A História, como sempre, me deu razão

Há pouco a acrescentar, depois deste email que recebi do Geraldo Neto de Goiânia, reproduzido aqui, com permissão:

Cardoso, bom dia.

Sou leitor do seu blog. Sou jornalista por formação. Trabalho numa assessoria de imprensa aqui em Goiânia e acho muito pertinente suas opiniões sobre as alterações (ou necessidade delas) na mídia impressa, que não necessariamente acontecem.

Tu comentou dias atrás num post sobre uma manchete do Extra (Fidel chama o Raul). No texto, você comentou da formalidade que impera na mídia tradicional e que o próprio leitor busca algo mais próximo de sua relalidade e que os blogs caminham nesta direção.

Pois aqui em Goiânia o maior jornal do Estado (O Popular) está seguindo este caminho. Ele estreou seu novo layout e mudou também um pouco do conteúdo a partir da edição de ontem. Site do jornal: www.opopular.com.br.

A matéria que fala das alterações diz exatamente o que vc comentou: eles estão caminhando para um projeto mais próximo do povo, aumentando o espaço para opinião do leitor (coisa que os blogs fazem com os comentários) e tirando a sisudez do jornal.

O exemplo disso foi a manchete da edição de ontem: “Devagar, quase parando” – matéria sobre o trânsito trucado de Goiânia. O título da matéria sobre o trânsito, dentro do jornal, é: “É devagar, é devagar, devagarinho”. Claramente foi usada um trecho da conhecida música de Martinho da Vila. E na a matéria que explica o que mudou, cita este título musical e explica: “Títulos: liberdade para fazê-los de forma mais criativa”.

O importante aqui é o seguinte: O Popular é um exemplo de jornal dito “sisudo”. Não é como os populares Extra, de SP, que são sensacionalistas por natureza. Ou seja, os jornais ditos “mais sérios” estão sim tendo que passar por mudanças.

Achei interessante sua análise e o jornal ter mudado exatamente como você comentou, por isso sugiro o assunto para sua análise.

Abraço e continue com o bom trabalho.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • O fato da mídia estar se "despojando" creio que pode ser um indicativo de que sua estabilidade como fonte de informação começou a ser abalada com o crescimento dos blogs.
    Recentemente tivemos ferrenhas discussões ente blogueiros e mídia tradicional (caso do estadão) e ao que percebí os blogs estão passando a ocupar o seu lugar e isso parece incomodar.

    Eu gostaria de lembrar que até mesmo os jornais da TV já estão se adequando à essa tendência, o Jornal Hoje da TV globo por exemplo está abrindo espaço para os apresentadores darem uma zoadinha após as matérias, acho que isso aproxima os apresentadores dos telespectadores e deixa a coisa mais interessante…

  • E a indústria fonogr… ops, jornalística perde mais uma.
    Esse é só o primeiro.

  • Cardoso, Já lesse o Diarinho do Litoral, de Itajaí – SC? Esse já nasceu assim…

    []'s
    Compulsivo

  • Infelizmente não entrarei na onda. Vou fazer como o WSJ e mudar depois de uma década.
    Não reparei nas mudanças do teu lay-out. :(

  • Qwert

    Extra de São Paulo ? ¬¬

  • Qwert

    Ah, esse "como sempre" é bem típico de um usuário Mac :)

  • Fabrício

    O Extra num é de São Paulo não? Oo

  • Aqui em Joinville tem o Noticias do Dia, ele é totalmente voltado ao povão chega a ser até chato o tanto de girias idiotas que eles usam…

  • Vai dizer que não fica felizão quando recebe um email desse. É melhor que um clique de um salsinha.

  • Uma coisa é um texto despojado, outra é a banalização da língua portuguesa. Nessa busca pela 'nova linguagem', que o Cardoso tanto se refere, e sou a favor, deve-se tomar cuidado para não ridicularizar a forma que escrevemos. Um texto deveras rebuscado pode ser um saco pra se ler, por outro lado, um texto "escrito como se fala" também é intragável. Esperamos que as pessoas tenham esse discernimento.

    "Substituir uma palavra comum e conhecida por outra mais difícil e rebuscada, não significa exaltar a lingua, mas sim, aviltá-la"

    Voltaire

    == Marconi. ==

  • Realmente, eu moro em Goiânia e havia notado a mudança do jornal O Popular. Hoje mesmo tinha uma matéria intitulada "Lucro com gado chique".

  • "Pai Cardoso acerta novamente" será a manchete de amanhã em O Popular. É, sou do editorial e…. ok, sem piadas *ruins* para exaltar o ego do homem.

    Gosto de ver essas mudanças na mídia tradicional, semana passada vi uma propaganda de um dos blogs do Zero Hora no própio jornal: "Se o papel já aceita tudo, imagine o blog."

    O futuro é agora. :D

  • Que venham as mudanças…