Unbranding – A Arte de Jogar Sujo Sendo Bem Podre

Vou confessar: Eu tenho um lado romântico. No fundo eu sou um idealista. Por isso o fato de ser capaz de fazer algo não me torna insensível, eu sei que uma coisa é errada, como Problogger[bb] os R$50,00 que eu aceitaria para falar bem de Hitler[bb] de forma alguma tornariam correto o extermínio de 6 milhões de judeus[bb]. Mesmo assim eu procuro não misturar o emocional com o comercial.

Claro, às vezes não é tão simples, como no caso da prática marketeira[bb] chamada Unbranding.

Em um mundo ideal o produto[bb] se destacaria por suas qualidades, a publicidade apontaria essas características e, em culturas mais competitivas apontaria os defeitos do concorrente. No nosso mundo longe do ideal, não funciona assim. O consumidor associa o produto com conceitos bem menos tangíveis, e os marketeiros abusam dessas associações. É “correto” quando você vende sucesso, quando coloca um atleta ou alguém bem-sucedido fazendo um testemunhal, mas o Umbranding ultrapassa todas as linhas do razoável e aceitável.
Que diabos é isso afinal?

Vejam esta nulidade da foto.

O nome desse desperdício em forma de gente é Snooki. Essa anã é parte do elenco de Jersey Shore[bb], um Reality Show da MTV que acompanha as vidas inúteis de um grupo de ítalo-americanos que passam o tempo todo entre festas e bronzeamento artificial. Um pessoal que faz a Paris Hilton[bb] parecer relevante e as conversas do BBB, significativas.

Como quase todo mundo de TV esse pessoal vive de aparência, só passa ilusão de ter dinheiro. Mesmo assim a Snooki toda hora é fotografada com bolsas de grife. Gucci[bb], D&G[bb], Maison Goyard e várias outras que aprendemos vendo Sex and The City[bb]. Digo, zapeando e passando sem-querer, claro.

Como pode, Arnaldo?

A explicação razoável é que os anunciantes estão fazendo product placement (em português, merchandising) e mandando as bolsas pra ela. Legal. Mas assumindo que fabricantes chiques de produtos que custam milhares de dólares não costumam contratar asnos, não faria sentido colocar um produto chiquérrimo para ser visto na mão de um ser boçal que desperta nojo, faria?
Faria se o produto colocado na mão do ser boçal fosse do concorrente.

Parabéns, isso é unbranding.

Algum gênio do marketing decidiu que queimar o filme do concorrente é melhor do que falar bem do próprio produto.

De novo, é algo que deve ser repetido: Um GÊNEO MARKETEIRO decidiu que é estratégia mandar produtos da concorrência para gente questionável e assim queimar o filme do produto.

Não que seja uma idéia nova. Antigamente já havia o boato de que a Coca-Cola comprava cascos de Pepsi para quebrar (e vice-versa) e vimos vários virais de cerveja que eram descaradamente criados por concorrente para desacreditar o produto-líder, mas o unbranding vai além. Ele tenta associar o concorrente a algo ruim, sendo que o algo ruim não tem noção ou se tem não está preocupado.  A Snooki se enche de bolsas de milhares de dólares, queima o filme de TODO MUNDO pois varia toda hora a marca que está usando e nas reuniões os marketeiros fodalhões (tm Felipe Neto) ainda devem abrir um slide Power Point mostrando o quanto sua idéia genial prejudicou a concorrência.

É muito triste que a Propaganda, algo que inspirava e emocionava hoje se resume a uma briga de trolls. Esse tipo de atitude mesmo que funcionasse -não funciona- é efêmera. É descartável, é lixo. Já a boa propaganda… bem, deixo o exemplo desde filme com as palavras de Manuel Bandeira, na voz de Herbert Vianna, assinado pelo Bamerindus e veiculado ao fechar das urnas da 1a Eleição direta para Presidente no Brasil em décadas. Foi 21 anos atrás, mas poderia ser veiculado hoje:


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Essa propaganda é de uma época em que as pessoas eram tratadas como inteligentes, e elas são na verdade… ao contrário de hoje que tudo é nivelado por baixo e nada de novo é inserido no contexto. Além de bonita, a propaganda gera curiosidade pela poesia e pelo autor. Isso sim que é fazer algo diferente.

  • Pingback: Tweets that mention Unbranding – A Arte de Jogar Sujo Sendo Bem Podre -- Topsy.com()

  • Cardoso, realmente é o tipo de estratégia de propaganda burra. Na verdade eu até gosto de certas propagandas onde as marcas se confrontam. Eu acho que tem uma do pepsi que um garotinho usa as latas de coca para alcançar o botão da pepsi que eu acho fantástica. No entanto, eu acho que as propagandas que a coca-cola tem feito valorizando a própria marca atualmente, dão muito mais gosto de ver.

  • é hoje o mundo é muito podre !

  • Excelente texto, parabéns.

    Há como banir a palavra "troll" dos textos do site? Puta palavra chata nerd babaca.

    P.S. No Marketing vale tudo. abraço.

    • Frank, H

      Sim. A partir de agora, Cardoso irá se referir a "Ser maléfico e grotesco criado por Melkor".

  • Alberto

    Nunca tinha ouvido falar de unbranding, mas me parece uma estratégia muito fácil de ser copiada. Um concorrente faz, o outro entra na onda e em pouco tempo todos estão fazendo. Todos acabam atingidos. Alguém de fato lucra com isso?

  • marcelo valen&ccedil

    Eu acho que depois que descoberta a "fraucatua" da marca concorrente, quem bolou o comercial fica muito mais prejudicado do que a marca que foi vítima, eu por exemplo sentiria nojo de usar uma marca que usa desses artificios para atrair meu dinheiro…é claro que no marketing vale tudo, mas grandes publicitários bolam campanhas maravilhosas sem tratar o consumidor como um imbecil e sem olhar pra ninguem, apenas na propia marca, acreditando e depositando o seu melhor nela!…por fim, da onde nao sai nada, é que nao pode se esperar nada mesmo…

  • Luis Claudio Dias do

    Esse Bamerindus… Gastou os tubos com a propaganda e depois faliu!

  • *palmas*

  • julio

    Lendo o texto comecei a pensar porque não se faz mais comerciais inteligentes.

    As agências de publicidade subestimam demais a inteligência dos brasileiros.

  • Caal666

    É impressão minha ou a política brasileira está cheia disso?

  • Vi um comercial agora a pouco que me remeteu diretamente a esse tópico. Já viu o novo comercial do Nissan Livina?
    http://www.youtube.com/watch?v=fO8_hZ5D2DQ