Estou virando um blogueiro sem-vergonha

No domingo dei uma entrevista para a CBN. Quando me convidaram esqueci do detalhe de que rádio, ao contrário de TV, é quase sempre ao vivo. Só que ao contrário do esperado, não me apavorei com a idéia de dar vexame em rede nacional. Aliás, nem minha proverbial timidez foi problema.

Para espanto geral de quem me conhece e acompanha, digamos que nem gaguejei.

“Cardoso virou homem?” dirão alguns.

Não chega a tanto. Como já disse em outros posts, fazer gênero de tímido é ótimo, ainda mais quando se é tímido mesmo, mas não dá para você investir em uma carreira de blogueiro popular, se vive escondido em seu porão. O negócio é botar a cara na janela, participar mesmo que saiba que não vai ser tão bom quanto gostaria. Falar em público e para público é algo que só se aprende fazendo, pois técnica nenhuma vai te deixar confortável com um microfone na mão.

Como foi falar com a Tânia Morales, da CBN? Eu diria que foi tranquilo. Ela visitou este blog, perguntou coisas pertinentes e me deixou à vontade. Confesso que como eu gosto de rádio, foi meio “trapaça”, eu já sabia que tinha que dar respostas curtas, sabia que não poderia usar palavrões, sabia que não deveria ter um rádio por perto sintonizado na emissora, para evitar microfonia, mas na verdade eu já estava escaldado da Bossa Conference.

O evento em Porto de Galinhas foi todo em inglês. Desenvolvedores do mundo inteiro, não só brasileiros, acompanhando palestras de hackers (no melhor sentido do termo) de 1a linha. Não dava para ser em português. Sem problemas, eu entendo inglês muito bem, assim como escrevo. Mas não falo.

É, é verdade. Eu sou tímido demais para falar inglês sóbrio. Bêbado tudo bem, mas não de cara limpa.

Mais uma vez a necessidade falou mais alto e o mundo se lixou para as minhas limitações. Na hora de entrevistar os gringos, não dava para pedir para outro traduzir. Ainda mais quando fiz amizade com o Peter Brown, da Free Software Foundation. Não dava para pedir um uisque no café da manhã, nem para levar cerveja para o salão quando o entrevistei.

Só sei que conversamos horas, rimos muito, e no final eu estava até soltando piadas na língua do Bardo.

Morri? Não. Na verdade só parei de frescura, atitude sempre recomendada, diga-se de passagem.

Será isso o princípio de uma carreira como orador? Dificilmente, falar em público é muito mais do que não desmaiar diante de um microfone, mas é o início de muito mais possibilidades, que eu sequer cogitava, como entrevistas internacionais, pequenas palestras e apresentações mais profissionais em blogcamps e barcamps.

Foi bom para mim? Foi excelente, mais uma das coisas boas que aconteceram comigo graças aos blogs. Se não fosse por eles, eu provavelmente nunca iria superar essa pequena porém significativa barreira.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • K

    não tem essa entrevista no site deles, né? :

  • Eu conheci seu blog por meio de sua entrevista na CBN.
    Foi muito interessante, tanto que eu anotei o endereço do seu blog e vim visitar.
    Esta já é a minha segunda visita :D

    um abraço.

  • (diretamente do aeroporto de Vitoria pos-blogcamp)

    Cardoso.

    Eu tenho uma teoria que funcionou bem comigo ate hoje.

    Uma pessoa pode ser timida ou "desencanada" e tambem pode ser introvertida ou extrovertida.

    Uma pessoa timida nunca vai ser "desencanada" e vice-versa, porem uma pessoa introvertida pode se tornar alguem extrovertida e vice-versa.

    eu era uma pessoa timida e introvertida, mas depois que comecei a dar aula, passei a ser uma pessoa timida, porem extrovertida

    isso nao vale para voce tambem??

  • Uma vez escutei o Seinfeld falando que em uma pesquisa americana (ou mentira ou bem antiga) mostraram que as pessoas têm mais medo de falar em público do que de morrer! Mesmo sendo mentira é bem engraçado… Eu odeio falar em público, mas deve ser melhor que morrer.

  • Meu 'deslanche público' foi conturbado como o seu. Nada que a experiência não dê jeito. Como o Jonny aí, ministrar aulas para adolescentes revoltados foi o início da minha 'sem-vergonhice'.

  • Cardoso

    Já ouviu falar no treinamento Dale Carnegie? Pesquise e veja se não tem alguma turma próximo a você é especificamente sobre isso, falar em público e outras transformações na vida, é muito bom, você já deve ter ouvido falar do livro Como Fazer Amigos e Influenciar pessoas, e como evitar preocupações e comecar a viver, o treinamento é desse cara

    e sobre o medo de falar em público ser maior que o da morte, realmente é verdade, no treinamento eles mostraram essa pesquisa também

    []'s

  • Sem dúvida alguma, esses eventos dever ser emocionantes e uma fonte inesgotável de contatos e oportunidades. Sucesso cada vez mais cara.

    um abraço.

  • Nunca poderia imaginar que você teria dificuldade para falr em público em inglês. Fico muito contente que tenha superado este temor.
    Minha mãe era oradora. Eu fazia discurso de movimento estudantil. Minhas fobia são outras.

    Parabéns.

  • A do Seinfeld é ótima:

    "Se é para a pessoa ir a um velório, a maioria prefere ser o defunto do que discursar."

    Em inglês funciona bem melhor.

  • Pingback: Blog do livro Blog Corporativo » Post » Blogs, empresas e a vida como ela é()

  • Boto fé em você como orador. Parabéns pelo texto, sei que é difícil falar sobre isso, por mais cara-de-pau que a gente seja.

  • Therion

    Quando fiz uma apresentação no ensino médio, eu tive sérios espasmos faciais de nervosismo. Ultimamente eu danço na rua, corro de cueca na mesma gravo em celular, mostro pros outros, e isso tudo sem beber, já com o "Ki" concentrado na Postura Drunken Boxe, é melhor nem comentar. O segredo é no fundo não dar a mínima pra opinião dos outros.

    Chame isso de arrogância, Asperger, altivez, ams na verdade é como dizem aqui no sul "Tu é mais grosso que junta de porco destroncada"

  • Mudando de assunto: A Folha anda linkando blogs: http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ul

  • Cardoso,

    Parabéns pelos ótimos resultados que você vem obtendo com seus blogs. Você deve estar bastante "cheio de si"!!! Por isso mesmo vem nos contar seus feitos e o reconhecimento pelo seu trabalho.

    Acho legal, pois nos incentiva bastante.

    Tenho me dedicado a produzir algum conteúdo útil no meu site, ou que pelo menos interesse a alguém.

    Quando eu for convidado para dar entrevistas e participar de eventos internacionais (em nome dos meus blogs), vou saber que alcancei meus objetivos!

    Abraço,

    Rui Nelson

    Realidade Subjetiva
    http://www.ruinelson.net

  • André Nascent

    "Eu sou tímido demais para falar inglês sóbrio. Bêbado tudo bem, mas não de cara limpa."

    Achei que eu era o unico!!

    Depois, se possivel, disponibilize essa entrevista em mp3(ou outro formato digital qualquer) pra nós!

  • Essa tal entrevista não foi filmada? quero dizer gravada ou algo do tipo?

  • Legal você ter vencido a timidez assim, muitos grandes profissionais e personalidades ficam anônimos em sua capacidade de colaborar, ajudar a outros crescerem devido a timidez.

  • Sei como é ruim ser timido em horas como essa…
    Mas quando a necessidade aperta, temos que deixar de "frescura" e simplesmente fazer o que deve ser feito…
    Parabéns pelo início do fim de sua timidez. 0.o

  • Cheguei até este seu blogue por acaso, mas gostei da forma como tantas vezes vemos reflectido os nossos pensamentos, medos, receios, sentimentos, etc…

    Também eu sinto essa terrível timidez, sempre que tenho que fazer uma apresentação em público. Felizmente passa-me minutos depois de começar, quando me concentro nos conteudos e sinto o olhar interessado e curioso de quem me ouve… e depois, depois a sensação é "do melhor!…" :))

    Parabéns pelo blogue