Clique aqui, tem putaria e sacanagem e mulher pelada! (funciona pro YouTube)

sexploitation

Uma das coisas que a gente aprende quando trabalha com propaganda é que há duas formas de vender: Uma é ter conteúdo. O Pinguim do Ponto Frio por exemplo é um exemplo brilhante de como conteúdo pertinente, excelente timing e senso de humor conseguem retwits espontâneos e gente que só dá bom dia pra mãe se ela pagar, elogiando publicamente o perfil.

Até hoje lembramos e repetimos os comerciais criativos dos anos 80, antes dos marketeiros e suas planilhas e mapas de segmentação e ROIs e grupos de foco tirarem a graça da propaganda. 30 anos e o 1o Sutiã e o Garoto BomBril estão por aí.

A outra forma de vender é..

sex-sells-pic

sexo.

Não é de hoje, mulher bonita sempre foi usada como artifício de propaganda. A grande conquista da revolução sexual não foi o fim da exploração da imagem da mulher na publicidade, que graças ao Doce Lorde Satã não aconteceu, mas a percepção de que mulheres também são um segmento importante, e com isso passaram a explorar a imagem do homem também. Yay igualdade!

Na Internet isso não é diferente. Todo o discurso de igualdade cai por terra quando os Nerds Esclarecidos começam a babar pela Olivia Wilde, Jennifer Lawrence ou Emma Watson. Curiosamente não babam tanto em cima da Sara Jean Underwood e da Olivia Munn, pois elas cometem o terrível pecado de gostarem de “coisas nerds”, e como todo bom grupo excluído nerds não aceitam gente que compartilhe de seus interesses mas não preencha seus ideais estereotipados de aparência.

Com a popularização das Interwebs e o Ocaso dos Nerds pessoas comuns se tornaram maioria, trazendo com elas seu comportamento tradicional. Essa foi a oportunidade de um monte de gente para “brilhar”.

O YouTube tenta (não consegue, mas tenta) manter o ambiente “familiar”, e embora haja muita safardanagem debaixo dos panos, quando um filme que viole as regras começa a ganhar popularidade, é removido. Só que isso não impediu o surgimento de…

 

replygirl

Reply Girls.

O fenômeno, que se tornou uma praga em 2011/2012, chegou a um ponto em que um monte de jovens heterossexuais saudáveis se percebeu irritado e reclamando diante da visão de… peitos.

As Reply Girls eram vloggers que normalmente ficariam no fundo da cadeia alimentar, seriam pouco mais que plâncton, o que combina com seus QIs. Só que elas dispunham de uma arma que o Felipe Neto nunca terá, ao menos por enquanto, pois a Lei exige acompanhamento psicológico de pelo menos 1 ano antes da Operação:

Peitos.

Note, elas não são as tradicionais attention whores, não falam sacanagem, não sexualizam o vlog. Não que haja nada de errado nisso. O truque é que sempre escolhem figurinos que realçam seus atributos naturais, colocam Wonderbras e outros truques, capricham no decote e usam o frame mais lascivo como thumbnail. Aí vão em um vídeo popular, selecionam a opção de “Responder com vídeo” e linkam suas obras-primas.

O Reply não tem nada a ver com o vídeo original, mas aparece listado, assim:

replygirls2

Era comum as Reply Girls ganharem mais de 500 mil visualizações, faturavam horrores em AdSense, e não entregavam conteúdo NENHUM. Os vlogs eram um lixo e os peitos em questão não passavam de acessórios.

A coisa ficou séria quando provavelmente anunciantes (o único grupo que tem acesso aos ouvidos do Google) começaram a reclamar, e o YouTube soltou uma versão nova de seu algoritmo de recomendação, diminuindo a importância dos tais vídeos das Reply Girls.

replygirl_boobs

Não entenda errado. Adoramos peitos, ainda mais quando estão associados a moças mulheres do sexo feminino, e em pares (os peitos, mas as moças também, se for possível).

Um dos programas mais legais do YouTube era o 2 Hot Girls In the Shower:

Ele fazia basicamente o mesmo que as Reply Girls, usava um apelo sexual pra lá de apelativo, para atrair o espectador, mas não só entregava o que prometia, como ia além da sacanagem, havia conteúdo real, um belo bônus.

Já as Reply Girls, que em alguns casos postavam de 15 a 20 vídeos por dia, muitas vezes sem sequer assistir o vídeo ao qual estavam em teoria respondendo, eram apenas uma forma de ganhar cliques e macetear o sistema de publicidade do YouTube.

 

<PASSAGEM DE TEMPO>

Agora está surgindo uma outra praga; gente que coloca frames únicos nos vídeos com cenas de sacanagem (é o que vende, afinal) mas o conteúdo não tem nada de pornográfico. Com isso os algoritmos do Google não detectam a anormalidade, e depois que o sujeito clicou, computou e clique e validou a exibição do anúncio, CA-SHING, dinheiro em caixa. Easy Money, como diria John Connor.

Hoje, a coisa virou bagunça DE VEZ. Vejam o que apareceu na home do YouTube Brasil. Sim, na home:

youtube

Uma cena, claramente de um filme pornô, com direito a chamada implicando a tal Anita, a funkeira que caiu na graça da classe média interneteira. O Google, que suspendeu o Knutz, do UEBA por escrever “XXXXXXXXXX”, e considerar como ‘nudez estrategicamente disfarçada’, deixa uma enrabada explícita em sua home.

O vídeo, claro, não tem nada a ver com a imagem, é uma cena de Chaves, mas já faturou 860 mil visualizações, fazendo disparar as exibições de anúncios E assinaturas do canal.

E por falar no canal, claro que o conteúdo original deles é zero. Se resumem a republicar vídeo de outros canais, matérias do CQC e similares. Mesmo assim tem gente defendendo a estratégia, em uma espécie de Maquiavelismo de Merda misturado com a Lei de Gerson, o fato de terem conseguido 860 mil visualizações com (por enquanto) 880 assinantes, justifica tudo.

A home do YouTube deveria ser uma vitrine para o que há de melhor no site, não uma forma de recompensar esperteza e trapaça. Muito menos exibir putaria.

Estamos em uma época onde a mídia online está se firmando como competidora´dos formatos tradicionais. O fato da Netflix ter escolhido A Toca, da Parafernalha como primeira produção do site fora dos EUA mostra uma confiança não só no público, mas nos criadores nacionais. É triste ver que ao mesmo tempo o Google não se preocupa em levar a sério o próprio serviço.

Claro, o mais fácil é que desconsiderem tudo e me acusem de inveja, mas assim é a Internet.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Eu só gostaria de contribuir com o conteúdo do texto lembrando sobre a Miss Hannah Minx. ;D

    • filipecavalcanti

      A prova máxima de que aparência consegue tanto quanto conteúdo. Ou mais. E que aparência.

  • Mais de 800 mil visualizações. O Google se lambeu todo com a publicidade veiculada.

  • E o frame precisa pertencer ao vídeo para ser adicionado como thumbnail? Teve uma época que o site permitia subir uma imagem própria para usar como vitrine do vídeo. Eu achava que era assim que eles conseguiam fazer essas "iscas" pega-otários. E olha que já caí muitas vezes, mais por curiosidade do "que diabos isso faz aqui" do que por malícia em querer ver "algo mais"

    • arthurbarbaro

      O YouTube escolhe 3 frames do vídeo e deixa escolher um. Quando o pessoal descobriu onde exatamente soltar esse frame no vídeo (em precisamente um terço do vídeo, por exemplo (não sei onde é, é só um exemplo, mas nada que não se descubra fácil pesquisando)) para que o YouTube mostrasse aquela opção, começaram a surgir vários vídeos com capa falsa (ou seja, que não fazia parte de verdade, do vídeo).

      Só depois disso é que o YouTube adicionou a possibilidade de o autor enviar qualquer imagem que quisesse para servir de capa. Mas acho que não é qualquer usuário, acho que precisa de uma verificação, ou um mínimo de vídeos ou de visualizações, algo assim. Não tenho certeza.

      • Pois é. Minha conta no YouTube já podia enviar vídeos com mais de 15m bem antes do que s outros, e tem opção de enviar uma miniatura personalizada também, há tempos. Se eu, que sou um ninguém que quase não posto vídeos relevantes, onde a média é de uns 6 views por vídeo (com uns 5 pontos fora da curva, passando de 1000… num universo de 361 vídeos), imagino que para esses aí seja só uma questão de tempo também: começa postando coisinhas bobas, vai gerando views, e quando vê tá lá a opção liberada. Eu acho

        • Desde que me lembro sempre pude adicionar miniaturas personalizadas, se bem que fui ver aqui e está com 18 mil visualizações, talvez seja por isso.

  • O foda disso é que assim que o google se tocar disso, ele vai vir com tudo fu… com as monetizações. Aconteceu isso com música. Qualquer ruído que aparece no nosso vídeo que tenha uma mínima semelhança com um acorde musical, ele bloqueia a monetização.

  • Excelente texto! Muito perspicaz! Parabens!

  • Rodrigo

    Concordo com a crítica do seu texto, mas soa absolutamente hipócrita você colocar um título no post com o mesmo apelo da imagem na capa do vídeo do YouTube. Sabemos que vai chegar gente aqui pesquisando por isso no Google. Aliás, isso não é de hoje, acompanho há muito tempos estes "probloggers" que vivem de anúncios de adsense e sempre utilizaram recursos parecidos, então qual a moral que possuem pra tecer essa crítica?

    • carloscardoso

      Dica: Procure, pode ser no Google mesmo, por "ironia".

    • Aline Rodrigues

      Eu acredito que tenha sido por ironia ou uma forma de provar que é verdade o que tá no texto.

    • Vc é burro assim mesmo, ou isso foi apenas uma encenação?

  • hupert

    Soh um ponto q gostaria de acrescentar. Temos tambem q entender a dificuldade q eh evitar esse tipo de coisa. Com a quantidade de videos no youtube, o Google acaba tendo q usar algoritmos para conseguir pegar conteudos improprios. Acontece q as vezes algumas pessoas acabam burlando isso. Nao eh do interesse do Google ter uma imagem porno na main page do youtube.

    • carloscardoso

      Beleza, então pq deixaram lá por mais de 10h?

      • Bruno L. K.

        visualizações. A que eu entendo, o Google seleciona aquilo que você pesquisou, faz toda aquela matemática doinferno (1+1=2) e coloca no caixa de "Mais Vistos". Por que é obvio, o pessoal da propaganda quer que você veja a mesma propaganda repetidas e repetidas vezes. Assim funciona, desde que Pavlov observou o cachorrinho salivando só com o sino.

  • FalsoMessias

    Lembrei da tal Jess Greenberg, que está fazendo relativo sucesso no YouTube com seu talento… musical.

    • Bruno L. K.

      Tem efeitos de luz e tudo ao meio dia. UASHuhASSUHA. E musical só se for baseado no CifraClub.

  • Talvez seja uma tentativa desesperada de fazer o elefante branco dar algum retorno para a gigante de Mountain View.