Quis custodiet ipsos custodes? Nós mesmos.

vlcsnap-00006

Se há algo que pegou de surpresa quase todos os autores de ficção científica que criaram distopias totalitaristas foi a Internet. Os futuros tenebrosos previstos sempre dependiam de governos centralizados detentores de toda a Informação.

Você só aprendia o que a escola do Governo ensinava, as notícias todas vinham de uma fonte só e o herói da história em seu grande gesto em geral instigava a população a se revoltar invadindo a TV ou rádio do vilão e repassando sua mensagem de liberdade. Foi assim em V, foi assim em Wall-E.

Foi assim na vida real também, por Séculos. O Vietnã, longe de ter sido uma derrota militar, foi uma derrota contra a mídia. Ao contrário da 2a Guerra Mundial, onde a informação era filtrada e abafada pelo tempo entre os poucos filmes serem liberados pelos militares, levados até os EUA e exibidos no cinema, no Vietnã a televisão passava em poucos dias material do front, muitas vezes sem aprovação oficial.

No total os EUA perderam 58.272 soldados mortos em combate. Os norte-vietnamitas acumularam 1 milhão de mortos. Se isso é uma vitória imagino o que chamam de derrota. Mesmo assim a opinião pública não aceitou e o Governo dos EUA perdeu o poder político para manter a guerra “no ar”.

machine

Hoje o mundo está MUITO pior para quem quer manter controle rigoroso da mídia. Na Líbia Kadhafi fez de tudo, chegou a cortar a telefonia celular no país, só para rebeldes invadirem as torres e com a ajuda de hackers estrangeiros instalarem retransmissores montando uma rede de telefonia própria.

As manifestações como a Ocupação de Wall Street estão sendo divulgadas em escala mundial via redes sociais, YouTube, Flickr, Twitter. A “versão oficial” agora é só mais uma, não existe mais o dito pelo não-dito. Se um idiota taca spray de pimenta em manifestantes sentados pacificamente no chão isso agora corre o mundo.

As “otoridades” tentam fazer sua parte, claro. Em Nova York mantiveram a imprensa longe, mas como vão fazer com milhares de pessoas portando a arma mais terrível contra totalitarismo já inventada, um celular?

A situação chegou a um ponto onde antes a tecnologia levava anos, até décadas para chegar nas mãos da população. Era uma vantagem estratégica dos governos, deter controle sobre computadores, redes de comunicação, vigilância e inteligência. Hoje é tudo tão rápido que pessoas comuns já conseguem acesso a tecnologias que por sua própria inércia a maioria das forças policiais do mundo ainda sonha em colocar as mãos.

Um bom exemplo foi esta manifestação em Varsóvia, na Polônia: Um cidadão usou um UAV para sobrevoar e filmar o evento. Dá para perceber que do chão seria possível mostrar só uma parte e dizer que a passeata estava esvaziada. Só que a palavra “oficial” soaria como uma reles mentira, diante da dureza dos fatos:

Não perceber que o mundo mudou pode te colocar em saias-justas como a da revista Time. Ainda vivendo no mundo mágico onde ninguém tem acesso a notícias sem ser através dos órgãos da Grande Imprensa, se deram ao luxo de ignorar o mundo e publicar para a edição desta semana as seguintes capas:

time

Não é Photoshop, está no site oficial!

Essa visão retrógrada de que podem ditar as notícias é um dos motivos da falência da mídia de massa. É a forma mais rápida de perder a credibilidade junto ao público, fingir que algo não está acontecendo quando somos bombardeados de todos os lados com a informação verdadeira.

A Imprensa era tida como o Quarto Poder, mas de vez em quando acaba se amasiando com quem não deve. Nessas horas é preciso dar um sacode nela e explicar de onde derivam os Três Poderes.

Afinal, como disse Alan Moore através do Codinome V, “O Povo não deveria ter medo de seu Governo, o Governo é que deveria temer o Povo”, e pela cara de puro pavor de um policial mal-intencionado diante de uma câmera, está começando a temer.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • gabriel guerreiro

    A segunda parte do vídeo da uma noção melhor do post , o vídeo é do mesmo usuário . http://www.youtube.com/watch?v=FmhV-ymivJk

  • Renato Garcia

    Hoje a distopia mais provável não é a de um poder totalitarista controlando o fluxo de informação, e sim um excesso de informação inútil soterrando o que for relevante, e uma cultura do desinteresse. Entre V de Vingança e Admirável Mundo Novo, aposto no segundo.

    • Sim.

    • Idem.

      Huxley foi muitíssimo profético e o mais inteligente dos autores de distopias: a melhor maneira de oprimir não é pelo sofrimento, mas pelo prazer… não é pela escassez, mas pelo excesso

  • Andre K

    Infelizmente essa revolução não está acompanhada de melhor espírito público por parte dos leitores como um todo.

    E, ainda tem os muito que nem com toda essa "faclilidade" se dão ao trabalho de procurar as notícias, ficam apenas nos Farmville da vida…

    Ó tempora, ó mores.

    _____
    42

  • Eu acho interessante essa questão da internet possibilitar hoje que se tenha acesso a uma mesma notícia por óticas totalmente diferentes e a possibilidade dessas duas visões, algumas vezes antagônicas, serem divulgadas massivamente. Eu acho que mostra uma realidade muito mais complexa do que as pessoas costumavam ter que encarar. Aquele mundinho preto e branco parece ter ficado para trás e talvez isso ajude um pouco a ensinar as pessoas conviverem com correntes de pensamento diferentes.

  • Mas tem gente que ainda acha que as emissoras manipulam tudo, do Campeonato Brasileiro à morte do Michael Jackson. E eu conheço gente que acha que tem quem controle TODA a informação que circula na internet.

  • Joca

    Sobre as capas da revista Time: Normalmente a capa da revista americana mostra algo de interesse para os americanos. Acredito que o americano médio não tem nenhum interesse no Egito, que é a capa das revistas da Europa, Ásia e Pacífico Sul. Entretanto a reportagem abordada nas capas daquelas revistas, não deixou de ser veiculada na revista dos EUA, você perceberá que em Features->World estará a reportagem do Egito.
    Outra fato interessante é que a revista americana, sempre tem mais reportagens que as internacionais, e é mais comum ter a capa diferente que igual.

  • Luis

    Se você for a ver, a revista Time tem quase sempre uma capa diferente para o resto do Mundo.

  • Pedro Ivo

    Gostei do post. Um amigo americano postou exatamente a mesma figura (das capas da Times) no facebook e estava vendo os comentários (de outros americanos). A conclusão a que chegaram é mais ou menos a mesma do Joca e Luis acima: ao americano médio não interessa muito o que se passa do outro lado do mundo. Como a revista quer mesmo é lucrar, coloca uma capa que seja mais vendável. Como todas fazem isso, o americano fica cada vez mais desinformado e desinteressado no mundo, e cada vez revistas que tratem de temas assim vendem menos, num ciclo vicioso. Vale notar que aqui no Brasil não é diferente, muito pelo contrário: semana passada ou retrasada, num momento em que, entre outros eventos importantes, caía o governo na Itália e a crise do Euro se agravava, das semanais brasileiras apenas a Carta Capital parecia ligada no que estava acontecendo no mundo, a capa da Veja era sobre um personagem de novela da Globo!

  • Augusto

    Ei, Cardoso, apenas uma pequena observação: sei que pode soar pouco humanista, mas guerras não são ganhas em termos de quem matou mais. O pensamento é mais na linha do “matamos 1 milhão de vietnamitas e nem assim conseguimos evitar a unificação sob um governo comunista”.

    É a mesma lógica da Segunda Guerra: quase metade das mortes militares do conflito foi de russos — número que também é o dobro das mortes de alemães militares. Nem por isso deixamos de aceitar que eles foram os vencedores, junto com os demais aliados.

    Tudo isso pra dizer: os EUA perderam no Vietnã, sim.

  • Lexico

    Nem todas as visões de futuro eram como 1984 ou V…
    http://donteatthefruit.com/2009/06/dostoyevskys-1

    Que veio disto: http://www.recombinantrecords.net/docs/2009-05-Am

  • Tad

    A distopia presente em Admirável Mundo Novo é baseada no prazer e hedonismo e não em um governo autoritário e em Farenheit 451 as censuras iniciam motivadas por movimentos de defesa dos direitos de distintos grupos sociais e o governo age tentando proteger esses direitos, acho que esses caminhos são os mais arriscados por serem bastante acecitos pela comunidade em geral

  • Aqui uma coletânea de capas da Time como essas: http://comixed.memebase.com/2011/11/29/koma-comic

  • victor2347

    A parada é que a TV te joga na cara. É só você clicar num botão para as notícias que querem que você veja jorram na sua cara. Internet, você tem que procurar. E pra procurar, tem que ter interesse, o que nos jovens de hoje é algo bem escasso.

  • Gostei muito do post…o site é bem legal..parabéns!

  • Só discordo do "de vez em quando": o tal Quarto Poder sempre se põe de quatro ao serviço dos outros três…

  • Por favor, senhores, leiam Morozov e acordem para a vida.

  • disqus_AqwVwvk1Vs

    Eu gosto de cagar nas calças.