Jabá com imunidade diplomática

 

Esses dias um amigo me mostrou seu último empreendimento, o www.ouvindo.com, um blog voltado para resenhas de Cds e bandas. Obviamente ele termina cada resenha com links para o Submarino. É normal, o Judão faz isso direto com filmes.

Reparei que isso de forma alguma me incomodou, e não incomoda praticamente ninguém. É perfeitamente “natural”. Já blogs que fazem resenhas e não explicitam a origem do material são tratados como leprosos. O MrManson foi criticado por ter feito um trabalho aboslutamente legítimo de cobertura da Fashion Week. Blogueiros que publicam posts pagos sem explicitar a origem dos mesmos arriscam perder toda sua credibilidade. (OK, nesse último caso eu concordo plenamente)

Só que pombas, qual a diferença entre um post falando bem de um celular (como o que farei sobre o N80) e um post falando bem de um CD?

De onde veio essa percepção de que é kosher vender discos via post mas não é para softwares, hardwares e serviços? Se eu fizer um post falando das maravilhas do atendimento da Telemar (por isso não posto bêbado) um monte de gente vai aparecer dizendo que é pago, que eu virei bitch da Telemar, etc. Se fizer um post falando do excelente CD do Evanescence, com direito a link de afiliado, no máximo alguém vai dizer que a banda é ruim, que a vocalista é louca, etc. Dane-se se é doida, adoro aqueles olhos.

CDs e DVDs gozam de imunidade diplomática. MESMO o mundo da música sendo movido à jabá, às vezes descarado, como o iPod que a Warner mandou pros jornalistas, “divulgando” o CD da Maria Rita. Seja o Jabá passivo (a gravadora que manda um mimo caro ao jornalista) seja o ativo (a rádio que cobra para tocar uma música) nada sai de graça.

Já nos blogs, quando a Microsoft mandou notebooks com Vista para alguns blogueiros (o meu deve ter se perdido no correio) mesmo explicitando que o presente deveria ser público, e que sequer o blogueiro estava obrigado a fazer uma resenha, foi atacada de todos os lados, inclusive por alguns ingratos que receberam o bicho.

De onde surgiu essa distinção especial para discos e filmes? Eu não sei. Já queimei a mufa tentando entender a cabeça do público, mas não consegui chegar a uma conclusão. O mais próximo de uma teoria é que talvez a percepção do público é que material de entretenimento não seja “sério” o bastante, então não é preciso cobrar uma postura de ética e comprometimento com a Verdade, como nos outros casos.

Faz sentido? Não sei, mas é o melhor que posso fazer. Alguém tem alguma idéia melhor?

[atualização] Para vocês verem como o efeito “imunidade” funciona. Eu esqueci COMPLETAMENTE dos livros, ainda bem que fui lembrado, pelo Ronaldo Camacho. Há gente que sistematicamente publica resenhas de livros, com links de afiliados, e nunca, nunca vi um texto desses ser questionado. Nem o fato de nunca aparecerem resenhas ruins. E agora, Bial?


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Penso que além da visão de arte como algo menos sério, talvez as pessoas encarem seus artistas e filmes favoritos com uma paixão (pro bem e pro mal) que faz com que qualquer intenção mercadológica, mesmo que escancarada, seja deixada de lado.

  • Concordo com o que o Alexandre falou à respeito da paixão pelos artistas. Quando você vê o cara comentando do seu CD favorito e tem um link logo abaixo, a associação é: "O blog está junto com meu ídolo, então é meu amigo também."

    E além disso, entra a raiva que o pessoal tem contra o dinheiro ganho pelos outros.

    Quando o produto anunciado é um CD ou DVD, a comissão é de R$2 ou R$3, sei lá, talvez R$5. Pouco dinheiro. Ou seja, *aceitável*.

    Agora quando o sujeito ganha um notebook ou recebe qualquer coisa acima de R$10, já cai na categoria de mercenário-capitalista-que-vendeu-sua-alma-para-diabo.

    Abraço,

    Guilherme
    http://www.papodehomem.com.br

  • Queria eu ganhar um notebook da microsoft rapas…

    Eu não troco o Windows nem pelo linux pintado de ouro ehehehhehee

  • Acho que o Alexandre o e Guilherme falaram tudo.

    No Brasil, as pessoas parecem não quererem que alguém faça sucesso, mesmo que seja o cara do site que você visita todo dia.

    Já viram site nacional com um Paypal? Nunca funcionaria, enquanto tem muito site gringo que se mantém só com doações.

  • Não sabia essa da Microsoft e os notebook… mas atacaram mesmo? Fico me perguntando até aonde vai o nível de bitolamento (se é que existe essa palavra) de um indivíduo…

    Bom, pelo menos quem recebeu ficou mais feliz que o pessoal do site clube do hardware. Eles receberam da Microsoft só o cd do Vista e ainda em um cd "vagaba" escrito com caneta "Windows Vista"…

    http://mundovoip.wordpress.com/

  • Além de CD e DVD faltou falar de livros. Ou seja, itens de entretenimento mesmo.

    Pode ter a ver com o Submarino em si, que é pioneiro em programa de afiliados, sendo inclusive anterior aos blogs (ou no mínimo da época em que blogs eram cor de rosa e modificavam o cursor do mouse). Não havia o conceito de monetização e o banner do Submarino era visto como uma forma de "ajudar o autor a manter o site no ar". Talvez por isso esses itens sejam relevados ainda hoje.

  • Igor Gama

    Lembre que em resenhas de cds, dvds e livros sempre tem a questão do gosto. Não se discute o gosto alheio, apenas trolls fazem isso.

    Quando se trata de outros produtos e serviços, a área de discussão é maior, e mesmo que descambe para a idiotice algumas vezes (Micro$oft suxx, capitalista n00b e todos sabem disso), em geral é benéfico, pois termina revelando alternativas por vezes desconhecidas.

    @Gulherme: Não acho que o valor seja um fator importante. Usando o exeplo do Cardoso, se ele escrevesse um post falando dos incríveis avanços da telefonia brasileira, e como é maravalhoso poder fazer uma ligação para o japão por menos de R$ 10,00 rapidinho apareceriam dezenas de pessoas reclamando das tarifas da telemar, do péssimo atendimento ao cliente, e indicando serviços como skype e gizmocall.

    O que não seria necessariamente ruim.

  • Até hoje fiz apenas dois textos com link para o Submarino. Nos dois casos avisei claramente que o link era para o Submarino. Uma amiga minha reclamou (vc sabe quem é, é a Go-Go Yubari) dizendo ser aquilo errado. Imagina se eu linkar um produto. Tô perdido, vou ouvir um monte!

  • Esqueci de dizer. Os links que fiz eram para livros…

  • Não fale mal da Pequena Flor de Lótus, ela é legal ;)

  • Tenho uma outra teoria, que não necessariamente anula, mas complementa, o exposto acima. Acredito que simplesmente as pessoas não leiam resenhas de CDs, DVDs e livros com tanta atenção quanto fazem com softwares, celulares e outros produtos afins. Até porque, no caso dos ítens de entretenimento, existe um bombardeio de informações elogiosas em todos os tipos de mídia. Eu mesmo, pouca atenção presto a estes, exceto pelos comentários do Rubens Ewald Filho, que eu leio com atenção: a minha opinião, via de regra, é exatamente inversa à dele.

  • Hetcho

    Fuçando no http://www.ouvindo.com/ conheci o iJigg, o co-fundador e CTO é um tal de Rodolfo Sikora, entrei no blog do cara http://sikora.poraki.com.br/ e descubro que ele é brasuca! Talvez tu até já saiba faz tempo, mas pq vcs (MeioBit)nunca falaram dele?

  • Nunca ouvi falar do sujeito. E blog que fica falando de cocô de criança, fralda e mamadeira? Sorry, não é a minha praia.

  • Acredito que seja pela má impressão que as pessoas possam ter ao ver esses anúncios. Imaginam que tal coisa está sendo promovida apenas por que a empresa pagou pela resenha.

    Vi outro dia um blog sobre informática que tinha links para venda de livros relacionados com o assunto, então nesse caso era como se o cara "pudesse anunciar aquilo", já que entende do assunto e o livro serviria para ajudar os leitores do blog. Com discos e dvd's acho que rola a mesma coisa.

    Assim, acho difícil alguém publicar uma resenha elogiando o Windows Vista e não ser mal-visto pelos internautas mais informados que defendem os open-sources como o Firefox e Linux, por exemplo. Não é?

  • Pingback: Ouvindo por ai | Imprensa()

  • Pingback: Thoughts of a dreamer » Blog Archive » Falem bem ou falem mal …()

  • Hetcho

    A questão nem era o blog do cara e sim o iJigg

    Mas dexa pra la, bloguero chique é dificil de agradar

  • O link passado foi do blog do cara. Perguntaram se eu conhecia. Respondi que não. Entrei no blog, e é tudo que eu NÃO gosto em um blog, inclusive cocô de criança. Não vi NADA sobre o produto nem nada que me estimulasse a conhecer, então deixei pra lá. Simples assim.

  • estefany

    ola me llamo estefany tengo 16 años y me cai la raja me cdaptai – oye yo se que tu eres gotica veo todos tus videos bueno me tengo que despedir chaooooooooooooo