E o surrealismo brasileiro me faz pedir desculpas ao Rafinha Bastos

 

Quando saiu a história do Rafinha Bastos montar na Rede TV uma versão nacional do Saturday Night Live todo mundo –eu incluso- sacaneou. Primeiro pela arrogância de tentar repetir o sucesso de um programa consagrado, com 37 temporadas, que revelou gente do calibre da Tina Fey.

A sacanagem principal entretanto foi para o DIA do programa, afinal um nome que se traduz literalmente para “Noite de Sábado Ao Vivo” não deixa muita margem de manobra, mas mesmo assim a direção da Rede TV decidiu, em um momento de puro orgulho ferido bater de frente com o Pânico, na noite de… Domingo.

Ridículo, patético um Saturday Night Live Domingo, né? O próprio Rafinha disse que esperava que a maioria dos espectadores não prestasse atenção nesse detalhe.

Verdade, Rafinha. Nos preocupados tanto em te sacanear que esquecemos de olhar nosso rabo. Se tivéssemos (e você também, cá pra nós) feito o dever de casa direito, veríamos que o Saturday Night Live passa, gravado, AOS DOMINGOS na Sony Brasil.

 

IMG_2559

Ou seja: Na PIOR das hipóteses o Rafinha estava sendo coerente com o dia escolhido pela emissora oficial do SNL no Brasil. Incoerente? Com certeza, mas não me consta que NINGUÉM tenha dado piti contra a Sony. Com que moral querem sacanear o Rafinha?


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Edson Santos

    A tio, qdo pegue TV a cabo novamente, xinguei a Sony qdo vi isso. E olha que passa às 00:00h.

  • No monólogo de abertura ele deu uma explicação interessante pro nome estranho, apontando outros nomes de programas muito questionáveis na TV aberta.

  • E quanto ao programa em si? Gostou?
    Eu só vi o Weekend Update e a abertura sacaneando Xuxa, achei razoável. Nada espetacular, mas tem certo potencial — ainda mais considerando que o original, embora tenha revelado muita gente boa, frequentemente tem quadros sem graça nenhuma.

  • Se o da Sony é uma gravação, faz todo sentido Cardoso. Rafinha ter copiado o nome, é ridículo antes de qualquer coisa. Fazer um programa em TV aberta, que se fosse baseado em modelo importado (e todos o são, né?) trazendo o mesmo título esperando isso como referência ao público, oras, o público da Dolly? Brincaram.
    Santa falta de criatividade com nomes para programas na TV. O último criativo foi o Panico.
    Boa sorte para o Rafinha. Fez suas melecas buscando ser e agora é. Ele que entenda suas limitações senão né, se acaba em nada.

  • Nos tempos que eu assistia SNL pela Sony o horário era às 23h de sábado, e a "reprise" à 1h de domingo. Aparentemente a Sony tá virando uma TNT da vida passando filmes velhos e cortaram o horário das 23h de SNL.

  • Sério? uma coisa é um programa sendo nacionalizado e sendo passado no domingo, outra coisa é o programa ser produzido por aqui e passarem fora da data. Mas a grande questão é, qual será o nome deste lixo maravilhoso?

  • netto

    1h da manhã de domingo ainda é "noite de sábado". Ou como a Globo gosta de dizer "madrugada de sábado para domingo". Então tá valendo.

  • Rodrigo

    Até porque o equivalente ao Saturday Night Live por aqui é o Zorra Total. Coerentíssimo.

  • Vaick

    A maioria dos que ainda assistem TV aberta não sabe bem falar o português direito, então pra que se importar com o nome do programa? Que comam o programa e o apresentador!

  • Não gostei nem um pouco do novo programa do Rafinha, esperava muito mais do programa.

  • Audrey Scheiner

    Enfim, tirando esse detalhe, convenhamos que o público da Rede TV não está preparado para um programa do calibre de Saturday Night Live Brasil. O canal não é tão conceituado em frenta a outras emissoras. Se o SNL Brasil fosse transmitido na Band, teria uma produção bem melhor que a da Rede TV, com muito mais qualidade, e o programa seria mais respeitado e pareciado pelo público certo. Rede TV é uma emissora de esquina. MAS… foi a é a unica que acolheu o Rafinha, independentemente daquela piada ridícula contada por ele. Até num canal brasileiro pago o SNL Brasil seria mais conceituado pelo público.

  • Vini

    … A Ironia…

  • Nunca devemos julgar sem conhecer…
    Continuem galera, parar é morrer!

  • sapo_brothers

    E valeria supostamente a mesma lógica do Rock in Rio Lisboa com Ivete Sangalo…

  • Interessante colocação, Cardoso.
    Isso me lembra os "Sábados Circulares de Mancera", programa argentino de TV, dos anos 60, que passava gravado em Montevideo, Uruguai, aos domingos, num tempo em que não existia transmissão por satélite, e que era assistido por uma boa audiência (num tempo em que poucos podiam comprar uma TV). Eu era estagiário no canal 4 em Montevideo e tinha que colocar aqueles enormes rolos de 5 cm de espesura e 10 quilos de peso na máquina leitora, grande como um piano. (chegavam de navio nas primeiras horas da madrugada de domingo)
    Naquela época maravilhosa, existiam seriados, como Túnel do tempo, Perdidos no espaço, Star Trek….
    Hoje só na TV a cabo.
    Em tempo:
    Tudo o que eu sei sobre o tal de Rafinha Bastos, foi por seu intermédio, já que em TV só assisto alguns noticiários e filmes. Detesto programas de auditórios e novelas, Quem viu um viu todos.
    VL&P

  • Eu não gostei muito do programa, acho o Rafinha muito bem humorado e tudo, mais nesse modelo de humor não gostei, mais claro que como eu não gostei tem quem gostou. Cada humor faz sucesso com seu publico, senão a Zorra Total não estaria todos esses anos no ar, atingindo altos pontos de audiência. Abraços.

  • É um programa de comédia, certo? Então não precisa ser levado a sério, OK? Se o Programa não precisa ser levado a sério, por que o título precisa? Eu chamaria de "liberdade humorística".

  • E eu te pergunto: quando é que acabarão essas mazelas? Esses jucás, lulas, costa netos? Cem anos? Não dá para entender esse paradígma.Ali a babar os setecentos ladrões!
    Que coisa sô!

  • A propósito, agora como lisarbense serei obrigado… digo, por espontânea vontade, a detestar todos os posts do tio Rei. Tio Rei… tu tá por fora! Mesmo assim, tá difícil afirmar isso. Mas tenho de me concentrar… de me encarnar efetivamente. Só assim para entender este país. Ops!… para entender o BRASIL!!