Recadinho aos populistas cucarachos

Fazendo a cobertura corrida da Apple WWDC, me espantei quando Steve Jobs disse que o iPhone estaria disponível em alguns meses para 70 países do mundo. O melhor de tudo foi ver o mapa da cobertura, e reparar que os três maiores países latino-americanos que não servidos pelo iPhone são justamente os que ostentam "líderes" esbravejadores, populistas e pseudo-socialistas.

É, companheiros, que posso dizer? Parabéns!

 

iphonenao


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Pelof menof aqui teremof iPhonef disponível.

  • Grande sacada, Cardoso. Até quando estes três países vão continuar na contra-mão da história?

  • Seria o exemplo prático de "aqui fazemos, aqui pagaremos" ou coisa que o valha? Coitado do povo que, mais uma vez, perde por conta dos que estão lá em cima.

  • Em tais lugares, a miséria e a fome são companheiras constantes. COMO, em nome de Odin, a população conseguiria comprar um iPhone? E mesmo que comprem ali na esquina (aka Miami), o que fariam com ele?

    • Fabrício

      Vendendo as drogas que plantam no quintal?

  • Um

    A Venezuela se orgulhava de ser um dos países da América Latina que nunca tinha sofrido um golpe militar. Aparentemente o nível de corrupção atingiu um nível inaceitável e a população expontâneamente aceitou a intervenção militar e passou a rejeitar a democracia em que vivia.

    Os bolivianos tiveram inúmeros presedentes e interventores corruptos, sendo que um deles limpou o cofre do banco central. Acho que foi um general golpista que veio a morar no Brasil. Na época o Brasil sempre era o primeiro país a reconhecer o novo impostor, melhor…, o novo presidente.

    Os cubanos foram que meio que levados ao comunismo pela má recepção que Fidel teve de Nixon, quando congressista, quando ele veio aos EUA explicar a revolução cubana, que ainda não era marxista.

  • Não que eles estejam perdendo uma grande coisa.

    Mas qualquer coisa eles encomendam do nossos hermanos paraguaios.

    []´s

  • Então, seguindo essa lógica, os nerds devem estar felicíssimos com o governo Lula, que trouxe o iphone para o Brasil (pena que não é o F.H do C senão isso ia virar propaganda política messsmo)

  • Você acha que os povos dos países supre-citados teriam dinheiro para comprar o iPhone? E você acha que os países supre-ciados teriam uma estrutura econômica qu eviabilizasse o iPhone? Você acha que a decisão foi dos governos dos países supra-citados ou da Apple?
    Não são perguntas teóricas. Não sei memso. Quando um país, Bolívia, teve mais presidentes que anos de governo, ou seja, cada presidente durou menos de um ano, a gente fica ressabiada. Ou não?

  • Junao Rodrigues

    Nossa q tragedia! Não ter a liberdade de pagar uma fabula numa gadget superficial como essa com certeza deve ser a maior preocupação das pessoas desses paises.Na China com certeza c compra de tudo q vc quiser, falar mal do governo eh cadeia mas e dai neh? c deixam comprar IFone deve ser bom.

  • Pingback: Prioridades « Pedreiro de Plutão()

  • eugenes

    comentário infeliz de uma mente que se acha brilhante mas é pouco além de um autista. tao fetichizado (leia tio marx, fetichizacão da mercadoria) por seu gadgets, inutilidades e demais umbiguinhos tecnologicos que nao consegue ver um palmo além disso.

    que acesso a saude e educacão deveriam ser bens mais importantes que acesso ao ultimo modelo do iphone.