Singela contribuição para as mulas que fazem marketing político…

A campanha que seria revolucionária nas mídias sociais, com “marketeiro do Obama” e tudo se revelou um grande fiasco. Basicamente eleição nas mídias sociais se resume a candidato processando Twitter, candidato pedindo direito de resposta em 140 caracteres e milhares de perfis falsos fazendo spam.

Acho que é difícil entender que uma ação POSITIVA gera muito mais buzz do que um ataque, até por questão de lógica. Uma idéia legal atrairá os partidários E os oposicionistas moderados, aquele pequeno grupo capaz de ver sem antolhos.

Infelizmente não é assim que a banda toca e foi tudo nivelado pela lama.

É uma pena,mas no máximo os marketeiros seguem as modinhas, não criam tendências. Exemplo: Ambos os candidatos, Serra e Dilma usaram avatares infantis no dia das crianças. Legal, isso os colocou em pé de igualdade com todo mundo. Mas… não era pra se destacarem?

Não é preciso nem pensar muito para imaginar pequenas ações que geram buzz sem colocar a mãe no meio, que tal por exemplo dar checkin no Foursquare várias vezes e virar Prefeito do Palácio do Planalto? Um buzz simples mas que daria discussão pra um dia inteiro.

“mimimi o Povo não sabe o que é o Foursquare”

Como já disse um grande estadista, “foda-se o Povo”.  O povo das mídias sociais sabe. Se você está em campanha em uma rede social, é obrigação profissional usar todos os recursos da mesma, falar a linguagem e conhecer profundamente seus meandros. Nesta eleição estou vendo uma simplificação rasteira do discurso, em todos os canais, em todas as mídias. É como se o kibeloco fosse estrategista e sua idéia de tratar o leitor como menor denominador comum tivesse sido implantada.

O Twitter não necessariamente funciona no racional, no caso é melhor apelar pra emoção. É inviável achar que é possível discutir detalhadamente projetos de campanha em 140 caracteres com milhares de pessoas falando. Você tem que usar a ferramenta para gerar identificação com o eleitor e então direcioná-lo para o site com propostas detalhadas.

Nessa eleição as mídias sociais foram usadas da pior forma possível, os spammers tratam Twitter como local de distribuição de santinhos, os candidatos tratam tuiteiros como inimigos e os “profissionais” de mídias sociais são tratados como profissionais de 3a classe pelos “estrategistas”, que entendem tudo de eleição e por extensão acham que entendem de Internet também.

No final o grau de satisfação dos envolvidos é zero, tudo se resume a uma questão prática de quanto vai-se ganhar nessa brincadeira e quando coloca-se a mão no dinheiro.

A ironia é que essa parte é verdadeiramente democrática, vai do estagiário da agência ao Presidente eleito.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Eu concordo com essa questão de usar as ações positivas para dar um empurrão na campanha e eu acho que geraria mais marketing espontâneo e a militância que surgiria desse tipo de ação seria mais verdadeira. Eu acho que essas marchas e carreatas poderiam ser transformadas em ações positivas que gerassem algum benefício a sociedade. É uma busca por visibilidade calcada em falta de conteúdo. Não há conteúdo nos panfletos, nas carreatas, nos jingles… e se não há nem conteúdo, o que se dirá de emoção?

    Assim fica difícil fazer com que o apoio aos candidatos se propague nas mídias sociais de uma maneira positiva, o que se vê são trocas de farpas entre duas facções.

  • Pingback: Tweets that mention Singela contribuição para as mulas que fazem marketing político… -- Topsy.com()

  • Pois é, Cardoso.

    .

    Lembra 2008, quando o TSE proibiu que os candidatos usassem qualquer rede social para fazer propaganda? Todo mundo reclamou, achou um absurdo, achou um descalabro.

    .

    Agora em 2010 o TSE liberou geral e, como você disse, os candidatos, partidos, militantes e apoiadores usaram as redes sociais da pior maneira possível.

    .

    Deus que me perdoe por isso que eu vou dizer, mas acho que o TSE estava certo. Poxa vida, se for para usar a Internet dessa maneira, é melhor proibir mesmo.

  • No meio dessa lama toda, quem se saiu bem foi o Plinio.. de certa forma, virou um hábito meu e de outros 7mil twitteiros acompanhar os debates junto com ele via TwitCam.

  • Zeca

    As vezes parece que o Cardoso critica tanto assim as práticas dos marqueteiros porque na verdade queria ter sido contratado pelo comitê de um candidato presidencial…

    • "inveja", o argumento número 1 dos medíocres para se blindar contra qualquer crítica.

  • Sabe o que eu fico pensando? Se essas eleições foram assim, 2012, será o caos. Porque bem, se esse caos todo foi na eleição pra Deputados, imagina a feira que não vai ser na eleição de vereadores, com orçamento mais enxuto?

    Já que todo mundo é analista de redes sociais mesmo.

  • "Nesta eleição estou vendo uma simplificação rasteira do discurso, em todos os canais, em todas as mídias." – isto mostra que nem sempre o menos é mais.

    O adequado é a MEDIDA CERTA, e nivelar por baixo quase nunca dá certo.

  • Eu acho que vou votar no Roberto Justus

  • Pingback: Blog do Lucho()

  • Felipe Loures

    Cardoso,

    Concordo com você, mas um vi um tipo de ação diferente essa eleição:

    <a>Turma do Chapéu.

    Esses meninos de Minas deram uma aula de Criatividade e bom humor. Vários Buzz foram gerados por eles. Fora a quantidade de vídeos que criaram….