Pro G1 é Trem Bala vs 14 Bis

Estava lendo esta matéria do G1 sobre o tal Trem-Bala entre Rio e São Paulo. A idéia de transporte ferroviário rápido por si só é interessante, mas assim como Tsunamis, prefiro que aconteçam no Japão, onde há competência para lidar com eles. Lembre-se, o Brasil ainda não começou nenhuma obra importante pra Copa do Mundo, e já estamos na metade do prazo. Nós conseguimos atrasar a Nau do Descobrimento, aquela caravela que comemoraria os 500 anos do Descobrimento. Tivemos MEIO MILÊNIO para construir o negócio, e não cumprimos o prazo.

Um trem se movendo a 400Km/h cercado de gente que acha divertido atravessar trilho de trem com a composição passando, motoristas que não acreditam em sinalização ferroviária e caminhoneiros que sempre acham que “dá sim” e tentam ultrapassar o trem no cruzamento? Desastre em potencial.

Como podemos chamar de desastre a visão da Aviação que o G1 tem.

Não sei se é necessário diploma para checar fatos, mas com certeza não é preciso para usar o bom-senso.

Vejam o parágrafo final da matéria:

O tempo de viagem do Rio a São Paulo, com velocidade média de 280 km/h, será de 93 minutos. De avião, o mesmo percurso é feito em 110 minutos. A velocidade máxima prevista do trem-bala é de 350 km/h.

OK, continhas.

93 minutos dá 1h33min. Um tempo bem baixo. Tão baixo que é abaixo do tempo gasto se fosse feito na velocidade média:

280  / 60 = 4,66Km/minuto

4,66 * 93 = 434Km. Faltam 77Km.

Se o percurso for feito na velocidade média de 280Km/h, ou 4,66Km/minuto temos:

511 / 4.66… = 109 minutos

1h49min

O tempo da viagem já aumenta em 19 minutos.

Vamos agora à parte divertida:

De avião, o mesmo percurso é feito em 110 minutos.

AHMMM?

511Km / 110 = 4,64 Km/min

4,64 * 60 = 278 Km/h

Um Airbus A320 tem velocidade média de decolagem de 275Km/h. Um 737 tem velocidade mínima de sustentação de 222Km/h. Velocidade de cruzeiro de 780Km/h.

O estagiário do G1 entretanto viajou em um avião 3 vezes mais lento. Será a Barrichello Airlines? Não, uma MacLaren é recordista tendo atingido 387,5Km/h e Schumacher ganhou o GP de Monza em 1998 mantendo uma MÉDIA de 237,59Km/h. Lento, mas definitivamente não tão lento. Faria Os 511Km de Rio-São Paulo em 2 horas.

Sabe quem voa a 278Km/h, G1? Um Cesna 206:

Cessna-206H

Portanto, fica a dica: NUNCA subestime seu leitor, principalmente se houver a remota possibilidade de algum deles já ter voado na ponte-aérea e percebido que não levou UMA HORA E QUARENTA MINUTOS para chegar em São Paulo.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • os haters sabem o que perguntam, mas o fazem da maneira errada: ei, você não dorme (no ponto), hein?

  • Fora o óbvio comentado pelo Cardoso, a ideia do trem bala por si só é uma pantomina. Fazer um trem bala justamente entre duas cidades já interligadas por ponte aérea faz do Brasil uma piada, pagar 32 bilhões por isso, faz do brasileiro otário. Trem entre Sampa e Campinas ou Rio e Niterói, ou interligando aeroportos ainda vai, mas em pleno século 21 um país de dimensões continentais e sem planejamento nos últimos 500 anos não pode começar a pensar como a Europa de meados do século XX.

  • Murdock

    O estagiário nunca viajou pra SP de avião pelo jeito.

    Sobre o trem bala, outro medo medo que se tem é o roubo de cabos nas linhas, essenciais para manter o campo magnético. Imagina, nas terras de ninguém entre RJ e SP um capiau rouba os cabos de um trecho do trilho pra vender no ferro velho?

  • Que tenso. A pessoa que escreveu isso não teve aulas de física.
    E eu definitivamente não teria coragem de andar no trem bala brasileiro.

  • Jornalistas, né? Vai esperar o quê?

  • Lucas Fialho

    Uma hora e cinquenta, Cardoso. Esqueceu de fazer a continha também?

  • tigerii

    Cardoso, você colocou o tempo perdido desde o check-in, taxeamento do avião e derivados? Voar é fácil, sair do chão aqui no Brasil que é dificil.

    Acho que eles levaram em conta isso na reportagem (até a wikipedia fala desse fator), só não colocaram "detalhadamente".

    • carloscardoso

      AH, claro, pq trem não terá checkin, tempo pra chegar e sair das estações, desembaraço de bagagens nem nada.

      • Cristiano

        Bem menor.

      • Hugo

        Exatamente, a viagem de trem provavelmente será mais rápida pelo fato de que em um serviço de trem não há checkin nem desembaraço de bagagens (pelo menos em outros países é assim).

        Claro que não vou isentar a reportagem dos erros…
        Em uma outra reportagem estava assim:
        O tempo de viagem do Rio a São Paulo, com velocidade média de 280km/h, será de 93 minutos contra 110 minutos por avião (incluindo o tempo de vôo e espera para embarque e desembarque). A velocidade máxima prevista do trem-bala é de 350 km/h.

        Ou seja, essa reportagem do G1provavelmente foi editada e removeram a parte do ˜incluindo a espera para embarque e desembargue"

  • lucas

    vai ver ele contou no tempo o checkin, compra de passagem, filas …

    • Como no trem não tem checkin, você embarca no trem da sala de casa e não precisa comprar passagem afinal a Dilma vai pagar tudo, não teremos esse problema, não é isso?

      • Cristiano

        Trem só tem um no trilho. Aviões decolando tem espera.

        • sratoz

          Exceto que trem não tem só um no trilho. Daí pátio de manobra junto às estações. Daí o metrô do Rio ficar parado entre Praça Onze e Central, esperando o outro passar à frente.

  • Mark

    O tempo de check in deve ser considerado, mas a influência maior é o tempo de embarque. Sério, ao contrário do avião onde entra-se por uma única porta (ou duas, mas aí tem que contar o ônibus e a escadinha também), passageiros e bagagem entram rapidamente num desses trens. Não raro se leva mais de meia hora para embarcar num vôo regional, depois que ele parou no finger.

    Outro fator é o tempo parado na pista. Na ponte aérea, já passei mais tempo dentro do avião, esperando para a torre liberar a decolagem, que voando até o Rio.

    Esses trens são muito eficientes e ideais para ligar centros urbanos de alta demanda — a Alemanha que o diga! — mas não funcionarão no Brasil porque não temos a competência germânica. Simples.

  • Dany Lederman

    Eu não teria coragem de andar em um trem bala aqui…

    • Cristiano

      Tem gente que diz isso de avião até hoje.

  • carlos

    Cardoso, a distância entre Rio e SP dá 430 km.

  • Com certeza um checkin de trem é muito menos complicado que o de um aeroporto. Quem já viajou de trem (mesmo não sendo trem bala) sabe que é muito muito mais rápido que o checking de Congonhas. Tudo que envolve aviação é mais complicado e a preocupação com segurança é realmente maior. Aliás, quem quiser um exemplo, basta ir até Gard du Nord em Paris e fazer um "checkin" para Londres no trem bala e depois ir até o Charles de Gaulle. Vai perceber que é bem mais rápido embarcar no trem e vê-lo partir do que as mil etapas que envolvem um vôo Paris/Londres no aeroporto.

    Mas o fato central é: o G1 é uma merda mesmo. Tanto lendo-o em um segundo ou em um bilhão de anos luz. Parabéns pelo artigo.

  • Vejamos: Km é kelvin-metro, enquanto km é quilômetro.

    =¬)P

    Agora sério: do ponto de vista meramente tecnológico, o país precisa mesmo do tal trem-bala. O metrô de São Paulo veio tardiamente em comparação com outros trens subterrâneos, mas hoje até exporta tecnologia.

    É viável comercialmente? A longo prazo e apenas no trecho Rio-Sampa.

    Fico triste em saber que a única cousa boa do sistema ferroviário brasileiro se limitará às megalópoles do Sudeste, enquanto o restante do país fica na ridícula bitola métrica: a bitola padrão (1,435 m) permite não só o trem bala, mas também melhores e maiores trens de carga que a bitola métrica!

    Sobre G1 e Globo: basicamente o que pensam sobre o QI da maior parte da população brazuca é que somos o país do Homer Simpson, então tentam informar da forma mais “divertida” e colorida possível.

    • Eu acho que este trem bala Rio-Sampa está saindo caro demais. Durante muito tempo ele será bem mais caro que a ponte aérea. Já ouvi falar em passagem custando R$ 0.50 centavos por quilômetro, o que dá mais ou menos 250 reais a passagem só de ida.

      Porém alguma coisa tem que ser feita. Se um monstro caro desses puder mais tarde provar que o transporte ferroviário no Brasil é interessante, que seja. Talvez quem saiba tenhamos algum dia transporte eficiente e barato até o Espírito Santo, Bahia, Belo Horizonte, Natal, Rio Grande do Norte, Ceará…. Quem vai possibilitar isso é o trem Rio São Paulo.

      Já fiquei quase 5 horas no Galeão esperando um vôo para Fortaleza que atrasou. Prefiro ficar 8 ou 10 horas num trem e ter a certeza de chegar lá no horário certo do que pegar um vôo que pode levar entre 4 e 12 horas, talvez quem sabe, se o tempo tiver bom…

      No Shinkansen, se você perde um trem e pode esperar por outro uma hora depois. Aqui a gente tem que sair de casa 3 horas antes (pode ter engarramento na Dutra/Brasil) e ainda arriscar a passar o dia mofando no aeroporto. Minha esposa já chegou a passar mais tempo esperando a bagagem na esteira que o tempo de vôo.

      E por falar em bitola, pra mim o trem tinha que ter a maior bitola possível e viável. Fico com muito medo do Trem Bala Rio-São Paulo ser um trem da central pintado de branco.

      • Bom, a bitola padrão já é suficiente até para o Shinkansen, porque não o seria para cargas?

        ;¬)

        No mais, a intenção do trem-bala Rio-Sampa é mesmo beneficiar o transporte ferroviário e espero que o faça. Mas duvido que tal trecho fique pronto até as Olimpíadas.

  • Aloha Chefe!
    Nota mental: não que eu esteja defendendo estagiários, meu nível de heresia não vai tão longe, mas…
    Comentando:
    1) Nosso trem-bala deve circular abaixo dos 280, e não aos 400 km/h;
    2) O projeto concebido da linha é sem interferência e "quase" blindado;
    3) os 511km RJ-SP são por estrada, e o trem deverá ser bem menos sinuoso, logo, mais curto;
    Dos comentários:
    4) A opção não é por pura "eficiência" ou "custo-benefício" mas por aquisição de tecnologia, no único mercado viável;
    5) O modelo de trem NÃO deve ser o mag-lev, na melhor das hipóteses um TGV;
    6) A previsão é de, no futuro, com know-how, expandir novas linhas, especialmente entre cidades, menores e ampliar o mercado, mais composições, diluindo custo unitário de produção;
    7) TODAS as novas linhas da malha ferroviárias são de bitola larga (1,60m), algumas com bitola mista (1,00m e 1,60m) para permitir o compartilhamento da malha por algum tempo;

    Sim, é um brinquedo muito caro.
    E, sim, algum estagiário BEM fraquinho ficou (ir)responsável pelos números.

    Aloha!

    • “Bitola larga” não, bitola padrão, amigão!

      LOL

      Cuidado com a especulação: quanto maior a bitola (padrão é 1,435m), mais cara fica (1,60m? Estamos na Índia ou na Sibéria?).

      Bitola métrica percorre a maior parte do Brasil, infelizmente: com ela não dá para se pensar em trens elétricos de grande velocidade… Só em trens lentíssimos (60 km/h) a diesel.

      Ninguém inteligente citou o inviável mag lev nos comentários, acho.

      ;¬)

      P.S.: Algumas novas obras ferroviárias no Brasil ainda são de bitola métrica, infelizmente. O metrô de Fortaleza quer aproveitar os trens antigos, infelizmente. E sem terceiro trilho para uma bitola mista.

      • ?!?!??!?!?!?!
        Bitola LARGA = 1,60m.
        Velocidade Diretriz = 80km/h.
        Mag-lev = aqui, nem pensar.
        TODOS OS NOVOS PROJETOS são em bitola LARGA (1,60m).
        Repetindo: ?!?!??!?!
        e
        Aloha!

        • Todos os novos projetos aonde?

          A bitola padrão é 1,435 m e será a utilizada nos novos projetos sérios do Brasil.

          Bitola maior que essa só a russa (1,524 m) e a indiana (1,676 m).

          Não é aceitável colocar 1,6 m pois é algo que não é utilizado em outra via férrea no mundo.

          Simples assim.

          • FNS, FIOL, FICO, Transnoerdestina (mista, 1,60m e 1,00m). Ferrovia do Frango, "Transpantaneira".
            Ou se Preferir, EF-151, EF-334, EF-354, Ef-232, EF-485 e EF-267.
            TODOS OS NOVOS PROJETOS. (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11772.htm#art1) e (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ferrovia)
            Nossas bitolas são métrica (1,00m) e Larga (1,60m).
            Metrôs e trem-bala realmente usam bitola padrão, mas não são, nunca foram e nunca serão, destinados a carga.
            As linhas principais da Supervia, passageiros, Central-: Japeri, SantaCruz, Saracuruna, BelfordRoxo = BITOLA LARGA – 1,600m. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Supervia)
            Encerrando: Locomotivas na Vale (antiga CVRD): http://www.trem.org.br/lista01/iglefc01.htm
            Grande abraço e
            Aloha!
            p.s. "Simples assim."

          • Ok, você ganhou as batatas.

            ;¬)

            Metrôs e trem-bala não são destinados ao transporte de cargas, mas isso não quer dizer que os mesmos trilhos não possam ser usados para tal, seja diretamente (trens de carga a compartilhar o mesmo percurso) ou indiretamente (exportando tecnologia de construção de composições férreas).

            B¬)

            Apenas lamento a escolha dessa bitola larga exclusivamente brasileira, assim como lamento mais ainda o uso da bitola métrica na maior parte das vias férreas do país.

            Não acredito que apenas 200 km de ferrovias no país utilizem a bitola padrão, enquanto outros 23.000 estejam encalhadas na bitola métrica e que seriam previstos 4.000 km de trilhos novos nessa exclusiva bitola larga. Lamentável, Brasil.

            =¬/

            P.S.: eu sempre desconsiderarei qualquer link para o wikipedia lusófona e se tu não indicasses os outros links, em especial o último, eu continuaria a discutir contigo, provavelmente em vão. Meu conselho é: evite usar a wikipédia em português numa discussão, ela não é confiável.

            P.S. 2: o metrô de Fortaleza vai na contramão e utilizará a bitola métrica, infelizmente.

          • Aloha Emanuel!
            Eu vivo disso.
            Os links são apenas para que vc não precise confiar na minha palavra.
            Ainda não disponho desta referência.
            E informando, capacidade de carga e velocidade não são exclusivamente bitola e potencia de motor, mas principalmente geometria.
            Lembre, há vida inteligente do outro lado da linha.
            Aloha!

          • Pensando em você, dei uma boa olhada nos textos da Wikipedia hoje sobre bitolas e vi que deram uma melhorada e, embora o pessoal por lá não tenha fornecido referências, os textos me pareceram até confiáveis.

            Mas tenho um problema de paranóia que não me larga.

            Um abraço!

      • Fernando Gonçalves

        Na verdade a bitola influi na velocidade, mas existe uma medida que a partir daí há problemas de desempenho nas curvas e de manutenção; no caso menor que 1435 e maior que esta, creio que a bitola mais apropriada seria a standart de 1435 cm.lembrando que na austrália a ferrovia que mais transporta no mundo é bitola metrica a bcp bilinton e que no estado de quinsland há uma ferrovia de bitola métrica que os trens correm a 230 km /hr

  • Cardoso sintetizou tudo:
    'Um trem se movendo a 400Km/h cercado de gente que acha divertido atravessar trilho de trem com a composição passando, motoristas que não acreditam em sinalização ferroviária e caminhoneiros que sempre acham que “dá sim” e tentam ultrapassar o trem no cruzamento? Desastre em potencial.'
    Ésse é o Brasil.
    Quanto aos aviões, em fevereiro viajei de Porto Alegre a Montevidéu (877 kms.) em uma hora e sete minutos.
    Quem dizer que ir do RJ a SP em avião demora 110 minutos, nunca viajou de avião na vida.

  • ivan junior

    Uma coisa é fato, o estágiario está com pontos negativos.

    • ?!?!?!?!
      Estagiários SÓ TEM pontos negativos!!
      Querem incluir uma alteração nova definição de estagiário" nos dicionário: "coletivo de erro."
      Aloha!

  • Até está certo a sua conta cardoso.

    MAS acredito que o tempo do avião está maior porque avião não é só chegar no local e descer. O procedimento de pouso leva no mínimo 10 minutos, sem contar eventuais filas de aviões. Portanto pode estar aí a diferença, já que com um trem não há procedimento de pouso.

    Fora isso, também acho que trem bala no Brasil é utópico. 5 anos depois da criação do Trem veremos manchetes de um acidente com um trem a 400km/h que não tinha manutenção a 2 anos. Aí culpamos Deus, denovo.

  • francelino

    zzzzzzzzzzzzzzzzzzzz