Só o CrisDias não entende o Contraditorium

O blog URL Sinistras postou um libelo contra a profissionalização da blogosfera. Não deixa de ser uma bela defesa apaixonada, mas no momento em que o texto apela para argumentos como:

Alguma coisa que realmente pudesse justificar a tal “necessidade” (ou mesmo uma expectativa) de fazer dinheiro a qualquer custo com algo que, a princípio, deveria estar sendo feito por puro prazer, como um Hobby.

Fica claro que a idéia de profissionalização não foi entendida. Bolas, eu sou pescador amador, nem por isso jogo bombas na Colônia de Pesca aqui perto. Acho imaturidade você se irritar por alguém ganhar dinheiro com algo que você faz por diversão. Isso no mínimo tornaria execráveis a prostituição e o futebol profissional.

Felizmente o tal libelo saiu do rame-rame tradicional antiglobalizante e partiu para uma finalização que muito jornalista profissional não consegue. Nada mau para um hobbysta, diria eu.

Falo das 11 entrevistas com blogueiros, sobre a profissionalização “forçada” dos blogs. Forçada digo, pois essa é a idéia que o texto passa, ao afirmar que:

Numa hora é explicitada uma necessidade (ou seria insistência?) de se ver remunerado por manter um blog. Alegam muitas vezes que “nem relógio trabalha de graça”

Isso nunca foi dito como norma, isso só é norma se o blog É seu produto, se você é um blogueiro profissional. Se não é, nada disso se aplica. Eu dirigo por necessidade e por prazer. Um motorista de ônibus, depois de trabalhar o dia inteiro, acharia ofensivo alguém dizer que dirige de graça, por prazer.

Mesmo assim, as entrevistas ficaram excelentes. Falaram ao URL Sinistras:

  1. Fabrício Zuardi, Blogueiro.
  2. Cris Dias, Blogueiro.
  3. O Velho, Blogueiro.
  4. Charles Pilger, Blogueiro.
  5. Janio Sarmento, Blogueiro.
  6. Anderson Kenji, Blogueiro.
  7. Expedito Paz, Blogueiro.
  8. Nemo Nox, Blogueiro.
  9. Ronaldo Melo Ferraz, Blogueiro.
  10. Fábio Seixas, Blogueiro.
  11. Edney Souza, Blogueiro.

O resultado, que você pode conferir lendo os textos (recomendo!) é que em sua grande maioria a idéia de profissionais vivendo diretamente de blogs já é uma realidade, e aceito pela maioria.

O Edney, que segundo más línguas tira mais de R$35 mil com seus sites, é um bom exemplo disso.

O Charles inclusive deu uma das melhores entrevistas. Questionado sobre o uso de técnicas de SEO e seu efeito na credibilidade de um blog, respondeu que:

Não sei se o uso de técnicas de SEO afetam a credibilidade de um blog, até porque dois blogueiros podem usar as mesmas técnicas só que um é um cara sério e outro não.

Eu concordo plenamente. E mais, declaro aqui que o Charles roubou um post que eu ainda não escrevi, ao falar exatamente o que penso:

O caso que a credibilidade está no conteúdo do post. Sabe quando você vê um post dizendo “esse livro é muito bom, maravilhoso, deve ser lido” e não se aprofunda, faz uma resenha que não acrescenta nada, mas tá lá o link pro afiliados do Submarino? Pois é esse o maior problema na minha opinião.

SEO SEM conteúdo é roubada. Já SEO COM conteúdo é outro caso. Tomei muita paulada ao escrever um texto contra os necrófilos que correm atrás de imagens de cadáveres, no caso da GOL, e se um post longo com uma opinião pessoal, até antipática ao visitante não é a essência de um blog, não sei o que é.

O que pude tirar do texto do URLs Sinistras é que o autor não aceita o pior de dois mundos (para ele) o blog que faz uso de SEO, comenta de vez em quando temas populares, mas tem conteúdo legítimo.

O Jânio foi perfeito ao responder uma pergunta sobre o efeito do uso de SEO na credibilidade do blogueiro.

Acho (…) que preocupar-se se o que o blogueiro escreve é bom ou não para a credibilidade dele é sinônimo de subestimar a inteligência do leitor. Ele é quem tem que decidir se um “post” esporádico falando sobre a morte do Saddam Hussein compromete a qualidade do que ele lê. Se em 407 posts 2 ou 3 comprometem o blog para um leitor, ele tem que exercer dois direitos (se quiser): me dizer o que eu fiz que o desgostou, e escolher outro feed para substituir o meu.

De todos o único que tem sérios problemas de aceitar que algumas pessoas podem viver do que escrevem é o CrisDias, que declarou com todas as letras:

O cara deixar de blogar sobre os assuntos que eu gosto e começar a falar sobre Big Bróder ou Sandy Nua só pra ficar bem no Google. Mas aí azar o dele, eu páro de ler.

Tem blog hoje em dia (cof contraditorium cof) que só sabe falar de monetização e AdSense.

Primeiro de tudo, estimo melhoras para a tosse. Segundo, só lamento.

Acho que todos que acompanham o Contraditorium entenderam o propósito do blog: Repassar minhas idéias, minhas opiniões e tudo que aprendo, enquanto me torno o primeiro blogueiro profissional do Brasil. Ou ProBlogger Profissional, como bem definiu o MrManson. Um pseudo-intelectual diria que é um blog antropofágico, me alimento de meus leitores  (sem safadeza, por favor) e seu feedback sobre o que escrevo gera novos textos, que por sua vez geram mais feedback, e por aí vai.

No meio do caminho outros se juntam, lançando blogs, retomando antigos projetos parados, dado sugestões e corrigindo eventuais besteiras minhas. Com isso tenho uma boa base de leitores com interesses e precupaçõe semelhantes.

Estamos tendo problemas com o AdSense? Eu falo do AdSense. Criei uma pequena modificação que aumentou o faturamento do Buscapé em 4 ou 5 vezes? Eu divulgo. Acho que blogs pessoais podem sucumbir diante da visitação, e reclamo de como gostaria de achar uma alternativa? Eu publico. Recebo uma sacaneada com o Kibe? Eu publico. Descubro que a Cicarelli mentiu? Eu publico.

Ah, mas falar da Cicarelli é SEO. Desculpe, Cris, eu devia ter ficado calado durante o affair com o YouTube.

Mesmo assim vou continuar. Vou falar sobre posts roubados, vou falar sobre a minha timidez, vou falar que leitores fiéis dão credibilidade mas dinheiro vem dos paraquedistas (o URL Sinistras considerou isso heresia tão grande que deu até trackback) e vou falar do que mais eu quiser.

Sabe porque? Porque hoje eu vivo do que eu escrevo, e se isso acontece, é porque alguma coisa estou fazendo direito.

Eu sei que isso pode soar ofensivo, Cris, mas algumas pessoas efetivamente vivem de escrever. Eu mesmo já passei alguns bons anos assim. Duvida? Clique na imagem abaixo, meu livro de Linux ainda está disponível no Submarino.

Pois é, Cris. Para mim não faz diferença. Seja em livros, seja em blog, eu ganho a vida escrevendo. Pretendo voltar aos livros, mas pessoalmente prefiro blogs, o retorno dos leitores é muito mais imediato, ganho em agilidade e no que o Sérgio diz ser a essência de um blog, conversações.

Acho que nem você trabalha com dois pesos a ponto de dizer que eu sou uma prostituta por ganhar dinheiro com blogs e um escritor por ganhar dinheiro com livros. Então, só posso concluir que você está assumindo uma pureza nos blogs que os diferencia de toda e qualquer outra forma de comunicação. Jornalistas podem ganhar dinheiro escrevendo, o Paulo Coelho pode, o cara que faz o Pensamento do Dia da Rádio Difusora de Caicó pode. Blogueiro não.

Desculpe, mas blogs não são tão especiais. Blogueiros profissionais não são mais do que jornalistas, escritores, colunistas. Não somos melhores que ninguém. Não nos considero melhor nem que gente que (cof cof – isso pega) diz ser contra blogs profissionais mas ganham dinheiro hospedando blogs.

Você diz que não tem absolutamente nada contra a idéia de receber dinheiro por blogar, mas pelo visto só aceita o ganho do blog como resultado indireto.

Desculpe, pela última vez. Eu sou um profissional da escrita, não escrevo pra arrumar emprego ou pra vender hospedagem. Escrevo porque é o que sei fazer melhor. me orgulho de meus ganhos diretos, e achei o máximo, no post onde mostrava que o modelo de assinatura de blogs não é viável, ter leitores me desmentindo, dizendo que sim, pagariam R$10,00 por ano para ter acesso ao conteúdo premium.

Esse é meu modelo. Funciona. Desculpe (ok, essa foi a última). Nunca disse que é O modelo que todos devem seguir. Já defendi abertamento que muitos blogs são felizes sem monetização.

O Fábio Seixas é um bom exemplo. Seu objetivo é “criar notoriedade“, o que faz muito bem, redirecionando a mesma para seus outros negócios. (Curioso como a acusação de “ego trips” do URL Sinistras não foi levantada, mesmo depois do termo “questionável” “criar notoriedade”. Acho que faltou isenção, mas quem se preocupa com isenção em blogs é o CrisDias.)

Não há modelo errado. O que há é implementação errada. Fora isso, há apenas medo e preconceito. Tire esse peso de seu coração, Cris. Abra-se para o novo. Aceite a idéia de que é possível ter o melhor de dois mundos, um blog que agrade ao Google e aos Leitores.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.



Leia Também:

  • Bom…

    É "só pra constar" mesmo. Não é que o Cris Dias não te entenda. Do mesmo jeito que ele se posicionou, eu também me posiciono vendo esta ansiedade por ROI algo patético.

    Se você prefere descartar o meu (nosso?) posicionamento alegando que não estamos entendendo a idéia de profissionalização do Blog, tudo bem… Direito que lhe assiste.

    Não precisa se dar tanto trabalho. No mais, é um belo post… Obrigado pelos elogios.

  • Se o Paulo Coelho pode, qualquer um pode.

    cara, odeio o termo blogosfera.

    • Também detestooooooooooooo!!! e BLOGAR também acho sem-graça-pa-caralho :/

      <abbr>anselmo – último post do blog… África</abbr>

  • Melhor blogar do que roubar!

    huahuahau vai para a série frases celebres!

    Cara, todo mundo que conversar na vida vai dizer que o importante é fazer o que gosta, e trabalhar fazendo o que gosta isso é realização profissional!

    Imagina um Médico de profissão, que faz isso para ganhar dinheiro, mas gostaria mesmo de ser sei lá qualquer outra merda, piloto de motovelocidade, vive infeliz, atende mal os clientes (por que médico assim não tem pacientes) chega nervoso em casa, bate na esposa, chuta o cachorro, xinga os filhos, briga com o vizinho e ainda é mal educado com o porteiro do prédio, mas entra lá com seu carrão que nem sabe por que comprou e não tem tesão nenhum em dirigir o carro, ficou preso no congestionamento, queria mesmo uma moto, mas a profissão proporcionou isso um carro.

    Na minha opinião é ridículo essa crítica contra a profissionalização do blog, o blog é ferramenta, não entendo profissionalização por ser melhor que o outro, mas sim que o cara é profissional que vive do blog.

    Vi diversos blogs bons, que morreram por que o autor estava sobrecarregado num emprego miserento (existe essa palavra?) correndo atrás da vida, de ganhar uns trocados, com chefe chato pegando no pé, hora extra, salário atrasado… ahh se o cara fosse esperto…

    Você está pagando as contas do blogueiro?

    Você está com inveja por que o blog X dá certo e o seu não dá?

    Você pediria as contas de seu emprego chato para se dedicar 100% ao que era seu hobby se ganhasse na loteria? ou ainda continuaria aguentando tudo que aguenta?

  • Escrevi um post sobre isso que até hoje recebe comentários, mas o melhor de todos foi o 40º, de ontem, resumi porque era um tratado:

    <blockquote cite="">É ineficiente e denigre a proposta do blog.

    Retorna dinheiro? Sim! Mas é pouco mesmo se o blog for muito visitado.

    Se for pra me preocupar com dinheiro, só vejo três frentes: trabalho remunerado fixo, freelas e investimento em ações. Se você mantiver teus Ads pelo período de um ano inteiro é provável que você pague pelo menos seu host, mas, nada além.

    Como eu disse, não faz a mínima diferença em relação ao retorno financeiro e faz bastante diferença na relação filosófica da coisa. Sei que isso parece papo de bixo-grilo, mas pense bem… Não é ineficiente mesmo?

    Alguém já se ligou que ganhar dinheiro não é crime? Crime é aturar um chefe tapado, puxa-saco e geralmente estúpido demais para fazer algo pessoalmente, em troca de uma merreca no final do mês.

    Grande post, Cardoso, lavou a alma. E a partir de agora, hospedagem grátis na Vilago, é o mínimo que devem fazer.

  • Cara, ainda estou em choque. Que mente PEQUENA.

  • Jorge Angico

    Eu não escrevo blog e nem quero. Leio vários blogs, mas não os leio com assiduidade, fico um bom tempo ser voltar a alguns e quando releio me concentro nos arquivos. Quando volto a um deles, já tem uma penca de posts, com a maioria dos assuntos já frios. E vou passando por eles, lendo uns e pulando outros, como quem lê jornal por cima e só dá uma aprofundada nos quadrinhos, no futebol e em algo aleatório que possa interessar. Se o cara ganha dinheiro com blog, não é problema meu. Eu só não quero é pagar pra ler. E se o dinheiro interfere no texto, também vai interferir na minha leitura "panorâmica com escalas". Aí, se muito do conteúdo no "arquivo" me desinteressar, visito menos ainda. Se for reincidente, não volto mais. Assim faço uma seleção de coisas que leio de vez em quando na internet, umas páginas ficam, outras caem no esquecimento. Fico satisfeito por não pagar, apenas isso. Qualquer discussão além disso, pra mim é bobagem sem tamanho.

  • Excelente post. Esse negócio de blog ser "proibido" de ter lucro vem dos primórdios (argh!) da internet, quando você tinha um site no Geocities e escrevia: "bom pessoal, tô tentando levantar uma grana e botei o banner do HitBox (ou coisa do gênero) e vamos ver no que dá". Na próxima atualização vinha escrito: "Recebi diversas reclamações (2) sobre o posicionamento dos banners, e resolvi retirar tudo. Este é um website democrático".

    E desde então ter propaganda em blog/site pessoal é crime…

    Cardoso, tem algum lugar em que eu possa achar toda sua lista de livros (guias e afins)? Tô com preguiça de fuçar a estante, mas acho que tenho algum livro seu.

    Abraços

  • Ei gente, também não se trata do "bem contra o mal" né!

    Confesso que não li todas as entrevistas (ainda), li do Superfície Reflexiava (Ronaldo) (que é mu blogue que gosto e que é declaradamente hobbysta e os dois declaradamente profissioanais (Edney e Janio)…

    Como quase tudo na vida! Há verdades nos dois lados… tem uns blogues aí (diga o pecado mas não dga o pecador!) que fazem aquilo que o Caparica chamou corretamente (IMHO) de SEO descarado… outros escrevem coisas legais, e como o Janio disse, uma ou outra escapa, você pula e todos seguem felizes!

    Acreditem o mundo *é muito melhor* quando existem visões diferentes sobre as coisas!

    Agora eu vou procurar meu lugar na arquibancada, para ver os próximos…. capítulos deste debate! Nada de dedo no olho viu crianças!

  • Um colega de trabalho sempre diz que Brasileiro acha tem um pensamento que ganhar dinheiro é errado. Bom, errado é roubar, e muitos o fazem alegando que não tiveram alternativa. Seu blog é muito bom, e terá minhas visitas enquanto tiver bom conteudo. E com o exemplo da prostituição e do futebol já dá pra entender que não é errado ganhar dinheiro se divertindo, aliás todos deveriam almejar isso, eu o faço.

  • Rafael, lembrar do "hitbox" foi sacanagem. E talvez voce ache no site da editora, http://www.axcel.com.br.

    Sérgio, o bem vence o mal, espanta o temporal.

    Dhiogo, "Seu blog é muito bom, e terá minhas visitas enquanto tiver bom conteudo" é tudo que estamos tentando dizer. Não há nada mais justo que isso. Eu concordo com o Jorge, estou pouco me lixando se o cara está ganhando dinheiro com o blog ou não. Aliás, prefiro que esteja, e se isso afetar negativamente a qualidade, eu paro de ler.

    Incoerente é dizer "gosto do seu texto e não quero que você ganhe dinheiro, pois vai estragá-lo"

  • Mais uma vez você nos dá um ótimo texto Cardoso.

    Concordo contigo em todos os pontos, só acho que você foi um pouco agressivo com o nosso amigo Cris (Se bem que eu faria o mesmo hehhe)

    Abraço

  • Paulo

    "…diz ser contra blogs profissionais mas ganham dinheiro hospedando blogs."

    putz… Aqui você acabou com ele.

    As pessoas podem PAGAR para hospedar o blog no hosting dele, mas não pode ganhar dinheiro com ele. Absurdo.

  • Se a pessoa pode blogar e ganhar dinheiro com isso, qual o problema? Eu não tenho um blog magnífico (ainda), mas já consigo alguma coisa com o Adsense. Estou procurando outras formas de ganhar mais alguma coisa, e tenho como objetivo bancar uma viagem só com dinheiro proveniente do blog. Sei que tenho que batalhar muito pra isso, e se for preciso usar técnicas de SEO, o farei. Se não estiver atrapalhando os visitantes fiéis…

  • Cardoso, entendo seu ponto de vista, e, sinceramente, como leitor, achei seu post um pouco arrogante. Entendo o que o Cris Dias fala no seguinte: não acho um crime ganhar dinheiro não, por mim, que voce seja rico e feliz, mas não curto essa idéia de só ler sobre monetização, GoogleAds e coisas do tipo. Isso, ao menos no momento, nem me interessa, e eu, de repente, paro e me vejo mergulhado lendo essas coisas o tempo todo, pela nova febre e tal. Entendo que seu blog seja mais pra blogueiros do que pra outra coisa, mas percebo uma onda de mudanças de foco nos posts, sim, algo do tipo "esse vai atrair mais paraquedistas", esse vai pros leitores fiéis. De qualquer forma, entendo que esse é seu jeito, e quer ganhar dinehiro mesmo. Temo que, dependendo de como as coisas irem, fique mesmo como o Paulo Coelho, que tem muitos leitores, ganha a vida com isso (bom pra ele), mas eu não posso nem ver e não leio mais nada dele, tem umas "fórmulinhas" toscas… enfim…

    Da outra vez que fiz algo do tipo ouvi "ninguém pediu pra você ler, não vou sentir tua falta" e coisas do tipo, mas quis expressar uma opinião, contribuir ao tal feedback que você fala que ajuda a te nortear.

    Abraço!

  • Josias

    O que tiramos disso tudo é que o Vilago é caro demais! Vamos assinar o BlueHost!

  • Tá desculpaaaado rapaz! :-)

    Nunca vou conseguir explicar exatamente o que eu penso, as vozes na minha cabeça fazem muito barulho. Mas o André deu uma boa ajuda. Eu quero que todo mundo ganhe dinheiro e seja feliz, como quiser. Inclusive quem vive de renda deixada pela vovó rica. O que realmente está começando a cansar é o tema recorrente em alguns blogs (e nesse em especial) sobre monetização, AdSense, etc. É como os podcasts que falam de outros podcasts. Chato, chato, chato. Mas eu não sou obrigado a ouvir e ler o que acho chato, ora bolas. E se esse blog aqui é "sobre ser problogger", pau na máquina. O blog é seu, fale sobre o que quiser.

    Agora o que me irrita *mesmo* são esses blogs que colocam adsense em tudo que é canto, especialmente no meio do texto. Está atrapalhando a vida de quem quer realmente ler o texto, em troca de clicks.

    Sempre disse isso que apareceu em um outro comentário aqui: "Um colega de trabalho sempre diz que Brasileiro acha tem um pensamento que ganhar dinheiro é errado." Dizem que é mentalidade católica, não sei. Eu não penso assim, por favor. Aliás meu sonho é conseguir inventar uma maquininha de fazer dinheiro automaticamente. Meu site é uma, mas o dinheiro é pouco.

    Em tempo: tenho links para o Submarino no meu site e até mesmo AdSense, mas esse só em condições especiais. Meus motivos nem são nobres, só mostro AdSense para quem eu acho que tem chance de clicar, aumentando o CPM. Então dizer que sou contra seria no mínimo [colocar algum palavrão cabeludo aqui].

  • E se eu citei o Contraditorium só pra gerar page-views no meu site? Hein? Heeein? 8-)

  • Arruda. Arrumemos grandes árvores de arruda para tirar o mau olhado.

    Sabe o que mais me parece? Inveja.

  • Falando nisso, o CrisDias participou de um podcast sobre "Monetização dos Blogs".

    http://www.brainstorm9.com.br/archives/2006/12/br

    Tá, já sei que o Cardoso acha podcast uma bobagem, mas ouçam. :p

  • eu gosto de fotos de mortos, por isso Saddam me deu $$$ :-)

    quem não quer ganhar dinheiro ?

    eu apóóóóóósto que esse tannnnnto de trékibécki é para dar mais $$$ :lol: !

  • "dirigo" ?

  • Não li as entrevistas ainda, então meus comentários não serão sobre as declarações.

    Quero comentar esta guerra santa que parece não ter fim. Para mim, pouco me importa se quem eu leio ganha dinheiro ou não, como muitos disseram. Me importa o conteúdo. Eu quero informações, não rame-rame.

    É preciso parar com esse policiamento irracional. Se não gostou de um blog, deixe sua crítica construtiva. Se for ouvido, parabéns, o blogueiro é inteligente e está atento aos seus leitores. Se tudo continuar como antes, não volte mais.

    Alguém que é mal atendido em um restaurante volta lá todo dia só para comer comida azeda?

  • Cara, te juro: se eu pudesse, viveria só ganhando dinheiro pelo que eu escrevesse. Infelizmente, ainda terei que quebrar muita pedra antes de poder concretizar esse sonho. Parabéns cara, você pode. Vá em frente.

    Abraços e sucesso.

  • Pingback: Blogueiros, a série » CrisDias weblog()

  • Meninas, parem de discutir.

    A classe dos insulanos na web tem que ser uma panela unida.

  • Percebe-se uma idéia em comum para todos: não há problemas em ganhar dinheiro com blog. O problema ocorre quando o conteúdo destes se torna apelativo, com o intuito de atrair os paraquedistas, para aumentar os ganhos, deixando de lado a qualidade do conteúdo. Se o conteúdo se mantiver bom, claro que é valido obter luvro com isso.

  • Pingback: daniel log: » Blog Archive » dinheiro e castigo()

  • Aelson

    Concordo com Cris você só posta sobre google, buscapé e etc.

    Se seu objetivo for apenas fornecer conteúdo para outros blogueiros está indo muito bem mas para leitores comuns como eu não serve para quase nada.

    :S

  • Este foi o primeiro post que você leu aqui, fale a verdade…

  • Acho um saco esta história de ficarem pegando no pé dos probloggers. Pra mim sinceramente é coisa de quem não tem mais o que fazer. Eu dedico uma grande parte do meu dia (e as vezes da noite também) a realizar pesquisas sobre produtos interessantes para colocar no meu blog, depois ainda faço a tradução, preparo montagens e mockups no photoshop, e depois alguém vem me dizer que isto é imoral, ilegal ou engorda.

    Cada um tem a sua motivação para ter um blog, e a minha motivação não tem nada a ver com dinheiro, porém preciso pagar as minhas contas e justificar o tempo que dedico ao blog, que poderia estar sendo gasto em freelas ou em outras atividades profissionais.

    Abraços, Nick

  • Cardoso, vi teu livro de Linux num sebo e queria comprar, mas o cara queria trintão nele! Desculpa aê, mas não comprei, tava caro demais pro meu salarinho de estagiária. Sacoé, ainda não consegui levantar uma grana fazendo o que eu gosto (i. e., blogar), já que é feio e imoral.

    Pombas! Até a Bruna Surfistinha que é uma puta escritora (literalmente, hehe!) publicou um livro! Qualquer um publica. Até eu. Mas se blog é mais legal, porque, como você disse, dá feedback imediato, gera conversação (que é isso que os blogs são), gera troca de conteúdo, de conhecimento, discussão e toda aquela baboseira de Inteligência coletiva / burrice das multidões que o Polyanna Pierre Levy fala no Cibercultura, porque é que não pode? É pecado?

    Seu pecador miserável, vai arder no mármore do inferno! Como diria o R. R. Soares, palmas pra Gezui$!

  • Fabi, quando eu falava que tinha livros publicados, o pessoal enchia o olho. Uma vez uma das modelos do stand da editora ficou batendo papo comigo, numa COMDEX, então percebeu que meu nome estava na capa do livro. Ela parou e soltou: "uau, nunca conheci um escritor antes".

    Na prática, é só escrever bem e submeter seu material a uma editora. Há muita demanda para autores nacionais bons. O problema é que, como vemos pelos miguxos, a maioria não consegue um pensamento coerente, que dirá um livro.

    Quanto ao Inferno, arder nada, estou cavando um cargo de chefia.

  • Existe uma ética básica transferida dos veículos de comunicação que se consideram sérios. Diz que publicidade precisa ficar separada do conteúdo editorial. É um modelo que se tornou meio que um padrão internacional.

    Sintetizando: numa revista ou em um jornal, a publicidade deve ficar separada das reportagens. Seja pela divisão de uma página ou por fios, quadros. Os anunciantes não têm acesso à pauta desses veículos. Eles os conhecem e procuram anunciar ali em busca dos "olhos" dos seus leitores.

    Da mesma forma, isso acontece no rádio e na TV, pelo menos nos tele e radiojornais. A hora de anunciar é de anunciar a de falar de notícia é de falar de notícia.

    Então eu acho que há uma confusão na cabeça das pessoas, que acham que um blog é jornalismo e, por isso, não pode misturar publicidade e editorial.

    Mas há blogs jornalísticos e outros que não são. Assim como, na TV, há telejornais e novelas.

    Os que se dizem ou que almejam ser jornalísticos, sinto muito. Se querem isso, vão precisar seguir certas regras. Ou não. Não seguem e pagam para ver. Há tantos veículos da mídia tradicional que não passam de muquiranas por aí…

    Fora da esfera dos blogs "jornalísticos" há todos os outros. O entretenimento não precisa seguir essas regras. O que precisa é agradar, encantar. O jogo é outro. É o de mercadão. Se não agrada não tem leitores. Se não tem leitores, dança e não se paga.

    Esses blogs estão sujeitos a ditadura da credibilidade. Ou o leitor compra aquela idéia e acredita no blogueiro. Ou…

    Se eu acho ridículo as pessoas colocarem certos assuntos em evidência só para conseguir hits? Acho sim. É minha opinião sincera. Para mim é o que distancia um bom blog de um mau blog. É o que diferencia um bom programa de auditório de um ruim.

    E, veja bem, o bom e o mau merchandising não têm nada a ver com a busca de audiência. A busca de audiência está diretamente ligada ao que o blog está dizendo, sobre quem está falando. São duas coisas separadas. Quando a audiência for maior, o blog fica mais interessante para o marketing. Se for menor, é, em termos mercadológicos, irrelavante.

    Mas com isso eu não estou acusando ninguém em especial de caçar assuntos para gerar tráfego. Não conheço pessoalmente os donos dos blogs que leio regularmente. Não sei o que os motiva.

    No caso do Contraditorium, se me permite uma opinião construtiva, a única coisa que me incomoda é o excesso de anúncios no caminho da leitura. Eu leio o título do texto e, logo em seguida, surgem aqueles anúncios do Google. Eu fico perdido por uma fração de segundo. Na missão de agradar os leitores, acho que o dono de um blog de "entretenimento" precisa achar formas de evitar esse tipo de incômodo. Esse visual me lembra jornais de 50 anos atrás.

    Abraço

  • Marcelo

    Cardoso,

    Tenho uma ídéia do tipo "dois coelhos com uma cajadada":

    Coelho 01 – Ninguém mais vai te encher o saco se você "monetizar" (palavra horrível) seu blog;

    Coelho 02 – Você terá uma avalanche de acessos e vai ficar $$$nário (vai poder comprar tudo que tem no dinheirocomprafelicidade);

    Cajadada – Comece a distribuir parte de seus ganhos para seus leitores que postam comments!!! Isso sim é que é ser PROBLOGGER!!!

    Seja visionário e faça isso antes do YouTube! É garantia de destaque mundial e…MAIS DINDIN!

    Ah! Já reserva algumas ações da Cardosodotcom Inc. prá mim!

    PS: Mas nunca se esqueça: "Não juntem riquezas na Terra, onde a traça e a ferrugem corróem e onde os ladrões assaltam e roubam…" (Mt 6, 19-21)

  • Marcelo, essa idéia é genial!

    Evoluindo, seria preciso um sistema de votação de comentários, um bom controle de trolls/spams e uma fórmula para calcular a remuneração do comentarista.

    Só discordo de que não encheriam mais o saco. Iriam começar a dizer que estamos corrompendo a nobre condição de comentarista de blog…

  • Podemos tirar duas conclusões do assunto:

    a) O Vilago é muito caro.

    b) O seu livro também é muito caro…

  • Em termos de Brasil estão no preço, e se o suporte é realmente diferencial (note o SE, não conheço o serviço para recomendar, como faço com o Bluehost e o Infolink) R$30,00 está valendo.

    O meu livro no Submarino sai a R$48,00, mas eu acho barato. Convenhamos, em um mercado onde os títulos ficam obsoletos em 6 meses, um livro que ensina os fundamentos de Linux lançado em 1999 ainda ser vendido em 2007 deve ser muito bom ;)

  • Por mim, podem entupir os blogs de banners. Aqui não aparecem mesmo :D

    Pra isso que inventaram o ADblock pro Firefox :)

  • Pingback: O Fim da Várzea()

  • Fabrício

    Cardoso, acho que nessa frase "Eu dirigo por necessidade e por prazer." o certo seria dirijo, não?

  • Desculpem, mas se o visitante não gostar do adsense "enfiado no meio do texto", e isso a ponto de ser torturante, ele não vai ler. Se o critério de escolha é "non-adsense" e não a qualidade dos artigos…

  • Verdade, Fabrício. Isso que dá não usar corretor ortográfico e escrever no final da madrugada.

    Doufer, dada a antipatia do brasileiro por qualquer coisa que seja relacionada com empreendedorismo, se for dada a opção de não ter anúncios, todos preferirão, mesmo os que não se incomodam por eles.

    Quando mudamos a disposição dos banners no MeioBit, aumentando MUITO o faturamento, que é TODO reinvestido no próprio site, um monte de gente ficou revoltada.

    Assim, é fácil.

  • Pingback: BlogueIsso! » Não leio blogs que postam demais()

  • Pô, pessoal. A discussão de onde colocar o anúncio é uma questão estética extremamente importante. Eu também acho horrível quando saem anúncios em "ilhas" em jornais e revistas.São aqueles em que o anúncio fica no meio da página cercado por notícias e notinhas. Não é uma implicância com online.

    Meu critério para ler um site junta a estética, sim, e o conteúdo em si. Porque a estética também é conteúdo. Isso ou ninguém ia se preocupar, na blogosfera (ou seja lá que nome usem), de fazer um cabeçalho bonitinho, por exemplo.

    É uma manifestação estética escolher um nome legal. Só que está em outro canal. Tem site bonitinho, mas ordinário. E tem site feinho, mas bom de texto. O problema é que a estética mal administrada pode se colocar no caminho da descoberta de um site.

    E, bom, como esse comentário está grandinho, recebo mais por ele, né?

    De resto, vocês precisam tomar cuidado pra isso não virar uma briga boba. O Vilago é legal. Os clientes gostam do serviço, que é nota 10. Eu estou incluído entre os clientes desde os primórdios. Um provedor me deixou na mão e eu perdi quase um ano de blog. Ele estava começando o Vilago (acho que ainda nem tinha o nome oficial) e me ajudou a recuperar alguns dos meses perdidos. Mas sou amigo do Cris, então o depoimento tem menos isenção.

    Sério, galera. Tenham calma. A serenidade na hora em que as pessoas colocam mal uma ou outra palavra é primordial para a coisa não virar uma briga vazia. Abraços a todos.

  • Eu penso em tirar o adsense, mas pelo retorno fraco que ele me dá, e não por questões filosóficas.

  • Se eu fosse hospedar no Vilago eu precisaria de uma enchurrada de cliques nos meus anúncios do Adsense.

    Vilago é caro para caramba!

  • Eu acho que não tem ninguém aqui brigando não, Alexandre. Nem eu nem o Cardoso. Eu realmente reclamei que ele andava escrevendo muito sobre "monetizar" mas se afinal de contas esse é um blog sobre isso… Tem mais é que falar. Aliás ele até deu uma pequena defendida do Vilago ali em cima.

    E tem uma coisa que ele anda repetindo aqui que eu concordo e reforço: Brasil e Empreendedorismo não casam muito bem na mesma frase. É incrível essa resistência ao empreendedorismo em particular e em "ganhar dinheiro" em geral no Brasil. Se você ganha dinheiro as pessoas querem te *tirar* aquilo e não ralar para ter mais. O que é até irônico, já que dizem por aí que metade do dinheiro do país está na economia informal, ou seja, boa parte em pequenos empresários que se viram como podem.

    A lei acaba sendo cruel com muita gente por conta do jeitinho brasileiro. Eu pago uma grana preta de imposto todo mês (sim, eu pago imposto…) porque não posso ser, como empresa de informática, do Simples. Porque um dia algumas empresas tiveram a "ixperta" idéia de transformar seus trabalhadores de carteira assinada em empresas individuais. Ou seja, as empresas "de verdade" pagam hoje o pato. Eu sou obrigado a ter meu pai e minha mãe como sócios, já que uma empresa de informática precisa no mínimo de 3 sócios, e pago quase tanto imposto quanto se fosse CLT. A culpa, desculpem, não é do governo mas sim de quem tenta aproveitar-se das brechas fiscais.

  • Essa legislação é um ABSURDO, fui abrir uma microempresa de informática, não posso colocar como atividade-fim desenvolvimento de software, não se enquadra. Sério. Acham que todo mundo é Microsoft.

    Acabei tendo que emitir notas com "instalação de softwares de terceiros", uma das poucas coisas que dá pra fazer sem pagar uma baba.

  • No nosso país, ganhar dinheiro é um crime, como já dizia o Tom Jobim. Os impostos que pagamos são os mais altos do mundo, mas não podemos reclamar, afinal temos segurança, educação e saúde a disposição de todos não é mesmo?

    E todo mundo está tão satisfeito com a situação que reelegeram o Lula para mais quatro anos…

  • Pingback: Dissidência » O preço de cada um()

  • Pingback: Urls Sinistras » Blog Archive » Repercutiu()

  • Existe uma crença esquisita de que prazer não pode estar ligado à remuneração. Trabalho tem que ser sofrido. E para ter prazer tem que pagar. Sempre. É essa culpa cristã que a gente carrega.

  • Pingback: Porque Veio? » Como ganhar dinheiro na Internet()

  • Pingback: Problogging é certo ? » Prática()

  • Pingback: Como ganhar dinheiro na Internet?()