Um blog é um blog é um blog. Ou não?

O termo blog é pejorativo. Não adianta. “blogueiro” também é. O sufixo “eiro” denota trabalho braçal. Sim, “engenheiro” também é braçal, só melhora um pouco quando ganha “eletrônico”, “nuclear”, no final. Não temos “articuleiro”, “periodiqueiro”, “jornaleiro”. De forma subconsciente quando falamos “blogueiro” já nos colocamos em posição de inferioridade, diante do interlocutor.

A imagem pública de “blog” também não ajuda. A frase que mais se escuta é “blog? Minha filha tem um”. O Fugita que o diga, quando se identificou como blog e quase foi escurraçado.

Há empresas que bloqueiam em seus firewalls blogs específicos -o Bruno por exemplo não me acessa do trabalho- ou mesmo qualquer URL com a palavra “blog”.

Imaginem se bloqueassem “news” o escândalo que seria.

Claro, dizem que os blogs não possuem credibilidade, são em maioria diários de adolescentes, e antiprodutivos de ter em um ambiente corporativo. Colocam todo mundo na mesma cesta, e danem-se os blogs sérios. Já os sites “de notícias”, como o Weekly World News não são bloqueados. Vejamos as manchetes deste que se diz “O Único Jornal Confiável do Mundo”:

É, eu também acho.

O preconceito contra blogs vai mais adiante. Aparentemente na Escala Pokemon os blogs são naturalmente inferiores. Vejam n’O Globo por exemplo: A URL é:

http://oglobo.globo.com/blogs/

Mas… notem a primeira rubrica na coluna da esquerda:

os top 4 são “sites de colunistas”. Estão inclusive fora da árvore de blogs. O Beto Largman, que é um humilde autor de blog de tecnologia d’O Globo, está listado, lá embaixo:

O link é:

http://www.oglobo.com.br/blogs/largman/
  (destaque meu)

Já o Noblat está listado lá em cima como “site de colunistas”. O link:

http://oglobo.globo.com/pais/noblat/default.asp

É CLARO que os figurões ganham mais destaque, é a ordem natural das coisas, não estou reclamando disso. O ponto aqui é bem mais sutil. Notem que acima de um certo grau de evolução, você não pode ter um blog. Passa a ter um site. “blogs de colunistas” é haram, haram mortal!

Essa postura é ridícula, é tampar o sol com a peneira. É dizer que a Mírian Leitão é “boa demais para ter blog”. Eu só posso rir, pois enquanto o jornal finge que o Noblat tem um site de colunista, bem… vejam o cabeçalho:

É. Noblat tem um blog. Mesmo que uns não queiram.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Com certeza, essa relação de -ista superior a -eiro é verdade. E se for reparar bem, engenheiro só é engenheiro e não engenhista porque o significado da palavra foi alterado, no princípio, engenheiro era aquele que trabalhava no engenho.

  • R. A. P.

    Então chora, Cardoso!!!

  • Therion

    Aqui na "empresa" onde eu trabalho (uma transportadora de segunda categoria), o Firewall bloqueia site de notícias e não bloqueia blogs (menos o do Jovem Nerd), até que um dia a ignorância deles me ajudou um pouco. Cardoso, li no Meio Bit agora, você participou mesmo do Nerdcast dessa semana? =D

  • Era só o que estava faltando:
    Cardoso no nerdcast… http://jovemnerd.ig.com.br/wordpress/?p=1191

    tá dominado…
    Mandou bem.

  • Eu acho ridículo a comparação que fazem quando 'dizemos' que somos blogueiros, como você mesmo citou Cardoso, colocam-nos no mesmo 'ramo' dos miguxos e miguxas. Belo artigo, acho que depois disso os 'grandes' vão começar pensar melhor ao definir seu blog como um site.

  • Eu particularmente não gosto da Mírian Leitão. Ela só fala besteira. Mas enfim, jornalista quer conhecer enoconomia mas não se esforça para pensar como tal.

    É, concordo com você. Ainda falta muita estrada para considerem a nova mídia informativa. Entrei nessa onda agora e espero permanecer por um bom tempo. Se perceber o layout, foi meio inspirado no teu. (a parte de advertising)

    [ ]s

  • Em compensação, o blog do big brother é um sucesso só.

  • Eu tenho um blog e eles que 'kiçifu'!

  • Minha humilde opinião a respeito (não sei se o trackback vai chegar aqui, migrei recentemente e meu blog anda agindo de modo estranho): http://megalopolis-blog.com/?p=807

  • adorei o post!
    sabe porque a guerra jornalisas x blogueiros existe?
    1) a grande maioria dos blogueiros escreve sobre o que gosta, sobre o que manja e domina. Enquanto os jornalistas sao obrigados a escrever o que o diretor quer.
    2) o blogueiro é blogueiro por amor ao assunto, inicialmente não é feito por dinheiro. Diferente dos jornalistas.
    3) ainda no amor ao assunto, o blogueiro se dedica e estuda o assunto a fundo, afim de publicar algo corretamente. O jornalista escuta um monte de boatos, monta um resumão, cria a polêmica e um título que chama muita a atenção, e que geralmente não tem nada a ver com a matéria.

    OBS: como em tudo mundo, existem as exceções, os blogueiros chupões e os jornalistas profissionais.

  • Interessante análise da caótica e errática mente humana, ou o que quer que sejam pessoas encarregadas dos grandes portais e meios de comunicação…

    E, só pra constar, temos, sim, "jornaleiro". É o sujeito que vende jornal. O que não deixa de ser, ao menos um pouco, trabalho braçal.

  • Ainda acho que serão a maior fonte instantânea (ou quase isso) de informações.

  • Pingback: Megalopolis » Um blog é… uma plataforma()

  • Qwert

    Assim como -eiro de brasileiro, talvez deveriamos ser brasilianos, como diz Kanitz.

  • Cardoso, talvez por isso uns prefiram ser chamados de probloggers.

    Putz, achei um cara alí que lê Kanitz, às vezes percebo que a parte de leitores intelectuais da blogosfera está nos comentários do contraditorium, nessa hora eu percebo quem escreve aqui.

  • Qwert

    *devessemos

  • Cardoso seu figura, muito boa sua participação no Jovem Nerd, a galera riu muito com seus comentários.

  • Meus títulos deveriam ser mudados para Historiadoreiro, Professoreiro, Pesquisadoreiro…

    À parte dessa discussão entre blogueiros (ou bloguistas) x jornalistas, ou visse versa, o que mais me irrita em alguns jornalistas é que eles acham que podem fazer o trabalho de TODOS, inclusive dos historiadores, por exemplo, sem nenhum conhecimento de técnica e sem nenhuma responsabilidade com fontes ou com a veracidade dos fatos, mas quando alguém escreve bem e, por vezes, "faz o trabalho" de um jornalista eles ficam emburradinhos! Faça-me o favor!!

  • Acho que muito da visão "distorcida" dos blogs deve-se à primeira geração dos mesmos, que nasceram, como sabemos, como "diários adolescentes".

    Sempre existiram as "topeiras corporativas" que demoram séculos para entender qualquer novidade, qualquer evolução natural…

    É óbvio que o conteúdo colaborativo possibilita, junto com as mais diversas visões de mundo sobre determinado tema, um monte de lixo redundante e descartável, porém, como você exemplificou, o lixo está em todo o lugar, mesmo.

    Cabe a cada um saber selecionar de forma coerente.

    Parabéns pelo artigo.

  • Mais um post que foi para o meu del.icio.us, onde estou juntando suas grandes dicas sobre blogar. Obrigada, Carlso Cardoso.

  • Pingback: Relevância · Sacarrolha Weblog()

  • Como leitora habitual do seu blog gostaria de perguntar o porque ultimamente ele está demorando tanto para carregar. Frequentos outros blogs e sites e os demais abrem rapidamente, já o contraditorium.com está demorando no mínimo o dobro do tempo. Por que?

  • Pingback: » 10 posts que você deveria ler essa semana #4 Blog do Hiroshi: Entretenimento e Informação.()

  • doc

    Eu não sabia que o sobrenome do Cid Moreira era "Noblat". Só vi pela foto haha

  • Lilith, o widget do blogblogs estava dando problema. Deve estar OK agora.

    Doc, você é muito cruel ;)

  • Caro Cardoso:

    Sua crítica foi recebida e assimilada. Obrigado. Mas gostaria de dizer que às vezes um jornal adota determinadas estratégias por razões que não são visíveis apenas navegando-se pelo seu site. Um telefonema para a nossa redação talvez lhe abrisse um ponto de vista diferente sobre essa questão.

    Os nossos sites de colunistas – que obviamente são blogs – naturalmente recebem um destaque diferenciado. Afinal, somos um site comercial e temos que valorizar os produtos de nossas grandes estrelas, que de fato podem nos trazer mais audiência, anunciantes etc. Mas não se trata, em absoluto, de considerar "blog" menos importante que "site". O Globo Online até pode ainda ser (como bem disse um usuário aqui) uma "toupeira corporativa", mas até as toupeiras têm cérebro…

    A diferenciação que criamos foi uma forma (talvez não a melhor, mas a viável) de diferenciar os dois tipos de produtos. Até porque temos hoje no site apenas quatro blogs de colunistas, contra mais de 100 blogs específicos, a maioria deles feitos não por jornalistas, mas por estudantes, estilistas, engenheiros, escritores, cientistas, professores e até crianças. Simplesmente blogueiros, enfim, como você e seus leitores.

    Muitos destes 100 blogs são voltados para nichos extremamente específicos de audiência. Eles teriam sido descartados se fossem avaliados apenas sob o critério tradicional de relevância editorial. Ou jogados numa vala comum, como fazem muitos portais por aí. Mas o Globo Online, ao contrário, chancela e assina embaixo dessas páginas, dando espaço para chamadas em destaque na sua capa e nas suas newsletters, assim como fazemos com qualquer outro material de nosso noticiário, sem distinção. E nós, os responsáveis por essa estratégia, nos orgulhamos disso. Poderíamos fazer muito mais e melhor? Claro que sim!! Mas creio estar claro para todos aqui que não estamos trabalhando numa pontocom da Califórnia…

    Cardoso e leitores do Contraditorium: as "Estrelas da Morte" da grande imprensa brasileira não abrigam apenas Darth Vaders. É claro que a mídia tradicional está longe de ser a senhora da revolução digital. Pelo contrário, corre o sério risco de ser engolida por ela. Os grandes grupos de mídia impressa brasileiros, como o Globo, ainda têm seu processo decisório enraizado em uma realidade de outro século. Mudar isso é um trabalho de formiguinha. Muito mais difícil e vagaroso do que publicar uma crítica ácida num blog. Tenham paciência.

    Da próxima vez que identificar falhas na nossa nossa arquitetura, Cardoso, por favor sinta-se à vontade para entrar em contato conosco. Podemos ajudar a enriquecer seu post, permitindo que você publique também a nossa posição em defesa daquilo que você está criticando. No mínimo, no mínimo, daremos mais munição ainda para você cair de pau ainda mais em cima da gente… Seus leitores vão adorar… :))

    Caro Cardoso, agora falando sério: sempre que você desejar tecer comentários sobre o Globo Online (críticos ou elogiosos) lembre que estamos sempre à disposição para dar o nosso ponto de vista. Meu email você já tem aí, e meu telefone na redação é 2534-5553. Pode ligar quando quiser.

    Um forte abraço, e que essas discussões possam ajudar a enriquecer ainda mais a blogosfera e o jornalismo online brasileiro. Sem rixas nem preconceitos. Seja a bordo da Estrela da Morte ou da Millenium Falcon, estamos todos no mesmo filme. E com final feliz…

    Att,

    Paulo Mussoi

    Editor de interatividade e blogs

    O Globo Online

  • […] Razões para tal incluem insatisfação com os serviços de bloguismo já existentes – fator conhecido como "Princípio Não Gostou, Faça Melhor" – e o simples fato de programar algo que seria usado por pelo menos uma pessoa, ou seja, ele mesmo.[…]

    [Trackback Manual]