A Doida do Barril

Uma vez vieram reclamar comigo; esses meus textos exaltando mulheres inteligentes, corajosas, inovadoras não estavam ajudando, as mulheres “comuns” se sentiriam inferiorizadas. Eu sei, eu sei, modelos de comportamento, inspiração, etc. Por isso ignorei, mas em homenagem à reclamona, acho justo mostrar que nem todas as mulheres que entraram para a História o fizeram de forma incrivelmente heroica.

Annie Edson Taylor é uma dessas mulheres que ficou famosa por um feito que exige mais insanidade do que coragem, ou uma extrema capacidade de ser influenciado pelo Pica-Pau.

Em verdade a vida de Annie não foi muito feliz. Viúva, porém, honesta, seu filho morreu na infância, o marido morreu na Guerra Civil, quando tinham só 7 anos de casados. Ela sobrevivia como professora nos EUA do final do Século XIX, mas nunca conseguiu juntar muito dinheiro. Ela tentou vários negócios, até que teve uma idéia: Iria ficar famosa por seu feito OU cometeria suicídio em grande estilo, eram as únicas possibilidades naquele fatídico 24 de Outubro de 1901, data em que Annie completaria 63 anos.

Anunciando com antecedência ela reuniu uma grande quantidade de curiosos, jornalistas, fotógrafos para testemunhar sua tentativa: Annie Edson Taylor iria…

Descer as cataratas do Niágara em um barril.

Ela havia testado o barril dois dias antes, usando um gato. Sim, uma grande sacanagem, mas o gato ao menos sobreviveu, dando a Annie a esperança de conseguir sair viva. Foi essa esperança que a levou a entrar no barril. A tampa foi aparafusada, ar comprimido foi bombeado para ela ter mais o que respirar até ser resgatada, e o barril foi solto.

Levado pela correnteza o barril chegou até a borda e despencou 51 metros até cair no lado canadense. Uma equipe procurou até achar e quando abriram a tampa Annie estava no último fôlego. A aventura não havia durado mais de 20 minutos, a quantidade exata da sua reserva de ar.

Contra todas as possibilidades e certamente ajudada pelo colchão velho que usou para forrar o barril, Annie Edson Taylor se tornou a primeira pessoa a sobreviver a uma queda nas cataratas do Niágara dentro de um barril.

Annie tinha 63 anos, e teve uma fama relativa por um tempo, mas seu empresário fugiu com quase todo o dinheiro que conseguiram, o canalha levou até o barril. Depois disso ela sobreviveu de bicos, foi até cartomante, e ganhava uns trocados aparecendo na lojinha para turistas das Cataratas.

Ela sonhou com Fortuna e Glória, mas continuou na pobreza até morrer no hospital aos 83 anos. Talvez sirva de consolo que Annie seja hoje um exemplo de que com vontade e determinação mulheres podem fazer coisas tão idiotas como homens, e entrar para a História por isso.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Eu ri com o primeiro e último parágrafos mais do que deveria :)

  • Aeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee o/

  • JuNioR

    Hahahaha estou aqui imaginando a cena, como no Pica-Pau, Annie correndo atrás do seu empresário “Devolve o meu barril, ladrão!”

    • Willphill

      Marche!

  • Li o 1º parágrafo e ri. Ah, eu ri…

  • Vinícius Santos

    HAHAHAHAHAHAHAHAH Cardoso sou seu fã, falo mesmo!