A blogosfera é Darwinista, não Marxista

Estava lendo este artigo sobre monetização em blogs, onde o Fábio fala que o modelo atual, onde um blog é rentabilizado via publicidade comissionada só funciona “de verdade” para poucos.

Ele fala sobre vários pontos fracos no modelo atual (cegueira do leitor, dificuldade em estabelecer um valor para o espaço, etc) mas esbarra em alguns pontos no mínimo estranhos:

Em uma escala de benefício, quem se dá bem primeiro é a empresa de publicidade, depois o blogueiro e em terceiro, o leitor, mesmo assim pode-se dizer que o leitor nada ganha com a publicidade que lhe é apresentada.

Eu sempre pensei que o leitor viesse ao blog atrás do conteúdo, e não da publicidade. O Fábio completa a frase acima com:

No máximo dizer que ele descobriu algo relevante clicando em algum anúncio.

Fábio, se um leitor veio no blog, consumiu o conteúdo (gratuito) e ainda por cima viu um anúncio que o interessou, que achou relevante, eu acho que na verdade ele ganhou duas vezes. Lembre-se, estamos disponibilizando conteúdo gratuito. Não somos como a Veja ou a Playboy. Não temos um “preço de capa”. Como você pode dizer que o leitor “nada ganha”?

A publicidade apresentada viabiliza o conteúdo que ele está usufruindo. Rádio e TV funcionam assim. E melhor: O leitor habitual NÃO clica nos anúncios, isso já está contabilizado na equação. O grosso da renda vem dos paraquedistas. Você considera não ganhar ele usufruir de um conteúdo, viabilizado por uma publicidade que ele pode, de consciência limpa, ignorar?

Também não concordo que “poucos” sejam beneficiados pelo modelo. TODOS, literalmente TODOS os blogs com boa audiência que são monetizados se beneficiam desse modelo. Não conheço ninguém que tenha uma boa visitação, um conteúdo condizente (sem pirataria, pornografia, etc) que não esteja tirando seu dinheirinho. Desse ponto de vista o AdSense é a ferramenta mais democrática que conheço.

Qualquer um pode montar um blog e tirar um trocado. Se não conseguir visitação por falta de divulgação, se só ficar copiando posts dos outros, se fizer mais um flogão de miguxa, a culpa não é do modelo. Como você quer viabilizar um blog com 10, 20 visitas/dia? Em verdade nesse modelo a blogosfera já é quase marxista, nossa remuneração é diretamente proporcional ao nosso trabalho. O Edney só começou a ganhar dinheiro mesmo quando dedicou 100% de seu tempo ao blog. Alguém que só escreve no final de semana, copia um post do MeioBit e diz que tem blog vai concordar contigo que o modelo não funciona.

Claro que não funciona. É um dos preceitos básicos da economia, você não pode ganhar mais do que você produz. Não é culpa do Google. Nenhum dos modelos que você apresentou foge disso. Uma empresa NÃO vai aceitar patrocinar um blog sem audiência. O blogueiro cuidar ele mesmo do agenciamento de publicidade é algo muito, muito complicado. Acima de um certo grau de profissionalização exige envio de nota fiscal ou RPA, contabilidade, contato com anunciantes, negociação, assinatura de contratos… se para um problogger isso já é quase inviável, dado o tempo consumido, imagine para um blogueiro eventual?

A criação de uma empresa/grupo para cuidar disso seria reinventar a roda. Já há várias empresas oferecendo esses serviços, inclusive uma tal de Google. Eu entendo a comissão do Google como um preço a pagar para justamente não ter que lidar com toda a parte burocrática da publicidade.

Já a segunda parte do seu post, merece uma resposta isolada, pois é algo que vem me encafifando faz tempo…


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Faltou algo muito importante nessa equação

    Os anunciantes

    A lei da oferta e da procura, e existe sim uma ferramenta excelente aonde eles podem acompanhar o que se chama de conversão, então funciona para o anunciante, isso quer dizer que funciona para o leitor.

    Algo relevante foi extremo, se o cara chegou até o blog querendo comprar um celular xyz 2.0 viu um excelente post comparando o xyz com o yzw e de uma fonte confiável que não ganha por vender celulares, mas sim um usuário satisfeito ou algum perito antenado e ainda encontrar links, mesmo sendo anúncios, de onde encontrar o aparelho, sim, ele foi recompensado.

    O Adsense é o divisor de águas na internet, a profissionalização desse mercado, eu comecei faz tempo e ralei muito atrás dessa coisa de produzir conteúdo, conquistar leitores e ainda conseguir sobreviver disso com uns minguados anunciantes, a taxa de crescimento teria sido muito maior se houvesse algo similar ao adsense na época

    Quanto aos que não conseguem sobreviver disso, é a seleção natural, quantos não conseguem sobreviver montando um buffet? quantas empresas fecham, mas agora se você fizer tudo correto você também vai conseguir

    O sol nasce para todos,
    mas a sombra só pra alguns!

  • Pingback: O bom leitor não faz xixi na cama…()

  • Salve Cardodo.

    Excelente contra-partida. No ponto que falo que funciona para poucos, não quis me referir ao modelo gerar ou não alguma receita para todos ou poucos, mas apenas salientar que do ponto de vista econômico, os blogueiros que podem efetivamente dizer que vivem de seus blogs são poucos principalmente se comparado ao volume de blogs existentes. Apenas um pequeno percentual é muito bem sucedido.

    Sim, você está certo ao dizer que o principal benefício do leitor é o conteúdo.

    Abraço

  • Bruno Brant

    Olá Cardoso e demais visitantes!

    Concordo que o AdSense é uma excelente fonte de monetização e que o AdWords pode ser muito útil em termos de conversão para quem anúncia (alguns clientes meus utilizam têm excelente retorno).

    Contudo, ainda vejo uma falha no sistema: "O leitor habitual NÃO clica nos anúncios, isso já está contabilizado na equação. O grosso da renda vem dos paraquedistas."

    Isso pra mim que é fhoda. A graaande maioria das pessoas que clicam em anúncios contextuais não fazem idéia em que estão clicando. O blogueiro coloca o anúncio no lugar mais propício para 'enganar' o paraquedista-ameba, e isso é triste!

    Quando será que as amebas deixarão de ser vossa principal fonte de renda? (ainda que leitores não-amebas sejam importantes para manter um page-rank legal e atrair os amebas, etc.)

    E mais: E quando essas amebas deixarem de existir? Como fazer para um leitor "esclarecido" clique em um anúncio?

    E viva os miguxos, que enchem a barriga do cardoso com sua ignorância!

  • Pingback: Serendipidade » Blog Archive » Matou a pau!()

  • Penso que toda discussão é interessante – inclusive sobre os anúncios disponibilizados nos blogs. Entretanto, concordo com o Cardoso quando fala que tudo que é publicado é gratuito e, se houver interesse, o leitor acessa o link de alguma empresa anunciante. Quanto à discussão ética (que posts podem ser direcionados em favorecimento aos patrocinadores), trata-se de uma grande bobagem. O leitor é inteligente; faz a relação rápido. Outro aspecto: ninguém se sustenta produzindo apenas conteúdo que atenda aos interesses dos anunciantes. Se não houver originalidade, uma boa dose de criatividade e independência, o blog não será atrativo ao leitor.

  • Pingback: Monetização de blogs » Prática()

  • Bruno Brant

    Eu tava pensando… talvez a 'falha' do adSense seja que o 'dono do espaço' não recebe por impressões, só recebe por cliques.

    Se fôssemos parar pra pensar, o simples fato do meu anúncio aparecer em um site renomado como o Contraditorium já devia me custar algo…

    Talvez o caminho para se ganhar dinheiro com leitores 'esclarecidos' seja por aí: Um programa estilo adSense que leve em conta as impressões. Assim, o anunciante estaria pagando para ter sua marca associada a um site relevanete e não apenas por cliques.

    O problema é que mais uma vez cairemos na necessidade de intervenção humana para julgar os sites afiliados e definir qual qual público-alvo ele se encaixa… acho que já existem programa assim né?

  • Pingback: Monetização de blogs()