Lacrando no Espaço ou: A mentira branca da astronauta negra

 

No Oscar 2016 Sam Smith conseguiu protagonizar um momento mais constrangedor do que Seth MacFarlane em 2013 cantando We Saw Your Boobs. Ao receber o Oscar pro melhor canção original (Spectre) ele em um momento de extrema autocongratulação ressaltou a importância de ser a primeira pessoa abertamente gay a receber um Oscar, e o dedicou à comunidade LGBT em todo o mundo.

Nada de errado nisso, exceto que o mais hetero e alienado sujeito do planeta sabe que não é verdade. Sam queria tanto lacrar, queria tanto ser especial entre seus pares que pisou na cabeça de um monte de gente. Passou por cima de gente de muito talento e coragem. Demonstrou que o importante era lacrar, importante é ser o primeiro.

A “comunidade” não gostou, ele foi amplamente sacaneado:

Com razão, diga-se de passagem. John Gielgud, Stephen Sondheim, Almodóvar, Melissa Etheridge entre outros são artistas gays vencedores do Oscar. Eu até incluiria o Elton John mas não lembro se ele saiu do armário ;)

A postura atual da militância virtual provoca esse tipo de atitude. Os Millenials são uma geração mimada que não entendem que coisas como mudanças sociais são lentas. Eles querem tudo de uma vez, e agora. Só que o mundo não funciona assim.

Fonte: xkcd

A velha piada do sujeito fugindo da Inglaterra pq antes os gays eram criminalizados, depois tolerados, mais tarde foram aceitos e hoje eram celebrados, e ele estava fugindo antes que se tornasse obrigatório revela mais percepção de mudanças sociais do que a atitude que exige mudanças imediatas e totais.

Só que essa atitude além de prejudicial às causas (seu avô de 90 anos não vai se tornar um progressista por você forçá-lo a assistir Sense8) prejudica quem trabalha de verdade por elas, atropela as próprias pessoas que diz defender. Tira o mérito do homem comum. Se você é uma minoria feliz e bem integrada, você é alienado, precisa de um discurso de sofrimento para se validar.

Sofrimento ou superação. Quando apareceu um Vulcano negro em Star Trek os fãs acharam que isso iria gerar um monte de discursos, alguns de mão-pesada. No final Tuvok era um personagem igual aos outros, a cor de sua pele nunca foi um fator para nada, e os fãs que pensaram que ele seria diferente por isso tomaram uma bela lição dos Ideais de Star Trek na testa.

Agora a militância está fazendo de novo. tudo em cima desta moça aqui:

Ela se chama Jeanette J. Epps, é formada em Física, com mestrado e PhD em engenharia aeroespacial. Trabalhou na Ford, na CIA e desde 2011 é astronauta. Está na fila para uma missão de seis meses na Estação Espacial Internacional, em 2018. Há pouco mais que alguém pode almejar, em termos de excelência profissional, e ela merece todos os parabéns pelas inúmeras noites viradas estudando.

Só que para a militância isso não importa, essencial é que ela seja negra. Aliás, só negra não, isso não basta mais. Para lacrar, para jogar na cara dos homens brancos cis heteros que a hora deles está chegando ela precisa ser MAIS que uma astronauta negra.

A Internet está reescrevendo a História mais uma vez, no telefone sem fio da militância lacradora a Dra Jeanette deixou de ser a primeira americana negra em missão permanente na Estação Espacial e se tornou a primeira astronauta negra, logo será a primeira a exigir andar no banco da frente da van que leva os astronautas até o foguete.

Celebrar avanços históricos não é lacrável, indica que as coisas estão melhorando e isso não gera textão. O jeito? Apagar o mérito, apagar a existência  de gente como Mae Jemison, mulher e fã de Star Trek, primeira astronauta americana negra. Ela completou 190 horas no espaço, em 1992, mas quem se lembra?

Jeanette tem um MONTE de méritos, mas não é a primeira astronauta negra, nem a primeira astronauta negra na ISS. Esse mérito é de Joan Higginbotham, em 2006.

Especialista de Missão Joan Higginbotham e Engenheira de Vôo Sunita Williams

Pior ainda, a militância está apagando o mérito de Stephanie Wilson, mulher astronauta negra que não só visitou a Estação Espacial Internacional, como o fez duas três vezes, duas seguidas, nas missões STS-121 e STS-120 (as ordens foram trocadas não pergunte) e na STS-131.

Stephanie inclusive fez parte do experimento mais perigoso da História da NASA: Colocaram quatro mulheres juntas no espaço por 15 dias e elas não se mataram.

Notem, não estou dizendo que é comum haver astronautas negros. No mais ideal dos mundos sem nenhum tipo de preconceito, racismo institucional, sem qualquer impedimento não-técnico eles seriam minoria, por pura questão de estatística, então se um negro consegue superar as dificuldades e se tornar top do top do top e ser selecionado como astronauta, merece todas as congratulações.

Portanto, fica a dica pra militância: Lacrem à vontade mas por favor respeitem as conquistas de quem veio antes de vocês. Parem de apagar da existência essa gente que lutou por seu espaço e entregou um mundo um pouco mais justo e tolerante e por causa disso sua incrível lacração de Facebook não tem tanto mérito.

Dizer que Jeanette J. Epps é a primeira astronauta negra pode soar como uma mentira branca, como algo bem-intencionado, mas só faz ignorar avanços sociais, e ao invés de um mundo mais justo, ficam presos em um círculo, onde avanços são ignorados em nome da lacração do momento.

No mínimo é injusto com quem pavimentou o caminho para ela chegar onde chegou.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Mas este site voltou a ativa e voltou com estilo!

  • claudio laky

    Caramba Cardoso….voltou atropelando (ia dizer lacrando mas desisti).
    Definitivamente melhor que seguir no tuito, apesar de lá ter interação maior que os comentários do site.
    Mas quando você compra um bom livro, interage com o escritor? Não….apenas saboreia as palavras.
    Assim é aqui.

  • Allan Wziontek

    Os bons tempos voltaram…

  • Diego Diego

    Cardoso,
    Primeiro preciso agradecer por você ter reanimado o Contraditorium. Por favor, não desista dele.
    Sobre o texto, sensacional como sempre.
    Porem é um excesso de otimismo seu achar que os lacra…(aquela palavra ridícula que usam de forma grotesca, você sabe) das redes sociais vão conseguir ler um texto que não tenha palavras pequenas em letras grandes com tudo desenhadinho – ainda mais que nesse texto não contem palavras de ordem ou gatilhos de histeria militante.
    Mesmo que algum desses Deltas consiga chegar ao final da leitura, duvido que consigam assimilar qualquer coisa útil. São tipo galinha, possuem dois segundos de memória RAM e aí precisa dar um refresh pros próximos dois entrarem.

    • Eu não escrevo pra lacradores.

      • Diego Diego

        De fato!
        Isso me gera um misto de alegria e tristeza….a tristeza é por ter um conteúdo de qualidade como esse, que está a um clique de distância de gente(?) que necessitaria desesperadamente de uma leitura como essa é nunca a aproveitará.

  • André Melo

    Parabéns por reativar o blog e só uma correção, Stephanie Wilson não esteve duas vezes na Estação Espacial Internacional, e sim três. Ela também participou da missão STS-131.

  • cloverfield

    “…Stephanie Wilson, mulher astronauta negra que não só visitou a Estação Espacial Internacional, como o fez duas três vezes, duas seguidas, nas missões STS-121 e STS-120 (as ordens foram trocadas não pergunte) e na STS-131.”

    Agora sei porque minha mãe ás vezes me olha com cara féia…

  • kleber peters

    “Eu até incluiria o Elton John mas não lembro se ele saiu do armário ;)” Mas… alguma vez ele entrou? Tipo o Marco Nanini da música internacional.

    • Manoel Guimaraes

      Ele já foi casado com uma mulher nos anos 80, acredite! (embora já se assumisse bi desde muito antes)

  • Cleyton verde

    adorei a volta do blog

  • Victor Hugo

    Em fevereiro estréia o Hidden Figures no Brasil, vamos ver qual vai ser a repercussão.

    • Carl Segão

      Caso lhe interesse, já tem DVDSCR na Locadora.

      Eu faço questão de ir ver no cinema, mas vai que…

      • Victor Hugo

        Vou querer ver no cinema também ou pelo menos em 720p

  • Hugo Marinho

    Obrigado, Cardoso por reativar o blog, passei meses visitando ele achando que vc escreveria e quando eu perdi a esperanças vc voltou . hahaha
    Valeu e ótimo texto.

  • Tiago Paixão Ramos

    Que pessoa desprezivel

  • Urdnot Huex

    certos limites são altamente perigosos, espero que tenham um plano de contingencia em caso de barraco dentro da estação, tipo ejetar o módulo

    • Ouvi dizer que descompressão funciona bem, também.