O Escritor Gregório de Matos Solta o Verbo sobre o BBB

Saiu nas páginas amarelas da Isto É, o recluso e genial escritor Gregório de Matos, autor de clássicos modernos como Saudades Mortas e Norte das Águas se cansou do baixo nível da TV Brasileira. Redigiu um comunicado que está sendo divulgado pela mídia. É curto, objetivo e vale ser lido:

 

gregoriodematos

Tristes Trópicos – por Gregório de Matos

É sabido que desde a morte do grande apresentador e empresário de TV Flávio Cavalcante em 1978 a TV brasileira vem de mal a pior. Que meus amigos do meio não me entendam mal; tal qual os surrados soldados americanos sofrendo nas mãos dos chineses no clássico filme sobre o Vietnã “Ponte do Rio Kwai”, os profissionais tentam fazer o melhor, mas quando a própria direção orienta que o trabalho seja sujo, nada mais pode ser feito.

Esse programa, esse Big Brother de nada lembra a sociedade descrita por Aldus Huxley em seu romance homônimo. Estamos emburrecidos enquanto povo e os “brothers” só espelham isso, mas um espelho é muito mais do que algo que reflete. Um espelho também inspira. E me deprime o que esse Big Brother inspira, acreditem.

Claro, não vivemos mais o tempo bárbaro onde autores radicais como Balzac e Oscar Wilde pregavam fogueira para homossexuais, mas a depravação nesse programa está descabida. Depravação essa exacerbada pelo álcool, “maior inimigo do Homem”, nas palavras do grande cordelista Jessé Gomes da Silva Filho, meu fiel companheiro de discussões filosóficas no Calabouço, popular ponto de encontro na USP dos Anos 70.

É preciso controle, é preciso moderação. Mostrar os brasileiros como eles são não ajuda na formação do caráter de nosso povo. Temos que nos ver como fingimos ser, não como realmente somos. Quem vai fantasiado de espelho nunca é convidado para o próximo baile de máscaras. Ou nos conscientizamos disso ou continuaremos a não ser, nas palavras do General Geisel, um país sério.

G. de Matos, Curitiba, Jan/2011


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias.

Prestigie essa liberdade, faça uma doação, ou melhor ainda, assine meu crowdfunding, torne-se um colaborador mensal e ajude a combater a mediocridade! Cada centavo diminui a chance de você me ver em uma banheira de Nutella!

Leia Também:

121 Comments

  1. Na trave. Quase dei uma corrigida monstro antes de ler mais um pouco e entender a ideia da coisa.

  2. Se ele falou, está falado!!

  3. "Esse programa, esse Big Brother de nada lembra a sociedade descrita por Aldus Huxley em seu romance homônimo."

    LOLs infinitos.

    • Homónimo não: "1984". E não foi Huxley, foi George Orwell.

      • Não diga! Daqui a pouco tu vai me dizer que o Gregório de Matos está morto e Oscar Wilde era homossexual!

      • Não diga! Daqui a pouco você vai me dizer que o Gregório de Matos já morreu e até que o Oscar Wilde era homossexual!

  4. Quando vi o título achei que fosse gostar do post… mas, sinceramente, o autor citado simplesmente repete o discurso surrado (e ultrapassado) de que o Brasil não é um país sério… e faz isso da pior forma possível: evocando um suposto um caráter primordial e uma moral escondida esperando ser descoberta pelo povo brasileiro.

    Em outras palavras: eurocentrismo e moralismo.

    • Que burro, dá zero pra ele!

      Dica – Procure por Gregório de Matos no google. Depois, Aldous Huxley, 1984, Balzac + homossexualismo, Charles de Gaulle + Brasil.

      Se não entendeu depois dessa, desista. É melhor.

    • Sequer entenderam o que Bob disse, e o atacam. Aí os gênios ainda falam sobre "compreender textos". Ah vá.

      • Sério Thiago?

        “@IlustreBOB Reply:

        February 2nd, 2011 at 12:56 pm

        Sarcástico? LOL! Fui burro e apressado mesmo — quase um troll. Mal li a parada.”

        O cara troca os pés pelas mãos e todos os que comentaram não entenderam?

  5. Mas o tapete não dá pra poeira toda, e aí?

  6. Melhor nos inspirarmos em outro livro do Aldous Huxley, aquele intitulado "A revolução dos bichs"

  7. Esperando pra ver quantos idi… quantas pessoas repassarão este texto.

  8. E lá vamos nós denovo… Eu aposto em pelo menos uns 50 RTs elogiosos.

  9. O texto é válido, mas "1984" foi escrito por George Orwell http://en.wikipedia.org/wiki/Nineteen_Eighty-Four , Aldous Huxley escreveu "Admirável mundo novo" http://en.wikipedia.org/wiki/Brave_New_World .

    Na verdade o segundo está mais próximo do BBB do que o primeiro. Orwell acreditava que seriamos controlados por um Estado repressor, Huxley acreditava que nem nos importaríamos com a verdade, porque estaríamos atolados em um mar de informações supérfluas.

  10. "Mostrar os brasileiros como eles são não ajuda na formação do caráter de nosso povo" – tenho pensado exatamente isso. Se queremos ser melhores temos que nos imaginar melhores, ser exemplos melhores para as novas gerações e explicitar o pior só vai fazer o que tem acontecido: gerar novas gerações piores que as anteriores. Parece que o modelo de mídia do BBB já está esgotado e está muito difícil criar fatos novos, isso explica as aberrações mas não justifica. Em um país que se diz muito melhor que há dez anos, uma vez que melhorou sua distribuição de renda e incluiu as classes C e D no consumo, também tem que criar em si amor próprio, valores e principalmente espírito de auto-crítica.
    Abraços
    @CMPLuis

  11. "não vivemos mais o tempo bárbaro onde autores radicais como Balzac e Oscar Wilde pregavam fogueira para homossexuais"

    Oscar Wilde pregava fogueira para os homossexuais?!?!?!?!?! Ahahahaha, tem alguma coisa estranha nesse texto…

  12. Só tenho uma definição: JENIAL

  13. Discurso batido. Big Brother é uma merda, lógico (embora a idéia de "capturar" a natureza humana em seu "ambiente natural" seja muito boa. Pena que é mal executada), mas não pelos argumentos que ele dá, que são altamente conservadores (álcool e "depravação"). O BBB é o mais pudico dos big brothers mundo afora, e aquele em que os participantes são mais controlados (aí sim uma boa justificava para o nome do programa já que o big brother da literatura não só observa, mas também controla) pela produção.

    E, por sinal, este é mesmo o Gregório de Matos? Saiu mesmo na IstoÉ ou é um daqueles emails passados adiante com autor trocado? Difícil acreditar que um autor como ele escreveria Aldus (ALDOUS) Huxley. E mais difícil ainda é acreditar que ele diria que foi Huxley que introduziu o conceito de Big Brother em seu romance "homônimo", quando o autor foi na verdade George Orwell no livro 1984. Por sinal, Tiago Melo, Orwell é também o autor d'A Revolução dos Bichos, e não Huxley, que escreveu Admirável Mundo Novo.

  14. E eu caí como um pato…

  15. Oscar Wilde condenava homossexualidade? Até onde sei, ele foi condenado justamento por ser homossexual.

    "É preciso controle, é preciso moderação. Mostrar os brasileiros como eles são não ajuda na formação do caráter de nosso povo. Temos que nos ver como fingimos ser, não como realmente somos."

    Como assim???

  16. ADOREI! Genial. Eu acho que define muito bem toda a questão… E convites para festa, certamente, nunca mais.

  17. Parabéns ao Cardoso pela sutiliza e inteligência da critica. Pelos comentários que li até agora atingiu em cheio o alvo.

  18. "o recluso e genial escritor Gregório de Matos"

    Quem é vivo sempre aparece… OH WAIT

  19. Caí nessa… -.-

    E pensar que estive a ponto de compartilhar isso no Facebook…

  20. Ele deve estar trollando… Não é possível tanta bobagem junta. hahaha

  21. Outro erro no texto é sobre o filme “Ponte do Rio Kwai" que não é passado no Vietnã mas sim na Tailândia ocupada pelos japoneses na 2ª Guerra Mundial. E os soldados no filme não são americanos, são britânicos.

  22. Phillipe Xadai

    Veríssimos e Jabores à parte…

  23. Putz, agora que caiu a ficha!

  24. "Gregório de Matos, autor de clássicos modernos como Saudades Mortas e Norte das Águas"

    Eu ri pra caralho

  25. Ah! E outra coisa. Até tu, Cardoso, está usando o IntenseDebate?

  26. Nunca saberia que o Sarney foi escritor!

  27. Tudo errado, Cardoso. O Big Brother é derivado de obra homônima do príncipe dinamarquês Johan von Endemol, muito aclamada pela crítica, sendo que o nobre recebeu inclusive uma comenda do papa Pio XII no mesmo ano que Oscar Wilde obteve sua canonização.

    Já Aldus ficou famoso pela obra The Little Brown Girl, vendido aqui no Brasil como A Moreninha pela editora Sextante.

    Kudos. Many Kudos.

  28. É texto do Veríssimo, né?

  29. Estou rindo tanto que acho que vão me botar pra fora da sala. Não posso ver seus textos no trabalho!

  30. Nem Chico Xavier faria melhor.

  31. Pegadinha do Malandro, isso sim…

  32. Já vi carnaval fora de época, mas 1º de abril fora de época é a primeira vez.

  33. Texto sendo atribuído a Arnaldo Jabor e espalhado pelas webs em 3, 2, 1…

    Foderosamente sutil.

  34. Um xênio. Fico na expectativa pra ver o final dessa historia, e ainda aposto cinquentinha casado no chão com quem quiser que nem 10% das pessoas vão entender a "bagaça".

  35. O Gregório de Matos deveria aparecer mais nas feiras.

  36. Gente, peraí. Tudo bem que o texto é uma ironia clara ao mais do mesmo. Tudo bem que tudo foi ridiculamente trocado etc. Não saber que o Sarney é escritor talvez seja o único erro não-gravíssimo. Mas, porra (com o perdão da palavra), nego não sabe quem é GREGÓRIO DE MATOS?

  37. Ainda prefiro esperar o parecer do Jabor sobre o assunto.

  38. julianommartins

    Aleluia, pelo menos dessa vez não foi o Jabor que escreveu… kakakakakakka

  39. é….uma vaga tentativa de um assunto interessante, mas ligar alcool a depravação…..dizer que Balzac e Wilde condenavam homosexualismo, Aldous Huxley como autor de livro "homônimo", eh brincar demais com a inteligência dos internautas…….o BBB é uma fonte de recursos pra TV Globo e ponto, mostra o que o povão quer ver, "bundas e pegação", intrigas e etc…, um texto mais coerente e com passagens mais sérias fariam bem ao autor e seu renome.

    • carloscardoso

      AHAHAHAH aqui vemos um paunocu sem senso de humor que ainda por cima quer cagar regra sobre o que EU escrevo no MEU blog.

      • Ok, Cardoso! Você está marcando as "vítimas" na fuselagem tal qual o Capitão Nemo… Há quantos pontos já está o contador?

  40. @Cardoso, posso mandar por email como os "textos do veríssimo"?

    JURO que te encaminho todos os comentários que eu receber

  41. Bem que suspeitei do Tal de Gregório de Matos. Mas poderia ser um ,homónimo.

    • Eu também achei se tratar de um homônimo. Agora estou começando a entender a trollagem, pois nada fecha…eheheheh.. caí que nem patinha!

  42. Quando li Gregório de Matos, pensei: “Ué, ele não tinha morrido, tipo assim, no século dezoito?”

    O tema mobile ficou xou!

  43. No fundo um desserviço: mais um texto do Veríssimo (ou seria do Saramago?) para a turma do Enc:/Fw:
    entulhar nossas caixas de email.

  44. rs… muito bom ( :

  45. GENIAL! Nem precisou ser muito sutil e já pegou um bando de idiotas.
    obs: Já começaram a kibar o texto aqui: http://forum.jogos.uol.com.br/o-escritor-gregorio… e pegaram mais algumas salsas com isso.

  46. Que lindo ritmo de batuque popular do afrodescendente mentalmente perturbado!

  47. Hahaha, gostei da menção ao grande cordelista Jessé "Zeca Pagodinho" Gomes da Silva Filho, muito inspirado, como sempre.

  48. Pequei pela ignorância, só desconfiei do Aldus Huxley mas ignorei. Divulguei por concordar, agora divulgo mais ainda por ter sido uma trollada de proporções épicas!

  49. Contraditorium no melhor estilo Cocadaboa.

  50. Bem, muitos aqui falaram os pontos mas ninguém explicitou o óbvio: É um texto pega-ratão para pseudo-intelectuais. Referências e citações descabidas (já citadas) tentando embasar uma idéia anti-BBB.

  51. Nossa,

    Muito melhor que o LF Verissimo e que o Jabor, vou repassar AGORA pra toda minha lista de e-mails.

    Cardoso, vai cair no vestibular esses dois livros do Gregório de Matos que você citou, tem como liberar o resumo pra jenti fazer u download?

  52. Mais um capítulo da séria série "Cardoso contra o Mundo"!!!

    O escritor realmente é um gênio, do porte talvez do (literalmente) imortal José Sarney, o Marimbondo de Fogo. Só me espanta um autor com este cacife criticar justamente o BBB, esta verdadeira redenção da TV brasileira pós-Flavio Cavalcanti.

  53. Olhando para os comentários a situação que se apresenta é quase a de um Koan. O texto é sutil como o proverbial paquiderme em uma loja de louças, mas como a loja é da senhora literatura, não há ninguém lá dentro para ouvir o estrago. Os passantes ouvem os sons abafados e confusos e tentam adivinhar qual a bagunça do lado de dentro, mas poucos são os que conhecem os segredos da tranca para abrir a porta e ter a real noção do estrago.

    Parabéns pelo texto, Cardoso.

    Em tempo, trato sobre textos apócrifos (mas em outra abordagem) no meu blog também: http://noahmera.wordpress.com/2010/11/19/paulo-me

  54. Eduardo Wagner

    Modo Nelson Muntz on: AHAAA!
    Genial seu texto Cardoso, o que a falta de leitura não faz…….rs….
    Que futuro um povo assim terá? Oh wait, nós estamos no futuro.

  55. Não. O BBB não lembra a sociedade de Huxley. Primeiro porque o livro que você se refere (não homonimo) é o chamado "1984" do George Orwell.
    Mas não lembra nem sociedade de Huxley, e nem a de Orwell por outro motivo:
    O BBB não reflete a nossa sociedade. Não é um espelho. O BBB, é uma novela, uma ficção. Um "desejo" coletivo. Quantas pessoas tem os corpos perfeitos (ou quase) que aparecem lá? Ou a jovialidade e a situação financeira dos participantes?

    Não há conexão com a vida real. As "pessoas reais" que como eu, acordam, trabalham, envelhecem, vivem frustradas com o tédio, adoecem…assistem o BBB como uma fuga.

    E Isso não emburrece ninguem. Não mais do que a novela das 8. Pode sim, frustrar um pouco mais, se quem assistir ao BBB, comparar sua vida com a da gostosa rainha de bateria que participa? do programa (ou a dos modelos que conseguem ficar com elas)…
    continua….

  56. (continuação)
    Mas o que ocorre não é a comparação. Normalmente é a identificação. Novamente o "desejar a ser" igual
    a eles. Querer a vida de sonhos porque a vida real é muito vazia…

    Mais do que isso, Acredito (sou um fã de freud), que a audiencia e a identificação são estimuladas também pela nossa própria infancia (quem teve irmãos, sabe como era a competição e as brigas na nossa propria casa…), logo, adicione ao desejo de beleza e jovialidade, o que traz uma ilusão de felicidade, contrastando com a vida real, aos desejos de competição infantil..e está ai o segredo para o "sucesso" do BBB.

    Logo, o BBB não mostra aos brasileiros como eles são. Na minha opinião, mostra aos telespectadores como eles "desejariam" ser.

    • Fabiano Martins

      Cara, sério, você não entendeu a piada ainda?

    • O tempo que você levou elaborando este texto deveria ter levado interpretando.

      Mas, como você não vai conseguir entender sem desenhar…. xá quieto, eu é que não vou explicar.

      • Cara. Quem não entendeu minha ironia foi você……

        Sou brasileiro, vejo big brother, e sou incapaz até mesmo de interpretar um texto simples como esse….

  57. num vou durmir essa noite de preocupado,

    pra mim não influencia em nada esse texto.

  58. Cardoso, por acaso tu mudou o layout do site? Eh q nao abrii no PC recentemente. Mas aqui no iphone ta totalmente diferente. Ate pensei q poderia ser uma versao mobile, mas ta mto feinho e nao creio q vc faria algo assim

  59. Vou favoritar esse post, já vi que vai ser um daqueles que vai ter gente "corrigindo" as mesmas coisas por pelo menos dois anos.

  60. Sérgi Mallandro

    AHá! Pegadinha do Malandro!

  61. Sensacional!!!!
    E quem sou eu para discordar do nobre Dr Jessé Gomes da Silva Filho, em matéria etílica, o mesmo é um catedrático!!

  62. josealonsoneto

    Cara, quando lí que era um texto de Gregorio de Matos falando do BBB pensei, WTF?!

    Pena que ainda não ví isso ser repassado.

  63. Muito sutil, adorei! Genial Cardoso, genial.

  64. E eu me perguntando como eu tinha visto Flávio Cavalcanti na TV se ele morrera em 1978 e eu nascera em 1981

  65. Legal é que o cara escreveu seu artigo nas paginas amarelas… da IstoÉ.

    Mas importa? Já tem gente postando esse texto net afora.

  66. A recomendação dos astros é: Se for BBB não dirija!

  67. kkkkkkkkkkkkkkk Eu realmente preciso estudar mais literatura… Critiquei o texto, mas sem perceber a maldita ironia. Só percebi pelos comentários. Mas você também é bem troll… hahaha

  68. Acho que o mais engraçado é acompanhar o desenrolar dos comentários:
    no começo todos os patinhos caiam… depois os que eram "menos burros" liam os comentários para depois perceber quem ERA Gregório de Matos, pra depois cair matando encima de seus irmãos de poucos neurônios, mesmo sabendo que eles mesmos não tinham entendido coisa alguma…
    Orgulho de ser brasileiro é o c@r@1h0.

  69. Tirando o comentário do escritor Gregório de Matos, rsrsrsrsrsrsrs, morri de rir, o Big Brother realmente é um programa sem qualidade focado mais no Ibope e no faturamento que representa.

  70. Xeu ver se eu entendi: Se eu falar que o ceu é azul voces tamem vao babar meu ovo? Porque o cara falou o obvio, o "mais do mesmo". Ah, eu nao sou famoso. Foi mal.

    • Além de você não ser famoso, você é burro. Muitíssimo burro, cara.

      Conforme-se com a sua mediocridade e burrice.

  71. Resumindo, BBB é o cúmulo da alienação televisiva(ops acho que fui redundante).

  72. Chega de chutar cachorro morto gente…, BBB tá com os dias contados.

  73. eu acho que aconteceu foi rasismo

  74. Tá, mas o Flavio Cavalcanti morreu em 1986. O filme A Ponte do Rio Kwai é sobre os prisioneiros ingleses que recebem a incumbência dos japoneses de construir a ponte sobre o rio Kwai na Tailandia. E é ambientado na Segunda Guerra Mundial. E quem falou que o Brasil não é um país sério foi Charles de Gaulle.

Comments are closed