Blogueiro que é blogueiro bloga até sem computador

balzac.gifBalzac, que escrevia muito melhor que o senhor, o fazia à luz de velas”

Essa, reza a lenda, foi a resposta do prefeito de Bogotá quando Gabriel Garcia Marquez reclamou dos apagões constantes interferindo com sua máquina de escrever elétrica*.

O prefeito estava certo. O ato de escrever depende muito menos de como se escreve do que de quem escreve. Pouco importa se o autor utiliza cadernos manuscritos, máquinas elétricas ou o IBM Via Voice ditando diretamente para o computador.

A tecnologia não afeta o produto final, e sim o processo, e nesse momento ela pode, realmente, fazer diferença.

Como já contei, estou sem computador, usando quase sempre só o PocketPC para escrever meus artigos, gerenciar emails, etc. É complicado em alguns pontos, mas é uma opção viável, embora tenha alterado substancialmente minha forma de trabalhar.

Escrever em um dispositivo móvel traz alguns pequenos efeitos colaterais:

Os parágrafos tendem a ser curtos. A sensação passada pela tela pequena é de que o tamanho está correto, mas quando exibidos em um monitor “de verdade” percebemos que o texto não está tão bem separado quanto imaginamos. Já juntei parágrafos mais de uma vez, após perceber o efeito telegráfico de escrever no PDA.

Perde-se a noção de tamanho do texto em si, pois não é possível visualizar o texto em páginas. Para um escritor ou jornalista das antigas, sem problemas, o PDA fornece o tamanho do texto em caracteres e em palavras, mas para quem trabalha com páginas ou laudas é uma informação não disponível, que pode fazer falta.

A parte de pesquisa também fica prejudicada. No PC costumo trabalhar com várias janelas abertas em um browser, com o Dictionary.com, a Wikipedia (de verdade), Google e uma ou outra obra de referência, assim quando preciso de um link ou uma informação, está facilmente disponível. No PocketPC posso manter algumas janelas abertas, mas o acesso é mais lento e mais apertado (mesmo em resolução VGA) que em um PC convencional. O resultado é que os textos no PocketPC são produzidos cheios de marcações, geralmente #### ou algo parecido, que quando revisados no PC são então trocadas pelos links finais.

A pesquisa de material se torna mais linear também, pesquiso o tema completamente antes de começar a escrever. Parece algo que deve ser feito todas as vezes, mas na prática já tenho uma idéia muito boa da estrutura do texto, então é mais produtivo um alt+tab do que montar toda uma estrutura de pesquisa que trará 90% de informação que já é de meu conhecimento.

Note que isso não é uma contradição em relação ao artigo de ontem, quando reclamei da mania de substanciar cada espirro com dois ou três links, abrindo mão do tempero em nome da informação pasteurizada.

Existem textos e textos, claro. No caso, falo de textos que demandam pesquisa. Não são todos. Os melhores, eu diria, dependem mais de bagagem do que pesquisa. Minha coleção de fotos de computadores dos anos 80 não precisou de nenhuma googlada, as informações ainda estavam fresquinhas em minha memória. Já um post sobre Os Maiores Blogueiros do Brasil exige uma boa pesquisa, pelo menos no site da Época e no do programa da Adriane Galisteu.

O PocketPC realmente tem me ajudado, mas uma coisa que aprendi com os US Marines é ter sempre um Plano C. Assim tenho também o Smartphone, meu leal Nokia 6600. E adivinhem: Ele funciona com o teclado Bluetooth, o teclado Infravermelho e mesmo com o T9, o método de entrada padrão, é suficiente para muitos trabalhos. A maior parte deste texto, por exemplo, foi escrita no celular.

Moral da história? Tenha sempre ao menos um Plano B; lembre-se que embora o conteúdo seja o essencial, dominar mais de uma ferramenta é importante. Experimente fazer todo um texto sem seu navegador ou editor favorito, arrume um bloquinho ou um caderno, escreva seu post e adie a ida para o micro até o último minuto.

Do contrário, se você se acostumar a só escrever com o computador, você nunca será um Balzac. No máximo um Garcia Marquez.


* Muito provavelmente eu errei o escritor latino, a cidade e o país. vi essa referência em um livro do Veríssimo, que obviamente não tenho idéia qual seja, no momento. O Balzac tenho certeza de que era ele mesmo, o que é excelente, pois me permitiu publicar a foto, deliciosamente parecida com Ron Jeremy.


Technorati : , ,


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • T9 é uma maravilha pra escrever (rascunhos de) posts…

    Quando estou longe do PC normalmente faço um rascunho no celular….

  • O prefeito, acredito, passou longe de estar certo e de falar alguma coisa interessante sobre o ofício da escrita. Se Baudelaire acreditasse escrever melhor sobre o influxo do vinho, o que diríamos? Que ele é um dependente e portanto não pode ser comparado a Balzac, que escrevia mesmo nas piores condições? Duvido muito que este argumento tenha alguma consistência. Perceba que há um certo "paradoxo" na seguinte parte: se o que importa é "quem" escreve e não "como" se escreve, imediatamente estamos afirmando que o que importa é o "como" se escreve para "quem" escreve. Não sei se fui claro, mas uma situação possível seria a de Baudelaire ou a seguinte: se Joyce ou Thomas Mann escrevessem apenas à máquina, o fato de eles terem sido "quem" foram bastaria para legitimar o uso da máquina e ao mesmo tempo Balzac não deixaria de estaria menos certo ao escrever de punho, pelo simples fato de que era "quem" era, Balzac. Se o certo e o "errado" convivem pacificamente, está claro que o uso destes termos é inapropriado (pois a presença de um implica a negação do outro) e que eles não se aplicam ao caso, já que o princípio de avaliação não está no como, mas no quem.

    O prefeito foi apenas rancoroso ao fazer uma comparação esdrúxula, visto que é muito provavel que Balzac não tenha "escolhido" não usar qualquer tecnologia avançada, mas que não o tenha "feito" pela simples limitação da época, uma vez que a máquina surgiu no final do século XVIII mas só foi ganhar corpo comercial no final do século XIX e que, mesmo assim, o avanço comercial não obedecia a dinâmica de hoje.

    Portanto, se você sente falta de seu computador e acha que por isto escreve/escreverá pior que Balzac, anime-se, o prefeito estava errado e Balzac e na minha humilde opinião (que reconhece o lugar e a importância do escritor francês) é um belo chute em los cojones.

  • essa história acho que voce conhece Cardoso:

    "Uma certa manhã, na redação da extinta revista Manchete, seu fundador, Adolpho Bloch, estava junto com sua equipe de fotógrafos, vendo umas imagens premiadas pelo mundo.

    Um dos fotógrafos comentou:

    – Mas também, o senhor tem que ver o equipamento deles! Só usam máquinas fotográficas de última geração, top de linha.

    Adolph Bloch, então, respondeu:

    – Ah, é? Você então acha que a foto está boa por causa do equipamento?

    Foi quando pegando no bolso sua caneta Montblanc de ouro, ele disse:

    – Toma! Me escreve então um best-seller!!"

  • Eu geralmente faço isso nos fins de semana, quando minha noiva se apossa do computador. Pego meu 6600 de guerra, leio meus meus emails pelo Profimail, meus feeds pelo RescoNews e posto direto pelo Opera enquanto converso com o povo no agile messenger. Claro que, compartilhando o velox por bluetooth, que eu não sou rico.

    GPRS só pra "flagras" de moBlog .. :)

  • Aí vem os palmiteiros dizendo que não precisam de multitarefa no PDA… nós do Symbian temos até no telefone ;)

  • Lu

    Até andava sempre com um bloco na bolsa, mas depois de comprar o pda aposentei-o… cada vez uso menos papel, o que é realmente um problema em alguns casos – minha letra está se tornando horrível e a mão dói se preciso escrever mais de uma lauda, isso pra não mencionar a velocidade, que cai demais quando escrevo no papel… daqui a pouco, vou escrever mais rápido com o Graffiti (sei lá o nome que é dado ele no ppc) que com papel e caneta.

    A citação do Bloch transcrita nos comentários voltou à Megapixels esses dias, pra variar um pouco. :P

  • Com certeza com o PDA é bem melhor do que com o bloquinho ;)

  • Pingback: BetaBlog -()