Está Instaurada a Idiocracia

Sob a desculpa da popularização, da inclusão digital, da ampliação do acesso cria-se muita barbaridade. Essa kibificação geral da humanidade não fica só no humor-de-muleta com setinha apontando a parte engraçada. Ela vai a lugares onde não há graça nenhuma.

Estou falando do projeto Leitura Facilitada, da FAPESP. A iniciativa tem, acredito, os mais elevados objetivos e a melhor das intenções, o material ideal para pavimentar estradas daqui ao Hades.

O objetivo do projeto é criar softwares que “traduzam” textos online para uma linguagem mais “adequada”. Não, não é nenhum tradutor online de idiomas, é um tradutor de textos “complicados” para textos “rasteiros”. Segundo o site oficial:

“(…) consiste em reduzir a complexidade linguística dos textos, substituindo palavras raras (menos frequentes) por palavras mais usuais ou dividindo e reorganizando orações longas e complexas, entre outras adaptações.”

Para começar, putaquemepariu. Quando um texto em um site de uma instituição científica precisa EXPLICAR o que são “palavras raras” (como bem-notado no Flanela Paulistana) assume-se que a imbecilização é geral.

O projeto está sendo aplaudido, mas é uma das formas mais estúpidas de segregação que já vi, é algo digno da Conspiração Sionista Internacional, do Clube Bilderberg, da Maçonaria, dos Illuminati e da Legião do Mal, tudo junto. É algo saído daquelas reuniões que acontecem na
cabeça dos esquerdistas, que colocam os lideres da “Elite” fumando charuto e discutindo
como oprimir as massas e garantir seu emburrecimento.

Sim, é isso que esse projeto propõe, o emburrecimento institucional de uma população já burra de nascença. Ao criar mecanismos que “facilitem” a compreensão de textos estamos GARANTINDO que essas pessoas JAMAIS se interessarão em desenvolver capacidade de entendimento, JAMAIS ampliarão seu vocabulário e dependerão dos programas para dizer o que pensam sobre determinado assunto.

A criação desses programas é CRIMINOSA, é uma eugenia às avessas, onde pavimentamos o caminho para a Raça Inferior, um grupo de subletrados incapazes de entender um texto, incapazes de tentar entender um texto e incapazes de desejar entender um texto.

E antes que apareçam os populistas-bolsa-família dizendo que sou malvado e não quero que os pobre-tudo tenham acesso ao conteúdo complexo da minha Internet, gostaria de deixar claro:
Existe um projeto infalível para fazer com que os povo entendam tudo que é texto, consigam interpretar, ponderar e decidir.

É um projeto razoavelmente antigo, não é do interesse de muita gente pois não dá voto nem consegue verba com a facilidade do R$1 milhão do Leitura Facilitada, mas a longo prazo AINDA é um projeto melhor.

Chama-se ESCOLA. Invistam em EDUCAÇÃO. Inclusive de adultos. Parem de dar muletas, dêem asas!

Fonte: Twitter da Tia Raquel.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Legal saber que o estímulo ao estudo está sendo empalado, partindo do pressuposto de que havia realmente algum estimulo.

  • Quem leu 1984, sabe que um dos principais programas do Big Brother (não o reality show) foi a simplificação do vocabulário, para evitar que o pensamento progredisse com mais intensidade.

    Eu me assusto em saber o quanto George Orwell estava certo!!!

    • Neste aspecto até pode ser, mas a realidade está mais para "Admirável Mundo Novo", do Aldous Huxley.

      • Eu ia falar isso. Será um "Admirável Mundo Novo" onde todo mundo será um épsilon semi-aleijão e todo mundo vai ler única e exclusivmente o Delta Mirror.

    • @alemuller

      Pensei exatamente a mesma coisa quando li

    • André

      Nossa, foi a PRIMEIRA coisa que me passou pela cabeça quando li a matéria!

      Eu me assusto em saber o quanto George Orwell estava certo!!![2]

  • Hummmm interessante… emburrecimento em massa… Sustituir palavras sei… reduzir o vocabulario seria o termo mais adequado… logo saberemos ler so o nosso nome e olha lá….

    • Eu tive alunos do Ensino Médio que não sabiam escrever direito o próprio nome. Que tal?

      • Isso lá é verdade, pq meu marido é professor e eu já vi diversos alunos errarem a grafia do próprio nome.

        Concordo que o investimento em educação é o melhor caminho, embora tenha claras deficiências (o sistema atual, pelo menos). O que não falta por aí é gente que entra na Universidade sendo analfabeto funcional.

        Não sou exemplo de cultura e grande saber, mas acho que deviam incentivar mais a leitura nas crianças. E nos adultos. Sim, pq as pessoas não têm interesse mas em ler NADA!

    • Katia, o "Olhe lá", já está aí. Eu atendo pessoas com 12 anos que não sabem a data de nascimento. 20 anos que mal sabem o próprio endereço. E isso é para falar das coisas mais simples que vejo.

      Bem, vamos que vamos não é mesmo!

  • Cardoso, cara desta vez eu discordo…

    O fato de existir um software não significa que a linguagem culta vai acabar. Simplesmente haverá uma outra para textos inteligentes (atualmente o que chamamos de "miguxês" só é utilizado em textos burros, em sua maioria).

    É mais fácil para nós dizer: eles precisam buscar as informações, no entanto é preciso dar as muletas até a fisioterapia acabar…

    • Se a criança for bem-cuidada desde que nasce, não precisa de muletas.

    • A geração de hoje está perdida. Não dêem muletas, deixem-nos aleijados mentalmente. Melhor investir em criancinhas do primeiro ano que QUEREM aprender.

    • Bom, seria mais edificante ensinar à criança a importância do dicionário.

      • Nem deve ser tão difícil implementar um plugin com um dicinoário né? Será que existe algum?

        Será que seria possível instalar um Houaiss e deixar um atalho ali, à espera de um clique?

        Quem sabe. Mais barato que esse projeto.

  • Logo é mais facil colocar uma palavrinha mais facil do que o incluso pesquisar no dicionário. Parem o Brasil, eu vou pular!

  • Thiago

    Discordo.

    Eu acho que toda decisão judicial, todo projeto de lei, etc deveria ser passado por esse programa, sem nada de ex pluris romani eut domus de porra.

    Fora que os profissionais de letras (aqueles que ganham a vida apontando defeitos cagando regras idiotas, vide nova reforma ortográfica que foi praticamente uma diarréia depois de uma feijoada) estão, na minha opinião junto dos seres mais inúteis do universo.

    E o programa, do ponto de vista da pesquisa que está se fazendo é ótimo. Discutam a utilidade mas dizer que é criminoso é meio exagero com os pesquisadores não (que já sofrem nesse país aqui)?

    • A linguagem jurídica é técnica, assim como a lei também é técnica e se justifica, já que advogados, promotores, juízes e outras autoridades utilizam-na sem maiores problemas. Ao simplificar perde-se muito o significado, exatidão e riqueza na expressão. Assim como o Direito possui uma linguagem própria, a medicina e outras ciências também possuem. Quer acessibilidade? Promova educação e incentivo a aquisição do conhecimento!

      Uma ferramenta dessa só demonstra o pensamento medíocre de sempre encurtar caminhos, já que é doloroso ou trabalhoso demais fortalecer a caminhada.

      • Thiago

        Falou tudo o que eu queria dizer.

        Não é questão de "emburrecer", é questão de ser compreensível por todos um trabalho que é pago e diz respeito a todos.

        Se é "comunicação interna" então não tem problema nenhum usar jargões da área.

    • Por isso qeu eu defendo a volta do ensino de Latim nos colégios, desde o Fundamental. Quem aprende Latim, aprenderá Português muito mais facilmente. Fato!

      • Eu sinceramente creio que as leis são de fácil compreensão. Se há termos jurídicos de díficil compreensão é porque eles são únicos e sem eles seria impossível dar sentido a um instituto jurídico que se encontra presente há séculos no Direito.

        A linguagem técnica no Direito serve para facilitar, não para complicar, sem ela precisariamos de linhas e mais linhas para explicar um simples instituto jurídico, gerando textos e expressões enormes.

        Veja os exemplos das leis mais famosas no Brasil, quem entende o que o Cardoso escreve aqui, facilmente as entenderá:

        Constituição Federal – http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao

        Código de Defesa do Consumidor – http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/l8078.htm

        Será que é tão dificil compreender? Ou será que queremos facilidades e atalhos para nossa preguiça e educação medíocre?

      • Eu estudo Latim e posso te garantir que, a não ser que vc queira ser linguista diacrônico, ensinar Latim no EM não faz o menor sentido.

      • tanko

        Discordo. Não acho que o estudo de latim seja tão necessário. Acho que a leitura é a forma mais eficiente e natural de aprender o uso de um idioma.

  • Uma das maiores barbaridades que já li ou ouvi falar.

    Me lembra um pouco Aldous Huxley e seu Admirável Mundo Novo… Enquanto as crianças alphas saberão ler, escrever e INTERPRETAR textos, as crianças Y terão tradutores para pensar por elas.

    abs,

    • No futuro, ninguém lerá Huxley, porque não conseguirão entendê-lo.

  • Ah meu Brasil, sempre caminhando para trás…

  • Mas ele não disse em momento algum que a linguagem culta iria acabar, Victor Amatucci. Ele só disse que o povo mais ignorante por ter um 'anulador' destes termos, não vai ter o interesse de conhece-los e ampliar seu vocabulário, visto que, sequer terão contato com tais termos. Pelo menos foi assim que eu interpretei.

    E eu concordo com o que o Cardoso apontou. Não é de hoje que organizações se empenham pra fazer o que o governo não faz dentro dos milhares de projetos que existem por aí. E ainda bem que existe tais inciativas. Só que lutar pelo emburrecimento da sociedade é fazer exatamente o que o governo faz.

    Não é porque é algo feito de aparentemente boa vontade que não vá gerar consequências ruins… Por isso eu discordo daquela frase que diz "A cavalo dado não se olha os dentes". Olhe sim. E olhe BEM atentamente…

    E fica a dica: para textos difíceis, dicionário!

  • Cruzes.Lembrei agora de um tempo que dei aulas no ensino fundamental e a diretora queria que eu modificasse as questões da prova pq estavam muito dificeis;bati o pé,disse que poderia estar dificil pra ela que não sabia,exigi minhas questões "dificeis"ou eu sairia naquele instante;resultado:noventa por cento da turma teve nota acima de oito e a dona ficou com cara de tacho.

  • Eu já passei do tempo de me preocupar com esse país… eu já desisti, isso é o que mais preocupa, as pessoas desistirem, mas não tem o que fazer, somos minoria…

    Site mais visitado do país é o orkut, portais grande como globo e terra tem a suas maiores audiências na parte pornografica e de fofocas sobre novelas e gente "famosa"…

    Esse país não tem um futuro, o sonho de futuro desse país nunca existiu.

    A gente se surpreende agora porque tem a internet e as coisas se espalham mais rápidas, mas esse país sempre foi e sempre teve seu povo medíocre…

    Imagina uma criança de 10 anos que só vê porcaria na TV, vai para a escola e a coisa mais importante é ter amigos no orkut, se você ler e estudar será chamado de nerd, não fará parte do grupo, será excluído, logo ela entra na onda… É como as drogas, o cigarro…

    O governo tem sempre os mesmo políticos, ninguém investe em educação e em pourra nenhuma…

    O próprio projeto de inclusão digital funciona da seguinte forma: Compre um computador barato em 20 vezes, tenha acesso ao EGO, deixe sua filha mostrar os peitos no MSN e seja feliz, poís você agora faz parte do mundo digital…

    É tudo uma piada…

    Ah eu podia ficar falando aqui até amanhã, chega…

  • O que dizer? Concordo com absolutamente tudo o que você escreveu. Precisamos criar condições para que nossos alunos entendam a complexidade, e não facilitar tudo nivelando por baixo.

    Como professor, posso dizer que estamos realmente pavimentando um caminho de emburrecimento coletivo. Cobram de nós provas mais fáceis, e cada vez mais simples fica passar sem estudar.

    Aliás, gostei da forma com que você abordou a idéia de eugenia.

    Valeu o texto. Abraço

  • Enquanto existir cavalo, São Jorge não anda a pé. O Governo brasileiro está dando mais um belo exemplo de como quer evitar a evolução do povão. Deixando-os mais uma vez dependentes de sua imensa benevolência. Já não era suficiente dar os bolsas-esmola? Agora querem dar textos e idéias, mastigasdas e obviamente estragadas, restos de conhecimento. Pois parece ser sempre isso que sobra ao povo, os restos.

  • Raizer

    A inCrUzao gigital agradece. Sério, fazer um software tradutor de textos para linguagens mais informais não nos leva a lugar nenhum, ou melhor, leva, engata a marcha ré. Imagine se uma dessas pessoas dependentes de linguas "facilitadas" fosse ler um livro, supondo que isso um dia acontecesse, o cara iria parar na primeira página por não ter idéia do que o autor do livro estava dizendo.

    TUDO começa pela educação, e não ple afacilitação de pessoas que tem preguiça de aprender e querem permanecer burras por terem opção para isso.

  • Roberto

    E ainda querem que eu tenha ORGULHO de ter nascido nessa terra de merda chamada Brasil. Já odiei a tal da reforma ortográfica, e ODIEI tirarem o trema (o trema é true, e só não coloquei true com trema porque não sei qual é a tag), já um projeto desses, eu prefiro nem dizer nada. Como diz meu amigo Agileudo: "taca logo fogo em tudo!"

    =/

    • Só pra constar…A reforma ortografica ocorreu na lingua portuguesa e não no brasil…todos os paises que falam portugues foram afetados com isso.

      • Portugal se recusou a aderir. Só na bosta do Brasil o Primeiro Analfabeto insistiu que fosse feito correndo. Bem, DANEM-SE Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

        • Que nada, foi ratificado pela câmara, ou algo do tipo.

        • Novamente, dando opinião errada. Um dos criadores da reforma foi Evanildo Bechara. Procura no google e vc vai perceber a merda que vc falou.

        • [Hater Detected]

          Bem, Portugal apresentou maior resistência, principalmente por ter sido mais afetada. A língua evolui com o tempo, essa não é a primeira, nem será a última reforma. É apenas a que nós estamos presenciando.

  • É o primeiro tradutor pt-br/pt-br que já vi.

    • Robson

      acho que seria mais pt-br/pt-miguxes

  • Esta ideia perde apenas para o sistema de cotas raciais, segregam a população e ainda querem falar de racismo, alias esta programa vai servir direitinho para os "COTADOS" já que eles assumem que por serem negros são mais burros do que os brancos (olha que somos uma raça só) e podem aproveitar esta programa para traduzir os livros deles na faculdade.

    Não sou racista, apenas estou dizendo que separar por cor ou "entendimento de textos" é a forma mais vil de racismo ou auto-racismo é enganar alguém dizendo que por ser negro ele tem direito a entrar na faculdade mesmo tirando notas mais baixas, sendo que o ensino é direito de todos. Corroboro com o dito acima, INVISTAM em ESCOLA não em politicagem para ganhar votos de uma população que nem de longe é branca ou negra.

    Com a miscigenação racial que existe no Brasil acho que teríamos que criar cotas para os loiros de olhos azuis com sobrenomes difíceis.

    • Sobre as cotas eu ainda não consegui chegar a uma conclusão. Penso que pode ser interessante para acabar com a tendência de "castas", ou seja a tendência do pobre ser sempre pobre a cada geração. E aqui eu falo em cota por renda e não por cor.

      Muitos estudos mostram que, na prática, não existe muita diferença entre os cotistas e não cotista, quanto à capacidade dentro da universidade. Assim, se facilitamos a entrada, dos "pobres" para a universidade, mudamos o paradigma de toda uma família que virá.

      Lógico que PARALELO a isso temos que melhorar as bases, para isso ser menos necessário no futuro.

    • francisca

      A idéia das cotas EM TEORIA é boa: trata-se de um sistema PALIATIVO enquanto o ensino fundamental e médio em escolas públicas seria reformulado para oferecer um aprendizado comparável ao de escolas particulares. Como quem já está no terceiro ano do ensino médio não veria tais mudanças, a cota seria uma maneira de amenizar a desigualdade (ninguém é cego e todos sabem como o ensino particular é infinitamente superior, em alguns casos).

      O problema é que não se tomou medida alguma para melhorar o ensino na base. Com isso, as cotas deixam de ser paliativas e se tornam regra. Obviamente, cota dá resultado no fim do ano, reformar o ensino demoraria 12 anos pra mostrar resultados, nenhum político tem um mandado tão extenso, logo, acredito que seja puro desinteresse por falta de crédito.

      Não sou a favor de cotas raciais, mas com certeza os alunos do ensino público estão em clara desvantagem com os do particular. Esse tipo de medida eu apóio, mas apenas se houver uma reforma educacional que parta da base.

      Daí aproveito que estou sonhando e peço um pônei

  • Mas está mais do que claro. Eles vão usar o miguxeitor: http://www.coisinha.com.br/miguxeitor/

  • Alan

    Da forma como foi escrito, parece mesmo bizarro. Mas, é só ver as aplicações do programa para perceber que não é algo tão ruim assim:

    "facilitar a compreensão das informações para crianças e adultos em processo de alfabetização ou pessoas com algum tipo de deficiência de leitura."

    "Há, ainda, pessoas com problemas de leitura devido a derrame cerebral, dislexia, Alzheimer, dentre outros. Mesmo deficientes auditivos, que leem em Libras, quando querem aprender o português precisam de um texto adaptado”

    Ler um texto adaptado, não quer dizer que as pessoa seja (ou ficara) burra, nem implica em que ela não se preocupe, ou não se esforce, para ler o texto complexo.

    Um texto adaptado, não substitui nem anula o texto original, ele (como diz o nome), apenas adapta.

    • Com certeza, e as pessoas ficarão magicamente em tentar entender os textos originais, depois disso.

    • "Mesmo deficientes auditivos, que leem em Libras, quando querem aprender o português precisam de um texto adaptado"

      Eu trabalhei num colégio que trabalhava com LIBRAS e não vi português adaptado nenhum. A não ser que a "adaptação" seja os sinais. Desculpa de idiota que não sabe ler e quer justificar o próprio ANALfabetismo.

      • Alan

        Isso não quer dizer que não possam ser usados, nem invalidam o uso para os outros casos citados.

  • Marc Bloch, historiador, dizia que um texto deve ser entendido por qualquer pessoa que ler… Se ele for compreendido é porque é um texto bom.

    Em momento algum ele diz que pra isso devemos usar palavras fáceis ou fazer um textinho mediocre. Ele diz que as idéias tem que ser claras.

    Um tradutor desse é uma vergonha… Não importa se a idéia é clara ou não….

    Além disso, quem garante que esse tradutor dará sinonimo de idéias (se é que eu posso chamar assim)… Quem garante que ele não reinterprete e forneça idéias completamente distintas do texto original???

    Perigoso demais….

    E mais, um texto mediocre, vai ser transformado em que com um tradutor desse?

  • Parabens, cardoso!Nao conhecia esse projeto e nunca vi coisa mais tosca. É a ampliação do conceito de remediar ao inves de consertar a educaçao, da mesma forma que as cotas nas universidades. Belo texto, bel visao.

  • Só tenho uma coisa a dizer: pelamordedeus!

  • Leticia

    Cardoso, thanks pelo link. Quando a alguns comentários, só uma observação: "pessoas com algum tipo de deficiência de leitura" pode abarcar tudo, não apenas crianças e blá blá blá.

  • ola primeiramente gostaria de lhe parabenizar por postar de certa maneira agradável…

    esta semana estava a pensar sobre isso, em situação desta educação ser uma bosta oaefhioehfioa

    o país nunca vai subir nessa merda se o povo não gastar mais em educação …

    a favor não façam este programa se realmente gostarem de nosso país.

  • Aguardem dentro de um ano saindo o dicionario de Novilingua.

  • Grouxo Marx

    Reacionários!

    • Primeiro vai se informar a respeito do Marx correto, débil mental.

      Só mesmo a inclusão tecnológica (inclusão digital é exame de próstata) para colocar na Internet uma aberração como essa.

  • Cardoso, você esqueceu na na escola NÃO há mais reprovação? Em Sampa é assim, o aluno passa de ano que qualquer jeito! Está explicado esse projeto. Simples assim!

    • hehehehe

      Nos colégios particulares, se você reprovar o aluno, VOCÊ é o reprovado. ;)

      • É verdade. Eu já fui repreendido por ter muita nota vermelha no diário. A coordenadora disse que eu deveria encontrar soluções para melharar a nota deles. Vehja bem, EU teria que inventar algo para dar nota azul para os alunos!

        • Uma colega de trabalho não teve este problema. O diretor ALTEROU pessoalmente as notas dos alunos.

        • Alan

          A existencia de alunos ruins, não anula a existencia de professores ruins.

          • “Alan Reply:

            September 10th, 2009 at 5:00 pm

            A existencia de alunos ruins, não anula a existencia de professores ruins.”

            Resumindo, a culpa SEMPRE é do professor. Aluno fica farreando durante as aulas, não faz lição de casa, não estuda, não quer saber de nada relativo a escola, tira nota baixa, mas a culpa sempre é do professor.

            A peste do aluno nunca tem culpa de nada. Sempre é a vítima.

            Ótimo. Perfeito. Maravilhoso.

        • Vivian Martins

          Na escola que estudo um professor meu disse que foi repreendido porque a maioria dos alunos não faz as atividades que ele passa. Disseram que ele teria que "criar motivação" nos alunos, afinal, se 80% da sala não faz um resumo porque prefere ficar no MSN/vendo televisão, é culpa do professor.Sim, escola particular, que apesar de ao menos deixar o professor reprovar os alunos, faz absurdos como esses.

        • "Alan Reply:

          September 10th, 2009 at 5:00 pm

          A existencia de alunos ruins, não anula a existencia de professores ruins."

          Resumindo, a culpa SEMPRE é do professor. Aluno fica farreando durante as aulas, não faz lição de casa, não estuda, não quer saber de nada relativo a escola, tira nota baixa, mas a culpa sempre é do professor.

          A peste do aluno nunca tem culpa de nada. Sempre é a vítima.

          Ótimo. Perfeito. Maravilhoso.

      • @alemuller

        E não se esqueçam que são esses alunos que vão entrar na faculdade. Afinal, as cotas estão aí exatamente para isso…

        • Agora eu fiquei com medo.

    • Aqui no RJ um levantamento independente provou que 25% dos alunos que chegavam a última série do 1º grau eram completamente analfabetos, semialfabetizados ou analfabetos funcionais. O restante era, em grande parte, medíocre.

      A aprovação automática é um crime e provoca um corpo doscente acomodado e estudantes que não estão nem aí para nada.

      A educação pública de base, em nosso país, cria gado manso para manter a massa de ovelhas, alienada e tranquila, para os lobos oportunistas.

  • Gosto de textos simples mas também leio os complicados, oras, se não sei o que tal palavra quer dizer olho no dicionário. É tão simples, por que complicam tanto as coisas? :p

  • É bem o que interessa a um regime dominador, ou seja, quanto menos o povo souber pensar, melhor. Este projeto é típico desta mesmice que tenta se instalar na vida do país, com pobres de espírito investidos em "pseudo-condições" de cagar regras para a coletividade. Repensar o processo educacional, que é onde se consegue dar dignidade ao ser humano, ninguém tem o mesmo interesse. Mas sabe por quê? É investimento de longo prazo, não rende ($$$$) absolutamente nada de imediato a essa gente.

    Pobre país. Estamos começando a chegar aos destinos pensados por essa caterva: o total nivelamento rasteiro de tudo e de todos.

  • Nas palavras do sábio candidato à presidência… "Educação, educação, educação".

    É difícil? Não. Dá resultado? Dá. Em quatro anos? Não. Eis o problema. Eu até gost desse país, mas ele me enoja de vez em quando…

  • Nome Obrigató

    Sei não, Cardoso. Esse é um daqueles seus posts que simplesmente não concordo.

    Não vou me explicar muito para o comentário não ficar muito grande; mas resumindo, a Bíblia é um livro com uma quantidade considerável de palavras raras (menos frequentes – haha, fiz a mesma coisa do texto), mas nem por isso o público-padrão da Bíblia é o mais inteligente; ainda na mesma linha de pensamento, "Uma Nova História do Tempo", de Stephen Hawking, ou mesmo "Deus, um delírio", de Richard Dawkins, têm uma linguagem bem fácil e ainda assim são ótimos livros.

    Digo estes dois exemplos porque são de livros que li. Tenho certeza que há mais milhões de outros bons exemplos como estes.

    • Uma breve história do tempo tem linguagem fácil? Provado está que Vossa Magnificência não o leu. E a Bíblia não é possuinte de nenhuma palavra "rara", o que nela está contido são sandices, como dragões, unicórnios e cobras falantes. Se tal ignonimia perfazem "palavras raras", por corolário, Chapeuzinho Vermelho também as possui, homessa!

      .

      Um exemplo de livro com "palavras raras" digno à elocubrações pode ser qualquer um do Josué Montello. Desafio algum de vós que mo lê a mergulhar em sua sintaxe inteiramente e compreendê-lo sem o auxílio de um dicionário.

      PS. Agora, apliquem o programeco no meu texto, já que usei muitas palavras raras.

      • Ai é que esta o negocio, a palavra só é rara por que é pouco usada.

        Ninguém nasce sabendo porra nenhuma, esse seu comentário deixou bem claro uma coisa não é questão de burrice e sim ignorância, são poucos os que lêem por prazer, tanto que a média nacional de leitura é algo em torno de 3 livros por ano, e convenhamos botar um moleque de 14 anos que só pensa merda pra ler Machado de Assis, não motiva ninguém a ler nada.

        Quanto mais se lê mais palavras se conhece, mas contudo se é pra formar uma patria de ignorantes apaticos o caminho é esse, privar do conhecimento.

        Eu disse acima:

        "Aguardem dentro de um ano saindo o dicionario de Novilingua."

        Mas creio que os ministérios devem vir antes.

  • Joaquim

    aff

    Desde quando saber palavras complicadas/raras é sinônimo de inteligência??

    Acho ridículo pegar um texto e passar horas com o dicionário ao lado para poder tentar interpretar o texto corretamente. Pq simplesmente os autores não usam palavras comuns?

    Aqui no Brasil se vc não sabe entender um texto você é que é burro, enquanto lá fora se vc não entender o texto o autor é que é ruim.

    Tomara que isso ajude alguns autores a melhorarem seus textos, pra que não só eles e meia dúzia de pseudo-intelectuais entendam e fiquem reclamando que a população é burra.

    • Mas a população em sua maioria é ignorante. A culpa não são dos autores, e sim de políticas educacionais falhas.

    • "Aqui no Brasil se vc não sabe entender um texto você é que é burro, enquanto lá fora se vc não entender o texto o autor é que é ruim."

      Existe uma certa diferença aí…

      No Brasil a educação vem capengando há anos e não é raro você ver alunos que se formaram no ensino médio e não sabem interpretar um texto. Portanto, no Brasil se você não entende um texto, muito provavelmente a culpa é muito mais sua ou pelo menos da educação que você teve do que do autor do texto.

    • Qual é o índice de alfabetização da Suíça? Qual o índice de alfabetização do Brasil? E sim, você deve contar os semi-analfabetos também.

    • Mas é exatamente assim que você aumenta o seu vocabulário: Leu algo que não entendeu, vai ao dicionário e procura. É chato? Não, você esta estudando e aprendendo. O problema é que o brasileiro adora receber o salário, mas detesta trabalhar. E quando você não tiver a "máquina" em mãos e a interpretação de um texto puder salvar a sua vida ou de abrir uma porta? Aí sim você verá o que é chato.

  • Acredito que dificilmente o programa seja adotado a nível de fazer alguma diferença real para o emburrecimento geral da Nação como foi dito, já que a maior parte dos usuários brasileiros é de orkuteiros e MSNers que não tem qualquer interesse por texto mais rebuscados, traduzidos ou não.

    Mas provavelmente renda bons frutos na área de conhecimento de processamente de liguagem natural, que não é nada trivial.

    • Você acabou de escrever "a nível de". Está errado, posto que "nível" é uma palavra masculina. O correto seria "ao nível de" ou (mais correto ainda) "em nível de".

      .

      Aliás, este "a n[ivel de" é totalmente desnecessário na sua frase. O correto seria "(…)o programa seja adotado afim de fazer alaguma diferença para com o emburrecimento geral da Nação(…)".

      .

      E olhe que você não usa o programa. Imagine se usasse! (e eu nem tocarei nas flexões verbais feitas de modo canhestro, fique tranquilo). ;)

  • Fato Real

    Eu lecionava num colégio e certa vez eu fui chamado à Direção, pois um pai enfurecido queria fazer uma reclamação. Chegando lá, eu tive que ouvir a história que eu "ofendi" o filho dele.

    Eu perguntei: Ofendi? COmo?

    O Pai: O senhor o chamou de… (olhou pra diretora) homossexual.

    Eu calmamente: Eu chamei de homossexual ou usei algum palavrão? O senhor pode ser mais específico? Eu sinceramente, não me lembro de ter feito isso.

    Mais um momento de constrangimento.

    O pai, muito contrafeito, disse: O senhor o chamou de… de… MAN-CE-BO.

    Eu: Ah, ok. (fui até a estante, peguei um dicionário, abri na página específica e entreguei a ele)

    O cara perguntou: O que é isso?

    Eu: Dicionário, ué. Queira ler o que está escrito aqui, sim?

    Ele: Mancebo. s.m. Jovem moço. (ficou vermelho de vergonha)

    Eu pra diretora (ela parecia estar se divertindo): Posso ir?

    Ela fez sinal com a cabeça que sim. Em breve, teremos muitos pais semelhantes a esse. Na segunda geração, estaremos nos comunicando com pinturas rupestres.

  • Aline

    Olha, tradutor pt-br/pt-br é mongolice, mas acho louvável iniciativas nos moldes da Plain English Campaign, voltadas a acabar com a enrolação pública. Contanto, claro, que o objetivo seja tornar textos informativos claros e acessíveis a todos – e não traduzir Guimarães Rosa pra tiopês.

    • Aline

      Ops, "acho louváveis". (Cadê o editor de comentário nessas horas… :D)

  • Adorei! Desde o começo do texto já pensei que deveria terminar exatamente assim (ESCOLA). Valorizar a educação deveria ser prioridade número 1, mas…

    "Isso aqui ô ô, é um pouquinho de Brasil iá iá…"

  • Simplismente ridículo! Como será essa linguagem facilitada? Miguxês?

  • Mas não adianta muito falar em interpretação do texto e pintar a iniciativa como algo "da esquerda" defendido por "populistas-bolsa-família" quando a coisa é do Governo do Estado. Criticar a idiotice com argumento de cabresto é contraditório. Se bem que a palavra está no cabeçalho do blog, então talvez tenha algum sentido.

    PS: eu fui comunista de boutique, então o comentário não é uma defesa a esquerda e afins.

  • Sério, isso é um absurdo. Não sabia de tal programa, mas é típico da pós-modernidade. Precisamos de algo fácil, de fácil consumo e absorção. Basta comprar o programinha (ou baixar caso seja gratuíto) e pronto, problemas solucionados. Não è à toa que os famosos livros de "enriqueça em 10 passos" e etc.. fazem tanto sucesso.

    Enquanto isso a capacidade de pensar é reduzida, a capacidade de compreender também, mas, desde que não se perca tempo lendo, acham que está tudo bem. Que absurdo!

    Em breve, aplicarão isso aos clássicos da literatura. E ai todo o estilo literário dos grandes autores irá por água abaixo por um simplicador como este programa ai, ridículo.

  • Não tô afim de pensar em escrever nada sobre o assunto… Poderiam fazer também um programa pra eu pensar e ele escrever por mim, assim, não teria que digitar nada pra responder à posts de blogs. Mas queria que ele registrasse meu pensamento em linguagem culta; quem não entender que use o outro programa, o citado.

    Maldita inclusão digital!

  • Quando um projeto desse, que mais parece ter saído de uma matéria do the Onion, é levado a sério como uma forma de contornar o abismo educacional do país, as piadas perdem um pouco de sua graça…

  • Independente das intenções dos pesquisadores, é vergonhoso um projeto desses. Quem acha que ter vocabulário não é importante talvez goste de ler profiles no Orkut, e as grandes constatações que lemos nos comentários de diversos blogs. Inclusive aqui.

    Talvez os pesquisadores tenham pensado que a partir da leitura desses textos "traduzidos" o pessoal vá se interessar por ler os textos originais ou textos mais complexos – um erro. Isso não vai acontecer.

    É o mesmo que achar que largar um computador com internet para o povão vai levá-los a buscar conhecimento na grande rede, criando uma ciberdemocracia onde todos terão voz e poder de decisão. O sucesso do orkut e da coluna social do terra podem confirmar isso, é claro.

  • Pelo andar da carruagem, o próximo passo será transformar em áudio esses textos "traduzidos", "democratizando" ainda mais o conhecimento.

    • Todos na voz do Cid Moreira porque não ?

      • hahaha verdade. Mas aí ia assustar as criancinhas. Provalmente teremos uma versão Cid Moreira e outra Xuxa É O MEU JEITINHO.

  • Minha vontade de parar e descer do Brasil é cada vez maior. O que me salva é a internet, com blogs bons e relevantes como os que o Cardoso participa, assim como Michel Lent, Vicente Tardin, Luli Radfahrer e tantos outros, séries e filmes americanos e e documentários europeus. Está cada vez mais sofrível assistir a TV brasileira e acompanhar a mídia tradicional, onde um jornal diz que um esportista americano referência mundial "tem até site na internet". ninguém mais tem critério pra fazer seu trabalho no Brasil. Até a Globo me manda legendas com espaço antes de pontuação (http://twitpic.com/h56yo). Estamos perdidos.

    Eu jogo um browser game que está cheio de mulecada de 15 a 17 anos. É brochante ler as mensagens que eles mandam. Não dá pra entender PORRA NENHUMA!!! E quando você diz que precisam prestar mais atenção pois estão escrevendo muito errado rebatem com um "e você? nunca errou?" (claramente eles mandam sem as interrogações e as palavras todas retorcidas).

    Eu sou contra este projeto de simplificar os textos pois 80% do que conheço eu procurei aprender ao notar que não sabia o que era. Se um usuário não consegue entender um texto meu por conta dos termos que utilizei e acha ruim, FODA-SE! Procure saber o que é, infeliz! Se não encontrássemos nada de novo ao nosso redor, se o mundo fosse moldado para que só chegasse até nós as coisas da maneira como as conhecemos, nunca sairemos do lugar.

  • "É um projeto razoavelmente antigo, não é do interesse de muita gente pois não dá voto nem consegue verba com a facilidade do R$1 milhão do Leitura Facilitada, mas a longo prazo AINDA é um projeto melhor. Chama-se ESCOLA."

    Concordo plenamente, mas nessas horas só me dá tristeza, porque nesse projeto chamado escola também ocorrem iniciativas lastimáveis, como a criação das cotas. Deveria ficar mais claro que o projeto deveria começar investindo na base não escondendo os furos no telhado. Não acredito que estarei viva pra ver o dia em que o absurdo da nivelação por baixo deixará de existir nesse país.

  • Isso nada mais é do que a criação (oficializada) do cidadão de segunda classe. Resta saber se os "tradutores" serão permitidos nas provas dos vestibulares, Enem, etc.

    O que esse povo parece não querer entender é que a massa precisa é de mais educação e mais intrução e não de atalhos grotescos. É a mesma coisa com o Hino Nacional. É mais fácil debater uma mudança da letra do que estabelecer uma meta de ensinar o seu significado às crianças ainda cedo.

    Aqui em nosso país, querem confundir e iludir; nunca progredir e ensinar.

  • A mãe de um amigo meu trabalha ALFABETIZANDO adolescentes que sairam do Ensino Fundamental e estão entrando no Ensino Médio, adolescentes de 14~16 anos, não só analfabetos Funcionais, alguns são completamente Analfabetos que mal sabem escrever/reconhece as letras do próprio nome! Isso é muito, muito triste…

    "Leitura Facilitada" é pra jacú, não formemos mais jacús!!!

    • Tio, meus colegas são exatamente como você descreveu.

      • Bigodes

        Sem titiotietagems por aqui plz.

  • Francis

    Pra mim é muito simples: quem quer aprender, se vira, procura dicionário etc. Quem não quer, não procura merda nenhuma. E cada um colha aquilo que plantou; ponto.

    • Jacques

      Francis, gostaria que fosse simples assim. Porém qualquer um de nós, digo QUALQUER, colocando 90% dos que acessam o blog no mesmo saco, (as excessões que se excluam) quando crianças NÃO gostavam de estudar todas as matérias. Fato. Eu sei que existe Machado de Assis pelas aulas de literatura, não gostava (nem gosto) e pela pressão que existia em passar pelas disciplinas, da família, da turma, da vergonha de rodar, etc.

      Hoje com 25 anos agradeço minha escola e minha família por me FORÇAR a aprender matérias que achava inúteis quando criança, como Português e Literatura (sou das exatas). Hoje em dia um professor não pode dizer um termo mais ríspido que já é tratado como burlador do estatuto da criança e do "aborrescente". Criança nenhuma procura o estudo de uma forma geral pelo prazer, por um emprego mais à frente, por uma colocação. Tem que haver pressão pelos pais (muitos omissos) ou senão pelo governo, nossa última salvação. Estes softwares são a oficialização do rebaixamento da espécie humana.

  • Não se preocupem, o público alvo nem gosta de ler.

  • Fábio

    Bem, que nosso sistema educacional (porque não, todo nosso sistema social) estava falido, eu já sabia. Agora inventar "simplificação" para nível superior, aí já forçou a barra. Logo teremos professores que antes da aula, vão acessar o "google" com o "assunto" (note que não terão mais pauta ou "matéria" e sim, apenas assunto… encontrar alguma apostila (digitalizada em pdf, ou pior ainda, "recortes" de qualquer fonte, imprimir e dar aula com "aquilo", sem nem ao menos preparar "a aula". Ao meu ver, é o próximo passo, para que ter professores que sabem o material, se podemos ter professores que sabem "onde" está o material (e nem será necessário conhecer o assunto, como já vi muitos até me formar na faculdade, que em alguns casos, junto a outros fiz pedidos junto a secretaria acadêmica para substituição dos mesmos… e consegui em alguns casos). Eu solicitava troca de professor pq não prestava, hoje, vejo alunos solicitarem troca de professor porque exigem "demais" (?). Minha irmã hoje faz pós-graduação em comunicação, e na sala dela (PASMEM – de PÓS-GRADUAÇÃO) há alunos que não participam dos trabalhos em grupos e não cumprem horários (literalmente enforcam a aula), como nos velhos tempos de colégio, que hoje em dia foi esticado até este ponto. Salve a ignorância e suas garras… meus pesares a todos que ainda irão se formar…

  • Estou a dizer que gostaria muito de emitir alguma opinião sobre tal absurdo, mas me fica o empedimento de dizer qualquer coisa diferente do que já foi nos comentários acima.

    Eles partem do pressuposto de que não é mais necessário pensar.

    Aí, sou eu que penso, para que serviu mesmo minha faculdade de Letras?

    • Ai ai, deixa eu me acertar… comi uma palavra. Devia estar com fome.

      Estou a dizer que gostaria muito de emitir alguma opinião sobre tal absurdo, mas me fica o empedimento de dizer qualquer coisa diferente do que já foi dito nos comentários acima.

      Eles partem do pressuposto de que não é mais necessário pensar.

      Aí, sou eu que penso, para que serviu mesmo minha faculdade de Letras?

      • *impedimento ?

        • Santa sandice a minha e um erro sem desculpa alguma.

          Errei, mas me conserto. Procuro um dicionário, uma gramática e me redimo.

  • silvia masc

    Em bula de remédio, deveriam apenas, aumentar o tamanho das letras. E escola pra esse povo. Tentando imaginar o valor $$$$ desse projeto.

    Excelente post.

  • Andre Stolz

    Eu sou a favor, desde que citem as fontes! :)

  • Nossa, que existia uma alienação da massa nas entrelinhas do "sistema" a gente até sabia, mas que queriam descambar e deixar tudo às claras, é meio assustador.

    É provavel que o plano de dominação global dos autores d'Os Protocolos dos Sábios de Sião já esteja quase concluído.

  • Já temos por aí uma quantidade gigantesca de gente que acha ruim consultar um dicionário quando nao entende uma palavra de um texto. A merda desse projeto é que justamente está se dando razão pra esse tipo de estúpido que acha desnecessário aprender mais do que ja se sabe. Porra, se for pra ser assim, vamos todos parar de ler nossos próprios autores, que são justamente os que mais usam palavras raras em seus livros.

    Por essas e outras que eu já estou preparando meus filhos pra serem líderes do país na próxima geração.

  • silvia masc

    Fiquei pensando… daqui um tempo, vou dizer: "Eu lei o Cardoso no original"

  • eu lembro do meu amado Fahrenheit 451…

  • AC de Souza

    Idiocracia é o filme mais apavorante que eu já vi na vida.

    Só vai se tornar o segundo quando o Discovery Channel produzir sua versão.

    [],

    AC

  • Guilherme Gerolimich

    Fato é que a função da comunicação é transmitir idéias, pensamentos e mensagens. A partir do momento que um texto é prolixo ao ponto de se tornar ininteligível e inacessível ao maior número de pessoas possível, toda a função inicial de transmissão de idéias falha. De que adianta um texto com palavras rebuscadas e sentenças complexas se a mensagem será passada para um número mínimo de pessoas? Isto sim, senhores, é "uma das formas mais estúpidas de segregação que já vi, é algo digno da Conspiração Sionista Internacional, do Clube Bilderberg, da Maçonaria, dos Illuminati e da Legião do Mal, tudo junto." (Não, colocar essa citação aqui não faz o mínimo sentido; apenas o fiz porque a pretensiosidade na frase merece destaque)

    Tornar um texto mais simples de modo que mais pessoas entendam não faz com que estas automaticamente se tornem mais ignorantes. Pelo contrário, fará com que estas pessoas recebam e entendam a idéia contida nele, e aí sim, absorvam o conhecimento.

    E não me venham cagando regras e corrigindo eventuais erros gramaticais meus, como o senhor Andre fez com o Rodrigo alguns posts acima. "Argumenta ad personam" baratos como estes vindos de intelectuais e paladinos virtuais como vocês simplesmente não é bonito.

    • Rick Van Dehrer

      "Fato é que a função da comunicação é transmitir idéias, pensamentos e mensagens. A partir do momento que um texto é prolixo ao ponto de se tornar ininteligível e inacessível ao maior número de pessoas possível, toda a função inicial de transmissão de idéias falha."

      Transmitir idéias complexas com vocabulário limitado transformaria, por exemplo, o ScienceBlogs na Superinteressante. Prolixidade não tem a ver com complexidade, são coisas totalmente diferentes.

      "Tornar um texto mais simples de modo que mais pessoas entendam não faz com que estas automaticamente se tornem mais ignorantes."

      Tem razão, isso só faz as pessoas permanecerem ignorantes. E viva o status quo.

    • Bigodes

      Claro, tornar um texto simples o suficiente para alcançar o maior público de retardados é O OBJETIVO FINAL DA COMUNICAÇÃO.

      Agora me dê licença que eu vou dançar o CRÉU. Absorva isso, energúmeno.

  • luiz

    Asas??? não compreendo, muito complexo – vou usar o Leitura facilitada.

  • Isto parece conto de primeiro de abril. Veja só… A pessoa usa este famigerado programa para ler um blog que posta poesias e contos. O programa remove os textos do autor ou autora, recoloca outro texto no lugar, mas desta vez mais simplista, mais burrificado, mais "genérico" e possivelmente mais curto.

    Dai o usuário vai, e pasmem… Resolve usar aquilo na WIKIPÉDIA. Agora junte burrificador de textos com a fonte de fontes de informações inexatas e teremos tards!

    Espero que ninguém se forme em medicina usando este programa com a wikipédia…

    • Alan

      Bom, na Wikipedia já existe o Simple English.

  • Lembrou-me daquela lista de jargões jurídicos e de termos técnicos traduzidos para o "Pobretês", algo como "Sucumbência = a casa caiu!". Achei que isso fosse piada.

  • É isso que dá ter uma Constituição Social Democrata e um Governo Neoloberalista.

    Me assusta que pessoas ainda apoiem uma asneira como essa.

    Qnt mais burro e calado o povo, melhor pra que está no poder.

    Alienação total com instuitos mais diversos…menos relacionado com compartilhar conhecimento e informaçao. Isso ficou em 4 ou 5 plano….

  • E a tendência é piorar, o próximo passo, apesar de já estar estabelecido o 'miguxês', será o grunhido.

    A humanidade retrocendo ao berço.

  • Realmente este é um ótimo post e tópico pra ser discutido longamente.

    Claro, que cada um tem sua opinião, mas no geral quem vem opinar é porque entende a complexidade do assunto.

    Quem está contra, pelo menos do uso do tal software em modo "automático" para criar zêmulas aparamentadas, sabe que devemos estimular a educação se quisermos melhorar o futuro do nosso país, o que vai nos refletir, claro.

    E quem entende, mas acha que não tem problema, deve-se colocar um "robot" desse pra "traduzir" certas palavras, tem preguiça ou quer ser político no futuro (seria facilmente eleito por esses novos semi-analfabetos [aliás na nova regra tem hífen ou não, ah sei lá, rs).

    Imagine seu filho, um retardado (ih, não pode mais falar essa palavra, né?) que precisa de uma "explicadora" (é, tem muito isso no Rio) pra conseguir passar na 2ª série, pois não consegue entender a tal "Interpretação de texto". Quando ele estiver com dezoito anos, em vez de tirar a carteira de motorista vai estar aprendendo a amarrar o cadarço sozinho.

    Educação é tudo que precisamos!

  • Muito bom, realmente o que falta hoje em dia é decuação e não programas para deixar o texto "mais fácil de ser entendido"… porra pega um dicionário sei lá, acessa o Google e procura o que seignifica, aprenda um pouco… logo teremos tradutor de Português para "Internetês" ou outra língua FDP que não existe.

  • Pingback: É triste | Pensa Rics, pensa!()

  • É a mesma coisa que pegar Dostoievski e "traduzir" para literatura infantil, ou, uma pessoa ler algum resumo do livro e achar que leu a obra completa.

    É nivelar por baixo, não vale à pena…

  • É por essas e outras que cada dia mais tenho vontade de largar a educação. Cada vez mais o governo favorece as antas que reclamam porque fui passar um video e ele tinha legendas.

  • Cláudio Torca

    [leiturafacilitada modo="idiota"]

    De verdade, achei uma coisa muito interessante. Estou louco para aplicar em cima da Bíblia.

    [/leiturafacilitada]

  • Hoje minha colega de escola me perguntou o que significa "adquirir"…

  • um absurdo atrás do outro, mas, well, esperar o quê?

    pra quem não sabe, existe a wikipedia 'inglês simples', que é a mesma coisa: serve para qualquer um, QUALQUER UM que saiba ler, entender aquele assunto. Não precisa ter um background no assunto explicado, e não precisa passar horas tentando entender ou seguindo mil referências.

    Simples, sim, simples. Da mesma maneira, estudantes universitários americanos compram os "Spark Notes", uma coleção, olha só: assuntos simplificados , para rapidamente enteder o básico de qualquer assunto.

    Aqui, como latinos descendentes de uma cultura intelectual francesa, elititsta por natureza, tínhamos a coleção 'para entender melhor' (acho que é esse o nome), que delineava os aspectos básicos do assunto em questão, mas, ainda assim, usava uma linguagem acadêmica (logo, elitista e exclusiva)

  • Quando eu tava na quarta série, aprendi espanhol acompanhando um livro do Don Quixote adpatado para crianças, e adorei. Acho a ideia muito boa, mas não entendo pra que criar um programa pra isso.

  • Fabio

    Cardoso, boa! Seus blogs são os únicos que eu faço questão de ler e em raras ocasiões, comentar.

    Pois é, a evolução da linguagem escrita é o tiopês. Já que a maioria dos brasileiros não sabe, nem tem curiosidade de aprender, a gente prostitui nosso idioma.

    "De que adianta um texto com palavras rebuscadas e sentenças complexas se a mensagem será passada para um número mínimo de pessoas?"

    A mensagem é distribuida pra todos, o seu 'mínimo' se refere à quantidade de pessoas interessadas em cultura, categoria em cuja qual você não está contido, que tiveram o interesse de ampliar seu vocabulário. Um professor não ganha por ano nem um pentelhonésimo do investimento nesse projeto e alfabetiza um número maior de pessoas e com melhor qualidade que esse programa medíocre faria.

    Do site da FAPESP: "O PorSimples foi um dos cinco projetos selecionados na primeira chamada do Instituto Virtual de Pesquisas FAPESP-Microsoft Research, em 2007."

    Tem o dedo da Microsoft nisso? ehaueha

  • Claudia

    Que aberração!!!!

    PRA QUE PENSAR??? SE O ESTADO FAZ ISSO POR NÓS…

    O brazil ja era….que puder, que va embora enquanto ainda pode…

  • Pingback: Mais uma pequena evidência da idiotização da sociedade « MyPitacos()

  • Concordo.

    Só acho que o projeto visa "traduzir" palavras do "arco da velha".

    Mas realmente, é o emburrecimento geral tomando conta…

  • Hi Cardoso…

    Isso me parece mais uma espécie de Darwinismo às avessas, onde os mais fracos (iletrados) garantiriam a continuação das espécies.

    Vade retro!…

    Belo post.

    []'s @inaciorolim

  • Peralá um pouquinho, Cardoso!! Vamos pingar os is aqui: vc fala desse software como se ele tivesse sido concebido para o público em geral.

    Não foi. É (a princípio) para determinados públicos, com claras restrições de linguagem: surdos, vítimas de derrame, Alzheimer…

    Um surdo com iguais níveis de inteligência e escolaridade q os seus terá, ainda assim, um vocabulário reduzido, por um motivo simples e cruel: ELE NÃO ESCUTA!! Só lê. Pode não parecer, mas essa diferença é fundamental.

    As vitimas de derrame e Alzheimer tb têm vocabulário restrito por motivos outros que não a falta de estudo.

    Isto posto, só quero entender uma coisa: na era do Google, qual a aplicação desse software? Sério mesmo, talvez os péblicos desse soft ainda tenham limitações de compreensão de texto que não foram bem explicadas no artigo da Fapesp… ou isso ou essas limitações não mais existem…

    Por isso, vamos com calma com interpretações súbitas e repentinas sobre um tema que é aparentemente mais complexo do que a gente imagina…

  • Infelizmente somos uma nação de analfabetos funcionais. E eu acredito que nem com esse textual emburriceitor vão ler. Pais analfabetos dificilmente incentivam os filhos a leitura.

    Deviam era fazer um bolsa livro, uma bolsa teatro (mas não me chame), uma bolsa cultura.

    Como dizia Renato Russo, "o Brasil é o pais do futuro".

  • Mariana

    Por isso sou a favor do português arcaico. Antes a mesóclise do que a variação socio-cultural/linga falada/analfabetismo funcional.

  • Pra mim é como querer modificar o Hino Nacional para o "povão" entender ao invés de educá-lo até que ele consiga fazer sua interpretação.

  • Cristiano

    Eu fico tão perplexo quando vejo coisas assim, que custo acreditar que sejam verdade. Por favor, alguém avisa que é piada. :(

  • "Água, aquela da privada?"

    A priori, até parece uma boa idéia, saca? Estudantes tendo acesso acompanhado de seus professores, com didática para entenderem, explicando a questão da mudança do vocabulário ao longo do tempo e etc.

    SERIA lindo. SE isso ajudasse a ensinar a pescar, e não desse o peixe (para usar uma analogia simples, sem necessidade de tradução).

    Porque falo isso? Quando se está no último ano da faculdade de RTV que formaria Roteiristas e o professor usa uma versão SIMPLIFICADA de shakespeare, e EXPLICA a droga das palavras dificeis, bem, a gente vê que esse papo não tá funcionando.

    Não acho que a ferramenta seja em si ruim, acho que uso que foi e SERÁ dado a ela é terrível. Não é uma muleta, essa é uma analogia incorreta, é a droga de uma lobotomia.

  • Carol Cassiano

    O texto está perfeito! Enviarei aos meus alunos e discutiremos nas aulas essa semana.

  • O próximo passo será com certeza a queima de todos os livros inúteis. Fahrenheit 451 está vindo!

    Como o Fabio comentou acima que o dedo do "Instituto Virtual de Pesquisas FAPESP-Microsoft Research" aprovou o financiamento do software… existe até uma lógica nisto. Muito mais caro seria corrigir do analfabetismo funcional milhões.

    Vou acabar de ler o "Ponto de Mutação", de onde cito:

    "Para se alcançar tal estado de equilíbrio dinâmico, será necessária uma estrutura social e econômica radicalmente diferente: uma revolução cultural na verdadeira acepção da palavra. A sobrevivência de toda a nossa civilização pode depender de sermos ou não capazes de realizar tal mudança"

  • Viviane

    Sinceramente, a cada dia nós permitimos que nos diminuam…e sempre achamos graça.

    Poucas pessoas querem ser melhores, se superar…outras são conformadas com a própria realidade e nem imaginam o próprio potencial…ou até imaginam, mas dá muito trabalho sair da zona de conforto!

    Esse tipo de coisa só nos diminui, empobrece noss alma!

  • Pingback: Uma notícia maravilhosa | Jane Austen em Português()

  • PQP!!! Já não estava ruim o suficiente? Em vez de fazerem algo para melhorar só surge cada vez coisa pior…

  • joyce

    Escrever de forma simplificada é um golpe no desenvolvimento da habilidade da leitura , já que quanto mais lemos, mais capacidade temos de escrever de forma complexa e, assim, criar e permitir o acesso ao discurso crítico.

  • Quanta celeuma por um projeto destinado aos semi-analfabetos e outros com dificuldade de compreensao de um texto!
    O publico alvo vai se beneficiar, e quem nao é parte dele, bem que poderia procurar outra coisa para fazer alem de criticar, pois o projeto nao é para OS "LETRADOS".
    Vamos ser mais humanos, e compreender que nossa sociedade é multifacetada, e que todos merecem uma chance de entender o que é dito.

    • NestorBendo

      Ser um bom aluno e desenvolver a leitura via prática é complicado demais pra você?

      • Wallace B. Souza

        Nestor, então o criacionismo/DI já era? Discordo xD https://www.facebook.com/TeoriadoDesignInteligente

        • NestorBendo

          O que tem a ver o reto com a vestimenta masculina?

          • Wallace B. Souza

            NADA, eu disse que havia? Mas respondi aqui pq, sabe como é o pessoal do ceticismo, covardia pura… Vamos ver se eles têm coragem de mostrar a lista de artigos indexados pró-DI que eu vos enviei…

          • NestorBendo

            Se você não tem cojones para comentar por lá, procure algo melhor pra fazer, ou vá atentar o Diabo com reza brava.

          • Wallace B. Souza

            Os fracotes lá é que NÃO têm “cojones” de aprovar meus coments…

            É um bando de carniças mesmo, bloqueiam que lhes dá aula, e depois ficam que nem pombos enxadristas se gabando da “vitória”

  • adriane

    Sou professora da Educação Básica e sempre defendi a leitura e/ou reprodução de qualquer material literário aos meus alunos, na íntegra. E sempre os incentivei a buscar o que não entendiam, sejam através dos dicionários ou mesmos através das trocas entre os colegas.