Blogs: US$500 milhões em 2006 e eu estou entre eles

Assumindo que jornalistas paraquedistas só lerão o título, semana que vem estarei perguntando “é pro Fantástico?” e ouvindo “é sim”.

Mas… vamos à notícia completa: A Universidade do Texas, junto com a empresa de publicidade online Chitika, produziu uma pesquisa demonstrando que 1% dos blogs são responsáveis por 20% do faturamento total.

Examinando dados da própria Chitika, Technorati e outras fontes, usando um monte de fórmulas bonitas e cheias de símbolos de integral (o que torna uma fórmula cientificamente válida para a audiência leiga) concluiram:

Os 50.000 maiores blogs geraram US$500 milhões de receita em 2006.

A relação entretanto é cruel. Do mesmo jeito que a taxa de desemprego em Hollywood é de mais de 90%, e para cada Tom Hanks há 5000 John Smiths que trabalham pelo salário mínimo da categoria, estamos falando de um universo de mais de 80 milhões de blogs. Esses 50.000 representam 0,06%. Vejamos no gráfico:

contraditorium-graficoblogs2.jpg

Os números são mais detalhados. Desses 50.000 blogs, temos:

  • Os top 1% representam aproximadamente 20% da receita total.

  • Os top 5% representam aproximadamente 50% da receita total.

  • Os top 10% representam aproximadamente 80% da receita total.

  • Os top 15% representam aproximadamente 90% da receita total.

Vamos colocar isso em algo que todo mundo entende: Dinheiro:

contraditorium-tabelablogs.jpg

Lembre-se, são só médias, aproximadas. Obviamente a soma não bate, sendo que alguns blogs estão muito acima, outros (mesmo estando entre os top 50.000 do Techorati) estao muito abaixo desses valores.

Segundo a pesquisa um blog entre os top 1%, ou ranking até 500 no Technorati (o blogblogs, por exemplo) faturaria anualmente duzentos mil Dólares.

Já um blog como o Contraditorium, que está em posição 3556 no Technorati (ou entre os top 7%) faturaria US$80 mil anualmente, ou $6.666,66 por mês. Tem muita gente já dizendo que dado o 666 no valor, provavelmente eu faturo isso mesmo.

Sem muitos detalhes, ainda não. (ênfase no “ainda”, faz favor)

A pesquisa está sendo atacada como algo muito, muito chutado, e embora eu concorde com a tal regra 80/20, não acho que haja uma distribuição uniforme, mesmo entre os blogs top, ou os toptop. (não confundir com toptoptop, Marco Aurélio Garcia não é blogueiro) Há muita forma de monetização não facilmente mensurável, os valores variam de blog para blog, de post para post e de dia para dia, e como toda boa aproximação estatística, você puxa o cobertor pro seu lado, deixa a menina pelada.

Não estou acusando o trabalho de ser a clássica estatística de suplemento dominical de jornal do interior, onde se eu como dois frangos e você não come nenhum, estatisticamente cada um de nós comeu um frango. Mas os valores apresentados só devem ser usados com propósito humorístico, pseudopolêmico ou, no máximo, como uma visão global do quanto os blogs faturam, em uma blogosfera “de verdade”. US$500 milhões é um valor bem respeitável, se levarmos em conta que as estimativas para o comércio eletrônico no Brasil em 2006 ficavam na casa de R$3,9 bilhões.

Portanto, temos dois caminhos: Assumir a clássica postura cucaracha de ficar chorando pitangas (e não chorando pela Camila Pitanga, que é algo perfeitamente compreensível) de como ao contrário do Brasil os gringos entendem os blogs, como eles são respeitados, valorizados, fap fap fap…

Ou podemos entender isso como uma senhora oportunidade de crescimento, mostrando o quanto ainda há de espaço a ser desbravado no Brasil, quanto dinheiro ainda há a ganhar e como é excitante ser pioneiro em alguma coisa, aprender fazendo não por preguiça mas apenas porque… nunca foi feito antes. Sinceramente? Estou adorando, é dez vezes melhor do que ficar seguindo fórmulas prontinhas em livros do SENAC “como montar uma padaria”.

Vejam o ranking do Technorati. Não sou só eu, praticamente todos os grandes e bons blogs brasileiros estão nesse bolo dos Top 50.000. Alguém chegou lá chorando pitangas? Duvido. Público se consegue ralando, trabalhando e acertando mais do que errando, mesmo sem manual de instruções ou mapa do tesouro. O efeito colateral é que um blog com essas qualidades não é mais um diário ou mesmo um hobby. É um empreendimento, seja individual, seja coletivo.

Essa mudança de paradigma de blogueiro para blogueiro-empreendedor é natural, não dói e não traz as dores de cabeça de gerenciar uma padaria. Traz outras, mas a sensação de ser piloto e não passageiro, mais ainda, a sensação de ser o Exupéry e não um piloto da ponte-aérea é incomparável. Douglas Coupland, em seu excelente livro Microservos fala sobre esse sentimento. Ele chama de “sensação de ser 1.0” o que em tempos de Web 2.0 parece estranho, mas a graça É ser 1.0, ser inovador. Ser original.

Empreendedorismo pra mim é isso. O resto é Copy/Paste.

Via Techcrunch

Nota: Antes que o CCC – Comando de Caça ao Cardoso erice as penas, aviso que há um erro no título do post acima. O Techcrunch colocou $50, sendo que o documento original fala $500. Erro do Techcrunch. Sorry, periferia, eu não dou moles tão fáceis assim.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Ola Cardoso,
    Engracado que vinha discutindo exatamente isso com um amigo blogueiro aqui na Australia.
    Tudo comecou quando disse pra ele sobre o numero de hits que venho tendo no meu blog e o numero de subscribers que vem aumentando.
    A resposta dele (na verdade mais pergunta do que resposta) foi…quanto vc. esta lucrando com isso?
    Praticamente nada, essa eh a verdade, mas no meu caso tudo bem, tenho um emprego que garante o pao e o leite das criancas e o so o fato de ter pessoas me escutando, ou melhor, lendo o que escrevo ja eh o fator que me faz continuar escrevendo.
    Lei de paretto se aplica tambem a blogosfera, relacao 80/20. Isso eh bom, acho que o fato de pessoas como vc. que conseguem fazer dessa atividade alguma lucratividade eh que movem e fazem com que novos blogueiros com grande ideias surjam todo dia,
    De qualquer forma, se for 6.666, ou 666, ou mesmo 66 parabens.
    Abracos
    Lucio Dias Ribeiro

  • Poxa coloquei uma tag pegando-uma-aba-no-fantástico e não apareceu no comentário… talvez devesse colocar entre aspas… :-) A mensagem anterior ficou sem sentido e a equipe de produção do Fantástico não vai me achar no meio de tantos comentários… :-(

  • Engraçado, apesar de gostar de blogar eu já comecei pensando em faturar, afinal, se já existe gente que consegue por quê eu não conseguiria também? É trabalho duro, sou blogueiro em meio período, mas acredito que os resultados virão mais cedo do que espero.

  • Gosto muito da perspectiva que você dá ao negócio olhando-o sob o único ângulo que a mim também serve – o da blogagem-empreendedora (que ainda assim pode e deve ser divertida e prazerosa) – no qual você realmente (e indiscutivelmente) é pioneiro. Os dados estão lançados… façamos as nossas apostas! Como acredto que esse cenário seja capaz de atrair e desenvolver competências de fato (além de aventureiros oportunistas), acredito também que isso tende a aumentar exponencialmente a qualidade do que ainda leremos pela nossa blogosfera. E que os anjos digam amém. O resto fica por conta da seleção natural…

  • Cardoso,
    Eu curto experimentar a onda, de blogs. Não faço buscando faturar, mas para complementar e fazer contraponto com seus ganhos e sua posição de top-top-top (merecidamente fap fap fap) estou entre os 226.738 primeiros blogs do Technorati e faturo 5 dólares por mês.
    No sério, você e mais um monte de desbravadores estão realmente criando um modelo de negócio.
    Abraços e sucesso,

  • 80/20 = 4/1 ???

    Que merda, depois a física que é complicada….

    Cardoso eu concordo plenamente com você quando diz que chorar pitangas é besteira, quem reclama soa como se, na verdade, estivesse fazendo do blogar um trabalho quando na verdade é uma opção e possivelmente rentável…

    excelente texto

  • Cardoso, acho que quem "ensina" a montar uma hipotética padaria seria o SEBRAE e não o SENAC.

  • Cardoso, já viu esta reportagem?
    [http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u316830.shtml]
    Um abraço e boas escritas!

  • Viver de blogs é como ganhar na loteria, mas sem a parte da sorte

  • ehehehe, se em jornal de interior tratasse esse assunto agente tava bem eim Cardoso ;)

  • Lu

    Estar nos 50.000 do technorati não quer dizer que o blog virou um empreendimento, da mesma forma que emplacar uma fotografia em um livro não transforma ninguém em fotógrafo profissional. Se você não ganha dinheiro (suficiente) com a atividade, pode ser o nº 1, mas ainda terá um hobby, nada mais.

  • Pingback: Fazendo negócio na internet no meio de milhões « Salada Digital()

  • Luis Santos

    Aloha Chefe!

    Não tinha a menor noção de quantidades, nem de valores.
    Entretenimento e comunicação sempre envolvem números muito grandes.
    Alguns diriam "astronômicos" outros apresentariam o número correto.

    Observando comentários, há empreendedores e autores.

    Espaço para todos.

    "Melhor ter amigos que dinheiro no banco", mesmo,
    mas espera-se que estas opções não sejam mutuamente exclusivas.

    Sorte é para amadores. Isto nada tem a ver com sorte. Sucesso!

    E Aloha!

  • Rafael Netto

    Cardoso, estou comentando aqui sobre o seu post no outro blog sobre o colapso da internet. Estou fazendo isso porque no meu trabalho, toda URL que contenha o nome do site de relacionamentos é "access denied", e não pude nem usar o post seguinte porque o termo de três letras usado para designar homossexuais também é bloqueado.

    O que isso tem a ver? Com o colapso à espreita, traffic-shaping e outras coisas, é capaz que filtros desse tipo acabem sendo aplicados também em grande escala. Seria até bom pensar evitar colocar termos como esse nos títulos dos posts pra que ninguém seja impedido de acessar…

    Acho que no futuro o Brasil vai virar caso de estudo de História, o que acontece com um país em que a infraestrutura é deixada de lado, e como sobreviver a isso (se você pensou "jeitinho brasileiro" acertou).

  • @Rafael Netto: A pergunta: porque "o termo de três letras usado para designar homossexuais também é bloqueado"? Que bloqueiem url com "Orkut" é compreensível, mas gay?!

    A menos que tenham uma MUITO boa explicação, fica muito feio isso. E aí, satisfaz minha curiosidade?

  • Jhonatan

    Eu não vou fazer cadastro no meiobit com a finalidade de fazer apenas um com a finalidade de fazer apenas um comentário.

    http://www.meiobit.com/apple/teclado_inteligente_da_apple

    A Toshiba tem esse teclado faz um bom tempo já, porém, nada serve para nós que conversamos em português.

  • Confio em você, Cardoso. O 666 está mais próximo do que você imagina.

  • Estou em 22.000 no technorati. Agora quero ver minha grana.

  • Nossa, tanto dinheiro!

  • Pingback: COMO MELHORAR O FATURAMENTO DO ADSENSE | TOP TELA - CURTINDO VÍDEO ADOIDADO!()