Desafetos, inimigos, nêmesises ou concorrência. Blog tem isso?

A primeira pergunta: Qual o plural de Nêmesis?

A segunda: Um blog pode concorrer com outro diretamente? Ou um blogueiro pode ter desafetos, mas isso não afetar os blogs?

A verdade é que se eu não gostar de um blog, como o kibe, eu tenho muito pouco a fazer contra ele. Se iniciar uma campanha “não visite o blog tal” um monte de gente vai até lá, só por curiosidade. Se não colocar o link, alguém vai usar a porra do google e achar. A saída é o ostracismo, mas tentar lançar ao ostracismo alguém com 10x mais visitas que você não é uma atitude muito inteligente ou eficiente.

E não, não adianta gritar “Enuch Chuck” e achar que seu blog vai crescer do nada. Mesmo que funcionasse você terminaria patético como o Chefe Apache. Fora o tempo. “Eu te pego, daqui a Dez Anos” é algo que poderia ser dito pra Jennifer Connelly em Labirinto, não para um blog. Lembre-se, seu desafeto também terá oportunidade de crescer.

Ignorar parece ser a melhor solução. Ainda mais com a dificuldade de concorrer com alguém funcionando dos dois lados. Lembre-se, a moeda em questão é o tempo de seu visitante, e se você quer o visitante mais qualificado, está falando de RSS, o que torna o fator tempo bem mais irrelevante.

Com gente acompanhando 200, 300 blogs por dia, tomar espaço de alguém é muito difícil. Eu mesmo acompanho vários blogs sobre o mesmo tema, muitas vezes com notícias repetidas, mas visões diferentes. Cobrar exclusividade de seu visitante, fazer uma campanha contra um site da mesma área é algo que garante a antipatia do leitor. Fica parecendo mesquinharia. Se for um site grande, é inveja. Se for um site menor, é crueldade. Não dá pra sair bem na fita.

Claro, uma opinião bem-defendida é sempre bem-vinda. Meu artigo-que-nunca-sai “porquê não gosto de kibe” bate pesado, mas não somos concorrentes e eu sinceramente não quero o público dele, você sabe como odeio explicar piada.

O que vejo acontecer são blogs da mesma área criando uma sinergia, citando uns aos outros, escrevendo artigos complementando ou refutando idéias expostas nos “concorrentes”.

Confie na qualidade de seu trabalho, use e abuse de seus “concorrentes” (no bom sentido, no mau só se for um concorrente gatinha) como fonte de idéias (não plágio, por favor) e material de discussão. Cite-o, com links, se sua argumentação for boa ele ficará tentado a refutá-la. Você ganha um trackback e o leitor ganha dois textos bons.

Ou então não cite ninguém, assuma que todo mundo é seu concorrente/inimigo direto, só referencie quem está absolutamente fora da sua área de atuação (e portanto irrelevante para seu leitor) e aproveite o palco, só não se esqueça que ninguém aguenta monólogos de mais de duas horas.

PS:Não visite o Kibe.

 

Technorati tags: , ,

O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • A cereja no bolo foi a irônica "PS:Não visite o Kibe."

  • Não visito o kibe.

  • A tempo acompanho o seu blog, parabéns pelos ótimos posts

  • Obrigado, Alan. E Lembre-se: Não visite o kibe.

  • Cardoso,

    Já li você comentando que não devemos ser gananciosos na blogsfera. Se me lembro bem, você pensava que blogueiros devem viver em harmmonia e linkar uns aos outros. E, que todos devem confiar nos seus tacos, que o leitor não era "besta", vai vistar quem ele quer realmente visitar buscando conteúdo. Que é isso Cardoso? Tô estranho esse seu artigo… :P

    Abraços

  • Uma dinâmica interessante que existe entre os blogs é justamente o que você citou. Alguém escreve um artigo, outro blogueiro ler e escreve algo baseado no post lido, ou criticando ou concordando. Isso com certeza favorece os leitores que se deparam com visões diferentes sobre um determinado assunto.

    Um grande problema da imprensa comum é que as notícias nem sempre são imparciais e leva o telespectador/leitor a acreditar em uma opinão tendenciosa que é entendida como verdade absoluta pela maioria.

  • Em um mundo ideal sim, mas sejamos realistas, o que eu ganharia linkando para o kibe, ou para blogs que roubam meu conteúdo?

    Respeito, cortesia, valem enquanto são recíprocos.

    Quanto à imparcialidade editorial, é um mito latinoamericano, imprensa, como qualquer outro tipo de empreendimento, tem sim uma opinião, errados somos nós de exigir um imparcialidade utópica. Você tem SIM que mostrar o outro lado, mas querer que um jornal de oposição como o Jornal do Brasil, por exemplo, finja que não tem opinião, é querer demais.

    Já trabalhei em um jornal sindical, e acredite, mesmo com manchetes "Collor descobre cura da aids: Milhões de inocentes vírus mortos", ainda cantavam a pedra de uma pseudo-imparcialidade.

  • Kibe?? que kibe? Tenho uma vaga lembrança de algum dia ter visto um site com esse nome.

    A questão do linkar, trackebequear, essas coisas, tem mesmo que ser incentivada. Só aí que se cresce com bases fortes.

  • Mário

    Belo artigo. Pra falar a verdade não acho a mínima graça nas piadas dele. Enquanto no site dele visito pra saber se tem algo bom, geralmente no seu sou presenteado com bons textos, essa é a grande diferença.

  • Não visite a VISIE Cardoso? =P

    []'s

    Danilo Cesar

  • Pois é. A estratégia da Visie foi muito bem-pensada, isso tenho que admitir.

  • Sem a menor sombra de dúvida….

  • A verdade é que se eu não gostar de um blog, como o kibe, eu tenho muito pouco a fazer contra ele. Se iniciar uma campanha “não visite o blog tal” um monte de gente vai até lá, só por curiosidade. Se não colocar o link, alguém vai usar a porra do google e achar. A saída é o ostracismo, mas tentar lançar ao ostracismo alguém com 10x mais visitas que você não é uma atitude muito inteligente ou eficiente.

    Concordo que essas são formas pouco eficientes mesmo. Mas existe algo que, creio eu, seja eficaz, ainda mais quando tu tens alta credibilidade com os teus leitores: uma crítica bem feita. Se tu consegues criticar e apontar os defeitos, vícios e desvirtudes do magrão, por mais que os leitores visitam teu desafeto, eles irão com o pé atrás, desconfiados e tendendo a ter a mesma opinião que tu.

  • Bruno Oliveira

    Estou impresionado com o teu trabalho e tua irônica dignidade.

    Espero o próximo post, que seja tão bom quanto este.

  • Cardoso, acho que Nemesis não tem plural, porque é uma palavra vinda direto do grego, sem alterações. Repito: eu ACHO.

    E quanto ao kibe, não gosto de kibe. Nem cru nem digerido, como é o caso. Prefiro Lehmeyun (e aposto que você não sabe o que é, haha)!

  • Eu sempre chego atrasado, mas não é porque não disseram que não vou dizer também. "Não visite o Kibe" foi de mestre. hehehehehe…

  • Diz o Google que é comida Armênia. Nunca provei. Gosto muito desse tipo aqui, mas essa é feita pelo meu terrorista freedom fighter particular, um cara super-gente boa de Vitória, ES, o Sahid.

  • Faz muito tempo que não visio o Kibe… Vou lá agora só pra provocar.

    ///////……

    Que merda, lembrei que essa droga não tem comentário…

  • Me indicaram esse blog e acabei de favoritá-lo.

    O kibe não.

    Abraço!

  • Muito bem! :p É armênia, sim. Aqui no Urugauy é muito popular, a comunidade armênia é enorme. EU adoooro lehmeyun, é uma espécie de tortilla (versão árabe da mexicana, diria eu) coberta com pino (carne moída, muita cebola, salsinha, pimentão e especiarias) e cozida no forno. Se come regada com limão. Bah, me deu fome só de lembrar!

    O que tem na foto é hummus com pão sírio? Também gosto. Meanwhile, o banner da Al Jazira ficou engraçado.

  • Mesmo que você tenha um desafeto, acredito que linkar a essa pessoa também acrescenta conteúdo. Mostra que mesmo não se dando bem, na hora de divulgar a informação a pessoa deixa de lado conceitos pessoais para um bem maior: notícias, textos, etc. mais completos e bem fundamentados.

  • Bem maior? Linkar alguém que eu não gosto, não considero e não respeito é um desserviço, isso sim.

    PRA PRINCÍPIO DE CONVERSA eu não freqüento blog de quem não gosto.

  • Ué, e precisa esclarecer isso? Pra mim é mais do que óbvio. A menos que você seja masoquista, aí a história é outra.

    E se for o caso de dar notícias mais completas e fundamentadas, as fontes abundam. Não vejo a necessidade de se torturar lendo blogs que a gente não gosta.

    Claro que isso poderia demonstrar magnanimidade, superioridade ou alguma outra "idade", mas eu me lixo pra isso. Não vale a pena ser magnânima se tenho que sofrer. :P

  • esse "PS:Não visite o Kibe."

    me fez dar vontade de ir lá no kibe ver como andam as coisas por lá, apesar de não achar graça de 80% das coisas de lá..

  • Se iniciar uma campanha “não visite o blog tal” um monte de gente vai até lá, só por curiosidade.

    É a velha formula do sucesso "Falem bem, falem mal, mas falem!"

    Agora sobre seu desafeto fiquei com algumas duvidas:

    -Blog não precisa ter comentários?

    -Não precisa ter texto?

    -O que é Favoritos mesmo?(Sem feed vou agrupar como)

    Putz seguindo a formula desculpe por ter feito propaganda dele.

  • Responder à sua primeira pergunta é, talvez, a menos trabalhosa tarefa. Parece que o plural de nemesis é Nemeseis em Grego, e Nemesi em Latin.

    Como diria o vilão JigSAW do filme SAW:

    "Made your choice"

    Bem, agora contextualizando o post, eu gostaria de sugerir um novo título para um eventual post seu.

    Existe vida inteligente fora (além) da Blogosfera?

    Porque a blogosfera parece se limitar à uma panela de uma meia dúzia hehehe….acho que tem muito blog ae bem legal que não tá na mídia da própria blogosfera (vivendo de mecanismos de busca, e de outros universos exteriores)

    abraços e keep the hard work

  • Numa analogia, a TV Globo finge não dar bola às concorrente. Contudo, sabe de tudo que se passa por lá e assim se prepara para manter sua liderança.

    Claro que a escolha do blogueiro é soberana. Nela, teoricamente, nada interfere.

  • Cara, só essa semana "desassinei" dois feeds porque o cara falava mal de blogueiros de quem eu gosto. Um deles esceveu duas linhas de adjetivos pejorativos sobre ti, Cardoso.

    Simples assim, se não gosto deleto o feed, e nunca mais vou me incomodar com a ameba.

    E no mais os cães vão latindo, e o Porsche vai passando.

  • Janio, como dizem os sabios para-choques de caminhao, a inveja eh uma merda…

  • É preciso distinguir duas classes distintas: os inimigos e os desafetos. Os inimigos são dignos de ódio, nunca de indiferença. Portanto, de acordo com Nietzsche, é preciso que seja eles merecedores de nosso ódio. Combater é parte fundamental da vida e sabedoria é a qualidade de quem escolhe seus inimigos razoavelmente.

    Aos desafetos, de fato, o melhor mesmo é a indiferença, pois dispensar tempo rechaçando quem não tem qualidades ou atributos suficientes para ser digno de amor ou ódio parece ser a mais suprema forma do ócio.

  • Luiz

    Aê Cardoso, da primeira (e última) vez que eu fui no kibe, parece que eu voltei no tempo, pelo menos uns nove anos, ainda na era jurássica, que foi quando eu comecei a navegar na Internet :). Serio, o design, e, principalmente, o conteúdo, fizeram-me lembrar daqueles sites de humor idiotas e ridículos de antigamente, que eram todos iguais e todos um lixo.

    Agora, só porque aparece de vez em nunca na rede "Grobo", o kibe se acha muito importante, o melhor site de humor de todos os tempos e o cara do kibe se acha o mais engraçado da Internet.

    Pode ficar tranquilo Cardoso, eu não visito o kibe. Quando eu quero humor de verdade, eu vou para sites de humor de verdade, como o charges.com.br.

    E eu simplesmente adoro quando o cocadaboa, você, ou qualquer outro blog tira sarro dele. Ele merece mesmo, falta muita humildade e respeito da parte dele.

    Mais uma vez eu digo: Cardoso, pode ficar tranquilo, eu não visito o kibe.

  • Pingback: dourado.net » A verdade nem sempre é acida…()