Como Fazer Perguntas Inteligentes

Eric Raymond é autor do clássico “The Cathedral and the Bazaar“. Entre outras dezenas de excelentes contribuições, ele escreveu “How to ask Questions The Smart Way, o mais elucidativo texto que já li sobre o assunto. Explica tudo que os veteranos aprenderam batendo cabeça por anos, e que os novatos hoje se recusam a aprender.

Não é um texto amargo, é divertido e explicativo, mostra como um hacker (no bom sentido, um fuçador, interessado) é muito mais propenso a ajudar quem se esforça do que quem fica sentado esperando a resposta de bandeja.

A tradução em português é de Marcos Machado, disponível em sua última versão neste link.

Como Fazer Perguntas Inteligentes

Original: How To Ask Questions – The Smart Way Revisão 3.2 – 10 Jan 2006
Copyright © Eric S. Raymond

Tradução: Como Fazer Perguntas Inteligentes Revisão 1.4 – 12 Jan 2006

Copyright © Marcos Machado

Índice

Introdução
Antes de perguntar
Quando você perguntar
Escolha cuidadosamente seu fórum
Fórum web e IRC freqüentemente dão aos novatos as respostas mais rápidas
Como segundo passo, use a lista de discussão do projeto
Use um subject específico e com significado
Torne a resposta mais fácil
Escreva de modo claro, gramatical e sintaticamente correto
Envie perguntas em formatos acessíveis e padronizados
Seja claro e preciso sobre seu problema
Quantidade não é precisão
Não diga que você encontrou um bug
Curvar-se não é um substituto para fazer o dever de casa
Descreva os sintomas do seu problema, não o que você “acha”
Descreva os sintomas do seu problema em ordem cronológica
Descreva seu objetivo, não um único passo
Não peça as pessoas para responderem em seu email particular
Seja específico com relação à sua pergunta
Não mande seus deveres de casa
Remova as perguntas inúteis
Não marque sua mensagem como “Urgente”, mesmo que ela o seja para você
Boas maneiras não atrapalham, e algumas vezes ajudam
Mande uma breve mensagem com a solução
Como interpretar respostas
RTFM e STFW: Como dizer que você está realmente enrolado
Se você não entender…
Lidando com grosserias
Não reaja como um otário
Perguntas que não devem ser feitas
Boas e más perguntas
Se você não conseguir uma resposta
Como responder perguntas de forma útil
Fontes relacionadas
Agradecimentos
Notas do tradutor

Sobre direitos autorais e cópias deste guia

Todos os direitos deste guia pertencem a Eric Steven Raymond.
De uma forma geral, seu desejo é que o maior número de pessoas o leiam,
portanto você é livre para linkar e copiar este conteúdo. Entretanto,
cópias estáticas não podem ser produzidas sem sua autorização. Se algum
leitor vir seu nome em um documento, ele precisa ver todas as
atualizações que este documento sofreu. Nada de cópias abandonadas e
desatualizadas espalhadas pela Internet.

A versão em português deste guia foi produzida por Marcos Machado.
Da mesma forma, você é livre para copiar ou linkar este documento. Da
mesma forma, mantenha sua versão atualizada (traduções também sofrem
revisões!). O modo mais fácil de fazer isso é apenas linkar este
documento, mas se preferir copiá-lo, visite regularmente esta página
para se certificar de que possui a última versão.

Jamais remova estes avisos de direitos autorais e os links para o documento original.


Introdução

No mundo dos hackers,
o tipo de resposta que você obtém as suas perguntas técnicas depende
muito mais de como você faz a pergunta do que da dificuldade em
preparar a resposta. Este guia ensinará a você como fazer perguntas do
jeito mais indicado para conseguir uma resposta satisfatória.

Agora que o uso do open source está bastante difundido, é mais comum
você encontrar respostas de outros usuários, mais experientes, do que
dos hackers. Isto é uma Coisa Boa: usuários tendem a ser um pouco mais
tolerantes com os tipos de problemas que os novatos enfrentam. E ainda,
tratar estes usuários como hackers, da maneira como recomendamos aqui
é, geralmente, a maneira mais efetiva de conseguir respostas úteis
deles também.

A primeira coisa que você deve saber é que hackers realmente gostam
de problemas difíceis e questões boas e intrigantes sobre estes
problemas. Senão, nós não estaríamos aqui. Se você nos der uma questão
interessante para mastigar nós ficaremos gratos à você; boas perguntas
são um estímulo e um presente. Boas perguntas nos ajudam a desenvolver
nosso entendimento, e freqüentemente revela problemas que não
conhecíamos ou sobre os quais nunca pensamos. Entre hackers, “boa
pergunta” é um forte e sincero elogio.

Apesar disso, hackers têm a reputação de encarar perguntas simples
com arrogância e hostilidade. De vez em quando aparentamos ser rudes
com novatos e ignorantes. Mas isto não é verdade.

Nós somos, sim, hostis com pessoas que não querem pensar nem fazer
seu dever de casa antes de fazer perguntas. Pessoas assim são
dissipadoras de tempo – elas pegam e não devolvem, elas desperdiçam
tempo que pode ser usado em questões de gente que que merece uma
resposta. Nós chamamos pessoas assim de “losers” (e por uma razão
histórica, algumas vezes grafamos como “lusers”). N.T.: “Luser” é um
trocadilho com as palavras “user” (usuário) e “loser” (perdedor,
otário).

Nós percebemos que existem muitas pessoas que querem apenas usar os
softwares que escrevemos e não têm nenhum interesse em aprender
detalhes técnicos. Para muitas pessoas, um computador é apenas uma
ferramenta, um meio para um fim; eles têm coisas mais importantes para
fazer nas suas vidas. Nós reconhecemos isso e não esperamos que todos
tenham interesse nas questões técnicas que nos fascinam. Entretanto,
nosso estilo de resposta é ajustado para aqueles que possuem este tipo
de interesse e que desejam participar da solução de problemas. Isto não
vai mudar. Nem deveria; se isso acontecesse, nós nos tornaríamos menos
eficazes naquilo que sabemos fazer de melhor.

Nós somos (na maioria dos casos) voluntários. Nós reservamos um
tempo nas nossas ocupadas vidas para responder perguntas e, às vezes,
ficamos sobrecarregados delas. Então nós as filtramos sem dó nem
piedade. Em particular, nós jogamos fora questões de pessoas que
aparentam ser “losers”, para que possamos gastar nosso tempo de forma
mais eficiente, em questões de “winners”. (N.T.: vencedores)

Se você acha essa atitude condenável ou arrogante, reveja seus
conceitos. Nós não estamos pedindo que se curve diante de nós – na
verdade, o que muitos de nós mais queremos é tratá-lo como igual e
recebê-lo em nossa cultura, se você fizer o esforço necessário para que
isso seja possível. Mas é simplesmente inútil para nós tentar ajudar
pessoas que não estão dispostas a ajudar a si mesmas. Tudo bem ser
ignorante; mas não é legal bancar o estúpido.

Portanto, mesmo que não seja necessário ser tecnicamente competente
para receber nossa atenção, você precisa apresentar atitudes que te
levem a esta competência – mostrar-se preparado, atencioso, observador
e disposto a ser um participante ativo no desenvolvimento de soluções.
Se você não suporta este tipo de discriminação, sugerimos que você
pague a alguém por um suporte comercial ao invés de pedir ajuda através
de doações de hackers.

Se você decidir vir até nós para pedir ajuda, você não quer ser um
perdedor. Você não quer nem se parecer com um perdedor. A melhor
maneira de conseguir uma resposta rápida e precisa é perguntar como uma
pessoa que possui confiança, inteligência e dicas, e que precisa de
ajuda em um problema bem específico.

(Melhorias neste guia são bem-vindas. Você pode enviar suas sugestões – em inglês – para esr@thyrsus.com ou respond-auto@linuxmafia.com. Note, entretanto, que o objetivo deste documento não é ser um guia de netiqueta,
e eu geralmente descarto sugestões que não estejam especificamente
relacionadas a produzir respostas úteis em um fórum técnico)

Antes de perguntar

Antes de fazer uma pergunta por email, em um newsgroup ou em um fórum na web, faça o seguinte:

  1. Tente achar uma reposta pesquisando na Web.

  2. Tente achar uma reposta lendo o manual.

  3. Tente achar uma reposta lendo o FAQ.

  4. Tente achar uma reposta por tentativa e erro.

  5. Tente achar uma reposta perguntando a um amigo experiente.

  6. Se você é programador, tente achar uma reposta lendo o código-fonte.

Quando você faz uma pergunta, demonstre que você fez todas estas
coisas antes; isto irá ajudar a estabelecer que você não está sendo uma
esponja preguiçosa fazendo as outras pessoas perderem tempo. Melhor
ainda, mostre o que você aprendeu fazendo todas estas coisas. Nós
gostamos de responder questões de pessoas que demonstram que podem
aprender com as respostas.

Use táticas como pesquisar no Google com o texto de qualquer
mensagem de erro que você receba (e pesquise no Google Groups assim
como na web). Isto pode levá-lo diretamente ao documento ou à thread da
lista que irá responder à sua pergunta. Mesmo que isto não aconteça, é
legal dizer “Eu pesquisei no Google a seguinte frase mas não encontrei
nada útil” na sua mensagem quando pedir ajuda.

Prepare sua pergunta. Pense além. Perguntas corridas recebem
respostas corridas, ou nenhuma. Quanto mais você demonstrar que
investiu tempo e neurônios na solução do seu problema antes de pedir
ajuda, mais provável será que você consiga nossa ajuda.

Tome cuidado com perguntas erradas. Se você fizer uma pergunta
baseada em pressupostos equivocados, um hacker qualquer vai enviar uma
resposta literal inútil enquanto pensa “Que pergunta idiota…”,
esperando que a resposta ao que você perguntou, mesmo que não seja a
reposta que você espera, te ensine alguma coisa sobre como fazer
perguntas.

Nunca assuma que você merece uma resposta. Você não merece; você não
está, afinal de contas, pagando por este serviço. Você irá ganhar uma
resposta, se ganhar, fazendo perguntas substanciais, interessantes e
intrigantes – uma que contribua com a experiência da comunidade ao
invés de apenas extrair conhecimentos dos outros.

Por outro lado, deixar claro que você pode e quer ajudar no processo
de desenvolver uma solução é um ótimo começo. “Alguém pode me indicar
uma direção?”, “O que está errado no meu exemplo?” e “Qual site eu
devia ter verificado?” é mais provável de receber uma resposta do que
“Por favor, envie o procedimento exato que eu devo usar”, pois assim
fica claro que você está disposto a completar o processo se alguém
apenas indicar a direção certa.

Quando você perguntar

Escolha cuidadosamente seu fórum

Seja cuidadoso ao escolher onde você vai enviar sua pergunta. Você será ignorado ou tachado de idiota se você:

  • enviar sua pergunta em um fórum que não trata do assunto

  • enviar uma questão muito básica em um fórum onde são esperadas questões tecnicamente mais avançadas, ou vice-versa.

  • enviar a mesma pergunta para diversos fóruns ou newsgroups.

  • enviar um email pessoal para alguém que não seja seu conhecido nem responsável direto por resolver seu problema.

Hackers detonam questões que estão inapropriadamente direcionadas
para evitarem que seus canais de comunicação de se tornem
irrelevantes. Você não quer que isso aconteça contigo.

O primeiro passo é, portanto, escolher o fórum certo. Novamente,
Google e outros mecanismos de pesquisa são seus amigos. Use-os para
encontrar os sites dos projetos que estejam mais intimamente relacionados
aos softwares ou hardwares que estão lhe causando problemas.
Normalmente eles possuem links para um FAQ (Resportas à Perguntas
Freqüentes), para listas de discussão e seus respectivos históricos.
Estas listas de discussão são o último lugar onde pedir ajuda se seus
esforços anteriores (incluindo ler o FAQ) não lhe trouxerem uma solução.
A página do projeto também pode descrever como reportar um bug; se for
o caso, siga as instruções.

Enviar uma mensagem para uma pessoa ou um fórum com o qual não está
familiarizado é o mais arriscado. Por exemplo, não pense que o autor de
uma página informativa quer ser seu consultor gratuitamente. Não faça
projeções otimistas sobre sua mensagem ser bem aceita – se você não
tiver certeza, envie sua mensagem em outro lugar, ou não envie.

Quando escolher um fórum web, um newsgroup ou uma lista de
discussão, não leve estes nomes a sério tão rapidamente; dê uma olhada
no FAQ ou na descrição da lista para ter certeza de que sua mensagem
faz parte do tipo de assunto tratado no local. Ler algumas mensagens
antigas antes de enviar a sua pode lhe ajudar a descobrir como as
coisas funcionam na comunidade. Na verdade, é uma excelente idéia fazer
uma pesquisa sobre as palavras-chaves relacionadas ao seu problema
antes de enviar uma mensagem. Se isto não lhe ajudar a encontrar uma
resposta, vai lhe ajudar a formular melhor sua pergunta.

Não dê uma rajada de perguntas em todos os canais de comunicação de uma só vez,
isto é o mesmo que sair gritando e acaba irritando as pessoas. Vá com calma.

Saiba como classificar sua mensagem! Um dos erros clássicos é enviar
perguntas sobre interface de programação Unix ou Windows em um fórum
sobre a linguagem de programação, que é portável para ambas as
plataformas. Se você não compreende o problema neste exemplo, é melhor
não fazer nenhuma pergunta até cair a ficha.

Em geral, questões enviadas para um fórum público bem selecionado
conseguem melhores respostas do que as mesmas questões enviadas para um
fórum fechado. Existem muitas razões para isto. Uma é a quantidade de
pessoas que podem responder. Outra é o tamanho da audiência. Hackers
preferem ensinar algo que seja útil para muitas pessoas do que para
poucas.

É compreensível que hackers experientes e autores de softwares
populares recebem mais do que sua parcela de mensagens mal
direcionadas. Ao enviar sua mensagem você pode, em casos extremos, ser
a gota d’água – algumas vezes, colaboradores de projetos populares
desistiram de dar suporte por causa do efeito colateral que o tráfego
de emails inúteis causou nas suas caixas-postais, tornando-as
intoleráveis.

Fórum web e IRC freqüentemente dão aos novatos as respostas mais rápidas

Seu grupo local de usuários, ou sua distribuição de Linux, deve
divulgar um fórum web ou um canal de IRC onde os iniciantes podem
conseguir ajuda. Estes são bons lugares para começar, especialmente se
você imagina ter topado com um problema relativamente simples e
comum. Canais de IRC, quando divulgados, são um convite para entrar,
fazer perguntas e receber ajuda em tempo real.

Se você está encontrando problemas em um programa proveniente de uma
determinada distribuição de sistema (muito comum atualmente), é melhor
fazer perguntas no fórum/lista da distribuição antes de tentar ir
direto ao grupo do projeto. Os hackers de lá vão dizer “use nossa
versão”.

Antes de enviar mensagem para um fórum web, verifique se ele não tem
um mecanismo de pesquisa. Se tiver, tente encontrar algumas
palavras-chaves sobre o seu problema; isto pode ajudar. Se você fez uma
pesquisa genérica em uma ferramenta de pesquisa na web, tente a mesma
pesquisa no fórum, pois as ferramentas genéricas podem não ter indexado
todo o conteúdo do fórum ou já tê-lo feito há muito tempo, não
mostrando tópicos recentes.

Existe uma tendência crescente nos projetos em usar fórum web e canais de
IRC para suporte, deixando o tráfego de email destinado para o
desenvolvimento. Então, procure por estes canais primeiro quando
estiver procurando ajuda em um projeto específico.

Como segundo passo, use a lista de discussão do projeto

Quando um projeto possuir uma lista de discussão, escreva para a
lista, não para um determinado desenvolvedor, mesmo que você acredite
saber quem melhor pode responder sua pergunta. Procure na documentação
do projeto e visite seu site para descobrir o endereço da lista.
Existem várias boas razões para se fazer isso:

  • Qualquer questão que seja boa para um determinado
    desenvolvedor tem muito valor também para o resto do grupo. Por outro
    lado, se você acha que sua questão é idiota demais para enviar ao
    grupo, isto não é uma desculpa para atormentar um determinado
    desenvolvedor.

  • Fazer perguntas na lista
    divide o trabalho entre os desenvolvedores. Um único desenvolvedor
    (especialmente se ele for o líder do projeto) pode estar muito ocupado
    para responder suas perguntas.

  • Muitas listas
    são arquivadas e indexadas por ferramentas de pesquisa na web. Alguém
    pode encontrar sua pergunta e a resposta apenas pesquisando ao invés de
    perguntar a mesma coisa na lista.

  • Se algumas
    perguntas são feitas com muita freqüência, os desenvolvedores podem
    usá-las para melhorar a documentação ou modificar o próprio sistema
    para torná-lo menos confuso. Mas se a pergunta for feita
    individualmente, ninguém poderá ter uma visão geral do problema.

Se um projeto possui um fórum ou lista dividido entre usuários e
desenvolvedores (hackers), se você não está modificando o código
(hacking), use o fórum/lista para usuários. Não pense que você será
bem-vindo na lista de desenvolvedores, pois eles considerarão sua
mensagem como um ruído atrapalhando o tráfego de desenvolvimento.

Entretanto, se você tem certeza de que sua questão não é banal e você
não conseguiu ajuda na lista de usuários por vários dias, tente a de
desenvolvedores. Uma boa recomendação é dar uma olhada na lista por
alguns dias, antes de enviar sua mensagem, para aprender os modos do
pessoal que a freqüenta (esta dica é válida para qualquer lista privada
ou semi-privada).

Se você não encontrar um endereço do fórum/lista de um determinado
projeto, mas encontrar o endereço do mantenedor do projeto, vá em
frente e faça sua pergunta a ele. Mas, mesmo neste caso, não assuma que
a lista não existe. Deixe claro na sua mensagem que você tentou mas não
encontrou a lista apropriada. Diga também que você não se importa de
ter sua mensagem encaminha para outras pessoas. (Muitas pessoas
acreditam que emails devem permanecer privados, mesmo que não tenham
nenhuma informação secreta neles. Permitindo que sua mensagem seja
encaminhada você dá ao destinatário a opção de como tratá-la.)

Use um subject específico e com significado

Em listas de discussão, newsgroups ou fórum web, o título da
mensagem é sua chance de ouro para atrair, com 50 caracteres ou menos,
a atenção de especialistas qualificados. Não desperdice este
oportunidade com “Por favor, me ajudem” (muito menos “PRECISO DE
AJUDA!!!”; mensagens assim são descartadas por reflexo). Não tente nos
impressionar com sua angústia; ao invés, use este espaço para uma
descrição super-concisa do seu problema.

Uma boa convenção para títulos/assuntos de mensagens, usada pelo
suporte técnico de muitas organizações, é o “objeto – anomalia”. A
parte “objeto” especifica o que está com problemas e a “anomalia”
descreve como o comportamento diverge o esperado.

Estúpido:

AJUDA! Vídeo não funciona direito no meu laptop!

Inteligente:

XFree86 4.1 cursor do mouse distorcido, Fooware MV1005 vid. chipset

Mais inteligente:

XFree86 4.1 cursor do mouse na Fooware MV1005 vid. chipset – distorcido

O processo de organizar o título no modelo “objeto – anomalia” vai
ajudar você a organizar seu raciocínio sobre o problema. O que é
afetado? Só o mouse ou outros gráficos também? Isto é específico do
XFree86? Só da versão 4.1? Será que é específico do chipser Fooware? Só
no modelo MV1005? Um hacker que olha esta mensagem pode imediatamente
entender, de uma tacada só, o que está lhe causando problema e qual o
problema que você está enfrentando.

De uma maneira geral, se imagine olhando para um índice de um
arquivo de perguntas, só com o título delas sendo exibido. Faça seu
título refletir sua questão de forma que o próximo cara com uma
pergunta semelhante a pesquisar o arquivo de perguntas consiga seguir
esta thread até a resposta final, ao invés de enviar a mesma pergunta
novamente.

Se você faz uma pergunta através de uma resposta, certifique-se de
trocar o título (assuto) da mensagem para indicar que você está
perguntando. Um título que contenha “Re: teste” ou “Re: novo bug”
atrairá bem menos atenção. Além disso, cite trechos da mensagem
original o mínimo possível para que os novos leitores a entendam.

Não responda uma mensagem em uma lista para começar uma nova thread.
Isto irá limitar sua audiência. Alguns programas leitores de email,
como o “Mutt”, permite ao usuário ordenar a mensagem por thread
(assunto), encadeando sua mensagem dentro de outras. Pessoas que usam
esse tipo de software e não estão interessados no tópico original jamais
verão sua mensagem.

Trocar o assunto não é suficiente. O Mutt, e provavelmente outros
leitores de email, procuram por outras informações no header, e não o
campo de assunto, das mensagens para associá-la a uma determinada
thread. Ao invés de responder, se quiser começar um novo assunto, crie
uma mensagem completamente nova.

Em fórum web as regras para boa prática são um pouco diferente, pois
as mensagens são fortemente ligadas a um determinado assunto e muitas
vezes invisíveis fora de suas threads. Trocar o assunto quando
perguntar alguma coisa através de uma resposta não é essencial (nem
todos os fóruns permitem fornecer um assunto específico para cada
mensagem da thread, e mesmo quando fazem, ninguém dá atenção a eles).
Mas fazer uma pergunta em resposta a outra é uma prática controversa
por si só, pois ela só será vista por quem está acompanhando a thread.
Então, a não ser que você queira atingir somente os participantes
ativos nesta thread, inicie uma nova.

Torne a resposta mais fácil

Terminar sua pergunta com “Favor enviar resposta para…” tornará
mais difícil conseguir uma resposta. Se você não quer se incomodar em
tirar alguns segundos para configurar o “Reply-to” no seu programa de
email, nós não vamos nos incomodar em tirar alguns segundos para sequer
pensar no seu problema. Se seu programa não permite isso, use um
programa melhor. Se seu sistema operacional não lhe permite usar nenhum
outro programa, use um sistema operacional melhor.

Em fóruns web, pedir para responder para um endereço de email é
extremamente rude, a menos que a resposta contenha dados confidenciais
(e alguém irá, por alguma razão, deixar você – mas não todo o fórum –
ler a mensagem). Se você deseja receber um email quando alguém
responder sua mensagem, configure o fórum para fazer isso. Esta função
está presente em quase todos os fóruns sob o nome de “Monitorar
tópico”, “Enviar email de aviso de resposta” etc.

Escreva de modo claro, gramatical e sintaticamente correto

Nós descobrimos, por experiência, que pessoas que são preguiçosas e
não tomam cuidado com a escrita são, em geral, preguiçosas e sem
cuidado com o ato de pensar ou programar (pode apostar nisso).
Responder perguntas de preguiçosos descuidados não é compensador;
preferimos gastar nosso tempo em outro lugar.

Expressar sua dúvida bem e de forma clara é importante. Se você não
quer se importar com isso, nós não queremos nos importar com você.
Gaste algum tempo aprimorando seu linguajar. Ela não precisa ser dura
ou formal – na verdade, a cultura hacker dá valor à linguagem informal,
casual e com humor usada com precisão. Mas ela deve ser precisa; ela
deve indicar que você está pensando e prestando atenção.

Soletre, pontue e use maiúsculas e minúsculas corretamente. Não
DIGITE TUDO EM MAIÚSCULAS, isto é lido como grito e é considerado
grosseria. (Tudo em minúsculas é só um pouco menos chato, pois é
difícil de ler)

De uma forma geral, se você escreve como um semi-analfabeto muito
provavelmente será ignorado. Escrever como “l33t script kiddie hax0r” é
o absoluto beijo da morte e garante que você não receberá resposta
nenhuma (ou, no máximo, uma pilha de escárnios e sarcasmos).

Se você está fazendo perguntas em um fórum que não está na sua
língua natal, você tem direito de errar um pouco na gramática ou na
sintaxe das palavras – mas não nos casos de preguiça (e sim, nós
conseguimos perceber a diferença). Além disso, a não ser que você saiba
que idioma seu correspondente fala, escreva em inglês. Hackers
atarefados costumam descartar mensagens em línguas que não entendem, e
inglês é a língua padrão da Internet. Escrevendo em inglês você
minimiza as chances de ter sua mensagem descartada sem ser lida.

Envie perguntas em formatos acessíveis e padronizados

Se você tornar sua mensagem difícil de ser lida, é muito provável
que ela seja passada para trás em prol de mensagens mais fáceis de se
ler. Então:

  • Envie mensagens em plain text, não em HTML. (não é difícil desligar o HTML)

  • Anexos
    no formato MIME tudo bem, desde que eles contenham algo realmente útil
    (como um código-fonte ou um patch), não uma bugiganga qualquer gerada
    pelo seu programa de email (como uma cópia da sua mensagem em outro
    formato).

  • Não envie mensagens em que os
    parágrafos são muito longos e sem quebras de linhas. (Isto torna
    difícil responder apenas parte da mensagem) Considere que seus
    correspondentes lerão seus emails em telas com no máximo 80 colunas e
    configure a quebra de linha para este valor ou menos.

  • No
    entanto, não quebre linhas de dados (como trechos de log ou
    transcrições de sessões). Dados devem ser incluídos como eles são, pois
    seus correspondentes terão certeza de estar vendo o que você viu.

  • Não
    envie mensagens codificadas em MIME Quoted-Printable para uma lista em
    língua inglesa. Esta codificação é necessária quando você está enviando
    em uma língua que não pode ser representada pela codificação ASCII, mas
    muitos programas de email não a suportam. Quando isso acontece, aqueles
    =20 espalhados pelo texto atrapalham a leitura – ou podem sabotar a semântica.

  • Nunca,
    jamais espere que hackers leiam documentos criados em aplicações
    proprietárias como o Microsoft Word ou Excel. Muitos hackers reagem a
    isso da mesma forma que você reagiria se jogassem uma montanha
    fedorenta de esterco de porco na sua porta. Mesmo que eles possam
    escalar a montanha, eles não vão querer fazer isso.

  • Se
    você está enviando sua mensagem de uma máquina Windows, desligue os
    estúpidos “Smart Quotes” da Microsoft. Com isto você vai evitar
    espalhar lixo pelo seu email.

  • Em fóruns web,
    não abuse dos “smiles” e das formatações HTML (quando forem
    permitidas). Um smile ou dois tudo bem, mas um texto colorido e cheio
    de carinhas fazem as pessoas pensarem que você é um retardado. Abuse de
    cores, fontes e smiles e você será tratado como uma adolescente
    cacarejando, o que não é uma boa idéia a não ser que esteja mais
    interessado em sexo do que em respostas.

Se você está usando um programa de email com interface gráfica (como
o Netscape Messenger, o MS Outlook ou semelhantes) saiba que você pode
estar violando estas regras com as configurações default. Quase todos
estes programas possuem a função de ver os fontes da mensagem. Dê uma
olhada na pasta de mensagens enviadas e veja se você está mandando
texto puro ou mensagens incrustadas de lixo.

Seja claro e preciso sobre seu problema

  • Descreva os sintomas do seu problema ou bug cuidadosamente e de forma clara.

  • Descreva
    o ambiente em que isto ocorre (máquina, OS, aplicação etc.). Forneça a
    distribuição usada e o respectivo release (por exemplo: “Fedora Core
    4”, “Slackware 9.1” etc.).

  • Descreva a pesquisa que você fez para tentar entender o problema antes de fazer sua pergunta.

  • Descreva os passos que você deu para diagnosticar e tentar resolver o problema antes de fazer sua pergunta.

  • Descreva qualquer mudança recente no seu sistema possa ser relevante para o problema.

Faça o máximo possível para antecipar as perguntas que um hacker lhe
faria, e tente respondê-las antecipadamente no seu pedido de ajuda.

Simon Tatham escreveu um excelente tratado sobre “Como reportar bug de forma efetiva” (em inglês). Eu recomendo fortemente que você o leia.

Quantidade não é precisão

Você deve ser preciso e informativo. Isto não é conseguido apenas
despejando uma grande quantidade de código ou dados no seu pedido de
ajuda. Se você tem um grande e complicado caso de teste que está
causando problemas em um programa, tente podá-lo e torná-lo o menor
possível.

Isto é útil por pelo menos três razões. Um: demonstrar ter feito um
esforço para tornar a pergunta mais simples aumenta sua chance de
conseguir uma resposta, Dois: simplificar a pergunta aumenta sua chance
de receber uma resposta realmente útil, Três: durante o processo de
simplificação do pedido, você pode encontrar a solução ou desenvolver
um remendo por conta própria.

Não diga que você encontrou um bug

Quanto você estiver com problemas em um determinado trecho do
software, não diga que você encontrou um bug a não ser que esteja
completamente certo disso. Dica: a menos que você possa fornecer um
patch que resolva o problema, ou um teste de regressão contra uma
versão anterior que demonstre o comportamento estranho, você
provavelmente não tem certeza o suficiente. Isto se aplica também a
páginas web e a documentação; se você encontrou um “bug” na
documentação, você deve fornecer um texto para substituição e em quais
páginas a correção deve ser feita.

Lembre-se, existem muitos outros usuários que não estão passando pelo
mesmo problema que você. Do contrário você teria notado isso lendo a
documentação ou pesquisando na Web (você já fez isso, não fez?). Isso significa que é muito provável que é você quem está fazendo algo de errado, não o software.

O pessoal que escreveu o software se dedicou muito para fazer o
melhor possível. Se você diz que encontrou um bug, isto significa que
eles fizeram algo de errado, e você quase sempre irá ofendê-los – mesmo
que você esteja certo. Não é nada diplomático gritar “bug” no assunto
da mensagem.

Ao escrever sua mensagem, é melhor escrever imaginando que você fez
algo de errado, mesmo que intimamente você saiba que encontrou um bug.
Se for mesmo um bug, você vai ouvir isso na resposta. Faça dessa
maneira e os desenvolvedores irão se desculpar com você no caso de um
bug, ao invés de você ter que se desculpar com eles caso você tenha bagunçado as coisas.

Curvar-se não é um substituto para fazer o dever de casa

Algumas pessoas, quando percebem que não podem ser rudes ou
arrogantes são o extremo oposto, submissos e suplicantes. “Eu sei que
sou um patético novato, mas…”. Isto não ajuda em nada. Pior ainda
quando isto é acompanhado de informações vagas sobre o problema.

Não perca seu tempo, nem o nosso, com comportamento primata. Ao
invés, apresente o histórico e os fatos da forma mais clara possível.
Isto é bem melhor do que curvar-se.

Algumas vezes os fóruns web possuem áreas específicas para novatos.
Se você acha que tem uma pergunta muito elementar, se encaminhe para
lá. Mas também não chegue lá se curvando.

Descreva os sintomas do seu problema, não o que você “acha”

Não ajuda em nada dizer a hackers o que você acha que está causando
problema. (Se suas teorias sobre o diagnóstico fossem tão boas, você
estaria pedindo ajuda?) Portanto, certifique-se de que está relatando
apenas os sintomas como eles se apresentam e não sua interpretação dos
fatos ou teorias. Deixe eles interpretarem e darem o diagnóstico. Se
você acha que é importante dar sua opinião, deixe isto claro e explique
porque esta resposta não serve para você.

Estúpido:

Estou tendo erros aleatórios de SIG11 na compilação
do kernel, e suspeito que alguma trilha da minha placa-mãe está
quebrada. Como posso verificar isso?

Inteligente:

Meu K6/233 em uma placa-mãe FIC-PA2007 (chipset VIA
Apollo VP2) com 256MB Corsair PC133 SDRAM está provocando erros de
SIG11 aproximadamente 20 minutos depois de ligado durante a compilação
do kernel, mas nunca antes de 20 minutos. Um reboot não afeta essa
contagem de tempo, mas deixá-la desligada de noite sim. Troquei todos
os pentes RAM e não ajudou. Os logs relevantes da sessão de compilação
seguem abaixo.

Falta traduzir: Since the preceding point seems to be a tough one for many people to grasp, here’s a phrase to remind you: “All diagnosticians are from Missouri.” That US state’s official motto is “Show me” (earned in 1899, when Congressman Willard D. Vandiver said “I come from a country that raises corn and cotton and cockleburs and Democrats, and frothy eloquence neither convinces nor satisfies me. I’m from Missouri. You’ve got to show me.”) In diagnosticians’ case, it’s not a matter of skepticism, but rather a literal, functional need to see whatever is as close as possible to the same raw evidence that you see, rather than your surmises and summaries. Show us.

Descreva os sintomas do seu problema em ordem cronológica

As melhores dicas do que está acontecendo quando algo dá errado
estão em eventos imediatamente anteriores. Portanto, sua mensagem deve
conter o que você fez e o que a máquina fez, do início ao fim. No caso
de processos via linha de comando, ter um log da sessão (ex.:
utilitário script) e citar as 20 principais linhas é muito útil.

Se o programa que está apresentando problemas possui uma opção de
diagnóstico (tipo -v para verbose), tente selecionar opções que adicionarão informações úteis de debug. Lembre-se de que mais não é necessariamente melhor. Escolha um nível de debug que irá informar ao invés de afogar o leitor em lixo.

Se sua mensagem, com isso, ficar muito grande (mais do que quatro
parágrafos), pode ser útil criar um resumo bem sucinto no início,
seguido do relatório cronológico. Com isso, hackers poderão saber o que
procurar quando estiverem lendo sua mensagem.

Descreva seu objetivo, não um único passo

Se você está tentando descobrir como fazer alguma coisa (ao
contrário de relatar um bug), inicie descrevendo o objetivo. Só então
descreva os passos executados para alcançá-lo e onde você está empacado.

Geralmente, pessoas que precisam de uma ajuda técnica possuem um
objetivo maior e empacam no que elas acham que é um caminho para este
objetivo. Elas vêm procurar ajuda sobre este passo que está causando
problema sem, muitas vezes, perceber que o caminho inteiro é que está
errado.

Estúpido:

Como eu faço para a paleta de cores do programa FooDraw me mostrar o código hexadecimal?

Inteligente:

Estou tentando trocar a tabela de cores em uma imagem
com valores que eu escolhi. Só que a única maneira que eu vejo para
fazer isso é editar a entrada na tabela, mas eu não consigo fazer
com que o FooDraw me mostre o código hexadecimal.

A segunda versão da questão é mais inteligente. Ela permite que seja
sugerida uma ferramenta mais útil do que a vem sendo tentada até então.

Não peça as pessoas para responderem em seu email particular

Hackers acreditam que a solução de um problema deve ser um processo
público e transparente onde desde a primeira tentativa até a resposta
final possa ser corrigida caso alguém com mais conhecimento descubra
que ela está incompleta ou incorreta. Além disso, eles são
recompensados em parte por serem reconhecidos como competentes por
seus semelhantes.

Quando você pede para responderem de forma particular, você está
quebrando tanto o processo quando a recompensa. Não faça isso. Esta é
uma escolha de quem está respondendo – e, se ele assim o fizer,
provavelmente é porque considerou a questão muito mal feita ou óbvia
demais para ser útil aos demais participantes.

Existe uma única exceção à esta regra. Se você acha que o tipo de
pergunta fará com que você receba diversas respostas parecidas, então
as palavras mágicas são “mandem para meu email e farei um resumo para o
grupo”. Isto é bem visto por tentar salvar a lista de uma avalanche de
mensagens substancialmente idênticas – mas você precisa cumprir a
promessa de mandar o resumo.

Seja específico com relação à sua pergunta

Perguntas vagas tendem a ser consideradas perda de tempo. As pessoas
que melhor podem te dar uma resposta são, geralmente, as mais ocupadas
(justamente por fazerem todo o trabalho). Pessoas assim são alérgicas à
perda de tempo, e conseqüentemente as perguntas vagas.

É mais provável que você consiga uma resposta sendo específico com
relação ao que você espera que seus correspondentes façam (dar dicas,
enviar um código, verificar seu patch etc.). Isto vai fazer com que
eles concentrem seus esforços e estabeleçam um limite sobre o tempo e
energia necessários para te ajudar. Isso é bom.

Para entender o mundo em que os especialistas vivem, imagine que a
sabedoria é um recurso abundante e o tempo é muito escasso. Quanto
menos tempo for necessário para atender seu pedido, maior a chance de
conseguir uma resposta de alguém realmente bom e realmente ocupado.

Portanto, é melhor posicionar sua pergunta de forma que ela exija o
menor tempo possível para um especialista analisar – mas isto não é
mesma coisa que simplificar a questão. Por exemplo, “Você pode me
mostrar onde encontro informações sobre X?” é uma pergunta mais
inteligente do que “Você pode me explicar X?”. Se você tem algum código
que não está funcionando, é mais inteligente perguntar o que está
errado nele do que pedir para que o consertem.

Não mande seus devers de casa

Hackers são bons em descobrir perguntas feitas nos deveres de
casa; muitos de nós fizemos os nossos próprios deveres. Estas
questões existem para que você faça o trabalho, para que você aprenda
com a sua experiência. Tudo bem pedir dicas, mas não a resposta
completa.

Se você suspeita de ter enviado uma questão do seu dever de casa,
mas mesmo assim não souber resolvê-la, tente perguntar em um grupo de
usuários ou (como último recurso) em uma lista usuários de um projeto.
Mesmo que os hackers percebam este tipo de questão, alguns usuários
avançados podem pelo menos lhe dar umas dicas.

Remova as perguntas inúteis

Resista à tentação de terminar sua mensagem com perguntas
semanticamente nulas, como “Alguém pode me ajudar?” ou “Existe uma
resposta?”. Primeiro: se você descreveu seu problema razoavelmente bem,
estas questões são, na melhor das hipóteses, supérfluas. Segundo: por
elas serem supérfluas, hackers as consideram irritantes – e tendem a
enviar resposta logicamente impecáveis mas igualmente inúteis como
“Sim, posso te ajudar” e “Não, não há ajuda aqui para você”.

Evite perguntas de “sim/não” a não ser que queira uma resposta do tipo “sim/não”.

Não marque sua mensagem como “Urgente”, mesmo que ela o seja para você

Isso é problema seu, não nosso. Alegar urgência é normalmente
contra-producente: muitos hackers simplesmente apagarão a mensagem por
causa do egoísmo na tentativa de atrair atenção especial e imediata.

Existe uma “semi-exceção”. Se você estiver com problemas em alguma
lugar de alto-nível, onde um hacker se interessaria em ajudar; neste
caso, se você estiver com o prazo sob pressão, e se você disser isso
educadamente, o pessoal talvez se interesse o suficiente para acelerar
a ajuda.

No entanto, isto é muito arriscado, pois a métrica dos hackers sobre
o que é ou não interessante provavelmente difere da sua. Mensagens
vindo da Estação Espacial Internacional podem ser qualificadas como
interessante, por exemplo, mas mensagens sobre caridade ou causa
política quase certamente não. Vejamos, enviando “Urgente: Me ajudem a
salvar a pele dos bebês focas!” fará você ser evitado ou insultado
mesmo por hackers que consideram os bebês focas importantes.

Se você acha isso um mistério, releia todo este documento repetidamente até entendê-lo, antes de enviar qualquer mensagem.

Boas maneiras não atrapalham, e algumas vezes ajudam

Seja cortês. Use “Por favor” e “Obrigado pela atenção”. Deixe claro
que você ficou grato pelo tempo que as pessoas gastaram te ajudando
gratuitamente.

Para ser honesto, isso não é tão importante quanto a correção
gramatical, clareza, ser preciso e dar boas descrições, evitar arquivos
proprietários etc. (tampouco substituto); Hackers em geral preferem uma
descrição rude mas precisa do que uma mensagem educada e vaga. (Se isto
confunde você, lembre-se de que damos valor a uma questão de acordo com
o que ela nos ensina)

No entanto, se você estiver com suas questões técnicas em ordem, boa educação aumenta sua chance de conseguir uma resposta útil.

(Informamos que recebemos uma séria objeção dos hackers veteranos
com relação ao “Desde já, agradeço a atenção”. Alguns hackers dão, a
esta frase, a conotação de que não existirá um agradecimento posterior.
Nossa recomendação aos que desejam agradecer antecipadamente é de que
façam um agradecimento pessoal aos que ajudaram na solução do problema.)

Mande uma breve mensagem com a solução

Envie um resumo da solução a todos que ajudaram você; faça-os saber
que a ajuda foi útil e agradeça-os novamente. Se o problema atraiu
muito interesse na lista/fórum, envie esta mensagem diretamente para lá.

A melhor maneira é responder a própria mensagem, adicionando
“RESOLVIDO”, “SOLUÇÃO” ou outra coisa igualmente óbvia no assunto da
mensagem. Em listas muito dinâmicas, um participante que lê uma
mensagem sobre “Problema X” e logo abaixo “Problema X – RESOLVIDO” pode
pular esta questão (a não ser que ele julgue o problema X interessante)
e usar seu tempo resolvendo outros problemas.

Sua mensagem não precisa ser longa; um simples “Era um problema no
cabo de rede! Obrigado a todos!” é melhor do que nada. Na verdade, uma
mensagem curta e simples é bem melhor, a não ser que a solução para o
problema tenha realmente uma profundidade técnica muito grande. Diga
apenas que passo resolveu o problema, não precisa recriar todo o
processo de solução.

Para problemas mais complexos é interessante criar um sumário da
solução do problema. Descreva o seu problema final. Descreva o que
funcionou para solucionar o problema e deixe os “tiros n’água” para o
final. As tentativas que não deram certo devem vir por último, depois
da solução correta e do sumário. Evite transformar sua mensagem em uma
história de detetive. Dê nome as pessoas que te ajudaram; assim você
fará muitos amigos.

Além de ser cortês e informativo, este tipo de mensagem ajudará
outras pessoas que estejam procurando no histórico da lista/grupo/fórum
a conhecerem que solução foi útil para você e qual será útil para elas.

Por último, mas igualmente importante, esta mensagem faz com que
todos os que ajudaram se sintam satisfeitos por terem ajudado a
solucionar seu problema. Se você não é um techie ou um hacker, confie
em nós quando dizemos que este sentimento é importante para os gurus e
experts a quem pediu ajuda. Narrativas de problemas que não levam a
nenhuma solução são frustrantes; hackers se coçam até ver isto resolvido.
Você acumulará uma bom karma se ajudá-los a se sentirem bem, o que será
muito, mas muito importante na próxima vez que precisar de ajuda.

Considere fazer com que outras pessoas não passem pelo mesmo
problema que você. Se você achar que criando um patch ou um FAQ ajudará
o próximo, faça-o e mande para o fabricante.

Entre os hackers, este tipo de atitude é mais importante do que uma
boa educação. É assim que você adquire uma reputação, o que pode ser um
bem muito valioso.

Como interpretar respostas

RTFM e STFW: Como dizer que você está realmente enrolado

Existe uma antiga e sagrada tradição que diz: se você recebe uma
resposta com as letras RTFM, a pessoa que as enviou acha que você
precisa “ler a porra do manual” (Read The Fucking Manual). Ele deve
estar certo. Vá ler o manual.

RTFM tem um irmão mais novo. Se você recebe uma resposta com as
letras STFW, a pessoa que as enviou acha que você precisa “procurar na
porra da web” (Search The Fucking Web). Ele deve estar certo. Vá
procurar na web. (Uma versão mais leve é “Google é seu amigo!”)

Em fóruns web, você também pode ser convidado a pesquisar nos
arquivos de mensagens anteriores. De fato, alguém pode até mesmo lhe
indicar o link da conversa onde seu assunto já foi discutido. Mas não
dependa deste comportamento. Faça sua própria pesquisa antes de
perguntar.

Muitas vezes a pessoa que te mandou ler o manual ou procurar na web
está com o manual aberto na página que você precisa ler ou tem o link
de onde a resposta pode ser encontrada enquanto digita sua mensagem.
Estas respostas significam que ele acha que (a) a informação que você
precisa é fácil de encontrar, e (b) você irá aprender mais se procurar
a informação por contra própria do que se recebê-la de mão beijada.

Não se sinta ofendido por causa disso; para os padrões do hacker,
ele está demonstrando um certo tipo de respeito por não ignorar você.
Você deve agradecê-lo por tamanha generosidade.

Se você não entender…

Se você não entender a resposta, não mande imediatamente um pedido
de explicação. Use as mesmas ferramentas que você usou antes de fazer
sua pergunta (manuais, FAQ, web, amigos experientes) para entender a
resposta. Então, se você ainda assim precisar de explicações, demonstre
que você aprendeu.

Por exemplo, suponha que eu te diga: “Me parece que você ficou preso
no zentry; você precisa limpá-lo.” Aqui está uma péssima réplica: “O
que é um zentry?” E aqui está uma boa réplica: “Ok, eu li o manual e
zentries são mencionados apenas nas opções -z e -p. Nenhuma delas diz
como limpar o zentry. É alguma dessas opções ou deixei passar alguma
coisa?”

Lidando com grosserias

Muito do que se parece com grosserias no círculo hacker não tem o
objetivo de ofender. Pelo contrário, isto é um produto de um estilo de
comunicação direta, sem rodeios, que é natural em pessoas que estão
mais preocupadas em resolver problemas do que fornecer carinho e afeto.

Se você se sentir agredido, tente reagir calmamente. Se alguém está
realmente te agredindo é mais provável que um membro sênior da lista ou
do fórum acalme o atacante. Se isto não acontecer e você revidar, é
provável que seu suposto agressor esteja agindo de acordo com as normas
da comunidade hacker e então você será o errado na história. Isto
afetará suas chances de conseguir a ajuda que procura.

Por outro lado, você ocasionalmente verá agressões no grupo. Esta é
uma forma aceitável de rebater os que realmente ofendem o grupo,
dissecando seu comportamento de forma ríspida, como se o escalpelassem
verbalmente. Entretanto, muito cuidado ao fazer isso. A linha que
separa uma correção de incivilidade de uma guerra sem sentido é tão
tênue que os próprios hackers têm medo de chegar perto; se você é um
novato ou não pertence ao grupo, sua chance de acertar é muito baixa.
Se você está procurando informação e não entretenimento, é melhor
manter os dedos fora do teclado e não arriscar.

(Algumas pessoas afirmam que os hackers possuem uma forma moderada
de autismo ou da Síndrome de Asperger e que, na verdade, apresentam uma
deficiência no cérebro que os impedem de terem um comportamento social
“normal”. Isto pode ou não ser verdade. Se você não é um hacker, isto
pode ajudá-lo a colaborar com nossa excentricidade ao achar que temos o
cérebro danificado. Vá em frente, não importa; nós gostamos de ser o
que somos, e geralmente possuímos um saudável ceticismo quanto a
diagnósticos médicos.)

Na próxima seção falaremos de um assunto um pouco diferente; do
tipo de grosseria que você vai ver quanto se comportar mal.

Não reaja como um otário

Algumas vezes você irá fazer besteira em uma comunidade hacker – de
forma descrita neste artigo ou similar. E você será avisado onde
exatamente você errou, geralmente sem papas na língua. Em público.

Quando isso acontecer, a pior coisa que você pode fazer é ficar
chiando, alegar que foi violentado verbalmente, exigir desculpas,
gritar, prender a respiração, ameaçar ir para a justiça, reclamar com o
patrão das pessoas, deixar a tampa do vaso levantada, etc. Invés disso,
eis o que deve fazer:

Supere. Isso é normal. Na verdade, isto é saudável e muito apropriado.

Normas de comunidades não as sustentam: elas são mantidas por
pessoas que as aplicam na prática, visivelmente, em público. Não
reclame que todas as críticas devam ser feitas em particular: Não é
assim que isto funciona. Também não é útil insistir que você foi
insultado quando alguém comentar que uma afirmação sua está errada ou
que ele pensa diferente. Isto é uma atitude deplorável.

Existem alguns fóruns por aí onde, por causa de um errático senso de
super-cortesia, os participantes são banidos por delatarem erros na
forma como a mensagem é enviada, dizendo “não diga nada se você não vai
ajudar o usuário”. Isto impede que importantes dicas de comportamento
sejam passadas para a comunidade e tornam o fórum inútil.

Exageradamente amigável (como descrito acima) ou útil: escolha um.

Lembre-se: Quando aquele hacker diz que você pisou na bola e (não
importa quão ríspido) ele diz que você não deve fazer isso novamente,
ele está preocupado com (1) você e (2) sua comunidade. Seria muito mais
simples ele ignorar você e deixá-lo de fora da sua vida. Se você não
consegue se sentir grato por isso, pelo menos tenha um pouco de
dignidade, não esperneie, não espere ser tratado como uma boneca de
porcelana só porque você é um novato com uma alma teatralmente sensível.

De vez em quando alguém irá atacar você, de forma gratuita e sem
nenhuma razão aparente, mesmo que você não tenha feito nada de errado
(ou tenha feito somente na imaginação do seu agressor). Neste caso,
ficar reclamando é uma maneira de realmente pisar na bola.

Estes atiçadores são ou lamers que não sabem de nada mas acreditam
serem experts ou pretensos psicólogos testando o quanto você suporta.
Os outros leitores ignoram eles, ou encontram maneiras próprias de
lidar com essas pessoas. Este comportamento trás problemas por si só e
isso não deve preocupar você.

Não caia no joguinho de guerra de insultos. Estas brigas devem ser
ignoradas – uma vez que você se certificou de que são apenas brigas sem
sentido, não atacam nenhum ponto em que você realmente errou nem tenta,
de nenhuma forma, elucidar sua questão.

Perguntas que não devem ser feitas

Pergunta: Onde eu encontro o programa ou o recurso X?

Pergunta: Eu posso usar X para fazer Y?

Pergunta: Como eu configuro meu prompt da shell?

Pergunta: Eu consigo converter um documento do formato AcmeCorp em arquivo TeX usando o conversor de arquivos Bass-o-matic?

Pergunta: Meu {programa, configuração, statement SQL} não funciona.

Pergunta: Estou com problemas no meu Windows. Você pode me ajudar?

Pergunta: Meu programa não funciona. Acho que o sistema X está ruim.

Pergunta: Estou com problemas para instalar o Linux ou X. Pode me ajudar?

Pergunta: Como invadir/roubar op de um canal/ler o email de outra pessoa?

Pergunta:

Onde eu encontro o programa ou o recurso X?

Resposta:

No mesmo lugar onde nós encontramos, mané – na outra ponta de uma pesquisa web. Meu Deus, ninguém aprendeu como usar o Google, ainda?

Pergunta:

Eu posso usar X para fazer Y?

Resposta:

Se o que você deseja fazer é Y, você deveria
perguntar sem pressupor um método que pode não ser o apropriado.
Questões assim indicam que a pessoa não é apenas ignorante com relação
a X, mas também confusa sobre o problema Y e muito apegada aos detalhes
de uma situação particular. Normalmente é melhor ignorar essas pessoas
até que elas melhor definam seus problemas.

Pergunta:

Como eu configuro meu prompt da shell?

Resposta:

Se você é esperto o suficiente para fazer esta pergunta, é esperto o suficiente para RTFM e descobrir por conta própria.

Pergunta:

Eu consigo converter um documento do formato AcmeCorp em arquivo TeX usando o conversor de arquivos Bass-o-matic?

Resposta:

Tente e descobrirá. Se você fizer isso você (a) vai descobrir a resposta e (b) não vai desperdiçar meu tempo.

Pergunta:

Meu {programa, configuração, statement SQL} não funciona.

Resposta:

Isto não é uma pergunta, e eu não estou disposto a
brincar de perguntas e respostas até conseguir extrair a pergunta certa
de você – tenho coisas melhores para fazer. Ao ver coisas assim, minha
reação é, normalmente, uma destas:

  • Você tem algo a acrescentar?
  • Ah, que pena, espero que resolva este problema.
  • E o que eu tenho a ver com isso?

Pergunta:

Estou com problemas no meu Windows. Você pode me ajudar?

Resposta:

Sim, jogue fora esse lixo da Microsoft e instale um sistema operacional open-source como o Linux ou BSD.

Nota:
Você pode fazer perguntas relacionadas a máquinas Windows se elas forem
sobre programas que possuem uma versão oficial para ele ou interaja com
ele (p.ex.: Samba). Apenas não se surpreenda com a resposta de que o
problema é no Windows e não no programa, pois o Windows é tão
problemático que geralmente é isto o que acontece.

Pergunta:

Meu programa não funciona. Acho que o sistema X está ruim.

Resposta:

Mesmo que seja possível você ser o primeiro a
perceber uma deficiência óbvia de uma system call ou uma biblioteca de
sistema usada por centenas ou milhares de pessoas, é mais provável que
você esteja fazendo alguma coisa errada. Declarações extraordinárias
precisam de evidências extraordinárias. Quando você afirma uma coisa
dessas, você precisa se preparar com uma documentação clara e completa
sobre o problema.

Pergunta:

Estou com problemas para instalar o Linux ou X. Pode me ajudar?

Resposta:

Não. Eu preciso estar em frente ao seu computador
para fazer isso. Pergunte para o seu grupo local de usuários Linux.
(você encontra uma lista de grupos de usuários aqui).

Pergunta:

Como invadir/roubar op de um canal/ler o email de outra pessoa?

Resposta:

Você é uma forma de vida inferior por querer fazer esse tipo de coisa e um idiota por pedir ajuda a um hacker.

Boas e más perguntas

Finalmente, irei demonstrar como fazer perguntas de forma
inteligente através de exemplos; pares de questões sobre o mesmo
problema, uma pergunta feita de forma estúpida e outra de forma
inteligente.

Estúpida: Onde posso encontrar informações sobre o Foonly Flurbamatic?

Esta pergunta está implorando por uma resposta do tipo “STFW”.

Inteligente: Usei o Google para procurar por
“Foonly Flurbamatic 2600” mas não obtive nenhum resultado satisfatório.
Alguém sabe onde encontrar informações sobre programação para este
device?

Esta passou pelo “STFW” e parece que tem realmente um problema.

Estúpida: Não consigo fazer o código do projeto foo compilar. Porque ele está ruim?

Ele assume que alguém fez besteira. Muito arrogante da parte dele.

Inteligente: O código do projeto foo não compila
sob um Nulix version 6.2. Já li o FAQ, mas não existe nenhuma
referência a problemas com sistemas Nulix. Aqui está uma transcrição da
minha tentativa de compilar o código; fiz alguma coisa errada?

Ele especificou o sistema, ele leu o FAQ, ele mostrou o erro e ele
não está assumindo que o problema é de ninguém além dele mesmo. Este
cara merece alguma atenção.

Estúpida: Estou tendo problemas com minha placa-mãe. Alguém pode me ajudar?

O hacker Fulano de Tal normalmente exclama, ao ler uma mensagem
assim, “Certo, quer tapinha nas costas e que troque a fraldinha
também?”, e logo depois dá um soco na tecla delete.

Inteligente: Eu tentei X, Y e Z na placa-mãe S2464.
Não funcionou, então tentei A, B e C. Note o curioso sintoma quanto
tentei C. Obviamente o problema está na rebimboca da parafuseta,
mas os resultados não são os que eu esperava. Quais são as causas mais
comuns para isso acontecer em placas Athlon MP? Alguém tem alguma
idéia de como posso resolver o problema?

Esta pessoa, por outro lado, parece ter se esforçado por uma
resposta. Ele demonstrou uma lógica de quem está batalhando pela
solução e não quer que alguém jogue a resposta no seu colo.

Na última pergunta, atente para a súbita mas importante diferença
entre pedir “Me dê uma resposta” e “Por favor me ajude a descobrir que
diagnósticos preciso rodar para encontrar uma luz”.

Na verdade, o formato desta última questão é baseada em um incidente
real que aconteceu


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também: