Jessica Rabbit Mostra a Cobra e Mata a Pau

Roger_and_Jessica_RabbitNo único filme animado de Robert Zemeckys que não cai no Vale da Estranheza em uma cena o detetive Eddie Valiant pergunta a MAAAARAVILHOSA Jessica Rabbit o quê ela havia visto no Roger. Afinal qual a lógica de uma dona toda boa estilo pin-up de Hollywood casar com um coelho?

“Ele me faz rir”

Diversão é fundamental. RIR é essencial, o pequeno senso de deslumbramento do dia-a-dia, quando vemos uma notícia curiosa, uma imagem impressionante é algo que funciona como um pequeno empurrão, passa a idéia de que o Mundo é um lugar, apesar de tudo, legal.

Por isso a Internet tem sido uma Renascença pros Faits Divers, o estilo de jornalismo descompromissado dos grandes acontecimentos comuns a tabloides e órgãos menores. E pras sessões que os grandes jornais chamam de “cotidiano”. No G1 há o “Planeta Bizarro”, uma das seções mais populares, com matérias como “Casa que se assemelharia aos traços da face de Hitler vira sensação na web” e “Dona pinta cadela para animal ficar parecido com tigre”.

Como uma matéria dessas consegue tantos leitores? Simples: É entretenimento. É algo que não tem pretensão nenhuma, sequer de informar algo relevante. Pessoas leem essas notícias pelo mesmo motivo que prostitutas fazem sexo com os namorados: É divertido e não é obrigação.

Sexta-Feira uma cobra egípcia muito venenosa fugiu do Zoológico do Bronx. A Notícia saiu em alguns sites, e logo um palhaço criou… o Twitter da Cobra.

 

Snap142

 

Neste momento a Cobra tem 151.309 seguidores no Twitter. A conta foi criada Sexta-Feira. O Zoológico do Bronx, que é bem mais antigos, tem… 8 mil seguidores.

Isso é ruim, certo?

Não necessariamente.

O fenômeno instantâneo é BEM interessante e pode render bons frutos, mas no geral esses picos nada mais são que a versão Twitter dos 15 minutos de fama de Andy Warhol. Não importa se você tem centenas de milhares de seguidores por causa de algum evento midiático. Importa é que esses seguidores se mantenham. Em um episódio de 30 Rock ilustraram o fenômeno de forma brilhantemente didática: O ex-namorado da Liz Lemon salvou meio que por acaso um sujeito que caiu nos trilhos do metrô e foi aclamado herói. Só que em alguns dias o ciclo das notícias se renovou e ele tentou manter a posição de salvador da pátria, com resultados cômicos.

No mundo real (ou pelo menos no televisivo) acontece isso direto. Quantos ex-BBBs  não se vangloriam de ser… EX-BBB? A ÚNICA coisa que fizeram de relevante na vida foi participar de um programa de TV, hoje há gente do BBB 2 ou 3 (sei lá) AINDA se vendendo como… EX-BBB. Se pesquisar a periferia televisiva verá que há um monte de gente especializada em ordenhar até a última gota o sucesso passageiro.

O problema é que o mundo é MUITO cruel e não dá a mínima para ex-pseudo-quase-celebridades. Vide o Garoto do Balão, que mobilizou a Internet e a mídia por uma tarde inteira em 2009, e hoje a conta fake mais popular do personagem tem 1000 seguidores.

Existe gente que se foca tanto na busca pela fama que esquece que é preciso um trabalho por trás disso, sob o risco de virar uma Geisy da vida. Manipulada pela Máquina da Fama, caiu no esquemão de festas, programas e jurados de show de calouros. Na falta de real talento ela irá passar pelas emissores menores (já está na Rede TV) e logo chegará aos bailes de subúrbio. No final lamentará de forma amarga a perda de uma popularidade por si só efêmera, sem perceber que aparecer é fácil, se manter é complicado. Tem que ser cobra criada.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • diogo

    legal

  • A personagem da Débora Secco na novela das nove do momento ilustra bem isso.
    Uma ex-BBB que não se conforma em ter saído dos holofotes e faz de tudo para voltar à mídia.

    Infelizmente aqui no Brasil se cria uma grande questão das pessoas acharem que fama se sustenta pra sempre.
    Quem é inteligente, usa a fama para construir algo.
    Ronaldo, por exemplo, super milionário, manteve seu patrimônio e agora que se aposentou tem uma empresa de gerenciamento de imagem de jogadores.
    Vários jogadores que ganham milhões por ano nas Zoropa já foram declarados falidos ao se aposentarem, por não pensarem à frente.

    Comparem Dhomini que ganhou um dos primeiros BBBs, com Cida, que ganhou outro dos primeiros. Ele torrou tudo, ela comprou casas e hoje vive do aluguel delas.

    E a questão de nos fazer rir, o http://www.sensacionalista.com.br está aí para mostrar que humor bem feito tem lugar na mídia.

    ps.: Jéssica Rabbit dividia com Leia escrava minhas homenagens no fim da infância.

    • Zé Coxinha

      "Ronaldo, por exemplo, super milionário, manteve seu patrimônio e agora que se aposentou tem uma empresa de gerenciamento de imagem de jogadores."

      HE'S DOING IT WRONG.

  • Thiago

    Survivor, do palahniuk.

  • Para mim, ser ou não ser um BBB ou EX-BBB não significa nada.
    Apenas um ser descerebrado.
    Quanto a Jessica Rabbit; ela disse uma frase que me fez chorar:
    -Eu não sou assim… eu só fui desenhada assim.
    VL&P, @Cardoso. Parabéns pelo post.