O Anjo da Cerveja

Vince Speranza percorria as estradas de Bastogne, Bélgica, sob uma avalanche de memórias de guerra. 65 anos antes ele havia combatido as tropas nazistas naquele mesmo lugar.

Reconhecendo as colinas e árvores, ele achou o ponto exato onde viu combate pela primeira vez, um jovem soldado de 19 anos participando da libertação da Europa, embora tecnicamente eles estivessem cercados, mas paraquedistas são treinados para isso.

Ele contou a seus anfitriões como naquele ponto preparou sua metralhadora, aguardando a ordem de seu tenente. Os alemães desceram o morro mas foram surpreendidos por cercas de arame farpado escondidas sob a neve. Vince esperou a primeira onda de alemães, a segunda que veio para tentar soltar a primeira, e só quando a terceira onda de infantaria se embolou no arame o tenente deu a ordem.

Foi um massacre, a neve ficou vermelha enquanto jovens iguais a Vince eram dizimados por fogo pesado. Nesse momento ele tenta mudar de assunto, e vão almoçar na cidade. Vince pediu três garrafas de vinho para alegrar a mesa, e começou a contar histórias.

Ele lembrou de um dia em que estava a uns 6Km de Bastogne, recebeu ordens para ir na cidade buscar baterias para os rádios, e aproveitou para ir visitar um amigo ferido. Os alemães haviam tomado o hospital de campo, então os feridos americanos eram tratados na igreja local, quase sem suprimentos médicos. Os outros soldados doavam o que tinham, cobertores, bandagens, até água.

Achando seu amigo, ferido nas duas pernas, Vince ficou feliz em ver que ele sairia dali em alguns dias, mas o amigo fez um pedido especial: Queria algo para beber.

“Onde diabos eu vou achar algo para beber? Estamos cercados pelos alemães, não temos suprimentos”

“Deve ter alguma taverna na cidade…”

Vince saiu pelas ruas de Bastogne. Achou um bar, todo destruído. Andou mais um pouco, achou outro também abandonado, mas não custava tentar. Puxou a alavanca da chopeira e o precioso líquido dourado vazou da torneira. YEAH!

Ele só tinha o capacete, então o encheu de cerveja, voltou até o hospital. O amigo adorou e logo outros soldados feridos estavam saboreando uma deliciosa e gelada cervejinha belga.

Vince fez mais algumas corridas até o bar, mas na última quando chegou na igreja o médico-chefe, um Major o esperava na porta.

“Que diabos você pensa que está fazendo?”

“Err.. estou levando ajuda e apoio a meus companheiros feridos?”

“Seu filho da puta eu tenho casos de pneumotórax, gente ferida no estômago, você quer matar alguém? Saia daqui ou eu mando te fuzilar!”

Vince deixou de ser um soldado já veterano e voltou a ser um moleque de 19 anos. Ganiu um pedido de desculpas, jogou a cerveja fora, botou o capacete molhado e saiu correndo.

Todos riram da história, menos o pessoal de Bastogne.

“Calma, então o senhor usou seu capacete para levar cerveja para os feridos?”

“Sim”

“E o senhor era da 101a Aerotransportada, Companha H?”

“Isso mesmo”

“O senhor é famoso na Europa!”

Ele não entendeu o que o belga estava falando, até que o anfitrião pediu para o garçom trazer quatro cervejas Airborne.

Alguns moradores haviam testemunhado as corridas de Vince atrás de cerveja, a história foi passando de boca em boca até chegar a uma cervejaria local, que desde então produz uma edição especial em homenagem ao ato de Vince, com direito a copos especiais em formato de capacete.

Na mais aleatória das circunstâncias Vince Speranza descobriu que era uma lenda local, e agora ela estava confirmada como verdadeira!

E como bônus, Vince Speranza em 2016 com outros veteranos e uma musiquinha conhecida de quem viu Band of Brothers:

 


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Igor Alves

    Meu Deus, que história fantástica!!!!!!!

  • Michael Loeps™

    Deve ser o máximo para alguém, descobrir que um ato seu, por mais irrisório que seja (c̶e̶r̶v̶e̶j̶a̶ ̶n̶u̶n̶c̶a̶ ̶é̶ ̶i̶r̶r̶i̶s̶ó̶r̶i̶a̶), se tornou uma lenda e ainda é contado por ai

    • gfg2

      Além do mais importante; ganhar um bocado de cerveja belga.

      • Reinaldo Matos

        Acredito que no mínimo deve ter ganhado estoque vitalício…

        • Guilherme

          Que viva mais de 100 anos!

        • Pobretano

          Vitalício e hereditário!

          • Reinaldo Matos

            Hereditário eu tenho minhas dúvidas…
            Há inúmeros casos de proles que não honram o legado.

  • cloverfield

    Agora deu vontade de experimentar essa cerveja e olha que eu nem bebo.

  • gfg2

    Caramba, estás inspirado essa semana heim Cardoso.
    Sem contar que escrever sobre segunda guerra E cerveja é apelação, me sinto na obrigação moral de patrocinar ao menos uma gim tônica.

  • Márcio Chaves
    • Mario Neis

      caralhas… pense na vontade de experimentar essa ceva com esse queijito do lado…

  • Cara que história FODA!!!

  • Mario Neis

    hahahahaa as histórias por trás das histórias são as melhores trívias sobre acontecimentos…

    a outra resenha sobre o zorro pro trás do zorro ( epa!) também é um portento!

    Edit: Fica a pergunta “Cardoso, como diabos essas histórias chegam até a vossa pessoa?” pq eu curto muito o lore de guerras também, e tem algumas que tu posta que são bem “side quest” hahahaha

    • Fuçando. Essa de hoje eu achei num comentário sobre outra história completamente diferente.

    • Shadow

      Cardoso é o Indiana das historias!!!

  • hbeira

    É muito raro eu beber, mas essa eu beberia com gosto! :-)

  • Tiago Tkb

    <3

  • Deb

    Maluco no exército: ou morre ou vive o suficiente pra descobrir que virou lenda – e garoto propaganda.

    • Pobretano

      Será que ele pode pedir direitos de imagem?

  • kenji

    Onde diabos você acha essas coisas?!

    Por favor, continue!

  • Rafael Rodrigues

    Fui obrigado a pingar o gin. Texto excelente, como de hábito.

  • Hemeterio

    Uma guerra na Europa. Dificil ter historias civilizadas como essas nos pulgueiros atuais, cheios de areia, sol e camelos.
    A respeito da WW anterior: canção de 1919 sobre a rapaziada ianque que foi pra guerra, e voltou. Com manter esses meninos na fazenda, depois deles terem visto… Paris?

    ht tp s://w ww.you tube . com/watch?v=lTjVdVT B32g

    Andrew Bird – how you gonna keep ‘em down on the farm.

    • Reinaldo Matos

      usa a tag code…

      Sem os espaços… :D

  • brunofv

    Pensa numa história foda HUEAHUAEHAEH

    Carodoso, nunca pare de nos contar esses casos maravilhosos!

  • Pobretano

    QUE
    FODA!

    Vou comprar uma dessas algum dia!