Blogs são as novas filmadoras

Se tem algo que não sinto falta é da minha filmadora. Eu tinha uma JVC, formato VHS-C, que acompanhou muitas viagens. Em algumas foi bastante usada, em outras nem saiu da mala.

As últimas eram sempre as melhores.

É que nem esses vídeos de sexo estilo Paris Hilton, Pamela Anderson, etc. OK, pra quem está de fora é interessante, mas o autor da mesma tem que transar com uma só mão.

Algumas vezes é melhor deixar a câmera de lado e só aproveitar.

Na BarCamp eu percebi que se fosse cobrir o evento como havia planejado, não iria aproveitar nada. Pior, teria uma visão superficial de tudo. Acabaria passando uma visão limitada do evento, dos envolvidos.

Viajando no último final de semana tentei ficar online o mínimo possível. Queria experimentar qual o limite. Vi que era possível, se necessário, mandar notícias direto do celular, mas como disse São Paulo, tudo posso, mas nem tudo me convém.  Ficar anotando e escrevendo posts todo o tempo seria um belo desperdício de paisagem.

Veja bem: O que é melhor: Escrever um post ou aproveitar uma capirinha de Rum no Gaivotas, com uma vista dessas?

A parte cruel é que esse tipo de ambiente, sem stress é um estímulo e tanto. Assim fiquei na situação ruim de ter que jogar fora um monte de boas idéias, ou fazer algo a respeito.

Eu não funciono com anotações curtas. Se eu tiver uma idéia genial, “casal de adolescentes em Florença” não lembrarei mais que isso, pois com certeza terei outras idéias, no decorrer do dia. Assim precisava de uma alternativa. Blocos, nem pensar. Guardanapos? Faça-me o favor. Transcrever texto é horrível. Ainda mais com minha letra. Se alguém quer acabar comigo, consiga uma prova do Colégio Santo Antônio, em Duque de Caxias, com meus garranchos. Portanto, meios arcaicos estavam fora de questão. Assim como coisas elaboradas, tipo notebooks, PDAs e outros dispositivos, até por ter trauma. Como alguns sabem meu PDA mais amado, o Sony Clié 710c foi assassinado cruelmente, afogado em chopp por uma das responsáveis pelo aquecimento global. Portanto fiquei com o celular, o fiel 6600.

O ideal seria iniciar um texto, e ir até onde tivesse certeza de que poderia prosseguir.  Nisso o celular foi excelente. Com um pouco de prática dá para escrever (relativamente) muito rápido no T9 do Symbian. Em alguns casos um ou dois parágrafos eram suficientes, em outros eu ficava com vontade de continuar, e terminava o texto inteiro quase. Mesmo assim foi uma bênção para meu déficit de atenção. É fácil alternar entre vários textos, adicionar uma frase aqui, apagar uma palavra ali. Usando uma só mão. E sem o risco de ser visto com o notebook na praia.

Mantendo esse ritmo é possível aproveitar o dia, a paisagem, a viagem, e não negligenciar o blog. Pois mais importante que postar todo dia, é postar decentemente. Até porque blog ruim com atualização diária, há aos montes.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Em viagens para praia e locais paradisíacos o mais perto da tecnologia que eu chego é com aqueles aparelhos de furar côco…

  • Já pensou em usar um chaveiro-gravador pra fazer voice notes?

  • Ah já que você queria postar sem ser percebido porque você não camuflou seu PDA dentro de um BAURU?

    Concerteza ninguém iria notar.

  • Concordo com você, Cardoso. Só não sei como você consegue escrever textos em um celular, só com muita prática mesmo. Já tive um iPaq e um Palm mas nenhum dos dois resolveu o problema. A idéia de fazer voice notes é ótima, mas o que eu quero mesmo é um iPhone para anotar as idéias que tiver quando estou longe do computador.

    Eu tomei a (difícil) decisão de não atualizar mais o meu blog no fim de semana, só faço mesmo um post para um blog para o qual eu escrevo porque o autor do blog conta comigo. É muito bom para a vida pessoal e para dar uma rebootada na cabeça.

  • compre um gravador, não? :P

  • Você poderia gravar notas de voz em seu iPod… Ah, é! iPods não gravam som! Rárárárárá

  • Bota aos montes nisso…

  • Mas dá para gravar voz no 6660! Apesar de ser meio chato ficar ouvindo a própria voz e copiando depois. Acho que um tecladinho bluetooth vai bem! Acho que vou comprar para o meu N80 para usar em meu blog também!

  • Eu perco milhões de idéias boas por não ter saco pra anotar e por não ter aparelhos mais sofisticados que me ajudem.

    E o celular entra na primeira categoria. A única coisa que eu consigo fazer com uma mão só é…deixa pra lá.

    E o mais incrível é que só os piores textos vão pro blog. As boas idéias (se é que eu as tenho) eu perco.

  • No meu caso, uso o IPobre para gravar voice notes.

    Estou esperando ansiosamente que lancem aqui no Brasil o JOTT. Vários amigos nos EUA estão usando pra caramba. Para quem não conhece é um sistema gratuito para onde você liga do celular, deixa o recado e ele manda um email pra você ou para quem tiver sido cadastrado, com a transcrição da mensagem.

  • Eu preciso botar meu notebook pra funcionar. As idéias vem enquanto to viajando pra universidade, sempre. Quando volto pra casa, elas correm.

  • Quem tem blog realmente fica procurando post em tudo.

    É inaceitável perder boas idéias por não ter onde guardá-las, ainda bem que eu ainda tenho boa memória. Mas como já li que o álcool mata neurônios, vou precisar de algum aparato tecnológico pra me ajudar logo, logo.

  • Cardoso, o seu estilo de vida está ficando cada vez melhor.

    Meu sonho é trabalhar enquanto viajo por praias como essas.

    Abraço

  • Geralmente eu penso no que vou fazer durante o dia, e sento à noite pra escrever. Fica mais fácil já ter uma idéia pré-elaborada. Ao menos para mim.

  • A melhor opção seria ter gravado as idéias numa célula receptora de ondas cerebrais, que poderia estar discretamente grudada no meio da testa ou atrás da orelha esquerda. Depois seria só scanea-la para o computador.

    Deixa prá lá…estou vendo muito filme e já são quase 1 da manhã…

    Anotações são super importantes, mesmo que sejam em guardanapos. Tenho anotações que nem sei mas o motivo, mas um dia saem do papel.

    Abraços e Sucesso!

    Gino Netto

    —- Off Topic —-

    Cardoso, você ainda não apareceu no BlogGeral, apesar do meu convite.

  • Pô, eu tenho um 6600 e, pelo jeito, ele está sub-aproveitado. Preciso dar uma fuçada então.

  • Falou e disse! blog que atualiza todo dia tem um monte, agora que preste sao poucos. (Só não sei se o meu está na categoria dos que presta ou não :) )

  • Pingback: Neurônios loucos()