Ontem Banido, Hoje Viral

Agora que virou modinha fazer “marketing de guerrilha” as agências mais preguiçosas estão subindo seus comerciais para o YouTube, cobrando uma baba pelo complexo serviço e os anunciantes ainda ficam felizes, pois podem soltar press releases falando de sua “iniciativa viral”.

Pombas, nem todo comercial é viral. Desculpem, mas o conceito de viral sequer é originário ou relativo à publicidade, e sim à forma de propagação do material. Propagação essa que não pode ser controlada pelo anunciante ou pela agência. No máximo você pode tentar induzir um comportamento viral, mas não há garantias.

Este site, o http://www.beachshowercam.com/ é um que está sendo vendido como “viral”. É uma propaganda do Axe, onde você escolhe a temperatura do chuveiro na praia. Se escolhe “muito quente”, coisas interessantes acontecem. Ao menos interessante para 99% e pelo menos 50% das mulheres, ou 95%, se elas estiverem bêbadas. (sim, rola velcro)

É legal? É. Tem um comportamento viral? Não. No máximo se parece com aquelas doenças chatas que dão em um grupo de índios perdidos na Patagônia Setentrional. Você escuta falar, mas não se entusiasma.

Não podiam ter lançado como “uma brincadeira legal da Axe”? Eu acho que o público está se cansando. Se tudo é viral, qual a graça?

O que vejo em um viral de sucesso: Um filme/texto curto, em geral baseado em humor ou um fato inusitado, que gera o sentimento “quero que outros vejam isso”. Não há nenhuma ação do vírus para isso. Ao contrario dos scams, spams e hoaxes, não há necessidade de “envie este vídeo super-legal para dez amigos…”. Você faz isso naturalmente.

Os bons filmes virais inclusive reservam o produto para o final, não há saturação da marca. Não fica aquele ar de “propaganda”. Isso ajuda muito a convencer os usuários mais chatos com a idéia de passar adiante o comercial alheio.

O termo “viral” aliás está substituindo outra palavra-chave para a divulgação de comerciais: “Banido”. Sério, procure no YouTube, há toneladas de comerciais perfeitamente legítimos marcados como “banned”. Pombas (de novo). Será que as pessoas só vão ver algo se for marcado como banido, proibido, censurado? Não creio.

As assessorias deveriam diminuir o fogo das “campanhas virais” pois a taxa de fracasso é muito alta. Já vi “virais” com menos de 1000 visualizações no YouTube, filmes que literalmente imploram para que você os passe adiante.

Que tal, ao invés de um viral que não vai funcionar (virais bons e eficientes exigem gente esperta por trás, e isso custa dinheiro) você não sobe seus comerciais, decentes e honestos, sem ficar alardeando campanha de marketing talibã terrorista multi-guerrilheiro que tomará de assalto a Internet blogosférica?

A www.nomer.com fez isso, com este simples e simpático comercial, usando a Luciana Vendramini. Funcionou? Acho que o bastante para chamar minha atenção, ao contrário da maioria dos virais “sensacionais imperdíveis você tem que ver isso”.

 
link para o vídeo


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • É a tendência natural de consumirmos enquanto "está quente". Depois passa a modinha e vão chamar o viral de hoje, de outra coisa. E vão vendê-lo com o nome dessa outra coisa.

    Mudando de saco pra mala, propaganda com a Luciana Vendramini é hors concours :P

  • E ainda tem as tentativas toscas de viral, como aquele vídeo das garotas no banheiro, falando que cerveja Itaipava dava diarréia…

  • Achei esse comercial com a Luciana Vendramini ruinzinho.

    A idéia do comercial também não me agradou, acho que poderiam ter abordado o assunto de outra maneira…

  • Não gostei do comercial. Achei ele bem ruim na verdade, quase impossível de virar algo “viral”. Gosto muito do seu blog, e acho geralmente suas idéias muito boas, mas acedito que a NOMER.COM jogou algum dinheiro na sua mão para você postar este vídeo aqui… Sem proplemas! É seu direito ganhar dinheiro. Mas de qualquer forma, para este vídeo virar “viral”, só mesmo pagando pra você postar aqui…

    Como vc disse: "virais bons e eficientes […] custa dinheiro".

    Um abraço

  • Diego, leia meu texto de novo. O vídeo da Nomer NÃO é um viral, nemt em como virar. Eu o uso justamente como exemplo de um comercial simples e direto, sem intenções "viróticas".

    E não, eles não "jogaram algum dinheiro" na minha mão. Em teoria eu até estou perdendo dinheiro, pois ganho com os cadastros do Bluehost.

    Ao contrário de alguns blogueiros, eu acho fundamental informar quando um post é patrocinado.

  • Diego, não sei se vc acompanha o Cardoso há mais tempo, mas os leitores daqui sabem que qualquer coisa com a Vendramini tem passe livre na CCnet. ;D

    Abraço,

    Guilherme
    http://www.papodehomem.com.br

  • Bom dia:

    Sou diretor do Nomer.com e não pagamos para a inserção do vídeo no Blog do Cardoso (alias Cardoso, obrigado pela gentileza !). Este vídeo não é uma ação viral, rodamos uma pequena campanha publicitária na TV e resolvemos publicá-la no Youtube.

    Nota: achei o artigo do Cardoso muito bom. Ótima análise.

    Atenciosamente,

    Ricardo Vaz Monteiro

  • Pingback: MADvertising()