Decretada a morte da Coletiva de Imprensa

Mike Elgan, dono do www.therawfeed.com e ex-editor da Windows Magazine soltou o verbo em um artigo da InternetNews.com. Botou o dedo na ferida, mostrando como um dos eventos mais queridos da velha imprensa é totalmente obsoleto hoje em dia: A Coletiva de Imprensa.

“O formato da Coletiva de Imprensa é uma lembrança arcaica de uma era já morta em que a única ou melhor forma de agências do governo e empresas divulgarem suas informações para o público era juntar um monte de repórteres em um sala.” – Mike Elgan

Os eventos de lançamento são legais, claro. Eu gosto, os leitores do MeioBit gostam e as empresas gostam, pois a cobertura dos blogs em geral é muito mais completa, detalhada e pessoal que as da grande mídia, mas sendo puramente racional, qual a lógica de mandar (ou juntar) gente de outros Estados, às vezes outros países, para anunciar algo que poderia ser mandado por email ou no máximo pelo correio?

 

2705680662_49c2467a45

Buenos Aires, em uma churrascaria. Não se publica esse tipo de foto, exceto em blogs. Alguns.

 

“Jornalistas amam coletivas de imprensa, pois elas disponibilizam informação exclusiva para os veículos que tinham verba para mandar jornalistas. (…) Também envolvem algo muito querido para jornalistas: Comida grátis, bebidas e até viagens para locais exóticos – tudo pago, claro, pelos organizadores ou pelo veículo para o qual eles trabalham.” – Mike Elgan

Ele meteu o dedo na ferida, é uma coisa Clube da Luta, não se fala da comida e das viagens com tudo pago. É a primeira regra. Lembro do primeiro evento que cobri pelo MeioBit, o Microsoft Remix 2007. Foi a primeira vez que vi um texto sobre um evento de tecnologia falar sobre a comida e os brinquedinhos disponíveis.

Aqui há duas vertentes: Você pode assumir que eu sou um Paladino da Transparência, jogando de forma totalmente aberta, atacando o jabá e denunciando a hipocrisia reinante, ou pode assumir que eu estou escrevendo da forma que meu leitor gosta, e por não ter rabo preso E confiar na inteligência de quem me lê, me comportar de forma expon.. espon… natural.

Eu prefiro a segunda opção.

E também gosto de ganhar brinquedos, pendrives, bloquinhos, canecas (ouviu, INAGAKI?). Isso gera muita polêmica, pois há vários grupos distintos entre os frequentadores de coletivas:

  • Um também gosta e não tem problema com isso
  • Outro gosta mas não pode por imposição do veículo (a Abril, vamos dar o crédito, não deixa levar pra casa nem pendrive. Ahah, se ferrou, Bruno, eu tenho, você não tem… não sei o quê mas eu tenho)
  • Outro gosta mas não quer que saibam que ele ganha presentinhos, e não gosta dos blogs pois nós dizemos que ganhamos
  • Outro finge que não gosta
  • Outro não gosta mesmo, prefere sua parte em dinheiro. E às vezes leva.

“Roubar” uma caneta de uma coletiva é muito mais divertido do que receber pelo correio. Quando as coletivas acabarem perderemos essa grande forma de entretenimento, a famosa rodinha pós-evento “o que você pegou?”

Nota aos chatos literais: Não se “rouba” brinde promocional, é mais ou menos como cinzeiro de motel. Uma vez eu já estava com a coleção cheia, não me preocupei em levar. O garçon veio na hora do conta, viu todos no lugar, correu pra dentro e trouxe dois cinzeiros embrulhados “toma, é uma lembrancinha…”

 

“E finalmente, as Coletivas são uma plataforma para os jornalistas socializarem entre si” – Mike Elgan

Lembra um BlogCamp, não? Quando muitas vezes as apresentações são secundárias, e o melhor é o papo do corredor, conhecer gente que você lê, gosta e não conhecia (como no último, quando conheci o autor do Brontossauros em Meu Jardim).

Os eventos mais longos servem não só para socialização entre jornalistas (algumas vezes com fins reprodutivos) como para socialização entre a mídia, a assessoria de imprensa e as próprias empresas. Essa interação pessoal é MUITO boa. Saber que tem gente de carne e osso do outro lado do email ou do MSN é excelente. Lubrifica as engrenagens da máquina social, quase como o álcool.

Eu acho que a grande diferença é que nos blogs nós exploramos esse lado pessoal, falamos dele com sinceridade e -porque não?- até carinho. Nós gostamos das empresas, umas mais do que outras, um produto mais do que outro, como todo mundo. Por isso todo mundo gostava da coluna da Cora Ronai, no InfoGato&ETC, d’O Globo. Ela OUSAVA ser pessoal, dizia gostei disso, não gostei de tal coisa, tenho implicância com tal empresa…

Muita gente nos critica dizendo que essa postura não é profissional, que não é assim que um profissional sério de jornalismo deve agir. Quer saber? Exato. E esse é o segredo do sucesso dos blogs.

Então viva as Coletivas. Que morram como forma de mostrar novos produtos e renasçam como forma de dar uma cara às empresas. É isso que o Leitor 2.0 quer. Informação técnica? A gente pega do seu site.

* título corrigido, valeu pelo toque, Wallace.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Olá Cardoso,

    Eu acho as "Coletivas" e imprensa interessante. Mas você citou algo realmente interessante: "Porque não mandam o que tem pra falar por e-mail?".. seria tão fácil, rápido, e nem precisaria pagar hotel, gastar com brindes e comidas, etc.. e mais alguns etc…

    Além disso, claro, tem o tapetão… o que é o tapetão? Você sabe, em todas as coletivas de empresa, atrás dos entrevistados, tem um TAPETÃO enorme de propagandas de todas as empresas possíveis, se deixassem, até do papel higiênico "limputóba" teria…

    Vejo isso como uma forma, e boa, de se ganhar dinheiro com propagandas. Afinal, uma coletiva de imprensa é re-re–re-repassada diversas vezes, em todos os jornais, em todas as tvs, e ainda fotografrado por milhares… saindo também na mídia impressa..

    Bom, essa é minha opinião. Coletiva de imprensa é uma forma de expor algo, afinal já existem diversas maneiras de espalhar um simples "hello world" do que juntar um monte de esfomiado..

    Abraços,

    • mano.. sua idéia de coletiva de imprensa ( e não empresa ) se limita ao futebol.. estou certo?

      afff…

      • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Muito foda…

      • Eaê Avontz.. como andas a vida rapá…
        Não cara, não é só a fubebol não. Já assistir a diversas coletivas de imprensa. Não só jornalísticas. No entanto sempre tem um tapetão.. e olha.. Não é só no futebol não. Pode apostar… Apesar de nessa área ser campeã em propaganda….

  • Na verdade me parece que as empresas ainda não entenderam essa nova função para as coletivas/eventos. Em geral, ou tratam a ocasião como uma simples transferência de dados (dinheiro jogado fora), ou como um suborno aceitável, como se os quitutes e bebidas do evento garantissem uma menção positiva nos meios de comunicação (e geralmente garantem mesmo, vide o polêmico episódio dos iPods da Maria Rita).

    Esse novo ângulo (usar o evento para dar um rosto à empresa) é interessantíssimo, porém exige algumas qualidades nos dois lados da moeda. Jornalistas e empresas precisam ser transparentes e compreensivos.

    A compreensão vem com o tempo, porém com a transparência o buraco é mais embaixo. Não consigo deixar de pensar que os que tanto batalham pelo "profissionalismo" nas matérias, na verdade morrem de medo desse novo mundo. Ser transparente, ser pessoal, ser verdadeiro, é para poucos. E esses poucos desmascaram a falsa imparcialidade da maioria. Afinal, essa transparência só é provada quando se contraria alguém. Não dá pra ser verdadeiro agradando a todos.

  • "Informação técnica? A gente pega do seu site."
    exatamente.
    eu tou sofrendo porquê eu quero, cara, juro.

  • Acredito que na verdade seja mais uma publicidade do que coletiva de imprensa propriamente dito, até porque geralmente já se sabe muito dos produtos que vão ser lançados e ali estão fazendo uma "festa" de lançamento, com brindes, lanches enfim todas estas coisas que vemos…

  • Na mosca! A "birra" da maioria dos jornalistas com a Internet é que os seus empregos (À moda antiga) perderam a razão de ser. Notícias a gente busca nos sites noticiosos e análise a gente busca nos blogues… O jeito é se reinventar e buscar a mesma profundidade e confiabilidade obtida por alguns blogueiros, mas para isso é preciso abandonar essa idéia arcaica de "imprensa objetiva e impessoal". Todo jornal que não souber fazer isso está fadado a desaparecer. O melhor disso tudo é que sobrtarão mais canapés para nós .

  • Sempre achei estranho as profissões em que se tratam como "colega de trabalho" colega? Nunca entendi isso.
    Esse meu comentário nada a ver também, mas o post me lembrou disso caro colega :P

  • Eu penso na coletiva da maneira que você falou, como uma interação entre o produto/empresa/artista e o jornalista. É muito mais que mostrar um produto, é coletar o que outros pensam, como várias pessoas interagiram com aquilo.

    Sobre esta parte do seu texto:
    "Muita gente nos critica dizendo que essa postura não é profissional, que não é assim que um profissional sério de jornalismo deve agir. Quer saber? Exato. E esse é o segredo do sucesso dos blogs."

    Blog não é uma forma de jornalismo, é apenas mais uma ferramenta de comunicação. Quem pensa que blogueiro deve agir como jornalista, não tem nenhum crédito pra mim. Faço as palavras do Eduardo as minhas.

    :D

    Um abraço

  • Essa relação assossoria-jornalista JÁ mudou, pelo menos aqui em Recife. Não se faz mais coletiva por qualquer coisa. Envio diariamente dezenas de releases e em 99% das vezes tudo se resolve assim.

    A gente manda, liga para confirmar se chegou e fim de papo. Economiza-se muito trabalho e aumenta a rodutividade dos jornalistas e dos assessores.

    Coletivas agora só rolam quando algo sério tem que ser explicado. É claro que o bom jornalista não vai ficar sentado na redação esperando releases caírem do céu. Quem quer informação vai lá e apura.

    Socialização? Sempre tem o bar na esquina para isso. Não é difícil reunir todos os jornalistas do Recife =P

  • Interessante… nunca tinha visto as coletivas de imprensa como algo diferente de "venha, coma, converse e leve nosso brinde para perpetuar seu momento conosco". Afinal, pra quê convidariam pobres mortais como nós (não jornalistas) se não fosse pra isso? Nunca enxerguei as coletivas como algo sério, pra realmente convencer as massas e a imprensa de que o produto X é legal ou a instituição Y é tudo o que faltava na sua vida…

    Mas, na verdade, vim aqui nesse post pra falar outra coisa…

    Cardoso! Falando do Carlos Hotta de novo???? Assim vou ficar com ciúmes!!!! (do Carlos Hotta e não do fato de você estar falando dele e não de mim…) hahahahahaha

  • Aloha Chefe!
    Dois pontos de vista:
    1) "money for nothing and the chi… food for free" é uma proposta tentadora… para os que estão dentro. Acredito que não deva ser extinta, mas que, principalmente, alterem a lista dos "suspeitos de sempre". Do contrário, mesmo sem os eventos, seriam as mesmas pessoas recebendo as informações por e-mail, e todas com as mesmas informações, segundo o que foi apresentado. Apenas um "briefing" (terei errado?) sujeito a problemas de redação e interpretação? e;
    2) Existe ainda a questão dos contatos sociais, tantos entre os convidados, quanto aquele com a turma do lado de lá, que frequentemente acaba gerando alguma informação daquelas do tipo "Gordon Gekko", ou pelo menos "Megan Carter" em "Ausência de Malícia". A C.J. tinha seus contatos extra-oficiais, e às vezes rendiam muito, para ambos os lados.
    Aloha!

  • Não acho que as coletivas um dia vão acabar, expor uma idéia por e-mail, não deixa de ser uma boa idéia, mas nada como um jornalista meticuloso e bem informado para tirar dos entrevistados todos os segredos de uma noticia

    Durval – <a href="http://www.hotmastersound.com.br” target=”_blank”>www.hotmastersound.com.br

    • Você não vai a muitas coletivas, acertei?

  • Não vejo o fim das coletivas de imprensa tão cedo, bem como sua credibildade perante às empresas e meios de comunicação (isso inclui blogs). Vale lembrar que a maioria dos assuntos de blog são "pontos de vista" de determinada notícia muitas vezes anunciada em uma… "coletiva de imprensa".
    É muito mais vantajoso para a empresa chamar apenas jornalistas, pois sabem que bem ou mal, a notícia virá de forma "profissional" (quadrada, como costumo dizer).
    Se resolverem fazer coletiva com blogueiros as empresas vão pensar (f*deu)… Blogueiro escreve o que pensa da forma que bem entende sem ter que prestar conta pra ninguém, qual a vantagem se fazer uma "coletiva de blogueiros"?
    Para a empresa não há vantagem nenhuma. Por outro lado, o jornalismo "quadrado" fica alviado com esta situação e continuará falando bem do "produto" desde que vá pra casa de barriga cheia.

    • Galeno

      esses jornalistas são uns vendidos mesmo…

      • esses jornalistas são uns vendidos mesmo… [2]

  • Carlos Magno

    Em congressos os profissionais também saem com uma boa gama de brindes. Teve um que fui com meus amigos e a gente pegou em 5 dias mais de 10 quilos de brindes, guias e folhetos informativos. Em um a gente ganhou até um catálogo de produto. Sem falar nos contatos e ter que passar horas cadastrando cartões de visita. Eu ganhei uns 4 chaveiros lanterna, mais de 10 canetas e outro tanto de chaveiros comuns. E todo o material guardado em uma sacola também ganha num dos stands, forte o suficiente para carregar um gabinite.

    E realmente os contatos são muito bons, não tem uma empresa que eu chegue que eu não encontre alguém que eu conheci de vista.

  • Acho que o furo é mais em baixo. A própria imprensa está morta, mas ninguém teve coragem de enterrá-la, ainda. Justifico: gostaria muito de saber QUEM produz TODAS as notícias veiculadas na grande mídia televisiva. Todos eles divulgam as mesmas imagens com os mesmos textos. Sou levado a crer que poucas agências se dão ao trabalho de ir à cata das notícias e os veículos a comprá-las.
    Ouço os mesmos erros de português repetidos à exaustão em todos os telejornais. Quem a velha imprensa contratou para fazer o serviço dela? Eu gostaria muito de saber.

  • Coletiva de imprensa é algo totalmente sacal que a empresa organiza pra dar as informaçoes que lhe interessa e responder somente o que nao lhe compromete. Os jornalistas geralmente ganham um faz-me rir pra nao achar que foi total perda de tempo. Nao tem coisa mais chata que ir numa coletiva. Todos os veículos concorrentes estarao lá e falarao a mesma coisa, por isso, a nao ser que seja algo muito bombastico, tento dar o menos espaço possível dentro da página.
    A falta desse mesmo tempo, e em muitos casos a preguiça ou pura falta de interesse, dificulta a midia tradicional e "imparcial" buscar alguem para dar o ponto negativo do que foi divulgado.
    Nesse ponto está as vantagens do blog, onde o escritor faz as vezes de fonte, e ganha em agilidade e opiniao.

    • Galeno

      Realmente coletivas, em geral, são sacais. Mas servem pra criar aquele suspense no caso de uma revelação bombástica, e também para se aferir as reações dos entrevistados à perguntas ao vivo (já que ehj mto diferente perguntar cara a cara, do que fazer uma pergunta por a distancia,seja por email ou telefone).
      E queiramos ou não, a "isenção" jornalística age como "voz de deus" conferindo mto mais credibilidade ao texto.

      • E coletiva de imprensa é sempre uma boa oportunidade de falar com aquele cara que a assessoria nao te passa nem com reza brava. Por exemplo, em 30 min eu to saindo pra uma coletiva com executivos de um grande banco, ótima oportunidade pra repercutir a crise. Sem isso, a resposta padrão da assessoria seria "não estamos falando desse assunto"

  • E ao contrário do Isaias, nao acho a mídia tradicional morta, mas definitivamente respirando por aparelhos.
    Nessa luta contra a internet, ela tenta lutar com as mesmas armas e está se tornando cada vez mais superficial e obsoleta.
    Cabe à chamada mídia tradicional, televisiva, impressa e, creio em menor grau, radiofônica, se renovar e entender que seu espaço e buscar novos meios para lutar pelo tempo do leitor/audiencia.
    Se eu soubesse a fórmula mágica, com certeza seria um cara rico agora, mas parece que todos estao com medo de arriscar, inovar e buscar novos formatos e nichos. O imprensa está vendo seus números caírem dia a dia e prefere tentar nao perder muito a apostar alto no futuro

  • Falando do lado do público, de quem só assiste coletivas (não raro superficialmente, ou trechos em outras mídias) as respostas engraçadas que todos riem juntos (risos) só a coletiva permite.

    E, talvez isso soe meio purista, mas certas bagunças que o Bob Dylan fazia só foram possíveis por causa das coletivas.

    Enfim, sendo pessoal, para ser de blogs.

    E sendo (eu, no caso) um pouco menos pessoal e mais geral, o parágrafo final me pareceu uma boa síntese de um bom futuro p/ o método.

  • Olá, o seu blog foi indicado ao Prêmio Dardos. Veja mais detalhes no meu post mais recente. Beijos!

    • Vai lá, miguxo Cardoso!!!!

      • O Prêmio Dardos é a maior e mais significativa honraria que um blogueiro poderia desejar.

  • Coletiva de imprensa é muito engraçado! vc ri ou dorme na maioria das vezes. Lembro uma vez que fui a uma coletiva no Hotel Transamérica em Sampa (coletiva dos pilotos de F1 que antecede aos treinos e a corrida). Uma coisa ou outra aproveitei sem falar que fui um pouco intérprete para um amigo que não fala va inglês. o Bom mesmo foi os kits das empresas que pratrocinavam o evento (F1). Muito bom.

  • Alberto

    O nome do fenômeno que está acontecendo aqui é bem famoso entre os psicólogos, se chama: RACIONALIZAÇÃO.

    É o que acontece quando, por exemplo, a pessoa perde um braço em um acidente de carro e em seguida, pra facilitar as coisas, começa a mentir pra si mesmo: Ah, mas braço você tem dois mesmo… Tem muita gente que trabalha e faz todas suas atividades sem se mexer da cadeira… Tem algumas mulheres com taras por amputados…

    Aqui isto está evidente. O blogueiro não quer deixar de ganhar brindes e comer e beber de graça e aí passa a tentar racionalizar este comportamento, pra facilitar as coisas para sua "consciência": Ah, mas se eu não aceitar os brindes alguém mais vai… Ah, mas aquele champagne outra pessoa vai tomar se eu deixar ali sem encostar… Ah, mas eu vou dar minha opinião honesta sobre o produto, mesmo que eles me paguem uma viagem boa… Isso de ter que colocar "post pago" é um absurdo, pois o blog é meu e além disso eu não coloco "post não-pago" em todos os outros…

    • o nome do fenômeno acima é bem famoso entre os blogueiros, se chama "mimimimii"

  • Muito bom!!

  • Anna Freitas

    Amei esse seu texto sobre coletivas. Sabe que mesmo antes de me tornar uma jornalista (se é que posso ser considerada uma) já pensava dessa forma. Na verdade uma coletiva bem preparada e organizada tem todas essas faces e não se resume em apenas transmitir informação. Que venham os e-mails…mas torço para que a chama das coletivas mantenham-se bem acesas nesses tempos tão vrtuais…pois o calor humano e a troca de idéias "olho no olho" não têm preço…!!!!

    Um abração e parabéns.

  • O mau uso de um objeto não faz com que o objeto seja inútil. As coletivas são um método interessante, não se pode condenar o formato, é só fazer bom uso do mesmo.

    • concordo que o mau uso de um objeto não faz com que o objeto seja inútil. isso é absolutamente correto.
      por outro lado, estou tendo dificuldades de achar um bom uso, por exemplo, para a minha máquina de escrever portátil.
      :-)
      existe bom uso para o que está ficando obsoleto?

  • É só dar uma conferida nos sites de notícias tentando analisar algum evento que acontece na Web, e ver cada coisa grotesca que escrevem!!

    Este modelo tem que ser aposentado, que seja criada a coletiva de Blogueiros!!

  • A mídia tradicional tem lá o seu valor, vai!

  • Não sei se você precisa de um blog desses, mas como li seu post e parece que você é um dos nossos, principalmente por estar envolvido com imprensa, nunca é demais dar uma passadinha no Revelia né? Abraço!

  • Paulo Ramos

    Coletiva de imprensa é importante sim, ou vcs preferem que a assessoria nos envie um release mastigado e pasteurizado para escrever?
    Nas coletivas de imprensa, vc conversa com executivos, opera os produtos (que normalmente só grandes veiculos Testm) APURA a informação e outros dados com os colegas, ou vcs acham que da para mexer num notebook via webcast?
    Existem sim varias coletivas online para divulgação de numeros, mas ai não consegue "apertar" o executivo para mais informações.
    Parem com esta imagem distorciada que se ganha notebooks e celulares nas coletivas, ISSO NÃO ACONTECE NO BRASIL!
    No maximo pen-drive que vem com o release gravado ,bloco e caneta, ou alguma tranqueira inutil.
    Então gente vamos acordar para mijar, COLETIVA NÃO MORREU E NUNCA VAI MORRER!! PARA DE CHORAR,BLOGS SÃO SIM CONVIDADOS PARA COLETIVAS,BASTA TER RELEVANCIA!

    • Aqui vemos um caso clássico de jornalista escondendo o Sol com a peneira. Isso ninguém ganha nada, magina. Tudo coisa inútil, como celular da Motorola.

      • Na real, esse tipo de coisa não se ganha em coletiva mesmo, o amigo de cima tá certo. No máximo pen drive de 1 gb e olhe lá.
        Geralmente eles enviam os melhores jabás direto pra redação no teu nome.
        Abraço

  • O brabo das coletivas é convencer um monte de jornalista que vale a pena gastar um horror de tempo que não têm em troca de um material nada exclusivo. Que nada.

    No futuro, só teremos blogs em coletivas de imprensa. Os veículos de verdade ganharão exclusivas no dia anterior.

  • Essa é boa em?

    Ninguém vai morrer, é apenas uma complementação.

    Blgos ainda são vistos em varios lugares como algo para escreve informalmente!

  • Paulo Ramos

    E isso mesmo, coisa inútil como celular da Motorola. Ao inves de ficarem chorando porque seu blog não foi convidado para uma coletiva,tente entender os motivos e não ficar reclamando e tudo mais.
    Existem varios eventos onde somente blogs são chamados, e o jaba rola solto, porque é mais facil e barato um blogueiro do que um grande veiculo, onde o valor é muito mais alto.
    Morei muito tempo lá fora, escrevendo para varios sites, lá fora sim rola jabá, qualquer lançamento de celular e voce volta pra redação com um na mão, notebooks para testes nunca faltam.
    Então não tentem comparar aqui com lá fora. Alias conheço muito blogueiro famoso que é tremendo jabazeiro.

    • Paulo, você não está entendendo. Os blogueiros no Brasil SÃO chamados para coletivas. Inclusive eu. Semana passada mesmo estava em SP na coletiva da Positivo, estamos no mailing de um monte de assessorias de imprensa.

      No mínimo tira-se um excelente almoço.

      Acho que você deveria tentar entender MAIS o mundo dos blogs, verá que o custo gasto por cabeça em um evento para blogueiros é bem maior do que um para jornalistas, pois nós admitimos que gostamos da boca-livre SIM. Por isso ela precisa ser boa, como o evento da LG de Stand-Up Comedy.

      De resto, gostaria que você dissesse aqui QUEM são os blogueiros famosos jabazeiros, que você diz conhecer.

      • Em coletiva de jornalista, o cardápio é sempre o mesmo: carne com molho madeira. Isso quando a coletiva não é durante o almoço e não se tem tempo nem pra comer. Tiram seu prato enquanto vc tá escrevendo

  • Paulo Ramos

    Cardoso, na boa, vc estava na coletiva da positivo, serviram algum prato diferente para os blogueiros e outro para jornalistas??
    Para com isso,o evento é o mesmo,as informações são as mesmas,o que difere é a pauta que vc tem da coletiva (negocios,produtos,economia) isto quem faz é o jornalista, que tem que espremer o executivo para soltar alguma informação é ISSO SÓ ACONTECE NA COLETIVA, pq no dia-a-dia a assessoria vai te barrar de todas as formas.
    Me explica uma coisa, então blogueiro só vai na coletiva pela boca livre e o jaba??
    Cardoso, vc esta nivelando por baixo todos os blogueiros que conheço, não faz isso não.

    • Paulo, você não entendeu: Em eventos só pra blogueiros a comida é melhor. Me avise que no próximo eu te coloco pra dentro.

      Quanto à Coletiva, vi um monte de gente perguntando tudo que o pessoal da Positivo queria dizer. A ÚNICA voz dissonante foi o Heinar, da Windows Vista, que perguntou sobre a queda de 80% nas ações da Positivo, e ficou climão.

      Leia a bosta do meu texto e você vai entender o motivo de coletivas ainda existirem: SOCIALIZAÇÃO. O almoço é MUITO melhor do que a entrevista. Te garanto que 100% das matérias que saíram se basearam nos releases, não nas perguntas, que aliás estavam todas respondidas no material de apoio.

      Aliás, você não disse quem são os blogueiros famosos jabazeiros. Dá pra dizer?

  • Paulo Ramos

    Caramba Cardoso, o cara do Windows Vista deu uma "chupada" na materia da Camila Fusco, da Exame, todo mundo sabia o motivo da queda de 80% nas ações da Positivo, pelo jeito ele era o unico que não sabia.
    Sim, o release serve como base para a pauta, como as informações mais tecnicas, mas só um Editor Bosta vai deixar subir uma materia copiada do release.
    São mundos diferentes Cardoso, jornalista tem um chefe FDP, tem a parte comercial e varias coisas envolvidas numa materia, já blogueiro não tem isso, pode escrever o que quiser.
    Para vc ter uma ideia, os "grandes veiculos" foram embora antes do almoço, pq tinham q voltar para redação, a unica epoca em que jornalista se socializa são nos almoços de final de ano.
    Aproveitando, não precisa "me colocar para dentro" e também não dou para dizer quem são os jabazeiros.

    • A tal socializaçao só vale a pena quando se sai da redaçao com outra pauta que nao tem nada a ver com a coletiva. Muitas vezes se vai para ouvir o que o cidadao tem a dizer e, ao final, tentar falar com o figurao pra fazer meia duzia de perguntas, sem outro reporteres junto de preferencia, e tentar sacar algo mais que nao foi dito no evento e dar um abre de página que ninguem mais tem.
      Almoço de coletiva, só quando nao se tem mais uma ou duas matérias pra resolver antes do fim do dia, no que os blogs tambem levam vantagem…

  • Paulo Ramos

    Só completando, o Zé esta certo, voce não ganha jaba bom em coletiva, estes são enviados ou para redação ou para a casa do jornalista.
    Tem outra, a coletiva da Motorola que distriburam celulares, foi somente para jornalistas "famosos" a ralê nem ficou sabendo.

  • Quem sabe um dia havera um convite para os blogueiros mais desfavorecidos.