Quando Papai-Noel enfrentou os nazistas

Uma das cenas que mais me impactou em Band of Brothers não foi a do campo de concentração. Era algo esperado, a gente já está ciente das atrocidades, não havia nada de novo ali para quem conhece um pouquinho de História. O que pegou fundo foi outro momento, que eu poderia perfeitamente ter deduzido mas que sumiu no Grande Esquema das Coisas: O efeito da guerra nas crianças.

Durante a Operação Market-Garden, que seria o Dia C, quando os aliados invadiriam os Países Baixos e dariam início ao grande contra-ataque o pessoal da Easy Company está patrulhando algumas fazendas, quando descobrem uma família abrigada no porão. Vendo que são aliados, todos ficam tranquilos. O pai puxa conversa, mas o garoto, de uns 8 ou 7 anos está tímido, intimidado pelos soldados. É compreensível, ele passou a maior parte da vida com medo de nazistas uniformizados.

Tentando ser simpático um dos soldados dá um pacote para o garoto, que pega e olha sem entender muito. O pai abre, devolve ao filho e os olhinhos dele brilham. O pai explica: “Ele nunca comeu chocolate”.

 

A guerra é especialmente cruel com crianças, para adultos é algo passageiro, para muitas delas é toda a realidade que conhecem, e essa realidade foi bem cruel com as crianças de Wiltz, Luxemburgo, que passou cinco longos anos sob domínio nazista, só tendo sido libertada pelos Aliados em Dezembro de 1944.

Com 6200 habitantes e menos de 20Km quadrados, Wiltz não era exatamente um ponto estratégico, mas os nazistas não ligavam pra isso e barbarizaram a cidade de contos de fadas até serem expulsos, mas nesse meio-tempo a vida foi dura pra todo mundo. Tão dura que os soldados do 112o Regimento de Sinaleiros ficaram chocados com o estado de desânimo, mesmo com o Natal chegando.

Os nazistas estavam fugindo, então era possível relaxar, e num momento desses o cabo Harry Stutz teve uma idéia: Iriam proporcionar às crianças de Wiltz algo que elas nunca tiveram: Um Natal.

Conspirando com vários outros soldados e com as autoridades locais, eles pegaram emprestado as roupas do bispo da cidade, e confeccionaram uma barba com cordas desfiadas. Um cabo chamado Richard Brookins foi voluntariado a se vestir de São Nicolau, a versão européia do Papai-Noel, e no dia 6 de Dezembro, dia do santo, desfilaram pela cidade reunindo as crianças.

A cozinha do Regimento preparou doces e bolos, que eram distribuídos pelo São Nicolau junto com as rações de chocolate doadas pelos soldados, incluindo tudo que conseguiram pegar dos pacotes de presentes que vinham dos EUA.

No final fizeram uma festa de Natal no Castelo Wiltz:

Foi o primeiro Natal daquelas crianças, infelizmente para muitas foi o último. 10 dias depois os alemães iniciaram um contra-ataque desesperado que se tornaria a Batalha de Ardenas, uma das maiores de toda a Segunda Guerra Mundial. Wiltz estava no caminho e foi arrasada.

Com o tempo as feridas cicatrizaram, os mortos foram enterrados e venerados e para os soldados que tiveram alguns momentos de paz levando alegrias às crianças da cidade, o momento era insignificante e ninguém lembraria disso. Só que Wiltz não esqueceu.

Todo ano a cidade faz uma parada onde habitantes locais de vestem de soldados americanos, de São Nicolau e distribuem doces e presentes, honrando os soldados que tanto fizeram pela cidade. Era uma pequena tradição local, celebrando uma nota de rodapé da Guerra, mas em 1977 conseguiram entrar em contato com Richard Brookins, e fizeram o convite: Uma última missão, ir a Wiltz e mais uma vez, fazer o papel de São Nicolau, como havia feito em 1944.

Ele foi, surpreso de alguém lembrar de algo tão pequeno, mas ouviu do bispo local que mesmo que Luxemburgo dure 1000 anos a história dos soldados que trouxeram alegria para as crianças e deram seu sangue pela liberdade não será esquecida.

A tradução continua até hoje.

Richard continuou visitando Wiltz por vários anos, reencontrando várias das crianças de 70 anos atrás. Ninguém em Rochester, NY sabia de suas aventuras, mas as crianças de Wiltz faziam questão de o conhecer, afinal não é todo dia que você pode afirmar com convicção que Papai Noel existe.

E agora, meu presente de Natal pra você: Richard Brookins não vai mais a Wiltz mas ele está vivo e bem, inclusive dia 9 de Dezembro agora ele contou sua história

, em NY.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Ah sim, se você tiver Bitcoins sobrando, também estou aceitando!

 

Leia Também:

  • Islan Oliveira

    Malditos ninjas cortadores de cebola. :(

  • Duendes assistentes do Noel e seus cortadores de cebola. Mal consigo vê-los.

  • Esse calor úmido do Rio de Janeiro é uma bosta, parece até que estou chorando.

    • Pobretano

      O frio de São Paulo não é muito melhor não…

  • cloverfield

    Papai Noel para as crianças.
    Krampus para os Nazistas.

  • Avelino De Almeida Bego

    Quem foi que jogou gás lacrimogênio aqui na sala?

  • Narc

    Nunca é um click perdido, nunca falha

  • RSPeres

    Porra Cardoso, covardia fazer marmanjo chorar :-(

  • Ivo Pontes Jr.

    Malditos ninjas cortadores de cebola

  • Márcio Chaves

    “Uma das cenas que mais me impactou em Band of Brothers não foi a do campo de concentração. Era algo esperado, a gente já está ciente das atrocidades, não havia nada de novo ali para quem conhece um pouquinho de História.”

    A imersão daquela cena pra mim foi tanta, que parecia que eu mesmo não conhecia campos de concentração assim como os soldados os descobrindo naquele momento…

    • cloverfield

      Me deu uma vontade enorme de rever essa série.
      Vou aproveitar os feriados e rever todos os DVD dessa história.

      Currahee!!

  • Silvio Luiz de Carvalho Filho

    Cardoso, como sempre texto fantástico, só muda onde diz:

    A Tradução continua até hoje, imagino que seja tradição.

    Agora deixa eu limpar o suor dos olhos.

  • Mario Neis

    Esse seriado todo é impactante, muito dificil chegar no final do último ep, ouvir o depoimento do winters e não bater o suador no rosto….

  • Reinaldo Matos

    A salada de cebola ta fazendo efeito só agora…

  • Reinaldo Matos

    A quem possa interessar… Ví que na Amazon tem um livro sobre esta história, tudo leva a crer que será minha proxima aquisição…

    https://www.amazon.com.br/American-St-Nick-True-Story/dp/1462117627/ref=sr_1_3?ie=UTF8&qid=1514303625&sr=8-3&keywords=richard+brookins

  • hbeira

    Senti o frio na barriga. D-:
    :-) Grato pela história.

  • eu assisti essa cena chorando. tinha já lido antes o relato de um holandês. ele disse que ele e a familia dele de seis pessoas comiam o que dava pra uma pessoa. era horrendo.

    quase tudo que plantavam em seu quintal era confiscado pra alimentar as tropas alemãs.

  • Davos, o lord cebolito!

    Foda!