O Link da Rua é a Serventia da Casa

corrente.jpgOu: Coloque um link externo e diga adeus a seus leitores. Eu sei, é triste, mas é verdade. Quando usava um plugin para contabilizar cliques, na maioria das vezes o primeiro link em um artigo era o mais clicado.

Nem esquentou cadeira, o visitante já partiu pra outra. A quantidade de cliques decresce à medida que o texto vai chegando a seu final. Quanto mais enterrado um link, menos usado.

Isso quer dizer que devemos seguir a orientação de alguns probloggers, de não colocar links externos, somente para nossos próprios sites ou artigos dentro do mesmo blog?

Eu acho que não. A estrutura de hyperlinks é a razão da existência da Web. Se você não gosta disso, largue o blog e vá escrever um livro. A graça é justamente você estar em uma página, ver algo interessante, clicar, ir para outra, outra outra e outra. Um usuário mais experiente com um Firefox da vida vai clicar com o botão direito e abrir em outra aba, enquanto continua lendo o seu texto. Quanto ao resto, esperemos que voltem.

Do ponto de vista mercadológico, o ideal é que o usuário não saia de seus domínios, passe o resto da vida percorrendo suas milhares de páginas de conteúdo, clicando nos banners e gerando receita equivalente ao PIB de alguns países da África, mas na prática a não-existência de links só gera uma experiência pobre.

E pobreza só agrada aos intelectuais. Torne seu site interessante, interaja, coloque links para o que for interessante e justifique seus argumentos. O leitor não tem obrigação de acreditar em você, ele se sente mais confortável com uma sucessão de fatos e links, que mostrem de onde vieram suas idéias e em que elas se baseiam.

Do contrário seu texto sem links se tornará só mais uma pérola do achismo, exemplo clássico de blog C-List, me myself & I, que começa e termina no autor. E isso, eu acho, não dá IBOPE. Aliás, acho não, tenho certeza.

(este texto foi feito propositalmente sem links para demonstrar o quanto um argumento pode virar “achismo”, quando não se baseia em nada além da opinião do próprio autor)

Technorati : , ,


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias.

Prestigie essa liberdade, faça uma doação, ou melhor ainda, assine meu crowdfunding, torne-se um colaborador mensal e ajude a combater a mediocridade! Cada centavo diminui a chance de você me ver em uma banheira de Nutella!

Leia Também:

11 Comments

  1. Muito bom. Realmente, vale a pena ler seu Blog!

    Pode contar com as clicadinhas no Adsense ;-) (pode editar essa linha! rsrs)

  2. Realmente muito bom mesmo, o pior é que passei o texto todo procurando alguma palavrinha azul, força do hábito eu acho… =)

    PS: E usuários experientes do Firefox nem clicam com o botão direito do mouse, vão logo no Ctrl + Clique mesmo ou então um clique em cima do link naquele botão giratório do mouse! (Sempre é bom difundir atalhos desse excelente navegador).

  3. Os links externos são totalmente viáveis, sim. Essa mentalidade ignorante, de que postar links que não façam parte do próprio domínio, é arcaica… não é idéia de profissional.

  4. “Nem esquentou cadeira, o visitante já partiu pra outra.”
    Muitas vezes acontece isso comigo – “parto para outra” – mas só quando o blog/site/texto que estou a visitar não tem qualidade e não me motiva a continuação da leitura/visita.

    No entanto, não concordo com a ideia de muitos bloguer’s, que é colocar a fonte de tudo o que é imagens e/ou textos que re-publicamos nos nossos blog’s.
    Eu realmente faço isso apenas quando sei que estou a utilizar um conteúdo original e aí eu referencio essa fonte (a original).

    Se eu encontrar um conteúdo que eu sei que não é original desse blog/site que estou a visitar, porque é que eu devo estar a referênciar a fonte se essa própria fonte não referênciou a origem do conteúdo?

    Ou talvez eu esteja errado…

  5. Internet sem links não é internet ;)

    Eu sei que excesso de links me prejudicam de várias formas, mas mesmo assim, prefiro deixar link para tudo:

    De onde vem a notícia

    De todos os blogs que leio

    de vários anúncios

    Etc…

    As vezes fico meio cansado de tanta estratégia e só quero escrever…

    PS.: Usuários experientes do Firefox usam o botão do mei para abrir em uma nova aba em segundo plano.

    Por que usuário do windows acha que o botão do meio só server para separar os outros dois?

    Abraço

  6. Na verdade eu clico com o botão mouse3 (o de rolagem) no Firefox. Deixei exatemente 11 abas carregando enquanto lia este post que não me deu nenhuma nova aba.. Rsrsrs

  7. Sim, sim, claro.

    Não quer links? Leia o folheto do sindicato.

  8. Jorge Flávio

    Cardoso, acho que uma abordagem interessante seria fazer como o site do javaworld: colocar todos os links no final do artigo, como Resources (fontes de pesquisa).

    Assim, não limitamos a liberdade do leitor e, ao mesmo tempo, passamos a nossa idéia completa para aqueles que sofrem de déficit de atenção (ou afobação, como diria minha avó :)).

    Aliás, essa é a estrutura que usamos num artigo ou trabalho para escola, não é? Bem, posso estar errado, afinal nem blog tenho ainda… :P.

  9. Leu Small Pieces Loosely Joined?

  10. Aliás, sem links externos, eu não teria chegado até aqui :)

  11. Não é à toa que utiliza-se Hiper Texto, não é mesmo? Mas nem sempre encontramos textos "recheados" de links, com boa referências externas. Achei o texto bem web-educativo.

    PS: Gostei dessa parte, falou tudo: "Um usuário mais experiente com um Firefox da vida vai clicar com o botão direito e abrir em outra aba, enquanto continua lendo o seu texto."

Comments are closed