Quem diria, publicitários viraram conteudeiros.

Quanto mais o mundo avança, menos sai do lugar. Nos velhos tempos os anunciantes escolhiam programas, pagavam para inserir comerciais nos intervalos, nós assistíamos, e todos ficavam felizes.

Ultimamente isso tem mudado, as pessoas estão vendo cada vez menos TV, o conteúdo tem se espalhado por mais mídias do que é razoável gerenciar (tente montar um plano para 3 milhões de pageviews/dia sem incluir UOL e Kibeloco) e a própria qualidade da programação vem caindo.

Os espectadores também estão descontentes com a própria publicidade. Equipamentos como o TIVO, que agregam a função de DVR com recursos de pular comerciais fazem muito sucesso, e os bons comerciais desaparecem num mar de polishops, medalhões persas e televendas em geral.

A saída tem sido o marketing de guerrilha, marketing viral, marketing de emboscada, marketing de oportunidade, marketing de latrocínio, marketing de estupro seguido de morte, ou seja lá qual o marketing da semana.

Só que esse marketing quando funciona é baseado em algo que não mudou: Uma boa idéia.

Eu defendo que PRIMEIRO vem a idéia. Uma idéia boa é forte em qualquer mídia. Vejam por exemplo este filme: Pegaram um monte de ovelhas, colaram mantas com LEDs nelas e fizeram animações, usando cães pastores, stop motion, etc. Ficou DUCA.


No final quem assina o filme é a linha de TVs de LEDs da Samsung. Não é um filme institucional, não fala do produto e a associação entre a idéia do filme e o que está sendo anunciado exige uma certa quantidade de neurônios.

Por isso mesmo o filme é desesperadamente replicado pela Internet. Subido dia 16 de Março, já foi visto 1.179.922 de vezes.

O que aconteceu? Fácil: Ao invés de associar seu produto a um filme ou série qualquer, a Samsung criou o próprio conteúdo agregado. Desencanaram de fazer um comercial. Fizeram um filme que funciona sozinho e desperta a curiosidade geral.

Qual a lição aqui: Na geração 2.0 todo mundo pode ser produtor de conteúdo, inclusive os anunciantes. Se você não tiver um blog, um programa, uma revista que seja suficientemente interessante, o anunciante corre o risco de produzir o próprio conteúdo e te dar um pé na bunda.

Garanto que as agências adorariam pegar a verba de veiculação e transformar em produção interna de filmes legais. Só quem não gostaria seriam os veículos, que teriam que melhorar e muito seu conteúdo, pois hoje sofrem do mesmo mal dos músicos, que não podem mais produzir um CD com 8 faixas medíocres garantindo a venda em 2 faixas decentes.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Por suficientemente interessante, leia-se PAGEVIEWS, quando o assunto é blog. O fato de alguém anunciar no Kibeloco é a prova de que conteúdo não interessa. Pra quê quebrar a cabeça pensando em algo legal se você pode kibar fotos de blogs russos e mudar a legenda ?

  • Só discordo de uma parte: "Garanto que as agências adorariam pegar a verba de veiculação e transformar em produção interna de filmes legais."

    Tem muitas (e grandes) aqui na nossa terrinha tupiniquim, que continuam insistindo com os clientes que os formatos tradicionais ainda estão bombando. Dá muito mais dinheiro e menos trabalho colocar um comercial ruim no intervalo da novela do que produzir conteúdo bacana.

    <abbr>Renata – último post do blog… Eu vi… outras 99.999 pessoas também</abbr>

  • Cardoso, às vezes eu fico esperando o comercial. A grade de programação da TV em si já não presta, então o negócio é assistir a comerciais e ficar elogiando um, criticando outro,e etc. Gosto de fazer isso.

    Hoje quem não se adaptar ao novo mercado, está literalmente feofódido. Não tem mais espaço para comerciais e produtores de conteúdo um ponto zero.

    Abs,
    @monthiel

    <abbr>Monthiel – último post do blog… 10 Sensacionais Wallpapers para Nerds</abbr>

  • Eu sou fissurado em comerciais.
    Na tv paga tem um programa chamado "Na hora do intervalo" (multishow), onde passam comerciais do mundo todo, um melhor que o outro e a premissa geralmente esta, boas idéias, muitas vezes totalmente desvencilhadas do produto ou serviço em questão, mas que conseguem de forma natural atormentar nossa mente com as ilimitadas possibilidades que aquele "filme" nos fornece.

    <abbr>Ulisses – último post do blog… Dispenso esta rosa</abbr>

    • Outro dia vi esse programa e realmente é muito bom.

      Nada substitui uma boa idéia. Veja por exemplos, os filmes de animação 3D, uma enxurrada de animações, a maioria esmagadora, medíocre. Alguns se sobressaem, e por que? Por causa de uma boa história.

      <abbr>Andarilho – último post do blog… As duas faces do estágio – by Max Gehringer</abbr>

  • Sou capaz de apostar que isso foi filmado nas Highlands. Tenho a forte impressão de que o relevo que aparece no fundo, logo no comecinho, fica em Skye. Há que investigar.

    <abbr>João Paulo Cursino – último post do blog… Crie sua própria igreja</abbr>

  • Videozinho inteligente e engenhoso, heim? Bem bolado. Só faltam elas surgirem no mercado e se popularizarem :P

    <abbr>Marcio Neves – último post do blog… Vídeo do Dia: World Builder</abbr>

  • Lendo seu post me senti em uma palestra do Luli.

    <abbr>Cleiton – último post do blog… Capacetes estilizados</abbr>