Jornalista Picareta + Veículo Picareta – e nem é no Brasil

Se existe algo frustrante é ver um picareta se dando bem. Seja um esperto que monta um spamblog descarado e ganha dinheiro, seja um sujeito que tira onda de jornalista mas não passa de um FDP, e é acobertado por um veículo dito sério mas que se revela igualmente FDP.

É o caso do picareta da foto. O nome do verme é Alexis Debat.

contraditorium-picareta.jpg

Ele trabalhou durante cinco anos como consultor sobre terrorismo para a ABCNews, foi demitido dia 12/9 por problemas com suas credenciais acadêmicas. Tradução: maquiou o currículo.

Não, esse não é o principal problema. O problema é que ele publicou na Politique Internationale, uma prestigiada revista francesa, entrevistas que teria feito com:

  • Bill Clinton – ex-Presidente dos EUA
  • Nancy Pelosi – Líder da Câmara dos Deputados nos EUA (mais ou menos isso)
  • Alan Greenspan – ex-Presidente do Banco Central dos EUA
  • Colin Powell – ex-Secretário de Estado dos EUA
  • Michael Bloomberg – Prefeito de New York
  • Kofi Annan – Secretário-Geral da ONU
  • Barak Obama – Candidato a Presidente nos EUA
  • Bill Gates – Bill Gates

TODAS, repito, TODAS as entrevistas foram forjadas. FALSAS. Ele não entrevistou NENHUM desses. A entrevista com Bill Gates ainda está no Cache do Google.

Esse picareta simplesmente INVENTOU entrevistas. A revista engoliu e publicou. Coitados, não? Não.

Stephane Dujarric, Diretora de Comunicações interina para o Secretário-Geral da ONU disse para a ABCNews que em 2005 alertou o editor da revista, Patrick Wajsman, que a entrevista de Kofi Annan era falsa. A revista continuou a publicar matérias do sujeito, e uma segunda entrevista de Kofi Annan, também assinada pelo picareta, publicada dois anos depois, era na verdade composta de partes de um discurso do Secretário-Geral na Universidade de Princeton.

O Editor-Picareta disse à ABCNews que o problema com a entrevista do Secretário-Geral foi “talvez um problema técnico” ou “um mal-entendido”.

Já o Picareta-Debat diz que no caso do Obama usou um freelancer, que deve tê-lo enganado (coitadinho). Quanto aos outros, “A revista me pedia para mandar perguntas. Eles conseguiam as respostas, eu editava, traduzia e colocava meu nome na matéria”. Claro, claro.

Agora eu pergunto: Como a ABC, que é uma empresa séria, mantém um sujeito em sua folha de pagamento por cinco anos sem checar quem ele é, se ele faz o que diz fazer e se pelo menos ele tem o currículo que diz que ter? Se eu vou comprar um diabo de uma cafeteira no carnê, a Casa e Vídeo pede dois telefones de amigos ou parentes, e se ninguém atender dizendo que me conhece, eles não vendem. Será que comprar à prestação no Brasil é mais complicado que escrever para alguns dos veículos mais prestigiados da imprensa mundial?

E se a ABCNews está assim, como estará a situação nas redações tupiniquins? Tenho medo de pensar.

Fonte: Infoworld Tech Watch, ABCNews


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • A culpa foi do estagiário do RH pq não verificou o currículo do cara e no caso da entrevista foi o safado do freelancer, afinal, quem confia em freelancer, este só está acima do estagiário na escala evolutiva.

    Depois é o Brasil que não é um país serio.

  • E não é o primeiro caso, tem também aquele do New York Times que passou anos inventando entrevistas, eventos e até pessoas, até ser descoberto. Até filme fizeram sobre o cara, que por sinal escreveu um livro a respeito e encheu o bolso de grana.

  • Esse caso me lembrou aquele filme "Prenda-me se for capaz", em que o cara se passa por piloto, médico(!) e advogado. Por fim ele acaba sendo contratado pelo FBI.

    Picareta tem em qualquer lugar do mundo, temos que acabar com essa neura que o Brasil é pior que os outros países nesse aspecto. Não é.

  • Rafael Netto

    É capaz até que no Brasil isso não aconteça, porque aqui nós somos muito mais desconfiados em relação aos outros (o exemplo da Casa & Video é ótimo). Lá, confia-se cegamente no sujeito até prova em contrário.

  • A istoé já inventou uma entrevista com o Woody Allen, vale lembrar. A diferença é que lá isso vira escândalo, aqui não. Há muita coisa de suja na imprensa nacional, só que a gente não discute nem percebe.

    Repito: um jornal de interior dos EUA, tipo o Idaho Statesman ou o Kansas City Star, dá um banho em qualquer jornalão brasileiro.

  • Fabio

    Lembrei daquele filme Shattered Glass, que conta a história do Stephen Glass, que escrivia noticias falsas pro New Republic.

  • Pingback: Meu Google Reader - 07/09 - 17/09 | 30 & Alguns()

  • Fabio,

    eu lembro desse filme. Lembro que peguei ele por acaso na TV a Cabo. Acho que a história principal era de uma convenção de hackers que ele tinha publicado, e que nunca aconteceu, não é esse?

  • Fabio

    Highlader,
    Exato, é esse filme mesmo, em que ele inventa a história e procura provar algum jeito de enganar que a história era real(até cria uma página falsa para empresa que ele inventou), filme legal até, faz questionar sobre a validade das noticias.

  • Malditos chimpanzés!

  • Inacreditável

  • A maior questão é que não existe nada humano, 100% confiável. Todos estão sujeitos a falhas, enganos e etc.

  • Leonardo

    Cara a resposta obivia para a pergunta "E se a ABCNews está assim, como estará a situação nas redações tupiniquins?" é: Estadão.