Africano inteligente saindo da pobreza via tecnologia? Vamos falar mal!

Pode reparar: nos tempos de hoje a única diversão de um monte de gente é falar mal. De tudo, sempre achando um defeito, sempre puxando pra baixo. Não importa a notícia, o feito, o caso, alguém achará algo para desdenhar, menosprezar.

Mesmo assim não posso deixar de contar a história de um cafofo, uma birosca, um galpãozinho no meio de Kiandutu, uma comunidade favela do povoado de Thika, a uns 40Km de Nairóbi, capital do Quênia. Imagine Distrito Nove com menos camarões, é mais ou menos aquilo.

O cafofo em questão é sede da nada modesta Gigantic Electronics, start up criada por Amos Njoroge. Seu principal produto? Extensões.

Sim, as boas e velhas réguas, que todo mundo tem e não gasta nem um segundo pensando na importância, afinal acha-se em qualquer lugar. Só que Kiandutu não é qualquer lugar, é uma merda de lugar (vão me encher por isso). A Deal Extreme não aceita o African Express Card, então os moradores não podem sair comprando extensões pela Internet.

Os produtos que aparecem nas lojas e camelôs locais são caros, dado o custo de importadores e atravessadores. Imagine O Senhor das Armas, com o Nicholas Cage aproveitando espaço vazio no avião pra levar extensões.

Amos teve a idéia de suprir essa demanda por extensões baratas usando um produto abundante na região: Madeira. Ele projetou extensões ENORMES, com grande espaço entre as tomadas, assim podem ser utilizadas nas lojas de carga de celular (sim, tem isso).

Alguns chatos estão dizendo que a madeira quando molhada se torna condutora, e pode dar curto. Bem, se o lugar inundar, vai fazer pouca diferença se a extensão é madeira ou prástico.

Outros ecochatos estão reclamando que o uso de madeira é antiecológico. FÁCIL DE DIZER, SEU FILHO DE UMA PUTA. Sentado em seu escritório com ar-condicionado, tomando limonada gelada e punhetando seu MacBook Pro. Complicado é quando você está na merda, numa favela do Quênia, e quer melhorar sua vida um tiquinho que seja.

Amos Njoroge faz isso. Suas extensões são um sucesso na comunidade, sua fabriqueta gera receita pra economia local, empregos e principalmente esperança, pois agora os meninos quenianos têm DOIS modelos a seguir: Quando crescerem podem virar dono de start up de tecnologia ou Presidente dos EUA.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Se ele tivesse inventado uma forma de caçar bisões e antílopes para subsistência que demandasse menos esforço na África, o acusariam de exterminador e ofensor dos direitos dos animais também, não?

    Só uma pequena adição aos modelos que crianças africanas podem seguir, temos "O garoto que domou o vento" também, não é?

    • O malawiano William Kamkwamba. Ia falar dele.

    • Allan

      Boa, mas uma pequena chateação: não tem bisões na África. Acho que vc quis dizer búfalo.

  • ecochatos gonna ecochatear.

    Extensões de madeira são menos nocivas ao meio ambiente do que as de plástico não?

    • Bruno

      se for madeira reaproveitada, como mostrou em umas partes do video, 100% melhor que plastico.

      se for desmatado… bom, pelo menos vai ser biodegradável.

  • Sinto odio no seu coração!

  • Garrete Reis

    Me chamem de bobo, mas acho incrível como ainda s gasta fortunas com guerras, enquanto ainda existe esse tipo de desigualdade.

  • Jura que tem gente dizendo que usar madeira é antiecológico!?

    O erro do empreendedor foi não ter usado lixo pra fazer suas extenções. Os ecochatos só ficam felizes se você usar garrafas pet pra criar algo, mesmo que isso aumente a demanda de fabricação de garrafas pet.

    Como diz um grande jornalista, se lógica fosse pasto, esses ecochatos morreriam de fome.

  • mas essa extensao aceita todos os PADROES INTERNACIONAIS?

    • Cesar Dias

      Menos o do Brasil que é diferente do mundo inteiro… :/

      • Luiz Felipe

        O nosso é o unico padrao alienigena, pois tem o mesmo formato dos olhos de um alienigena.

      • Jean Rafael

        Exceto o da Suíça, que é igual ao do Brasil…

  • Thiago

    Cardoso, seu blog é um dos únicos que eu leio sem preguiça e com gosto. Show de bola a matéria. Cada um se vira com o que tem e se Amos soube fazer isso muito bem. abç.

  • Thiago L.

    "Amos Njoroge faz isso. Suas extensões são um sucesso na comunidade, sua fabriqueta gera receita pra economia local, empregos e principalmente esperança, pois agora os meninos quenianos têm DOIS modelos a seguir: Quando crescerem podem virar dono de start up de tecnologia ou Presidente dos EUA."
    Ótima.

  • TTouche

    desculpe, sou leigo, mas se o condutor aquecer demais a madeira pode pegar fogo não?

    mas a ideia é boa. é mais facil de fazer e proximo deles do que um de plastico

    • Antes da madeira pegar fogo, o plástico vai derreter e pegar fogo tamabém.

    • Muito ANTES da madeira pegar fogo, o plástico vai aquecer, derreter e pegar fogo. A madeira é bem mais segura. Os incêndios nas favel… ah… comunidades, que o digam.

    • Sabe como é, o problema real é se alguém estiver cozinhando e espirrar fogo em cima da extensão, ninguém tem tapetes, mesas de madeira, papéis, entre outras coisas inflamáveis ao seu redor perto de um computador.

  • A necessidade é a mãe da invenção. Ou da adaptação, no caso.

  • Cardoso, parafraseando Lavoisier, "Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma". O africano está filosofando e nem sabe.
    Abraços, Paulo Bettanin.

  • hugoxrosa

    Cardoso, faltou dizer que o plástico é produzido a partir do petróleo.

  • Renata Silver

    Foda. No bom sentido.

  • Excelente post, excelentes conclusões, excelente crítica.
    Parabéns.

  • Em breve a Africa ira tronar-se a China de hoje. Tem mta gente que trabalharia por uma prato de comida para si e seus filhos. É uma questão de tempo até grandes corporações verem isso.

  • Luiz Felipe

    So não gostei desse padrão bisonho de tomadas que usam. mas eles são como nós, o terceiro mundo. Nosso padrão de tomadas tambem é bizarro.
    Prefiro o padrão sovietico. Apesar que o nema15 (americano) é o mais facil, comodo e simples. melhor engenharia, apesar que é considerado perigoso porque não possui aterramento.
    Pois aquele "sucko" europeu consegue ser mais ridiculo ainda. quem precisa de tomada "segura", se voce é tão estupido que se mata eletricultado numa simples tomada, então contribuiu com a especie humana, um idiota a menos.

    • guilherme

      Deixa de antisse, esse é o padrão inglês

  • Leandro

    Equipe do contraditorium.com,

    Que tal divulgar este vídeo da secretária de saúde do Acre chamando os médicos de mercenários? http://www.youtube.com/watch?v=jgN0frVJkUg
    Está legendado em inglês!

    OBS: Os médicos estão um pau-de-arara! Estão detonando o facebook do governador do Acre Tião Viana: http://www.facebook.com/governadortiao.viana
    E a última denúncia da secretária, boa de uma bandida, como todo político brasileiro: http://www.perito.med.br/2012/02/secretaria-param

    Abraço.

  • Márcio Borges

    Sem falar mal, mas a realidade é que as "reguas" tem proteção contra curto circuito e são feitas de plastico que propaga a chama as que vi no vídeo não tem proteção não suportam a carga qye serão subemetidas e são inflamáveis,ecogeeks podem achar legal mas não vão querer suas caras tralhas ligadas numa "regua" dessas atraz de suas mesas, e nas favel… comunidas os incendios são causados pelos gatos e reguas em que se retiram a proteção (fusivel)

  • Esta notícia vem provar que com um pouco de imaginação, não é difícil ganhar dinheiro. Muitos dizem mal da vida mas nada fazem para a tentar melhorar ou fazer algo de útil.

  • Mas é de deixar o lado "ser humano" com ódio mesmo. Da aquele desgosto de ver o sonhos de gente que necessita sendo passível de ser destruído, assim, de uma hora para outra, por pessoas sentadidas no escritório assim como cardoso descreveu. É a vida…

  • Dandalo

    Pergunta boba… A rede elétrica aguenta na boa aquelas reguas com 10 tomadas, todas ligadas em aparelhos ao mesmo tempo?

  • Na necessidade. Crie!

  • trolhanus furebas

    Cardoso, pra tu que adora linux :
    http://capinaremos.com/files/2012/02/PINGUIN_LIVR

  • Wilbert

    "Pode reparar: nos tempos de hoje a única diversão de um monte de gente é falar mal. De tudo, sempre achando um defeito, sempre puxando pra baixo. Não importa a notícia, o feito, o caso, alguém achará algo para desdenhar, menosprezar."

    Olha só quem está falando… hahaha… Você é o maior exemplo desse comportamento nefasto.

  • Raquel

    Cardoso,

    cada vez que vejo um idiota chamar favela de comunidade começo a dizer coisas só publicáveis no blog do Morróida.

  • Guizaum

    Se ele expandisse os formatos e alguém desse um jeito de vender isso pra zoropa, ele ganharia uma grana foda. Que hipster/ ecochato/ ativista não gostaria de mostrar pros amigos e falar "tá vendo essa extensão, foi feita a mão em uma comunidade carente da África. A piece of art".

  • Vocês esqueceram de comentar que ele pode virar maratonista