A Sílvia era piranha sim, e tirem as mãos dos meus chifres!

chifredomalA Polêmica do Dia e a Crucificação Matinal de hoje envolveu o Emicida. Confesso, não gosto dele, o nome traz uma promessa não-cumprida, mas ele está sendo acusado de coisas bem piores do que não exterminar emos.

Basicamente ele odeia mulheres, espalha discurso de ódio, prega misoginia, bla bla bla. É o que dizem, por causa desta música, “trepadeira”.

Um grupo de feministas não-medicadas entendeu que a letra é uma afronta à mulher e sua liberdade sexual, o problema é que elas não entendem liberdade sexual como “dá pra quem quiser”, o que é correto, mas como “dá para quem quiser em qualquer circunstância”.

Na música o sujeito conhece a mulher, se apaixona, começa um relacionamento e descobre que ela o está galhando descaradamente com todo mundo na favela. Isso não é liberdade sexual, é falta de respeito, independente do gênero do galhador e do galhado.

O sujeito fica revoltado, claro, e na metáfora musical que permeia a música, solta o veneno:

Merece era uma surra de espada de São Jorge,
um chá de comigo ninguém pode.

(É, eu vou botar teu nome na macumba viu?! se segura!)

Esses versos foram entendidos como:

“Eu apóio violência extrema contra todas as mulheres, que devem ser espancadas diariamente independente de motivo”.

Assim fica difícil.

 

A traição é um fato da vida. Existem dois tipos de pessoas: As que levaram chifres e as espertas o bastante para não procurar saber. No mundo atual a vítima do adultério, se homem é visto como fraco, perdedor, se mulher, é vítima. Cada caso é um caso e dificilmente se encaixam em modelos tão simples. As pistoleiras e os galinhas mais contumazes (ou às vezes sem o Thomaz) têm suas justificativas internas.

O tema existe desde sempre. Casablanca é um chifre do começo ao fim, a Capitu todos sabem jogou água pra fora da bacia. Triângulos amorosos são essenciais para a dramaturgia.

Tristão e Isolda, Dom Casmurro, O Grande Gatsby, Madame Bovary, a Bíblia, Ulisses, O Amante de Lady Chaterlay, Ana karenina, entre outros, lidam com adultério. Em Mansfield Park, a personagem Maria Bertram comete adultério, cai em desgraça e é banida. Não me consta que Jane Austen seja misógina e machista por isso.

Uma das músicas mais lindas do cancioneiro popular, Detalhes, é fruto da mais nobre e pura dor de corno. Do fundo de seu coração ferido, o Rei busca uma maldição digna de Melville, quando escreveu “to the last I grapple with thee; from hell’s heart I stab at thee; for hate’s sake I spit my last breath at thee.”

“Se um outro cabeludo aparecer na sua rua / e isto te trouxer saudades minhas a culpa é sua”

ou

“Eu sei que um outro / Deve estar falando / Ao seu ouvido / Palavras de amor / Como eu falei / Mas eu duvido! / Duvido que ele tenha / Tanto amor / E até os erros / Do meu português ruim / E nessa hora você vai / Lembrar de mim”

Como disseram ao Indiana Jones: “Você perdeu hoje, garoto, mas não quer dizer que você tenha que gostar disso”.

E há coisa mais lindamente passiva-agressiva do que Trocando em Miúdos, do poeta Chico Buarque?

O Cultuado e Estatualizado Renato Russo também entrou no “bonde do chifre”, com “As Flores do Mal”, talvez a música mais pesada da Legião. “Volta pro esgoto, vê se alguém te quer”.

Antes que acusem Renato Russo de porco machista estuprador misógino, aviso que a criatura alvo da música era um menino. SIM, breaking news, também existe adultério entre gays. Mais detalhes no Discovery Channel.

Mulheres também cantam sobre traição (d´oh!). Um dos hinos do Disco, I’ll Survive é sobre uma mulher dando a volta por cima e bota o babaca pra fora.

Nem toda música sobre o tema precisa ser triste. Em These Boots Are Made for Walking Nancy Sinatra canta sobre um triângulo onde uma das pontas –que não é ela- está a ponto de rodar.

“You keep playing where you shouldn’t be playing
And you keep thinking that you’ll never get burnt (HAH)
Well, I’ve just found me a brand new box of matches (YEAH)
And what he knows you ain’t had time to learn”

Ou: CHUUUUPA.

Não creio que ela tenha sido acusada de pisotear homens no sentido literal, apesar de cantar com todas as letras:

“These boots are made for walking, and that’s just what they’ll do
One of these days these boots are gonna walk all over you”

Existe uma figura em literatura chamada Eu Lírico. É a representação não do autor, mas do narrador ou protagonista da obra. É por meio dessa figura que gente inteligente entende que o Tarantino pode escrever cenas terríveis de torturas envolvendo negros, sem ser racista.

É por meio do Eu Lírico que um autor masculino pode escrever uma letra do ponto de vista feminino sem ser desarmarizado como transgênero.

Quando o pessoal do Casseta e Planeta escreveu a Ode à Dor de Corno, a música “Diga”, dificilmente estava pensando em promover misoginia, violência, homicídio, etc. O grande contraponto da música é justamente ser um discurso de revolta exagerado, em clima de balada romântica.

“Ah, mas a música diz que quer arrancar os pelos da cabeça dela, atropelar com um rolo compressor, isso não é engraçado”.

vlcsnap-00002

É sim. De verdade não é. Assim como a maioria das pessoas condena tráfico de drogas e serial killers, e adora Breaking Bad e Dexter.

O sentimento de revolta diante da traição é real, imaginamos mil cenários e ninguém não-hipócrita deixaria de admitir que em algum momento não fantasiou um piano de cauda caindo na cabeça da criatura. A palavra-chafe é “fantasiar”.

Negar ao Emicida, ou ao eu lírico do Emicida o direito a esse sentimento é criminoso. É exigir uma superioridade moral e ética na ficção que ninguém consegue nem na vida real. Pior, ao exigir essa superioridade no campo da arte, estão MATANDO tudo que a faz bela.

Não existe arte sem conflito. Não existe amor sem risco, cantar a paixão é válido mas expiar a dor também é. Você já deu mais sorte com a Beatriz, não me tire o direito de falar mal da Rosa.

Gostou do texto? Quer contribuir com um Chopp, um Chokito, um Gin-tônica? Se você quiser fazer uma doação, a casa é sua, use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Daniel Sugui

    Isso lembra gente que reclama do comportamento de VILÕES em obras de ficção. Será que essa gente é mesmo tão incapaz assim, ou só querem chamar a atenção pra ganhar o seu quinhão?

  • Que bom ter curtido os anos 80 cantando "Silvia piranha" nas festinhas , muitas vezes do lado da namoradinha que cantava junto.

    O mundo tá muito chato, acho que já podemos trocar "álcool, a causa e a solução de todos os nossos problemas!" pela Internet.

    • Kheiron

      Concordo contigo, o mundo ta chato "pacas".

  • Ataquem o Zéu Brito, ele quer queimar a Soraia.

    • Ótima lembrança.

  • Deilson

    Emicida vem de "Mc Homicida".
    Gostei da matéria.

  • Tito

    Otima matéria! _só lembrando que emicida não é de matador de emo, mais sim de mc's, pois ele ganhou este apelido em rinhas de mc's e ele esterminava os outros mc's com suas rimas.

    • Cardoso seu noob, aprende ai.

  • Mais um texto genial! Apenas uma correção Capitu NÃO TRAIU! É minha interpretação e sempre será!

    • Kheiron

      Humm sei lá … Por mais que digam que a dissimulação da Capitu seja uma paranóia do Casmurro , não dá pra engolir que ela seja inocente.

  • Corração: "Antes que acusem Renato Russo de porco machista estRupador misógino,"

  • Laura

    Miúdos é o de menos, o terrível Chico Buarque tava incentivando todo mundo a tacar pedra na Geni!

  • Que texto foda, Cardoso. Tu és o campeão das referências mesmo, por que eu vou lhe contar, buscar lá no fundo do baú um vídeo do Casseta e Planeta é para poucos. :P

  • Victor

    Nada supera a CORNITUDE MANSA RESIGNADA como "Deslizes": http://www.youtube.com/watch?v=jvgkiurPmZk

    ****
    Quanto a celeuma, aproveitei-me pois jamais tinha ouvido falar desse Emicida, mas curti a sonoridade. Procurarei conhecer outras músicas.

  • Em "Ronda" a dona fica procurando o marido vagabundo por tudo que é bar da cidade. Mas o melhor mesmo são os Mamonas Assassinas: http://www.youtube.com/watch?v=iB1emwOVZYI

  • Muito bom texto!
    Em breve as feminazi vão querer apedrejar todos esses músicos citados.

  • mario

    Bom o argumento. Só discordo da afirmação sobre a Capitu.

  • 1k2

    [kkkkk on]
    Sinto te decepcionar Cardoso, mas "Emicida" não é matador de emos, mas de MC´s…
    [kkkkk off]

  • "A Rosa" do Chico Buarque é um clássico.

  • Feminazis sempre fazendo merda, tal qual os politicuzinhos e politizadinhos de Internet.

  • Ginger Alle

    Muito bom Cardoso. Beijo!