Qual a diferença entre podcast e lixo reciclado?

Anotem o que eu digo: Em breve teremos uma iniciativa de marketing viral de guerrilha inédita e revolucionária: Um podcast sobre Web2.0 transmitido de dentro do Second Life. Ou algo assim.

Agora que virou moda toda empresa quer um podcast, ainda mais as que já são relacionadas com mídia. Só que produzir o conteúdo é outra história. É antinatural para um radialista ou uma produção de programa de TV produzir algo para um público tão pequeno. Sim, mon ami. Ninguém escuta sem podcast. Chocou? Pois é, mas ninguém lê seu blog, também. Nem o meu.

Comparado com a TV Aberta e o próprio rádio, a audiência da Internet é pulverizada e insignificante no Brasil. Por isso iniciativas híbridas, como a Fiz.TV têm mais possibilidade de estourar, ao mirar o melhor de dois mundos. O curioso é que quem não tem foco na Internet, mesmo assim precisa ser “moderno”, e a alternativa não é ser eterno, é ser arcaico mesmo. Por isso tanto programa de TV e jornal impresso lança site com vídeo, áudio e – não, áudio não. Entrevistas gravadas? Que coisa antiga. Lançam Podcasts!

Vendo o site do Amaury Junior descobri que ele não só tem toda uma parte multimídia, como tem um Podcast, o PodFlash, com direito a domínio próprio, em www.podflash.com.br. O podcast é produzido pela PodCasting Brasil, a empresa tem um belo portólio, inclusive. Uau!

Aí fui ouvir e melou tudo.

Podcast nada mais é que rádio AM na Internet. Tudo está lá. A interação,a informalidade, o imediatismo. Não é uma crítica nem uma ofensa, é uma constatação. O formato é idêntico. Tudo bem, é um formato que funciona e se adequa, não vamos reinventar uma roda quadrada. Muitas rádios fazem “podcasts” que nada mais são do que cópias dos programas, passadas sob demanda. Perfeito.

O que não dá é tentar reciclar um programa de televisão, cacete!

contraditorium-reciclagem.jpg

O podcast do Amaury Junior nada mais é que o áudio das entrevistas. Tem vinhetinha, beleza, mas de que adianta um podcast bem mixado, com áudio de qualidade, se no meio do “podcast” o sujeito começa a “mostrar” fotografias e falar delas? Parece transmissão de desfile de carnaval pelo rádio. SIM, MENINOS, EU OUVI. “Lá vem a Luiza Brunet. Nossa, como está linda, vejam essa fantasia minúscula”.

Eu sei que a mídia é incipiente, eu sei que é muito chato falar para as paredes (em termos relativos de audiência) mas enquanto os veículos não investirem SÉRIO em podcast, vai continuar a clara condição de “só pra dizer que tem”. Parece o tal blog corporativo sem comentários, feeds e textos na primeira pessoa, só publicando press releases e exaltando a empresa.

Depois o empresário encontra um amigo na fila do banco (na Grande Cayman, claro) e reclama. “gastei uma grana, quase R$4 mil nesse negócio de podcast e blog. Maior furada”.

Não é preciso um investimento fantástico. Meia-hora por semana é algo que qualquer um pode dispor. Um podcast pode ser um bate-papo legal e despretensioso e mesmo assim atingir seu público. Vejam por exemplo o Podcast de Guerrilha, que nunca teve pretensão de ser nada, e se mantém fiel às origens. (tcha-dum!) Não tem vinheta, não tem momento de ufanismo falando dos links que receberam, não tem cartinhas dos leitores, não tem seções fixas, e funciona. Talvez porque como diz o Mr Manson, é o único podcast do Brasil sem ninguém com voz fina.

Na última edição por exemplo tinham como tema “Relacionamento com Blogueiros”, com participação do Tiago Dória e pelo menos oito cervejas. Foi um belo bate-papo, todo mundo se mostrou bem realista e afinado com a realidade do mercado. Ou pelo menos comigo, afinal concordei com tudo que foi dito.

Portanto, caro empresário, investidor, criador cultural e similar: Invista seu TEMPO em um podcast, não seu dinheiro. Um milhão de dólares não transformam o resto do empadão de ontem em um souflê. Você pode até montar uma apresentação bonita, mas continuarão sendo restos.

E ser alimentado de restos não é algo que faça um visitante/ouvinte/espectador se sentir valorizado.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Um pouco cruel, mas sou obrigada a concordar que apesar de ser uma boa idéia, o podcast falha na falta de interação com os seus ouvintes. Há muitos podcasts bons, inclusive feitos por mulheres – olha eu defendendo a "catigoria"! Esses que simplesmente reproduzem programas de TV e rádio, felizmente, ainda são minoria.

  • Infelizmente isso é uma coisa que acontece com quase todas novas mídias no Brasil: os grandes grupos tentam simplesmente pegar o que já existe e colocar lá.

    Um grande exemplo é o novo canal da Globo no Youtube, onde são exibidos trechos de poucos minutos da Malhação. Honestamente, o capítulo inteiro de malhação já seria duvidoso. Mas poucos minutos então? Não é util nem para quem gosta do programa.

  • Podcast é que nem versão do blog para celular e/ou browsers texto, menos de 1/10 de 1% vão acessar, e olhe lá.

  • Um dia desses, vadiando pela net, acabei caindo num desses programas do Podcast. Até que valeu a pena (era uma entrevista de rádio que me interessava), mas ficou a certeza de que tem que ser uma visita que você saiba exatamente para onde quer ir para não ficar afogada em poluição sonora.

  • O podcast, assim como o blog, só funciona se for totalmente desvinculado de quaisquer dos "vícios" das mídias tradicionais. Podcast não é rádio assim como blog não é jornal. Enquanto as "grandes corporações" insistirem no erro de utilizar a linguagem e o formato dos meios de comunicação tradicionais, o podcast não pega.

    Obs.: meu podcast tem vinheta, tem momentos de ufanismo, tem cartinhas de leitores, tem seções fixas, e funciona! E eu tenho a voz grossa!

  • A questão mais uma vez é de conteúdo relevante. Se for para ter a mesma informação que posso ter nos textos, é mais objetivo ler os textos.

    O que o áudio pode trazer que o texto não traz? No rádio, é o imediatismo. No podcast, acredito que seja a informalidade.

    Defina um tema, chame alguém interessante e batam um papo, sem se alongar demasiadamente. Esse parece ser o formato que mais funciona, pelo menos para mim. O Podcast de Guerrilha, o extinto BlogBits e o PodCrer funcionam mais ou menos assim.

  • Gosto de ouvir PodCast, no entanto, como já citado acima. Tem de ser um "papo-de-amigos" sobre determinado assunto. Sem muitas ladainhas, etc…

  • Eu até gosto de "podcasts", mas aqueles que tu baixa um arquivo mp3 e escuta no mp3 player enquanto anda de ônibus. Mas realmente, tem que ter conteúdo e não ser um programa, mas uma "conversa informal".

  • Valeu, Cardoso. Belo post e valeu pela citação. Parece que houve uma informação privilegiada ou vc adivinhou o número de cervejas?

    abs