Quem diria, submarino caprichou no viral!

viralzinho

Uma das coisas que mais me cansa na propaganda atual, e me fazem ter saudades do tempo em que publicidade se resumia a peças criativas dentro de formatos rígidos, como anúncios, comerciais e spots, é a mania do viralzinho.

Originalmente o viral seria uma peça de propaganda que caiu no gosto do público, e foi replicada espontaneamente. Aí vieram os especialistas em seeding, técnicas de viralização e, sendo sincero, enganação e mentira pura e simples.

Marido pendurado do lado de fora da janela, vídeo “amador” filmado na rua, tudo pra parecer verdade, fazer com que incautos e desavisados achem que é verdade, e passem adiante. A criação se rendeu ao marketing que se rendeu à psicologia e a idéia morreu. Enganar é muito mais simples do que maravilhar.

Felizmente nem todo mundo pensa assim, e bato palmas pra essa ação da M&C Saatchi, de Milão. Para promover a Life Park, uma seguradora da cidade, resolveram apelar pro velho e batido acidente de carro simulado, mas ao invés de mostrar dois fuscas raspando lataria, ou um videozinho safado fingindo uma colisão, chutaram o pau da barraca.

O carro-vítima foi encacetado por nada menos que um submarino nuclear russo. No meio de Milão.

 

Sottomarino1-624x435

4-the-submarine-l1f3-in-milan 3-the-submarine-l1f3-in-milan 2-the-submarine-l1f3-in-milan

Esse é o tipo de brincadeira que chama a atenção, mas não é feita para “enganar” ninguém. É claro que alguns celenterados perguntarão se é de verdade, mas ninguém com QI acima da temperatura ambiente da Sibéria se preocupará com o “acidente”.

O submarino vem com a marcação #LIF3, que não só é “LIFE” em linguagem de internet, como uma hashtag pronta, que não destoa da imagem, uma raridade.

A ação contou com colaboração de polícia, bombeiros, a “bagunça” foi total. O YouTube está cheio de vídeos mostrando o acidente:

Note que a verba não deu pra computação gráfica do submarino emergindo, mas nada é perfeito.

O vídeo da entrevista do capitão russo falando dos canais submarinos de Milão, apenas para ser atacado pelo dono do carro atropelado é deliciosamente italiano.

Claro, a única coisa mal-contada em tudo é como um submarino vai parar no meio de uma cidade a mais de 100Km do oceano, e não é comandado pelo capitão do Costa Concordia.

O site oficial da ação tem muito mais vídeos, fotos, textos e uma conta do Instagram onde pessoas posam para “fotos oficiais” na frente do submarino.

Esse tipo de ação é o que chamo de publitainment, publicidade na forma de entretenimento. Era a norma na Era de Ouro da propaganda brasileira. Todo mundo queria ver o novo comercial do Casal Unibanco, ou a fantasia do Garoto BomBril. É possível sim fazer propaganda sem aquele merchandising boçalmente agressivo das novelas da Globo, é possível sim divertir, maravilhar, deixar o consumidor com um sorriso no rosto.

Só que pra isso não basta você ser o cara que diz “vamos colocar um submarino no meio de Milão”. Você tem que ser o cara que aprova essa idéia.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Nas raras vezes em que vejo novela por acidente, nada me dá mais asco do que ver algum personagem falando "naturalmente" de uma marca. Sinto que estão tentando estuprar minha inteligência.

  • baa ficou de mais!

  • Eu vi mesmo, ficou muito bom. Esse pessoal tem muita criatividade