TERREMOTO NO BRASIL, CORRÃO! (ou: IG e a geografia do pânico)

Hoje as Interwebs, a maior máquina amplificadora de histeria coletiva grupal em massa inventada pelo Homem tremeram com a notícia dada pelo IG, em manchete digna de gente correndo pelas ruas arrancando cabelos:

Terremoto de magnitude
6 é registrado na costa do Brasil

Ferrou. Vamos todos morrer. Vídeos das cidades japonesas arrasadas pelo Tsunami ecoaram na mente dos espectadores. 2012 chegando, prédios caindo, naves alienígenas atirando nos humanos, Battle LA, V, Independence Day e Olodum, tudo junto ao mesmo tempo agora.

Ou não?

O subtítulo da notícia diz que o tremor foi a 1.277Km de Natal. Hum. Meio longe. Vejamos no mapa as coordenadas 0.461°N, 25.601°W:

Snap149

Hum. Então “NA COSTA DO BRASIL” vale até pra um ponto a 1277Km de distância? E os americanos ainda reclamam de nossas águas territoriais de 200 milhas. OK, admito que “Terremoto de Magnitude 6 é registrado na puta que o pariu” não é manchete jornalisticamente suculenta, mas hello, qual o sentido de provocar histeria? Será que esse terremoto é sequer notícia?

Será que houve algum motivo especial, será Gojira acordando de uma noite de amor de vodca com a Cloverfield (botou ovo não é pato, é pata)?

Está vendo um risquinho ali no meio, passando bem em cima do ponto do tremor? É a Falha Dorsal do Atlântico, que divide as placas tectônicas da América do Sul e da África, e para os leitores do Kibeloco, informo que o Brasil fica na placa da América do Sul.

Falhas geológicas são pontos onde as placas se encontram, a pressão entre elas costuma ser aliviada na forma de terremotos e vulcões. O Japão, por exemplo, na pior escolha imobiliária desde que Moisés levou os judeus até o único terreno no Oriente Médio sem petróleo, fica em cima de nada menos que da junção de TRÊS placas.

A Falha Dorsal do Atlântico não é muito ativa, por um motivo simples: As placas estão se separando, isso não gera muita pressão entre elas. A energia é toda despejada na placa de Nazca, como todo chileno sabe muito bem.

Qual a frequência de tremores na região? Digamos que dia 13 tivemos um 4.8 nas Ilhas Sanduiche, dia 12 tivemos um +5.0 na região da ilha de Ascenção, dia 10 um 5.0 na costa das Malvinas (segundo a geografia do IG) e por aí vai. Infelizmente não registram mais tremores de 4 pra baixo.

A mídia adora uma histeria, após o Grande Terremoto todo dia anunciavam novos tremores, ignorando UM: o fato de que TODO terremoto é acompanhado de tremores secundários e DOIS: aquela região treme o tempo todo. Ao tornar algo comum em manchete a mídia está apenas explorando o pânico, coisa que pra mim é história da carochinha tcheca.

Não sou eu quem diz, é a ciência da geologia. Veja neste link aqui do US Geological Survey, com os terremotos da semana acima de 2.5 graus de magnitude. Quantos desses foram manchete?

Promover o medo através do desconhecimento de fenômenos naturais se chama religião, não ciência, não jornalismo. Sugiro que deixem essas matérias a cargo da folha universal.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Como já disse antes, é a ciência do Jornachismo.

  • Assim funciona a imprensa: se não for algo muito chamativo, não atrai gente curiosa. Aí geram artigos totalmente nonsenses quanto esse "tremor na costa brasileira"

  • Escreveu bem, terminou MUITO bem!
    "Promover o medo através do desconhecimento de fenômenos naturais se chama religião, não ciência, não jornalismo."

  • Estevao Domingues

    "Promover o medo através do desconhecimento de fenômenos naturais se chama religião, não ciência, não jornalismo. Sugiro que deixem essas matérias a cargo da folha universal."

    ULTRAAAAAAAAA – ULTRAAAAA – ULTRAAA

    Bons jornalista hoje merecem todo respeito e recohecimento possiveis, por nao fazer esse tipo de "jornalismo".

  • Se for perguntar pras pessoas na rua quais os ultimos terremotos, vão citar o japão, haiti e chile se lembrarem, se não vai ser o outro tsunami.

  • Jornalista falando de Ciência é a mesma coisa que tartaruga tentando costurar.

  • Ilhas Sanduíche.

    HAHAHA!

  • Excelente post.

  • o 'corrão' foi de poprósito? =P

  • Hugo

    Curiosamente, o terremoto passou à apenas 17 milhas náuticas (31.5 km) da zona econômica exclusiva brasileira!

    O terremoto aconteceu à 229 milhas náuticas do Arquipélago de São Pedro e São Paulo (00°55′1″N 29°20′7″W). Como todos países tem direito à 200 milhas náuticas além de suas 12 milhas de águas territoriais, podemos dizer que esse passou perto heheheh

  • Mauricio Matias

    Corrão? Nao seria Corram ?

  • “Terremoto de Magnitude 6 é registrado na puta que o pariu” seria uma manchete extremamente suculenta sim!

  • GarreteReis

    Cara, isso virou moda! Tem um site de notícias científicas q eu acesso (inovacaotecnologica.com.br) que faz isso direto! O pior, eles afirmam a besteira no título, e tratam de contradizer no texto. Oq eh mais chato eh q não tem como postar comentários!

    • Alan

      Site esse também conhecido como 'invenção tecnologica'. :D

    • Andre K

      E… porque você acompanha?

      _____
      42

  • Anderson

    Atualmente moro em Natal. Acredita que a Defesa Civil e os Bombeiros "ficaram em prontidão"? E que a principal manchete no site do maior jornal local foi "Tremor na costa de Natal não provocará tsunami no RN"?
    PQP, "costa de Natal"! Sério.
    Tenham pena. Que dó, que dó, que dó…

  • Daqui a pouco noticiarão tsunami de 10 cm. Bem, moro no Japão e terremoto desses acontecendo lá na casa do chapéu e sem ninguém sentir provavelmente seria ignorado.

    Aliás, o que mais acontece são desse tipo.

  • Felipe DiSouza

    IG = Imbecilidade Generalizada.

  • mto bom!

  • Mais uma das maravilhas do jornalismo brasileiro.

  • "pior escolha imobiliária desde que Moisés levou os judeus até o único terreno no Oriente Médio sem petróleo", isso sim é Sensacional!

  • Daniel

    O tema quente do momento são os terremotos. Com sorte, agora eles param de bombardear a gente com notificações obrigatórias cada vez que um avião de passageiros retorna ao aeroporto porque uma luz no painel não acendeu.

  • jose soares

    Gracinhas que só entendem os da tribo dos terráqueos, subcategoria dos que falam português, da divisão dos brasileiros, da tribo dos que navegam na internet, da subdivisão que andam no twiter, do grupinhos dos descolados, do subgrupo dos que falam gírias porque são inseguros e precisam se sentir no grupo, quando escritas em blogs que pretendem ser importantes, não são gracinhas. São erros de português mesmo. O correto é corram e não corrão (coisa de manos).

    • Veduque

      O patriota gramatical se sentiu ofendido foi? Quem não entende "Corrão" é um desinformado ou, no seu caso, um chato de galocha que pretende ser puritano com algo tão dinâmico e prostituido como uma língua. E não me venha com papinho de identidade, isso é pura frescura psico-socio-linguística.

  • Devo dizer que a maioria do Jornalismo é levado com base no desconhecimento e indução do público, ainda que de forma sútil. Os maiores veículos de comunicação do nosso país inegavelmente manipulam a população. Infelizmente, isto é jornalismo.

  • Stefhanie

    Putz…. CORRÃO?
    como assim?
    de corrimão ?
    Não seria corram?
    Eu até entendi o sentido que você estava falando, e isso acabou deixando a situação mais engraçada. Por que, quem é doido de escrever algo no google, errado? E ainda ser uma pagina bem visitada.. É meio que se humilhar em público só que na internet.
    MORRE DIABO.

    • [sigh] Olha só o nome da criatura. Maldita inclusão digital.