Marketeiros brasileiros inventam o SPAM ao contrário

maps2.jpg

Eu sou o usuário do Twitter mais relapso que existe. Só instalei pq o Leo, do MeioBit, é a maior galinha-de-hype 2.0 que existe. Ele se cadastra em TUDO que sai no TechCrunch, se tiver cantos redondos, tons pastéis e for AJAX. E leva os amigos junto. Isso só vai parar quando o Bananaloca (o site morreu, não adianta botar link, sorry, Morroida) criar um widget ou coisa que o valha e eu disser “Leo, CHEGA. Usa sozinho.”

Mesmo assim de vez em quando solto alguma mensagem, URL, coisa que o valha. Só que de uns tempos pra cá comecei a reparar uma entrada de nomes “suspeitos”, como ContasAbertas, GenteBonita e Quem Ama Bloqueia, que me parecem mais empresa do que gente. Eu entendo quando é um site, como o Overséries, mas isso é gente que me conhece, mesmo só de ouvir falar (ou ler). Agora entrou um “fiatnospfw”. Como assim, Bial? Eu não conheço nenhum fiat (exceto o Galileu 2, minha falecida Palio) e nem acompanho o spfw.

Exatamente como meu Twitter interessaria a um Fiat (mesmo um Punto – é verdade, eu conheço sim um fiat, talvez seja o vermelhinho do test-drive da Microsoft)?

Então, pesquisando mais um pouco, vi que o tal Twitter do fiat é acompanhado de um pacote completo da “nova internet”, com blog (no blogspost, senão vira propaganda), twitter e até usuário no Flickr. Chique, não? Alguém andou fazendo o dever de casa.

No caso do Twitter, a idéia de adicionar um blogueiro é que existe uma cortesia, uma netiqueta no Twitter que diz que você deve adicionar quem te adiciona. Não é obrigado, mas é algo “cortês”. Assim você anuncia seu produto/evento direto pro blogueiro/formador de opinião/consumidor, com a aquiescência (existe isso?) do mesmo.

Diga-se de passagem é bem-pensado. Nem de longe tão completo quanto a teoria do Leo Baiano para SPAM no Twitter, mas mesmo assim funcional.

Dará certo? Vejamos minhas estatísticas no Twitter:

twittercc.jpg

É, comigo não rola, mas eu sou chato mesmo, não sigo ninguém ;) O pessoal mais arroz de festa muito provavelmente mordeu a isca direitinho.

Ou estarei enganado? Twitteiros do meu Brasil, vocês adicionam ou não twitters suspeitos?

 


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Só sigo quem conheço. Sigo um serviço ou outro (Monet, BBC), porque o conteúdo me interessa. Comigo, twitter corporativo não cola, como não cola a maioria dos blogs corporativos, simplesmente por trararem de coisas que não quero saber.

    (Hoje é o Dia Nacional de Falar Sobre Spam?)

  • Não conheço taç serviço, e por enquanto também não faço questão de conhecer.

  • Bingo! Você acabou de falar de alguns de meus 'seguidores'. Mas procuro não adicionar quando vejo que é empresa (Só o quemamabloqueia, porque quando eu quiser reclamar da Oi já sei pra quem mandar o direct! :D).

    Se não for bem-feita, com conteúdo inteligente e que chame a atenção dos blogueiros, como o da Gossip Girl – que mesmo sabendo que era viral gostaram da brincadeira -, não vai pra frente.

  • Não tenho Twitter. Dar dicas de sexo em 140 caracteres não soa como algo especialmente útil para mim.

    Até onde sei, o projeto todo é um eufemismo pra compactador cerebral. Você gasta seu tempo com bobagens em série, non-stop, 24/7. E o melhor, sem direito a reembolso.

  • Cara,

    Uso o twitter como uma versão micro do meu blog apenas. Como tudo é feito automaticamente via TwitterFeed, devo entrar lá menos que você. Em termos de chatice é difícil superar o Cardoso, mas a gente tenta…

    []’s
    Compulsivo

  • Pingback: Pacote de Marketing para a Nova Internet()

  • Eu não sigo esse tipo de Twitter. Eu checo todos, e se vejo que é alguém sério, aí eu assino o RSS. Aliás, nem o Twitter eu uso direito.

  • Denigre minha imagem falar que eu sei o que é Bananaloca?

  • Como tudo mais na internet que surge como uma boa idéia ou algo "bem sacado" os spammers perceberão o potencial e tratarão de inviabilizar a ferramenta ou torná-la um tormento para quem usa.

  • Não sigo usuários fake. Teve um fakeinterney tempos atrás.

    Aliás, eu só não te sigo pq tu é um #$@%#@ q não segue ninguém e assim não usa o troço para conversar, q é a parte legal dele.

  • Eu comecei a usar para experimentar e formar minha opinião (e evidentemente fugir do "não vi e não gostei").

    Acho que ajuda a saber o que os blogueiros que mais leio estão pensando em fazendo (embora eu tenha desistido de ler o Fabio Seixas depois do Twitter), me deixa "antenada" de leve.

    Particularmente uso para falar do mercado financeiro (meus posts demandam mais estudos, por isso não falam sobre tudo o que acontece em empresas e ações), assim como para falar sobre o que estou pensando/vivendo, afinal de contas, eu sou mais do que o o dinheiro que falo.

    Mas, realmente, empresas usando twitter já foi. A Gossip Girl foi a última. O resto força a plataforma.

  • Eu sigo pessoas que conheço ou que alguém que eu conheço conhece e conversa bastante via twitter. Quanto a serviços/empresas concordo com a Lu Monte, sigo os que me interessam, como BBC, G1, Gafanhoto, Tim Festival, outros. Se tenho interesse em receber notícias sobre música, mundo, etc, acho até melhor seguir no Twitter do que no RSS, pois o Twitter fica o dia todo aberto e manda a informação já sintetizada, se me atrai o título, abro a url.

    Não estou dizendo que eliminei o RSS da minha vida, mas que o Twitter pode fazer esse papel também.

    Ahh, e comecei a seguir o @fiatspfw agora. :P

  • Suspeito? Parece muito claro quem é o "culpado"! E não há nada errado nisto, quem resolve seguir já sabe qual será sua relação com o "twitteiro" em questão.
    É só mais um canal de comunicação e o usuário é livre para aceitar, bloquear, ignorar, etc. Digamos que é um spam politicamente menos invasivo, já que meu twitter é público e meu email não.

  • Pingback: Twitter vs Seu Blog - Parou de postar porquê?!()

  • É… levando em conta que ninguém me segue, a não ser o Bruno Godoi(e fui eu que comecei), e meu Twitter é escrito por uma instância física de um site, que por sua vez é uma toupeira… não. Não sigo não.

    Tá, nem quando eu tiver meu Twitter de verdade, acho que fica na cara demais. Esses spammer podiam pelo menos TENTAR não parecer spam.

  • Não. Jamé.