Gentileza gera… escrotidão, mas calma, a Justiça vence a Lei

justice-league-comic-geek-street-art-mural

Que o mundo é injusto, com certeza, que o diga a ausência da Luciana Vendramini no banco do carona de meu Aston-Martin DB-9 inexistente, mas algumas vezes, algumas raras vezes, o bem vence o mal, espanta o temporal e a filhadaputice é punida. Não é fácil de acontecer, e é um privilégio poder presenciar gente dançando na cara da escrotidão, do paunocuzismo, da babaquice.

Foi o que aconteceu no clássico Al Nahdha vs Al Ittihad, da 18a divisão do campeonato saudita. Jogaço, você não acompanha?

Na hora de um tiro de meta, Taisir Al Antaif, goleiro do Al Nahdha percebeu que a chuteira estava desamarrada. Ficou preocupado, aparentemente com medo de que ela saísse voando na hora do chute.

Perto dali estava um jogador do time adversário, de nome Jobson (adivinhem de onde ele é). Vendo a situação do adversário, ao invés de rir e se preparar para aproveitar da situação, ele se abaixou e amarrou o cadarço da chuteira do goleiro.

Tocado pelo gesto, o goalkeeper (como diziam os velhos locutores) afagou as costas do amigo, apertaram as mãos e prosseguiram com a jogada.

O Juiz de Merda achou que foi enrolação (mesmo tendo tomado meros segundos) e puniu o time do goleiro com um tiro indireto, apesar dos protestos de todos os envolvidos.

O jogo estava 2 x 2. Era a chance de saírem na frente no placar, ademais, toda boa ação tem sempre uma punição, certo?

Não dessa vez. O Al Ittihad seguiu as ordens do juiz, mas o atleta responsável pela jogada deu um toquinho mixuruca, fazendo a bola deslizar inofensiva pela linha de fundo. Nunca um CHUPA JUIZ FDP foi tão elegantemente executado.

Que me desculpe o rei do camarote, mas bato palmas pros Reis do Gramado.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Bem feito para o juiz. E parabéns a todos os jogadores envolvidos :-)

  • Whoever worshIp evil's might…

  • O jogador que mandou a bola pela linha de fundo também é brasileiro.
    E como eu sei que futebol não é o forte de Cardoso, acrescento um dado: Jobson é um jogador considerado muito talentoso aqui no Brasil, mas nunca conseguiu se firmar em time nenhum por causa de problemas com álcool, disciplina e drogas (até crack ele já foi pego usando).
    Pelo visto, desonestidade não entra na sua lista de defeitos. Atitude muito legal mesmo!

    • Rafael Leite

      Já estava vindo aqui para comentar exatamente isso.

  • Danillo Nunes

    Ah, achei fraco pela expectativa que você fez. O mínimo que eu esperava era que o sujeito METESSE UMA BOLADA NA CARA DO JUIZ. E fosse expulso. E então alguém do outro time METESSE OUTRA BOLADA NA CARA DO JUIZ pra ser expulso também e ficarem quites.

    • amendogaba

      pq o juiz cumpriu a regra?

      • Bruno S. Alencar

        A tal regra que você cita foi criada para uma finalidade: evitar a famosa “cera”. Se considerarmos que o jogo estava empatado e que foi o próprio adversário quem criou a demora na reposição de bola, eu digo que não, o juiz não cumpriu a regra. Não sejamos positivistas.

  • Victor

    Cardoso, o correto não é CHUPA JUIZ, mas CHUPA REGRA.

    Explico:
    Não era um tiro de meta, onde caso houvesse cera o juiz não marcaria falta pois não poderia fazê-lo, porém daria cartão amarelo para o goleiro, e na reincidência vermelho. O que acontecia ali era uma reposição com a bola em jogo, e existe a regra que o goleiro só pode reter a bola em mãos por 6s, que desrespeitada gera uma cobrança de tiro livre indireto.

    O que ocorreu é que mesmo com a anuência dos dois times, o goleiro reteve a bola por 10s e o árbitro aplicou a regra. Eventualmente, o cara fez até mesmo a contra-gosto, mas TEVE de fazer. Perceba que o árbitro não usou a ferramenta disciplinar, o cartão (não é raro um juiz dar cartão amarelo a contra-gosto a um jogador por comemoração de gol, podes perceber).

    Quando Jobson e Leandro Bonfim abriram mão de chutar a gol, eles no fundo livraram a cara do árbitro tornando o efeito inócuo daquela marcação e mandaram um CHUPA REGRA que certamente não contempla tal situação específica.

    Em tempo: A saída protocolar por hábitos e costumes seria o goleiro jogar a bola para fora com as mãos, tivesse a chuteira amarrada e a bola devolvida após a cobrança do lateral.

  • Realmente, palmas e mais palmas.