pra nossa lista negra.

Quer tratamento especial por parte de um blogueiro? Então seja exclusivo. Mande um material suculento, escolha UM blog e seduza-o. Confie em seu taco e no taco do blogueiro (ok, isso está soando meio Brokeback Mountain) ou então deixe CLARO que está mandando um press release. Nào tente fingir uma relação pessoal, one-to-one onde ela não existe. Blogueiros ODEIAM ser enganados. Vamos olhar um press release com muito mais atenção do que uma mensagem “pessoal” que foi enviada pra 500 blogs.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • "O seu site é parecido com o meu" é o cúmulo. Se o cara demonstra ter falta de criatividade até pra divulgar o próprio site, quem dirá para escrever algo legal por lá.

  • “oi, tudo bem? Adorei seu site, acho que ele tem a ver com este aqui.

    hahaha…não resisti :D

  • Quando eu recebo esse tipo de email, eu 'respondo para todos' com o link do meu blog!

    hahahaha

  • É o cúmulo da ridicularidade. Esse povo não tme nem respeito próprio em fazer uma coisa tão imbecil como esta.

    Mas fazer o que, é a natureza estúpida, egoísta e retardada de boa parte da humanidade.

  • E não é só no Brasil que acontece isso. Estava lendo um post dias atrás, acho que do seo blackhat, e ele comentava os comentários desse tipo, que acabam passando batido pelo antispam.

  • Contagem regressiva para começarem os comentários falando "onde eu baixo esse programa?"

    (:

  • Procurei no Babylon e essa palavra "subrepticiamente" não consta no dicionário. Aí fui para o Google. A palavra parece ser espanhola (Putz, adivinha no que pensei. Mente suja…). Em inglês é surreptitiously, que traduzido pelo Babylon dá: adv. de forma sub-reptícia. Portanto, o correto não seria sub-reptíciamente? Ou ainda subrepticiamente? Tem ou não tem hífem?

    sub-rep.tí.cio

    adj (lat subrepticiu) Conseguido por sub-repção; obtido por meio de fraude ou ocultamento de circunstâncias inibitórias; fraudulento.

    (c) 1998 Editora Melhoramentos Ltda.

    Para maiores informações clique em MICHAELIS

    Questão para o Prof. Pasquale?

  • Carlos Cardoso, concordo totalmente com o que você disse aqui no Contraditorium. Gostei muito do seu blog, ele tem muito a ver comigo. Depois visite meu blog e dê uma olhada http://blog.cobline.com

    Ahuahuahuahuahuahuahuahuahua

    Pior que isso só quando você recebe o email e o idiota não configura nem a porra direito e chega

    Olá 'name', gostei muito do 'blog_name' (…)

  • Cardoso, há blogueiros spammers, inclusive, o askimet no meu blog, bloqueou um. Ou seja, está comentando tanto por aí, que foi considerado spammer.

  • vamos ver se agora funciona.